Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Brexit at Tiffany´s

por John Wolf, em 25.06.16

BREXIT.jpg

 

 

Vou juntar-me à claque de especialistas e vaticinadores que já sabem o que advirá do Brexit. De repente os britânicos não passam de reles procriadores, de brexistas que se colocam de joelhos quando se lhes convém, ou de senhores do civismo sobranceiro - os tais donos do império que civilizou o resto do mundo. Mas deixemo-nos dos castigos e das sevícias administrativas de Donald Tusk ou Jean Claude Juncker. De nada importa reescrever a história e distribuir culpas e desleixos. A coisa está feita, feia. E os britânicos sabem, melhor que tantos, o que hão-de fazer à sua vida. Por um lado reforçarão a sua tradição transatlântica, esteja quem estiver na Casa Branca, e por outro lado poderão reavivar a sua commonwealth, mas de acordo com uma visão pragmática e económica -  penso sem grande esforço em diversos acordos de "substituição": com os Estados Unidos (EUA) ou com a Austrália. O impacto económico de curto prazo até lhes pode ser favorável - uma libra fraquita ajuda as exportações. Contudo, a separação da União Europeia vai ser um processo mais moroso do que julgam em Bruxelas. Já tivemos um referendo na União Europeia que não deu em nada. Os gregos votaram contra as medidas adicionais de austeridade, mas isso não demoveu o governo helénico de aplicar as mesmas. Nessa mesma senda de regimes e excepções, seria possível invocar esse precedente de contradição eleitoral, mas Cameron, ao contrário de arrivistas como António Costa, não está está interessado no poder pelo poder. O magistério da tradição política britânica fala mais alto. Os súbditos de sua majestade disseram de sua justiça e esse património de vontade não pode ser desfalcado. Bem sabemos que Juncker quer dar uma lição a outros candidatos "exitistas" da União Europeia, aplicando um modelo disciplinar agudo ao Reino Unido, mas eu teria algum cuidado. Os movimentos "independentistas" são de diversa ordem e provêm de famílias políticas distintas por essa Europa fora. As extremas têm cada vez mais em comum no que diz respeito aos seus intentos de emancipação e os russos estão a extrair dividendos do grande conflito interno que cada vez mais parece ganhar forma naquilo que resta da União Europeia. Os EUA vão sair a ganhar. Não apenas com o reforço do dólar americano, mas por poderem encontrar um parceiro ideal na Europa não continental. Quanto a Marcelo e Costa, vão levar ainda mais marteladas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:54


1 comentário

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 27.06.2016 às 17:24

O sr. Obama bem podia ter sido esperto e evitado aquela babosa grosseria do "serão último da bicha". Tomou descaradamente partido. Achas que os ingleses disso se esquecerão facilmente? Não esquecerão, mas atendendo ao seu sentido prático das coisas, olharão ao seu interesse imediato como sempre o fizeram ao longo dos últimos, digamos…. 1000 anos. 

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas