Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lisboa Arruinada (41): os coretos de Lisboa

por Nuno Castelo-Branco, em 26.07.09

 

 

Os coretos podem ser interpretados como uma criação da civilização burguesa europeia e liberal. Ao povo eram proporcionados concertos por bandas filarmónicas militares ou de agremiações cívicas, neles se interpretando a grande música de então. Cultivava-se o gosto e democratizava-se o acesso ao que de melhor existia.  Há um pouco mais de um século, vendedoras de canastra à cabeça trauteavam árias da Traviata e nos mercados era comum escutar-se o diálogo cruzado entre Felisminas e Conceições, comentando o concerto de Domingo, oferecido à população pela banda X no coreto do Jardim da Estrela. Lá estavam famílias inteiras, acompanhadas pelo inevitável farnel. Falava-se, ria-se, ouvia-se música e no fim, todos se levantavam respeitosamente para entoar o lindíssimo Hino da Carta. Era assim, a Lisboa de oitocentos.

 

Recordo-me perfeitamente de ter assistido a algumas sessões musicais no velho coreto da Praça José Fontana, mesmo diante do então prestigiado e muito elitistamente povoado Liceu de Camões. Dada a distância relativamente ao Campo Grande onde morávamos, fomos muitas vezes a pé, naqueles passeios de tarde de Domingo, parando no Galeto para comprar um gelado Olá - talvez o Super Maxi - e logo, sentados diante do coreto, ouvíamos o repertório escolhido. Umas bandas eram inevitavelmente superiores a outras e as nossas preferências iam geralmente para as das Forças Armadas, exuberantemente ruidosas na estridência dos metais e que nos empolgavam sempre que executávamos qualquer marcha militar nossa velha conhecida.

 

Com o tempo e o progressivo enraizamento da mentalidade pequeno burguesa de um consumismo de imitação, as bandas foram sendo conotadas com o gosto dos pacóvios, bimbos e matarruanos de província.  A assistência foi envelhecendo e escasseando, pois os mais novos adoptaram outras formas de entretenimento e manifestação de uma bastante ínvia modernidade. As bandas deixaram de se apresentar em público, reservando-se para certas datas da localidade  onde se encontram sediadas. Sem música, sem espectáculo garantido e sobretudo, sem o necessário suporte dado pela desaparecida educação musical escolar, chegou ao fim mais um dos testemunhos daquele Estado liberal que apesar de tudo, tanto fez pela adequação do nosso país a uma Europa onde a participação cívica se confunde com a solidez das instituições. Bandas e coretos existem e existirão na Inglaterra, Holanda, Suécia, Bélgica, na Áustria e na generalidade dos países da Europa central e do leste.

 

O Portugal progressista e republicanamente moderno da terceira safra do regime, adequou-se à tal fase do espírito Bronx, com intermezzos da nova cultura musical popular, vulgarmente conhecida por pimbismo, onde pontificam vedetas como Toy, Toni Carreira e outros que tais. O pimbismo faz já as honras da casa em qualquer actividade político-partidária dos partidos da esquerda ou da direita, com a já muito ténue nuance de neste ou naquele, se escutarem por vezes, as entarameladas e fanhosas vozes de luta, dos idos do desastre de 1975.

 

Os coretos, esses, vão sendo arruinados pela grafitagem com o costumeiro personagem barbudo que se exercitava a disparar tiros na nuca dos adversários, enfim, um símbolo de uma certa estupidez militante. Acompanhando a imparável vandalização deste património, lá está a inseparável ferrugem, até que Por Bem, surja a disposição da benemérita Câmara Municipal de Lisboa que consagre a demolição. É esta a república avançada que nos prometeram.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:58


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Sandra a 26.07.2009 às 16:41


Não poderia estar mais de acordo...E na Holanda, testemunho que é assim.

Sabe outra coisa que vejo aqui onde quer que vá e não via há anos em Portugal? Realejos e lindos!!!

O que eu adoro ouvir realejo! Ouvia quando era miúda, mas depois deixei de ver :(

Também gosto da cultura do parque e do jardim... Raramente vou a centros comerciais. Na Holanda, só conheço dois. E pelo que sei, deve haver meia-dúzia, se tanto.

E assim continue, rezo eu...
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 26.07.2009 às 18:04

É a síndrome de um país de provincianos na acepção de Pessoa. Nuno ou muito me engano ou isto tem a ver com aquilo que Gonçalo Ribeiro Telles afirmou no Constituição 2.0, dos provincianos que vieram governar a cidade...
Sem imagem de perfil

De beatriz lamas oliveira a 10.09.2011 às 07:58

javascript:nicTemp(); (http://https://www.facebook.com/groups/207733852613318/)

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas