Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Assalto à 13ª Esquadra

por Fernando Melro dos Santos, em 03.07.17

Corria mais um Verão idílico na Terra dos Gnominhos Modernos, catitamente pintando dias e noites com as cores harmoniosas de um Abril eterno em festa e alegria, quando o céu se abriu e dele caíram penedos malvados em cima de umas quantas cabeças, sem certificação nem autorização superior.

 

De uma só vez, por alguma urdidura macabra a mando do fascismo anti-optimista, a condição terceiromundista vigente na vila, que nem trinta anos de dinheiro europeu, nem muitas leis e regras executadas com rigor fisco-castrense conseguiram sanar, ficou exposta como os glúteos lascivos das putas cujos anúncios ainda vão garantindo a subsistência dos jornais.

 

A cronologia narra por si a abertura da novela Hondurenha, inaudita no pacato burgo e, espera-se, a maior e mais épica jamais vivida por um país da OCDE. Os sábios cultos que integram a coisa política já esfregam as mãos, impantes de poderem ir mais longe no sonho social-socialista, prontos a criar, assim que o magnífico filme termine, Observatórios das Mortes no Fogo, Centros de Interpretação do Terrorismo e da Guerra Civil, e um Núcleo Museológico para os sorrisos hediondos dos animais inconscientes - agora silentes de férias ou em retiro meditativo - que ocupam os lugares cimeiros na hierarquia do Estado.

 

Na essência, o conto é breve: gastou-se dinheiro, que foi extorquido e reposto, extorquido e reposto, extorquido e reposto vezes sem conta a contribuintes nacionais e europeus; em nada de útil ou necessário se o gastou, mas muitas e opulentas prebendas receberam eleitores e amigos cujas espinhas puderam ir vergando ao soprar da brisa ano após ano.

 

Entretanto, como a Natureza é fractal e probabilisticamente normal, morreu muita gente queimada na via pública, foram roubadas bombas suficientes para demolir uma final da Taça e respectivo cortejo, os jornais cismam em abafar a parte maior do escândalo e do perigo, grande parte da população entra com empenho na fase negacionista do embate com a vida e António Costa foi de férias pavonear o semblante grotesco e a pança aviltante.

 

Ao fecho da cena inicial, um grupo de homens é visto no matagal que circunda uma base militar, de onde desfere tiros de caçadeira sobre o perímetro desta, sem que a façanha mereça mais do que algumas notas de rodapé em sede mediática, para não perturbar a felicidade balnear do rebanho.

 

Escurece a imagem num fade out gradual e ouve-se ao fundo, no timbre raso e estridente de rádios portáteis, a Antena 1 que entre uma entrevista ao curador da Fundação XPTO e as sugestões gastronómicas de um secretário de Estado, vai revisitando a canção de protesto e os chorrilhos de Saramago.

 

Esperemos que ao menos os efeitos especiais sejam bons. É que já não temos que apertar o cinto como no tempo do Passos. Quanto mais a coisa aquece, mais se repara no PS.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:41







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas