Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Democracia semi-directa. Municipalismo.

por Cristina Ribeiro, em 22.11.09

Nas minhas deambulações blogosféricas, chego ao blog de Zé de Portugal, que, tal como Pedro Félix, e eu, colaborou, com outras pessoas no Novo Rumo, blogue que se formou com o fim de combater, aquando da oportunidade eleitoral, o estado bovino das coisas, e portanto, temporário, mas que espero seja relançado aquando da próxima consulta.

Advoga o José a existência de uma democracia semi-directa, segundo o modelo suíço. A nível do poder central parece-me totalmente defensável, esse sistema misto: a representatividade responsável, e a todo tempo avaliada pelo povo que elegeu os SEUS representantes, combinada com a participação desse mesmo povo, em variados assuntos, assuntos esses a decidir por exemplo numa Constituição elaborada, ela mesma, com a sua participação, parece-me o certo, mas já para o poder local, que deverá estar ainda mais próximo dos munícipes, é para mim clara a superioridade da democracia directa: o Municipalismo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:14


6 comentários

Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 22.11.2009 às 18:58

Uma vez escrevi no 2711 que ia colocar o link do "Novo Rumo" junto dos outros todos e não na secção à parte para os blogues do folclore eleitoral. Dizia eu que esperava não me arrepender de tal por achar que o blogue tinha perna para andar, acreditava que tinha potencial para não se resumir a uma agenda eleitoral.

Era de facto preciso de algo diferente, onde não se apontasse os mesmos caminhos de sempre. Pelos vistos e digo-o sinceramente, como direi ao António e ao Jorge agora em Dezembro em Lisboa, soube-me a pouco e no final ficou uma certa desilusão pelo terminar.

Quanto ao resto, defendo uma eleições uninominal onde as populações elejam o seu deputado tendo ele de responder perante quem o elegeu.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 22.11.2009 às 19:52

Obrigada, Daniel. Temos de lutar contra a carneirada que se instalou em Portugal.
Sem imagem de perfil

De zedeportugal a 22.11.2009 às 21:44

Obrigado pela referência cara Cristina.
Seria bom, de facto, que se discutissem alternativas à actual partidocracia decadente, não sob o velho prisma republica vs monarquia, mas do ponto de vista da participação política dos cidadãos.
Contudo, instalados que estão os instalados (perdoem-me o pleonasmo) não vejo outra maneira de mudar a situação política a não ser a partir da base, da acção de cidadania.
É claro que para atingir esse objectivo será necessário que haja cidadãos interessados e informados, que pode começar exactamente aqui na blogo. Só depois do debate sobre o tema ser amplamente aceite poderá, deverá, passar-se À acção (provavelmente, com uma bem escolhida iniciativa legislativa de cidadãos.
Já percebi que este é um blogue plural a muitos títulos e , por isso mesmo, muito interessante para uma discussão alargada.
Vou juntá-lo aos meus linques e tentar acompanhar os vossos textos com alguma regularidade.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 22.11.2009 às 22:50

É como diz, José: uma debate que faça acordar as pessoas, que as faça enxergar o cenário dantesco onde este rotativismo podre nos colocou, que as faça sentir que podem exigir dos tais instalados um maior respeito, que lhes diga que eles não podem continuar a fazer o que lhes dá na real gana, porque sabem que não têm de prestar contas; e nós já sabemos como as coisas podem alastrar-se a partir da blogosfera.
Imagem de perfil

De António de Almeida a 23.11.2009 às 12:15

Sou adepto da proximidade entre eleitos e eleitores, mas também da instituição referendo nas grandes questões. Julgo no entanto que por agora o nosso principal problema reside no poder Judicial não se encontrar eleitoralmente legitimado, o que explica boa parte dos nossos problemas com a Justiça.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 23.11.2009 às 19:04

Este País tem tantos buracos, António! Começar por esse seria, talvez, a base de tudo - umas coisas puxariam as outras.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas