Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




De volta a Portugal

por Samuel de Paiva Pires, em 12.10.09

 

Depois de uma semana por Kiev, cidade que, confesso, não deixa muitas saudades, principalmente tendo em consideração a responsabilidade dos soviéticos na destruição do património histórico que a Kiev de tónica mais imperial tinha, volto a Portugal e continuo com o mesmo sentimento que já me vem assolando há algumas semanas, no que diz respeito a comentários e análises à actualidade: estou sem paciência.

 

Estando a trabalhar durante o dia, tendo aulas de mestrado à noite (que para mim só começam amanhã), e com muito trabalho pela frente ao longo do próximo ano, confesso que a boçalidade que caracteriza a vida pública do país se tem tornado demasiado atroz para que me digne sequer a desperdiçar o pouco tempo que me resta a comentar seja o que for. Ainda bem que o período eleitoral está terminado. Já estava a ser demais tanto espectáculo de uma pobreza franciscana, que em pouco ou nada ajuda o país.

 

Acrescente-se a isto as leituras de cabeceira dos últimos tempos, que, de facto, só alimentam este sentimento. Um, Pulido Valente, dá-nos um excelente retrato que permite perceber como tem vindo a funcionar o país desde 1820 (Portugal - Ensaios de História e Política). Outro, Medina Carreira, proporciona-nos uma ilustração fiel do abismo para onde nos vamos paulatinamente dirigindo (Portugal Que Futuro?).

 

Qualquer sentido de desinteressado serviço público, ao país e à nação, está condenado ao fracasso no contexto de degenerescência acentuada em que nos encontramos. Em grande parte fruto de uma questão cultural e educacional, como aponta Medina Carreira. Já Popper, quando se começou a aperceber da forma como o relativismo estava a afectar negativamente as democracias e os seus sistemas educacionais, tentou relembrar que a maior aspiração da democracia sempre foi a de elevar o nível educacional. Infelizmente, como tantas vezes por aqui tenho escrito, não é o que se verifica em Portugal, o que só acresce aos mais ridículos debates político-partidários a que podemos assistir quase todos os dias.

 

Sou um democrata e um liberal por definição, no que diz respeito a ideais, mas não posso deixar de reconhecer que a democracia portuguesa é cada vez mais, apenas e só, a demagogia de uma série de indivíduos que vão (des)governando a nação, justificando-se com a ditadura da maioria. Nada que não se pudesse antecipar, dada a democracia  de inspiração jacobina que temos em Portugal.  E isto exaspera-me.

 

Junte-se a isto o facto de sentir que muitas vezes me estou a repetir, e que preciso de usar o pouco tempo disponível para ler muito, para estudar, para reflectir, e cada vez tenho menos disposição para comentar seja o que for. Às tantas já nem sei bem o que ando aqui a fazer. Espero que as aulas do mestrado em Ciência Política me dêem novo alento para voltar a sentir aquele gosto pela escrita blogosférica que até há uns meses me animava. Até lá, peço desculpa aos amigos e leitores mas não ocuparei muito tempo a comentar a actualidade política portuguesa. Remeter-me-ei, no essencial, à política internacional e à teoria política, quando me parecer pertinente. Talvez esteja mesmo é a precisar de férias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:34


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Miguel Castelo-Branco a 12.10.2009 às 02:58

Samuel:
Acabou o que restava do velho Liberalismo dos senhores. O dique rebentou. Agora entraram em cena as massas que os senhores liberais usavam como adereço literário. Custa cair na realidade. É assim por todo o mundo. Não querem educação; querem futebol. Não querem elevação; querem festa. Não querem serviço; correm à mesa das vitualhas. O resto não conta.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 12.10.2009 às 11:58

Infelizmente sou obrigado a subscrever Miguel. Há qualquer coisa que parece estar em falta por todo o lado, não sei bem o quê.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 12.10.2009 às 12:25

Nada de novo. Ao fim de três décadas, pouco mudou. Já agora, soubeste do apoio do sr. Medina Carreira ao sr. António Costa? Não era o dito Medina que arrasava as adjudicações sem concurso, as negociatas imobiliárias, os contentores em Alcântara, etc, etc? Pois é, mais um...
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 12.10.2009 às 14:35

Pois ainda não sabia, realmente é um pouco incoerente, enfim...
Sem imagem de perfil

De Augusto Canedo a 13.10.2009 às 02:24

Caro Samuel de Paiva:
Passei por aqui, como quem não quer a coisa, e deparei-me com a consternação dos circunstantes pela sensaboria da vida pública portugesa.
Deixe-me que o felicite pela elevação do seu blog, neste marasmo que é a cultura blogosférica nacional.
Vou-lhe contar uma história: era uma vez um cavalheiro que caiu à água, não sabendo nadar. Já no fundo do mar, enquanto fenecia, ainda teve tempo de reparar que a água estava demasiado fria, tendo desejado ter caído antes no fundo duma piscia aquecida.
Aquele desgreaçado, no seu estertor, não se apercebeu que o que o estava a matar não era a temperatura da água, mas a própria água em si.
Também à nossa volta pululam críticas como a sua, no sentido de que é necessário melhorar a qualidade da nossa democracia, sem se aperceberem de que é a própria democracia que nos está a matar.
Democrata e liberal por definição, quando a Pátria está a arder?l
Que Deus lhe perdoe, Senhor Samuel de Paiva!
Cumprimentos.
Augusto Canedo, escritor de Ciência Política, contra-revolucionário e tudo.
Sem imagem de perfil

De Miguel Neto a 13.10.2009 às 15:23

Como eu o compreendo Samuel. Ainda ontem, ouvindo os comentários dos co-ordenadores autárquicos aos resultados das eleições, senti-me insultado. "Eles" (ou muitos "deles") devem pensar que as pessoas são idiotas!

Acho que os portugueses não estão deprimidos por causa da crise. Acho que estão deprimidos porque olham, vêem e ouvem estas (pseudo)-elites políticas e deixam de acreditar num futuro melhor.

Há muita gente a sentir isso. Não existe forma é de juntar toda essa gente para dar força ao seu descontentamento e fazer ouvir as suas exigências de maior qualidade na intervenção e na condução da coisa pública.
Sem imagem de perfil

De Rui de Brito a 14.10.2009 às 16:23

Eu já perdi a paciência e escrevo no blogue por razão de disciplina mental. Tenho 78 anos e conheço bem as fraldas de muita gente! Vocês que são jovens não desistam porque a hora da verdade há-de chegar...mas serão tempos dramáticos.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas