Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




20047701_YduTU.jpeg

 

Em entrevista hoje ao "outrora Espesso" o candidato à presidência do PSD Rui Rio comete um segundo erro fatal na campanha já em curso, isto para além de proferir deselegâncias várias em relação ao seu adversário.
 
O primeiro, recorde-se, tinha sido negar-se aos debates com Pedro Santana Lopes junto dos militantes do PSD, apelidando estes de "espectáculo ambulante pelo país fora".
 
Hoje diz algo que reputo de particularmente grave e que, aliás, põe em causa a sua tão apregoada competência como gestor e como bom decisor político. Ora vejamos:
 
Rui Rio - (...) "Respondo com uma medida concreta que tomei. Eu tinha consciência que a instituição a que presidia (Câmara do Porto) tinha gente a mais e estabeleci a regra 2/1, saem dois e só entra um. Mas depois de baixar umas centenas de colaboradores, eu já não sabia bem o que estava a fazer, portanto foi feito o estudo"(...).
 
Ou seja, primeiro foi uma fezada de Rio "de que era assim", depois despediu centenas de pessoas e, só no final, é que foi estudar o assunto...
 
Se é assim que Rui Rio pensa, primeiro conquistar o PSD e, depois, conquistar o país, desengane-se porque "assim não vai lá".
 
Numa escala de 0 a 20 valores a entrevista de Rio de hoje leva 5. Negativa profunda. 
 
"Temos pena" Dr. Rio. Não creio que vá ter terceira oportunidade para causar boa impressão.
 
 
* Frase de autoria de François La Rochefoucauld

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:25


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.10.2017 às 11:04

Ponto prévio. Sou “social-democrata liberal de direita”, considero, apesar de tudo, Rui Rio o menos mau.
A frase:“...depois despediu centenas de pessoas... “

A pergunta: Aplicar a fórmula entra um quando saiem 2 é  despedir pessoas?

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas