Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Há 70 anos: o pacto germano-soviético

por Nuno Castelo-Branco, em 23.08.09

 

Enquadrado pelos sorridentes Estaline e Ribbentrop, Molotov assina os acordos germano-soviéticos

Exactamente há setenta anos, assinava-se em Moscovo o Pacto germano-soviético que estabelecia a divisão da Europa oriental entre o Reich e a URSS. Assinado pelos ministros Ribbentrop (Alemanha) e Molotov (URSS), cumpria-se assim a estratégia política de Hitler e de Estaline. Vantagens comerciais, anexação de Estados limítrofes e transferência de populações, foram alguns dos acordos celebrados, permitindo o desencadear da guerra entre os alemães e os aliados anglo-franceses. 

 

Tema incómodo para os sobreviventes dos regimes concentracionários* da Guerra Fria, foi sempre interpretado como ardilosa manobra estalinista que visava ganhar o tempo necessário à preparação bélica dos soviéticos. A estreita cooperação entre ambas as forças armadas, a troca de prisioneiros, a colaboração policial (Gestapo e NKVD), o precioso fornecimento de matérias primas estratégicas à Alemanha e a cobertura diplomática russa à acção do Reich junto de potências secundárias, desmentem a falaciosa interpretação desde cedo gizada pela historiografia oficial promovida pelo Kremlin. De facto, o mapa da Europa central e oriental é ainda hoje uma directa consequência do Tratado assinado em 23 de Agosto de 1939.

 

*Dizia há uns tempos o Avante!

 Surge assim, naturalmente, a figura de Stáline, que não pode ser isolada dos outros dirigentes, tal como o PCUS não podia encontrar-se isolado da vontade dos milhões de soviéticos, comunistas ou não.
Mas a história, já se sabe, reescreve-se facilmente. E se, na Rússia de hoje, apesar dos tempos negros que se vivem e da obscuridade lançada desde há muito sobre os factos e os seus significados, voltam a aparecer cidades em que se dá o nome de Stáline a ruas, há logo quem, lá mesmo, venha advertir sobre os «crimes» cometidos ou não pelo revolucionário soviético. Foi o que pressurosamente fez Gorbatchov, que afirma não perdoar e alerta para este sobressalto russo que torna a elogiar Stáline. Diz ele que se não deve a vitória a Stáline. Estaríamos de acordo, se Gorbatchov pretendesse revelar que, para além do dirigente, há o povo. Certamente. O que ele não pode negar é que, se Stáline teve o seu papel na vitória ao lado do povo, Gorbatchov teve o papel principal na derrota do socialismo, acompanhado apenas por arrivistas e traidores de que se rodeou para torpedear a mais brilhante conquista da história da humanidade.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:03


1 comentário

Sem imagem de perfil

De lusibero a 24.08.2009 às 00:04

CADAVEZ MAIS ME CONVENÇO QUE A POLíTICA É O ASSUNTO MAIS SUJO DA HISTÓRIA DA HUMANIDA
DE!
LUSIBERO

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas