Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




39 anos depois da sua morte

por Samuel de Paiva Pires, em 15.09.09

 

(imagem tirada daqui)

 

Salazar continua na boca de todos. E ou muito me engano ou ainda virá à baila o fássismo, feixismo ou lá o que é. Portas compara Louçã a Salazar, Sócrates e João Soares insinuam que Manuela Ferreira Leite será um sucedâneo do ditador. Parece-me é que os políticos muito pouco democráticos que nos têm (des)governado terão um qualquer desejo secreto de governar em condições idênticas às de Salazar, e de ver o seu nome inscrito nos anais da História, à semelhança deste. Deixo aqui apenas aquilo que António Barreto há tempos escrevia:


"Trinta e cinco anos depois de Abril, a democracia continua a viver à custa de Salazar e da sua queda. Parece que o regime democrático e a liberdade nada têm a oferecer ao povo para além do derrube do ditador. Que, aliás, não foi do próprio mas do sucessor. Aqueles partidos e aquela instituição vivem obcecados. Sentir-se-ão culpados? De quê? De não terem sabido governar o país com mais êxito e menos demagogia? De perceberem que a população está cada vez mais cansada da política e indiferente aos políticos? Preocupante é haver alguém que pense que aquelas imagens produzem algum efeito! A política contemporânea é de tal modo medíocre que o derrube do anterior regime é ainda mais importante do que o novo regime democrático. Essa é a mágoa! Trinta e cinco anos depois, a liberdade e tudo quanto se vive não são já mais importantes do que aquele dia de derrube."

 

Se de cada vez que o seu nome fosse invocado Salazar recebesse 1 euro, por esta altura já seria dono do Céu. Ou do Inferno.

 

(também publicado no Novo Rumo)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:17


4 comentários

Imagem de perfil

De João Pedro a 16.09.2009 às 00:00

Esse artigo foi escrito depois do 25 de Abril e das sessões e discursos respeitantes. E com grande sentido de oportunidade. O fantasma de Salazar tarda em deixar-nos. Tal como o do Marquês de Pombal assombrou as gerações que se lhe seguiram.
Sem imagem de perfil

De http://bacharelsocrates.blogs.sapo.pt/ a 16.09.2009 às 08:52

Porque será que o governo passa cheques carecas ás crianças?

È que os dentistas já não os aceitam


http://bacharelsocrates.blogs.sapo.pt/
Sem imagem de perfil

De Daniel Nunes Mateus a 16.09.2009 às 17:03

Se o fantasma de Salazar, teima em deixar-nos, podemos agradecer a personalidades como Machado Santos, Afonso Costa, Bernardino Machado, Óscar Carmona, Egas Moniz...
Ainda continua-se a pensar que o nome de Salazar,. está escrito nos anais da História, por mero acaso. Como se ele tivesse feito uma obra notável. Como se ele tivesse salvado o país por sua mão divina. Desenganem-se! A Republica nunca existiu! A unica coisa que Salazar fez, foi dar continuidade ao 5 de Outubro e arranjar todos os mecanismos, que, lhe permitissem prepetuar-se no poder, ou, seja dar personalidade juridica as instituições que na prática existiam antes dele: Censura, PIDE, etc e tal. E com a subjugação do parlamento a si próprio, foi, facil por a ordem nas ruas. Pois ele não dependia dos deputados. É isto apenas
Sem imagem de perfil

De rui de brito a 17.09.2009 às 17:21

O meu avô era republicano e ficou muito penalizado com o assassinato do Rei. O meu pai Era democrata convicto e sempre afirmou que Salazar era uma inteligência. E assim fui educado. O que falta à esmagadora maioria destes toscos é falta de estudo,procura de isenção e mundivisão. Um abraço.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas