Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Desta feita não é de ruínas que se trata,

por Cristina Ribeiro, em 13.08.09

 

mas da descaracterização da típica arquitectura de cada região.

Vinha eu a elogiar o  trabalho de preservação desenvolvido na parte mais a sul de Portugal, depois de admirar urbanizações inteiras de casas brancas, ou ocres,com as chaminés típicas, que me fizeram pensar no tanto de mal a que sujeitaram o meu Minho, quando, junto da marina de Albufeira deparo com estes apartamentos com todas as cores do arco- íris. Calei, e enguli muito do que acabara de dizer, de tão elogioso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:38


2 comentários

Sem imagem de perfil

De atrida a 13.08.2009 às 08:20

O Algarve não é só o litoral e não são só os aldeamentos. Tavira e Silves contam-se entre as cidades portuguesas que melhor souberam respeitar a sua especificidade. E vilas e aldeias do interior, como Querença, Alte, Salir e muitas outras, são autênticas jóias.
Sem imagem de perfil

De john a 13.08.2009 às 11:21

Tavira será provavelmente a cidade mais agradável do Algarve. Dá gosto passar lá uns dias.

O Algarve litoral entre Olhão e Lagos é lixo urbanístico, a bem dizer. Albufeira é um monstro, Portimão em breve será um monstro maior (se não for já). Há aldeamentos turísticos na zona de Sagres e Vila do Bispo mais bem planeados do que qualquer bairro de Albufeira.

De resto, os prédios berrantes da imagem são apenas uma cópia dos horríveis prédios que se construíram em algumas zonas de Lisboa...

Comentar:

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds