Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Justiça lenta, investigação policial supersónica!

por Nuno Castelo-Branco, em 08.12.09

 

 

No passado dia 19 de Novembro, aqui deixei um post, relatando o estranho roubo de um camião pesado, pertencente a um amigo.  Não deixei de mencionar o absurdo e já velho caso das viaturas que no Porto de Lisboa, aguardam o embarque com destino a alguns PALOP - especialmente Angola -, existindo fortes suspeitas de tratar-se e em bom número, de veículos roubados. 

 

O dono do camiãoda foto, recebeu ontem, proveniente do Ministério Público (Distrito Judicial de Lisboa)/Departamento de Investigação e Acção Penal, o seguinte postal:

 

"Pelo presente aviso, comunica-se a V. Exa., na qualidade de denunciante /mandatário que, por despacho do Ministério Público de 2009-11-27, os autos acima referenciados foram ARQUIVADOS, nos termos do artº 277, nº2, do Código de Processo Penal, por não terem sido identificados os agentes do crime (sem prejuízo de imediata reabertura caso surjam, entretanto, novos elementos de prova).

Lisboa, 27 de Novembro de 2009"

 

Com os melhores cumprimentos,

O Técnico de Justiça

 

A.M.M.C."

 

Deste postal, depreendemos que "nem tudo vai mal" no nosso país. Embora todos nós nos queixemos da morosidade e  ineficácia da Justiça, a investigação, essa, é espantosamente célere. Tendo o roubo sido participado em 19 de Novembro, uma semana depois, a 27 do mesmo mês, seguiu o postal anunciando o encerramento da investigação. Incrível? Não, autêntico!

 

Compreendemos que tal se deverá à falta de efectivos, estratégia de procedimentos ou vontade para resolver assuntos que pelos vistos, incomodam a respeitabilidade ou o interesse dos prevaricadores que lesam o património dos portugueses. Assim, sugerimos algumas formas de actuação que poderão ajudar a colocar o fim a uma situação vergonhosa e que desprestigia a autoridade do Estado e o direito das gentes:

 

1- Início de um apertado controlo a todos os veículos que aguardam o embarque nos portos portugueses (Lisboa, Setúbal, Sines ou Leixões).

 

2- Rigorosa fiscalização dos papéis correspondentes a cada veículo, comparando as especificidades de cada um (números de chassis, motores, características gerais) e a sua proveniência.

 

3- Controlo dos principais agentes exportadores (invariavelmente os mesmos e reincidentes durante anos a fio), inquirindo acerca da origem e forma de obtenção de cada um dos veículos destinados aqueles países.


4- Vistoria de oficinas especializadas na "recuperação" e conserto de veículos comerciais, incidindo a vigilância nas imediações dos grandes centros urbanos. Em Lisboa, a zona norte (Carate e limítrofe da CRIL e da CREL, a zona de Moscavide, de Alcântara (Alvito) e de Amadora/Cacém, serão os principais centros"transformadores" dos veículos, tornando-os irreconhecíveis.


5- Rotineira comparação dos autos levantados nas queixas pelos lesados, com o número, marca e tipo de viaturas que nos portos aguardam o embarque e a exportação. Este último ponto, poderá facilitar todos os demais.

 

A não ser assim, cumpre-se então a fortíssima suspeita que no passado dia 19 de Novembro me foi aventada pelo pessoal da segurança do Porto de Lisboa, na zona do Poço do Bispo: a existência de grandes e poderosas cumplicidades no ilícito e vergonhoso comércio. O roubo sancionado por quem tem autoridade de o impedir a todo o custo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:22


2 comentários

Sem imagem de perfil

De tomas a 10.12.2009 às 02:49

Tinha a impressão de que quando existe suspeita de ilicitudes da parte da polícia é da competência da PJ investigar. Se a cumplicidade for muito em baixo na hierarquia, pode ser que rolem cabeças, se for mais alto a culpa irá como sempre morrer solteira mas ao menos pode ser que espantem os abutres para outras paragens.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 10.12.2009 às 21:41

Pois, os abutres que voam MUITO alto...

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas