Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




de Aznar foi a redução do peso do Estado na economia espanhola". Texto de Ricardo Arroja, no Portugal Contemporâneo, a ler atentamente. Não foi por via de qualquer socialismo, seja qual for o rosto que adopte, que se saiu da crise.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:20


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.08.2009 às 13:45

Nenhum "sucialismo", como o português, por exemplo, resolve crises; antes pelo contrário...cria-as!
Abraço de lusibero
Imagem de perfil

De João Pedro a 07.08.2009 às 15:23

Eu discordo de boa parte do texto do Portugal Contemporâneo; é verdade que as políticas económicas de Aznar colheram bons resultados (embora estivessem assentes na tal bolha imobiliária que agora estourou, e que tantas ilusões criaram em Espanha). Mas é injusto reduzir os anteriores governos de Gonzalez a uma súmula de desgraças; Espanha passou pela "transicion", entrou para a NATO e CEE na mesma altura e durante vários anos atravessou um período de reconversão económica que provocou muito desemprego. Recorde-se que os espanhois não tiveram nenhum PREC e não tiveram os condicionalismos e nacionalizações por que nós passamos.
Sem imagem de perfil

De Aaoiue a 07.08.2009 às 16:43

Poco sé, pero yo diría que la burbuja inmobiliaria empezó por los años noventa, con Felipe González governando. De hecho, la ciudad en la que vivo pasó por un cambio drástico con las olimpiadas de 1992 (siendo alcalde Pasqual Maragall, socialista) y aumentó mucho (como 10 veces) el turismo, sobre todo el alcohólico y el de fin de semana, la prostitución, el tráfico de estupefacientes y todo lo que entraría en el terciarismo.
Imagem de perfil

De António de Almeida a 07.08.2009 às 18:12

Não foi por via de qualquer socialismo, seja qual for o rosto que adopte, que se saiu da crise.

-Nunca foi por via de qualquer socialismo que se registou crescimento económico, em Espanha ou qualquer outra parte do mundo.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas