Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




disseram-nos logo no hotel para não apanharmos táxis que não estivessem assinalados de uma certa forma, identificativa de " seguros ", pois que havia muitos problemas com taxistas turcos. Depois amedrontámo-nos com o olhar violento que eles nos dirigiam na rua ( o mesmo olhar que viria a encontrar no ano seguinte em Munique ), pelo que entendi perfeitamente a citação ontem ouvida na televisão, quando se falava no referendo suíço: " na prática a teoria é outra " - esta é só para quem vê as coisas de longe, bem instalado na bancada.

O medo surge na sequência de ameaças reais. Não foi a liberdade religiosa que foi a votos, claramente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:34


14 comentários

Imagem de perfil

De António de Almeida a 06.12.2009 às 23:32

Li há pouco um excelente post da Helena Matos no Blasfémias, que relembra aos que pretendem fazer comparações com os judeus nos anos 30, que estes não colocavam bombas nem festejavam nas ruas atentados que provocam vítimas.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 06.12.2009 às 23:55

A Europa não sabe em que se está a meter; claro que há moderados e fanáticos - as religiões são um campo fértil, principalmente quando se misturam com a política, e quando se portam assim como hóspedes de um país...
Sem imagem de perfil

De Ana Campos a 07.12.2009 às 12:55

Mundo fanático este.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 08.12.2009 às 17:09

Que não podemos admitir, Ana. Sob pena de tudo se desmoronar à nossa volta.
Imagem de perfil

De manuel gouveia a 07.12.2009 às 16:25

Pois então o segredo é não nos deixarmos assustar!
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 08.12.2009 às 17:12

Também aqui aquela de " na prática a teoria é outra " tem cabimento, Manuel: falar a milhares de quilómetros é uma coisa, estar lá é outra.
Imagem de perfil

De manuel gouveia a 08.12.2009 às 17:27

Longe nem sempre nos protege, os afectos contaminam as nossas distâncias...
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 08.12.2009 às 20:15

Tem razão: o longe não nos protege: mas quando a ameaça nos bate à porta, o discurso passa a ser outro.
Sem imagem de perfil

De Luísa a 07.12.2009 às 17:07

A questão, Cristina, é a da confusão eterna entre multiculturalismo e integração cultural. O multiculturalismo só pode propiciar confusões (até legais) e descaracterização local. A integração cultural, não. De resto, é da mais elementar educação que quem chega se ajuste ao modo de vida e adopte, no mínimo, as regras fundamentais do jogo de quem já lá está.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 08.12.2009 às 17:14

O problema reside todo aí, Luísa.
Imagem de perfil

De Manuel Pinto de Rezende a 07.12.2009 às 19:24

isto é "tudo muito bem", mas daí a proibir a construção de minaretes, a levar a referendo uma questão que deve ser resolvida entre representantes do Estado e a comunidade islâmica (e a restante comunidade religiosa) e a impor restrições ao culto, vai uma distância muito grande.

a Cristina diz que não foi a liberdade religiosa que foi a votos.
o caminho para o totalitarismo nunca é propositado. mas que a liberdade religiosa foi atingida, foi.
Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 08.12.2009 às 09:31

gostaria que a Cristina enviasse, se quisesse e pudesse, um texto para publicação no 2711 até quinta feira para ajuda na festa do 2711.

em2711.contacto@gmail.com
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 08.12.2009 às 17:19

O email não vai ainda a caminho, mas não tardará. Daniel. Obrigada pelo simpático convite.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas