Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




henry adams

por Manuel Pinto de Rezende, em 25.10.09

All Civilisation is Centralisation.

All Centralisation is Civilisation.

Therefore all Civilisation is the survival of the most economical (cheapest)...

Under economic centralisation Asia is cheaper than Europe.

 

The world tends to economic centralisation.

Therefore, Asia tends to survive, and Europe to perish.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:42


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Vitor Ferreira a 26.10.2009 às 05:00

De Bulhão Pato recomenda-se a leitura das "Memórias" (3 vols .) que preparei para edição na > e que saíram em 1986 acompanhadas por um outro volume, "Vidas Íntimas de Homens Ilustres". Os volumes receberam, todos, curtas notas informativas - um total de c. de 1.000 - e são um manancial de assuntos e personagens que o Bulhão Pato arquivou para conhecimento futuro. Tratadas romanticamente, ficaram como importante testemunho de uma época de que ele foi um dos representantes, aliás, banhado numa luz de elegância, autor de ditos espirituosos, amante do odore di femina, bom no uso da espingarda de caça, estimado por muitos e ridicularizado por outros (Eça tê-lo-á apresentado como o "poeta Alencar" em "Os Maias"), avesso a benesses e a sinecuras, morreu tal como sempre vivera, modestamente, numa pequena casa que fica nos limites do campo da Universidade na Costa da Caparica e não deixou descendência. Também nos fala da Caparica que mais não era, então, do que juncais, tocas de coelhos, asotas de pescadores. Passará, em 2012, o 1º centenário do seu falecimento; será que a Câmara Mun. de Almada fará a comemoração? Ou fará como Albino Forjaz de Sampaio que ao tomar conhecimento do seu passamento terá dito, mais ou menos, isto: Julgava-o morto há 20 anos.
O "Patinho" estava nos 83 anos, uma idade avançada para a época. Muito haveria a escrever mas quero realçar o gosto de saber que ainda há qem leia abecerragens de um tempo que passou e que marcou a sociedade portuguesa, a das últimas gerações da Monarquia, de um certo esplendor literário, das expedições e aventuras africanas, da forte emigração para o Brasil, dos "melhoramentos materiais" - ainda que ténues e dispersos-, do "fosssilismo e progresso", da intensa vivência teatral em Lisboa, da dependêncua cultural de França, de um parlamentrismo em que era mais visível o interesse partidário e pessoal do que o interesse nacional, de uma Constituição - a Carta Constitucional reformada! - que alimentava a vida parada da Nação, etc.
Quanto à sua poesia, o próprio Camilo - que Pato incensava - escreveu coisas pouco agradável. Dessa quantidade de livros de livros com poesia que publicou ficaram alguns poemas que ele terá esquissado à volta da intensa luz de Cesário sem, no entanto, conseguir ultrapassar a sua veia de ultra-romântic.Desculpem o curto arrazoado Haveria, e há, muito mais para escrever. VF
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 26.10.2009 às 13:29

Arrazoado bom de se ler; pena não ter escrito mais...
A procurar essas « Memórias ».
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 26.10.2009 às 18:46

P.S. Acabo de saber que cá em casa as têm. Uma questão de tempo, portanto.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas