Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ainda a ideologia, a política e a religião

por Samuel de Paiva Pires, em 01.09.09

 

(Henrique VIII, imagem tirada daqui)

 

Não tenho sequer um centésimo do arcabouço intelectual do Corcunda, que conheço pessoalmente e que respeito pela coerência, inteligência e pela simpatia que o caracteriza. Faltam-me leituras, muitas leituras, e estudo, muitas horas de estudo, para almejar sequer colocar a discussão no complexo patamar a que já nos habituaste (e saúdo o facto de teres voltado a escrever, julgo que após umas merecidas férias, aproveitando para confessar que estou honrado por ter sido em referência a uma discussão que envolveu a minha pessoa) que, em minha opinião, só encontra paralelo na blogosfera lusa na pena digital do Professor Maltez e do Miguel Castelo-Branco.

 

Considero que o diálogo e a crítica são das mais saudáveis e nobres actividades humanas. Não posso, no entanto, deixar passar em branco extrapolações que não fiz. Na realidade, concordo totalmente com os segundo e terceiro parágrafos do teu post. Como mera curiosidade, diga-se de passagem que só não fui baptizado protestante porque o Bispo de Londres anuiu ao pedido dos meus pais para que o padre de Bolungarvik me baptizasse em casa, segundo o rito católico. Se o facto de ter nascido em um país protestante (Islândia) de alguma forma condicionou a minha forma de estar, é uma incógnita. Mas sem dúvida que o liberalismo e a própria democracia liberal estão intimamente ligados ao protestantismo, e os meus pontos de vista talvez estejam mais próximos deste, no que à teoria política diz respeito.

 

Comecemos pelo que afirmação do Corcunda de que "ao contrário do que supõe o Samuel, ao liberalismo nada pode ser imputado no sentido de separação da esfera política e religiosa". Eu não suponho nada disso. Até o liberalismo de inspiração francesa é mais religioso que o catolicismo, e o marxismo é tão ou mais milenarista e apocalíptico do que o cristianismo. Ambos lemos a Morte da Utopia do Gray, sabemos do que falamos, e o Corcunda muito mais do que eu,  portanto esta confusão não tem sentido algum. Eu apenas disse que "simplesmente encaro a religião como um assunto que apenas diz respeito à vida privada de cada indivíduo e, como liberal que sou, encaro a Igreja como um grupo social como outro qualquer, com total direito a exprimir as suas opiniões". E como decerto sabes, o protestantismo, tendo a liberdade individual como máxima, permite que cada qual encontre o seu caminho para Deus da forma que preferir, daí resultando a intensa proliferação de Igrejas protestantes extremamente diversificadas. Já agora, se isto é bom ou mau, não me compete a mim julgar. Importa no entanto notar que, pela negativa, os países protestantes se vêem a braços com a proliferação de outras religiões que se pautam pela intolerância e ameaçam a liberdade individual. O protestantismo é naturalmente caracterizado pela descentralização (uma característica das democracias liberais dignas desse nome), por oposição ao catolicismo de inspiração centralizadora - mais uma vez, não estou a criticar negativamente, até porque se assim não fosse talvez a independência Portuguesa garantida por D. Afonso Henriques não tivesse sido possível - obviamente foi o beneplácito papal que a sacralizou - e até talvez a aventura portuguesa dos Descobrimentos não tivesse tido o sucesso que teve - não nos esqueçamos da missão civilizadora imbuída do carácter apostólico.

 

Quanto à "própria ideia de que a comunidade política não se deve submeter a uma concepção de Bem (que o Samuel parece aceitar como axioma, vindo sabe-se lá de onde)", é muito fácil. É que o Corcunda ou o Afonso Miguel, como os integralistas e certos direitistas, pugnam por uma completa submissão da política à religião católica e à concepção de Bem Comum que dessa advém. Isto é tão rousseauniano quanto utilitarista (Helvétius, Bentham), e está tão presente nas ideologias nazi como comunista. Schumpeter ou Berlin demonstraram magistralmente que não há qualquer Bem Comum ou Vontade Geral. Eu não sou colectivista ou totalitarista e, como tal, não posso tolerar um sistema que por englobar toda a sociedade nas suas concepções se torna intolerante. Quem é que tem mais legitimidade para definir qual a concepção de Bem que me satisfaz? Eu ou os outros? Lamento, para mim continuará a ser a minha pessoa. Portanto se esta "é uma ideia política luterana e que seria impossível em qualquer contexto religioso não-protestante", ainda bem que vivemos numa democracia liberal e que mesmo pensando assim tenho a liberdade de continuar a ser um católico, pouco praticante, confesso, mas que encara a Igreja como um actor social como qualquer outro - e se me quiserem chamar de herege, estejam à vontade, mas parece-me que a Igreja Católica é, hoje em dia, mais tolerante do que muitos daqueles que mais dizem defendê-la e que por se tornarem dogmáticos e intolerantes à crítica, acabam por prejudicar a imagem desta. Bom, mas não vale a pena ir tão longe, é que não é só hoje em dia. A tolerância que o Corcunda diz que os liberais tornaram em religião de Estado, é mais premente no catolicismo do que no protestantismo, ou não tivesse Gil Vicente caracterizado magnificamente essa Nobre personagem que pecava mas que a Igreja perdoava a troco de dinheiro. Aliás, em que país protestante é que José Sócrates ainda estaria no poder depois de ter mentido acerca da licenciatura? Nenhum. O protestantismo, porque contratualista, não admite desvios ao que se contrata. Quem sou eu para o dizer, mas talvez o conceito de tolerância seja um pouco mais multidimensional e menos linear do que o que o Corcunda parece pensar.

 

Quanto ao último parágrafo do teu post é que me parece que acaba por fazer cair pela base a construção dos dois anteriores. Logo a começar, eu apenas afirmei que não gosto de misturar religião com política (porque discussões do género estão condenadas à partida a não levar a lado algum e a acirrar ódios irracionais na maior parte das pessoas), e se digo que a Igreja é um actor social como qualquer outro e, por isso, com direito a exprimir as suas opiniões, obviamente derivadas do elemento religioso que dá consistência à sua existência e acção, naturalmente que a Igreja tem influência na política. Isto parece-me lógico, mas talvez não me tenha exprimido bem.

 

Mas o que me parece mais curioso e caricato é esta extrapolação "Afirmar que se é tradicionalista “anglo-saxónico” e que se prefere um Estado laico é o mesmo que um comunista que adora a economia de mercado". No meu post, refiro-me ao método continental e afrancesado da revolução, por oposição ao método tradicionalista anglo-saxónico de incorporação das revoluções e da continuidade, ideia eminentemente conservadora, sobre a qual Ortega y Gasset discorreu, e era a isto que me referia.

 

Posto isto, o Corcunda conclui dizendo que (peço desculpa pela repetição, apenas para enquadrar) "Afirmar que se é tradicionalista “anglo-saxónico” e que se prefere um Estado laico é o mesmo que um comunista que adora a economia de mercado. Haveria alguma possibilidade de haver conservadorismo britânico num Estado Laico? Essa é que não passa mesmo pela cabeça de ninguém…". E com esta extrapolação é que fico confuso. Ora se "A própria ideia de que a comunidade política não se deve submeter a uma concepção de Bem (que o Samuel parece aceitar como axioma, vindo sabe-se lá de onde) é uma ideia política luterana e que seria impossível em qualquer contexto religioso não-protestante", significa que, logicamente, eu estarei mais próximo do protestantismo (e do ponto de vista da teoria política não me parece que hajam dúvidas, depois do que acima expus) e do conservadorismo anglo-saxónico. Invertendo a questão, parece-me então que talvez não passe mesmo pela cabeça de ninguém que se possa ser conservador e tradicionalista anglo-saxónico e em simultâneo acerrimamente católico. Como há dias escreveu o Afonso Miguel em relação à minha pessoa, ou não é assim e não era nada disto que o Corcunda queria dizer? É provável...

 

Ou afinal o protestantismo e o catolicismo são mais idênticos do que se possa pensar? Ou eu não percebo nada disto? Também é provável, portanto, desculpem lá qualquer erro ou incoerência.

 

(P.S. - Agradeço à Cristina por se ter ocupado das nomeações e prémios nos últimos dias. E agora, se me permitem, vou voltar para a minha tese sobre a política externa portuguesa).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:58


5 comentários

Imagem de perfil

De Manuel Pinto de Rezende a 02.09.2009 às 00:31

penso que a discussão se perdeu em preciosismos de vocabulário, em vez de discussão sobre noções.
a ideia de que se pode convencionar que se pode ser isto e isto, mas somente não se sendo aquilo, a mim, parece-me ridícula do ponto de vista racional.
Sem imagem de perfil

De Miguel Castelo-Branco a 02.09.2009 às 08:42

Seguir com atenção este debate que promete.
Sem imagem de perfil

De O Corcunda a 02.09.2009 às 23:06

Caríssimo Samuel,

Agradeço-te os elogios e desconto a exagerada modéstia acerca das tuas capacidades, sabendo-se que se houvesse uma desproporcionalidade de capacidades entre nós, seria impossível termos esta conversa. Escusado será dizer que aprecio muito estes diálogos e que espero deles saia mais um bocado de luz para nos guiar. E que aprecio sempre uma boa provocação.

Resumo o meu argumento em pinceladas toscas:

1) Tudo o que falamos em política ou não interessa (é direito, ou comunicação, ou administração) ou é, em diferentes medidas, religioso (ou metafísico, para ser mais preciso).
2) Aceitarmos a religião como assunto privado é uma posição protestante e que não contribui para um Estado Neutro (tal coisa não existe), mas para a imposição das concepções protestantes na sociedade. Estas, como tudo o que é protestante, vêm mascaradas de secularismo, mas não deixam de ser imposições de uma forma de pensar sobre outra.
3) Apresentar a Tolerância como suprema virtude política é um reflexo dessa mesma imposição de uma forma de pensar sobre outra.

Ora, do teu texto, percebe-se (salvo explanação tua):

1) Que aceitas a figura de um Estado Neutro (contra o argumento do Gray, mas também contra os pensadores católicos), como fundamentadora da superioridade do liberalismo (identificando toda a Doutrina Católica Política prévia ao Concílio V2 com o nazismo e o comunismo).*
2) Que consideras a Tradição Britânica como um exemplo dessa tradição de liberdade protestante?
3) Defendes a incorporação dos vários acervos revolucionários no seio da tradição, como parte desse método anglo-saxónico.

As questões que me ponho acerca disto são:

1) Será que o Estado Neutro é um legado do conservadorismo anglo-saxónico? É que não é nada disso que eu vejo na história do pensamento ocidental, nem na história do conservadorismo. Pelo contrário, o que vejo no pensamento conservador é a manutenção na sociedade política de um conjunto de preconceitos como suprema ideia política.

2) Na tradição anglo-saxónica, de Burke a Disraeli, a JH Newman e até mesmo a Oakeshott não existe sequer essa ideia de neutralidade do liberalismo. A própria ideia de que o liberalismo pode ser a fonte conceptual de uma sociedade vai contra esse legado. Só mesmo na tradição anglo-saxónica de Dahrendorf, Berlin, Hayek e Popper é que os princípios liberais da sociedade se autonomizam e surgem como elemento conceptual estruturante da sociedade. Uma tradição britânica onde nem um era britânico...
3) A admissão dos corpos estranhos revolucionários não é a antítese da tradição britânica? A tradição anglo-saxónica já possui em si a democracia, ou precisa de ser adulterada para gerar aquilo que os democratas tanto louvam.

A minha questão é muito simples em relação a este texto.
Já vi que prezas a tolerância como virtude suprema da política (é em referência a esta que avalias a Igreja e a sociedade), mas para que esta seja a virtude de toda a sociedade e não uma preferência meramente pessoal esta terá de se fundar em algo mais do que na tua preferência. A alternativa é aceitar que a tolerância seja socialmente facultativa, o que destrói a democracia. Nenhum conservadorismo-liberal pode sobreviver sem responder a esta questão...

Em relação ao “contra-senso”, a resposta é muito simples. Há mais afinidades entre os anglo-católicos, o Oxford Movement, o TS Eliot e mesmo o Scruton e o jusnaturalismo clássico católico, do que entre o protestantismo do Estado Neutro e qualquer corrente conservadora digna desse nome.

Ah, e nem sabia que eras católico! Por isso nunca me achei em posição de sindicar as tuas inclinações religiosas... Só o faço quando alguém fala como católico e considera o seu posicionamento como decorrente da sua catolicidade.

Um abraço
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 04.09.2009 às 00:44

Caríssimo Corcunda,

Estou sem tempo por agora, mas prometo tentar deixar não uma resposta mas algumas reflexões a propósito do que colocas. É que não me parece que tenha respostas ou certezas, talvez tenha mais perguntas...

Um abraço
Sem imagem de perfil

De O Corcunda a 04.09.2009 às 00:56

Caríssimo,

Quando tiveres tempo...
E boa sorte para o trabalho de Pol. Ext.
Já sabes...

Um abraço

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas