Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

Uma, nascida em Moçambique, mãe de duas adolescentes. Outra, nascida em Braga, com uma filha da mesma idade daquelas.

No decorrer da conversa, nas entrelinhas, pois nada é dito com esse propósito, declarado, ressaltam dois modos de educação. No primeiro caso a mãe ensina as filhas a viver em liberdade responsável, preparando-as para segurar nas próprias mãos as rédeas da vida. No segundo caso constato que deixa a educação da filha decorrer ao sabor do tempo. Penso o quanto essa forma de encarar as coisas poderá influenciar o futuro de cada uma delas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:37


5 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 15.11.2009 às 12:39

Pois.... quando a segunda se vir avozinha antes do tempo, depois perceberá.
Sem imagem de perfil

De Si a 15.11.2009 às 13:15

A educação dos filhos não tem uma fórmula mágica certeira nas suas convicções e sucessos. Como diria a minha avó, temos cinco dedos em cada mão e todos eles são diferentes.
Agora,há, obviamente, princípios de rigor que, como pais, temos que saber passar aos nossos descendentes. É uma condição, esta a de educar e fazer crescer, que se nos impõe desde o dia em que eles nascem e permanece pela vida toda.
Seja qual seja a opção que tomemos em relação à nossa postura, a mais importante de todas será, a meu ver, a de nunca misturar conceitos: Pais são 'pais', e não os 'melhores amigos'. E estando esta fronteira bem definida, o respeito, a confiança e a autoridade virão por acréscimo, definindo-se regras, limites e referências, sem os quais é extramente difícil crescer. Depois, um pouco (ou muito, às vezes!) de jogo de cintura, misturado com a personalidade única de cada indivíduo e, mesmo assim, ainda temos que conjugar o factor sorte....
Sem dúvida que a filosofia de cada uma das suas amigas irá influenciar a vida dos respectivos filhos, mas ninguém poderá saber antecipadamente até que ponto, nem quais as consequências.
Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 15.11.2009 às 15:59

Somos o reflexo de um conjunto de influencias, temos é depois de ter a capacidade de ir separando o bom do mau.
Imagem de perfil

De António de Almeida a 15.11.2009 às 17:39

Infelizmente o Nuno tem razão. Sei-o não por experiência própria, mas relativamente próxima...
Sem imagem de perfil

De mike a 16.11.2009 às 11:17

No further comments, Madame. ;)

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas