Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vasco da Gama e o Samorim de Calecute

por Nuno Castelo-Branco, em 17.09.09

  

 

 Independentes dos pruridos anglo-saxónicos que absorvem em proveito próprio os feitos de outrem, os historiadores alemães oferecem uma visão bastante equilibrada e imparcial do período dos Descobrimentos portugueses. Nitidamente enfeitiçados pelo esmagador testemunho de documentos, presença nacional nas pedras de armas espalhadas pelo globo e ainda mais importante, pela narrativa contemporânea que em paragens distantes autenticam acontecimentos que para muitos europeus sofriam a canga da lenda que os condenava à insignificância, estes alemães produzem grandes programas televisivos.

 

Bem ao contrário do madrilenamente enfeudado Canal de História, o Discovery Civilization transmitiu hoje um interessante trabalho sobre Vasco da Gama, num claro confronto deste com a personalidade de Colombo, desmontando até à real dimensão, aquilo que para a Europa daquele tempo significou a viagem até às Caraíbas. Situando perfeitamente a epopeia de Gama no tempo e no contexto histórico e económico, demonstrou o que para a Europa e o mundo representou o caminho marítimo para Índia, assim como as suas directas repercussões para a primeira construção de uma economia que a partir daí, verdadeiramente se globalizou. 

 

Tendo sido deslocado o eixo do poder económico mundial para ambas as margens do Atlântico, o progressivo subalternizar da presença portuguesa no Índico e no Pacífico Ocidental consistiu numa fatalidade que paradoxalmente alçou a uma dimensão desmedida, a viagem de Cristóvão Colombo, em nome de uma Espanha que os ingleses relegaram para a Lenda Negra. Uma pequena gesta de poucas semanas, uma ilha caribenha e a teimosia de um encontro que jamais aconteceu, serviram como palco para a construção anglo-saxónica de uma certa história que consagrava a hegemonia do hemisfério ocidental. Se o nome de Vasco da Gama ficou, os de Francisco de Almeida ou de Afonso de Albuquerque permanecem ainda vivos naquele Oriente que lhes deu a eterna fama. Hoje, homens como Diogo Cão, Bartolomeu Dias, Corte-Real, os exploradores das ilhas e costas do Atlântico Norte, o Cabral e tantos, tantos outros, são amesquinhados num constante apagar da memória, surgindo apenas em obras especializadas e acessíveis ao interesse de uns poucos. Embora ainda seja facilmente identificável Fernão de Magalhães, a involuntária - mas profícua - aliança espano-anglo-americana na historiografia, castelhanizou-lhe o nome, com ele se denominando sondas espaciais ou institutos. Neste momento de acenada "inevitabilidade iberista" que liquidará - desta vez para sempre - uma memória quase milenar, surge cada vez com maior probabilidade, um súbito reacender de uma chama quase extinta. O alvorecer do poder global de duas grandes potências asiáticas - a Índia e a China -, apontam para essa nova oportunidade lusitana de afirmação e neste sentido, o espírito prático e consciencioso dos alemães, tem servido para mostrar à pouco interessada Europa, o verdadeiro peso histórico - que implica a correspondente gratidão - do talvez mais ignorado país que dela faz parte. Portugal é para os indianos, tailandeses, birmaneses, cingaleses, indonésios, malaios, chineses e japoneses, o elo essencial que hoje lhes promete a visibilidade daquela corrente contínua que neste século XXI oferece o regresso a um poder, sucesso e progresso há muito perdidos. Este movimento pendular da economia e da finança - sempre acompanhados pela inovação ousada -, torna inevitável o cada vez mais evidente papel que os portugueses tiveram na criação de nações e na adequação destas ao novo mundo chamado gâmico. 

 

É urgente uma aturada revisão dos manuais escolares, já há tanto tempo submetidos ao crivo de um alegado politicamente correcto para uma geração que chega agora ao fim dos seus dias. A História de Portugal que em boa parte se mundializou, é fruto do interesse abnegado de um grande número de estudiosos de enorme valor científico, completamente independentes dos desígnios egoístas de uma ou duas gerações dirigentes que nela viram a ameaça a uma legitimidade política que aliás, nunca esteve em causa. O inferior complexo de culpa colectiva, prodigamente alimentado pela ignorância atrevida e acintoso preconceito, consiste num vetusto resquício supersticioso de uma época passada e derrotada pela verdade que a informação a todos hoje se disponibiliza. Oxalá as nossas autoridades sigam o bom exemplo alemão e ofereçam ao nosso corpo discente, as ferramentas essenciais á formação do tão almejado espírito cívico: a certeza daquilo que somos e o porquê do sucesso já quase intemporal de uma pequena nação do extremo ocidental da Eurásia.

 

Como curiosidade, o dito programa sobre Vasco da Gama, chegou ao fim com uma breve e bastante elucidativa entrevista com o actual Samorim de Calecute, ainda considerado como o reconhecido potentado daquelas paragens. O anel, o cordão e a pulseira de tornozelos que um dia o Vice-Rei ofereceu ao seu longínquo antepassado, ainda fazem parte do espólio pessoal que simboliza a verdadeira e mais forte soberania: a da memória.

 

 

 

*  Nas duas fotos, os actuais descendentes do Vice-Rei e do Samorim: Vasco Telles da Gama e o Samorim de Calecute,  Shri P. K. S. Raja

 

O actual Samorim, numa cerimónia em Calecute

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:36


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Ze coiso a 18.09.2009 às 04:32

E eu a pensar que "o" descendente - o representante - de Vasco da Gama era o Marquês de Nisa...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 18.09.2009 às 15:30

Bem, não sei se o Vasco T. da Gama é o representante, mas que é descendente do navegador, lá isso é!
Sem imagem de perfil

De Miguel Neto a 18.09.2009 às 11:27

Excelente texto, Nuno. Excelente. Devia ser de leitura obrigatória e recorrente nas escolas e por todos os que têm a pretenção de reflectir sobre a estratégia de desenvolvimento nacional.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.10.2009 às 21:36

em 1982 tive o prazer de conhecer e conviver diáriamente com Sebastião Teles da Gama, à data o descendente mais directo do Vasco da Gama, entre várias histórias contadas por ele, há uma do Marquez de Niza relatada no L'monde, que é fabulosa....

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas