Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Dom Galaaz, o marcelino

por Nuno Resende, em 12.03.16

image_1.jpg

 (Na foto e acreditar na comunicação social, «a multidão efusiva» para aplaudir o presidente Marcelo à saída da Câmara do Porto).

Há um cheiro a algodão doce no ar por onde o presidente Marcelo Rebelo de Sousa passa. A música ajuda e os carrosséis também, embora no Porto seja fácil agradar com são joões antecipados e um discurso sobre a liberdade. Os remediados ficam contentes com o bodo e a burguesia empola-se com o brio de ser taxada de liberal e democrata (embora liberalismo aqui queira dizer bons negócios de mercearia e democracia um passeio à Foz ao domingo).

Bem dizia aquele publicitário brasileiro que hoje em dia se vendia presidentes como pacotes de manteiga. Este foi o método de Marcelo: usar a televisão para untar os portugueses. Tudo bem barrado de banha ao seu estilo - falando sobre tudo e mais alguma coisa sem dizer algo concreto- e esperar que a carne assasse. Em 2015 estava no ponto: a classe política descridibilizada da Esquerda à Direita, um golpe de estado encanbeçado pelo líder do Partido Socialista e um Passos Coelho mais vazio do que um balão entre espinhos. Nem foi preciso grande esforço: os restantes candidatos trataram de, um por um, contribuir para que Marcelo não cansasse a voz.

Não é caso para gritar presidente-rei, porém. Embora as televisões que tanto ajudaram Marcelo a construir-se, adorem folguedos e apertões, posso garantir que não estava à frente da Câmara Municipal do Porto a multidão que as têvês se esforçaram por captar com planos picados e apertados. A foto acima é reveladora.

O estilo da presidência, Marcelo conhece-o bem: é o das monarquias. Quis festividades de coroação, dispersas, três dias de fogo de artíficio.

Mas Marcelo, apesar de católico, não é monárquico, nem é novato.

Andá cá há muitos anos e joga bem com Deus e com o diabo.

A Natália Correia conhecia-o bem, «o passarão» «Dom Galaaz»*

 

Veja-se o Natália Correia, “Cancioneiro Joco-Marcelino” , de 1989.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:44







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas