Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O que têm em comum Rita Rato e José Saramago?

por Samuel de Paiva Pires, em 27.10.09

Além de serem comunistas, são igualmente ignorantes e boçais nas respectivas afirmações recentes.

 

 

Saramago destila ódio contra a Bíblia, ao mesmo tempo que mascara as atrocidades do comunismo. Esquece-se que a forma muitas vezes se sobrepõe à susbstância, e por mais razão que pudesse ter, a forma como se manifestou acabou por ganhar preponderância. Também não comungo é das opiniões de virgens ofendidas que acham que Saramago deveria renegar à nacionalidade ou calar-se. Devíamos era realmente ser como os ingleses, extremistas para com os extremistas, como escrevia na edição de ontem do Público Miguel Esteves Cardoso. Isto é, deixarmos de ser cinzentos e hipócritas, e nisso, "chapeau" a Saramago. Houvessem mais como ele, dispostos a dizer o que pensam, sem papas na língua. E houvessem muitos mais a demonstrar-lhe as evidências da sua ignorância e a tratá-lo como merece, e não como uma "vaca sagrada" só porque recebeu um Nobel.

 

 

Rita Rato, licenciada em Ciência Política e Relações Internacionais, pela Universidade Nova, ou não sabe por onde passou, ou o ensino superior nesta área está cada vez pior. Valha-nos o ISCSP, ao menos. Ou então, é apenas mais um crónico caso de ignorância "à la" comunista.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:26


11 comentários

Sem imagem de perfil

De PF a 27.10.2009 às 02:12

O que ambos têm em comum é a ratazanice. As diferenças é que a ela a patronímica a denuncia enquanto que ele pode esconder-se sob a capa do pseudónimo.
Imagem de perfil

De António de Almeida a 27.10.2009 às 09:10

Ou então, é apenas mais um crónico caso de ignorância "à la" comunista.

Obviamente ela sabe o que é um gulag, mas não esperava a pergunta e sem instruções prévias ficou sem saber o que dizer, improvisou evitando ficar comprometida. Tem futuro assegurado no PCP...
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 28.10.2009 às 09:38

Touché António! De pequenino se torce o pepino...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 28.10.2009 às 19:35

Pois, ela sabe muito bem do que se trata. O problema é que lhe parece bem, gosta e recomenda!
Sem imagem de perfil

De Picaroto a 28.10.2009 às 01:33

A ignorância é de muita gente que pensa que o não é. Os portugueses comem tirania por democracia e julgam-se todos muito sábios. São todos cidadãos num país onde o poder é exercido por bandos de delinquentes: girondinos , jacobinos, stalinistas , trotskista, etc. que não respeitam regras e leis onde estão contidos o direito do povo que não é soberano de coisa nenhuma. Pretender que um comunista assuma o comportamento de Staline é o mesmo que pretender que os seguidores da revolução francesa assumam o comportamento de todos os facínoras que vieram no seu seguimento: Robespierre , Napoleão, etc.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 28.10.2009 às 09:42

De acordo quanto à ignorância. Eu sei que sou ignorante e como dizia Sócrates, "só sei que nada sei". Ao contrário da maioria dos indivíduos que por aí pululam, cheios de iluminadas verdades absolutas.

Quanto aos comunismo, tanto este como o nazismo representam o mais perto que alguma vez se chegou de concretizar os ideais iluministas, em especial da Revolução Francesa. Hitler e Estaline foram os seus maiores símbolos. O comunismo é o que é, foi o que foi, e não aquilo que muitos dizem que deveria ser - aqueles ideais todos bonitos, o "sol que brilhará para todos nós", os "amanhãs que cantam", e semelhantes balelas.
Sem imagem de perfil

De JMB a 28.10.2009 às 02:51

Caríssimo Samuel,

Está zangado com a Rita ou com a outra ?

Dê por onde der reconheço-lhe a inteligência e o direito de não simpatizar com nenhuma.

Abraço :-)
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 28.10.2009 às 09:37

:) Nem por isso, zangado não caro José! Só às vezes me espanto...

Um abraço
Imagem de perfil

De Silvia Vermelho a 29.10.2009 às 16:05

Ai Samuel, só acho que as ideias são como as facas: ora as usa o talhante ora as usa o assassino ;).
Sem imagem de perfil

De Rui Monteiro a 01.11.2009 às 01:16

eu tratava-lhe da saúde :)) Ela esquecia logo a ideologia LOL
Sem imagem de perfil

De Picaroto a 12.11.2009 às 08:59

Do Saramago não falo. Da Rita Rato vou falar. Ou acredita que uma sociedade comunista é melhor ou está para a política como qualquer Pedro Zig Zag proveniente das juventudes de qualquer partido. Parece que o Samuel frequenta Ciência Política. Nenhuma revolução se faz sem tirania pois a revolução é a ausência do direito. Estamos na destruição da estrutura jurídica anterior que assenta na violência legitimada e na sua substituição e legitimação por uma nova. Porém a revolução surge sempre do campo da submissão. Por isso a responsabilidade para evitá-la cabe por inteiro ao antigo poder que não soube ser justo. As pessoas ajustam os seus actos às leis, mas as leis devem ajustar os seus à ética , moral e costumes dominantes. Se houver uma Constituição a lei geral ajusta a ela que por sua vez à ética, etc .
Considera que os direito de propriedade e de livre iniciativa art 61 e 62 da CRP ) de banqueiros, monopolistas da energia e combustíveis e outros grandes é igual ao direito de pequenos senhorias das rendas antigas, taxistas e outros que tem preços fixados. Os taxistas compra no seu capitalismo e vendem no comunismo da Rita rato.
Considera que o direito há habitação de inquilinos (Mário Soares, Ferro Rodrigues , Marcelo Rebelo de Sousa, etc , etc .) é igual ao direito à habitação de milhares de jovens agarrados (talvez seja o seu caso) aos bancos a pagarem a prestação que eles querem. Porque é que o estado não congela prestações e as serve no congelador a milhares de pessoas que estão com a corda na garganta.
Considera que o direito à segurança social das pessoas é igual sabendo-se das reformas oportunistas milionárias, obtidas sem os descontos adequado. Para chamar democracia e estado de direito a uma treta destas é preciso ter muito bom estômago ou cérebro pouco habilitadas .
Na democracia a soberania está no povo e, para que o povo seja soberano cada um tem que ser seu súbdito e rejeitar sujeitar-se a qualquer poder intermédio porque ele será sempre tirânico. Os políticos são mandatários e tem que obedecer às regras mesmo depois de eleitos. Por isso a legitimidade democrática conquista-se todos os dias durante os mandatos. Os únicos líderes que a tem tido até ao fim dos seu mandatos tem sido presidentes de Juntas de Freguesia, presidentes de Câmaras Municipais e o Presidente do Governo regional da Madeira. Os outros já foram mandados de castigo.
Porque nos preocupamos com os outros se nós próprios não somos aquilo que dizemos ser. Tirando o norte da Europa, Canadá, Nova Zelândia o resto deixa muito a desejar.
Os portugueses nem tão pouco tem direito ao direito e aqui ficam algumas questões:
Como pretende um povo (soberano de si próprio) fazer justiça, se não tem tribunais judiciais soberanos para poder aplicá-la? Tão pouco tem um SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA! Chama-se supremo mas não é!
Como consegue um povo (súbdito de si próprio) ter direitos, quando a soberania os não protege e garante? Alega e proclama que estão em conflito e confronto para sacrificar e destruir de forma arbitrária os direitos de uns a favor de interesses e delitos de outros, inventando prioridades inexistentes!
De que serve a uma sociedade criar direitos para lhes atribuir as características do arbítrio? No confronto, o direito do mais fraco será sempre destruído.
Como quer um povo uma democracia assente num estado de direito, se não tem juristas capazes de lidar com o direito sem entortar? Descaracterizam o direito para arbitrar sobre ele!
Como aspira um povo progresso e modernidade se os seus políticos, quando instalados no poder, área onde o dever e o direito se tocam, actuam como delinquentes? Legislam à revelia da Constituição e até o proclamam!
Como pode um povo ter estabilidade e paz social, se a sua República constitui um Império de Ladrões, protector de ladrões e outras delinquências, onde os juízes são acossados e refugiam-se em seguradoras? Tudo isto perante o alheamento dos juristas! A lista inclui os constitucionalistas iluminados de candeia às avessas.
Como é possível haver tanto cidadão a pensar que tem direitos? O drama desta cidadania é não ter um povo soberano, nem com direitos. Tirania oligárquica pura! Necessitarão os cidadãos de um aldeão para os proteger dos vilões?
Um abraço.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas