Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




foram tomadas pela direita ", ** disse Paulo Portas, e exemplificou. Mas há muito esse mito, de que a esquerda tem o monopólio do " humanismo ", como disseram a jornalistas do DN dirigentes do PS aquando de uma reunião do partido em Santarém há dois ( ? ) anos. Nem em Portugal nem a nível internacional, como já evidenciou aqui * o Pedro Félix, ao realçar o papel de, nomeadamente, Disraeli. Um mito corrosivo, criado por oportunistas sem escrúpulos, que urge combater.

 

 

*no Novo Rumo

 

** diria antes: também pela direita

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:35


6 comentários

Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 11.09.2009 às 23:21

Ver debates onde cada um se diz mais social que o outro é algo triste. Preferia que eles o fossem na prática.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 11.09.2009 às 23:25

Mas, Daniel, ele deu exemplos práticos.
Imagem de perfil

De João Pedro a 12.09.2009 às 01:00

Não estou muito de acordo, Cristina. Haverá exemplos em que isso aconteceu (até se pode falar de Marcelo Caetano, por exemplo, que introduziu a Caixa de Previdência, à época um autêntico seguro de vida para tantos idosos), mas no governo onde Portas tomou parte as medidas sociais foram escassas. Houve uma má administração do Rendimento Mínimo Garantido por razões orçamentais, sem que houvesse o necessário equilíbrio entre o corte cego de qualquer maneira e a prodigalidade do tempo de Guterres.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 12.09.2009 às 14:33

Claro que não foi só a direita, João Pedro, mas ele deu exemplos de medidas tomadas pelo governo de que fez parte, e não foi refutado.
Sem imagem de perfil

De Luísa a 13.09.2009 às 14:12

O equívoco, Cristina, é que, para uma certa esquerda, a do poder, os mais desprotegidos eram os próprios políticos, que se acolheram à política para deixar de o ser. E não é que deixaram mesmo! ;-D
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 13.09.2009 às 17:35

Bem apanhado,Luísa...

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas