Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Explicação da ruína

por Fernando Melro dos Santos, em 18.05.17

Aqui. E com os teus impostos. 

 

Pedagogia diferenciada Uma pedagogia diferenciada pelo respeito que nos merece a criança; pela lógica que é o assumir que as nossas diferenças, as nossas características e as nossas necessidades implicam uma forma diferenciada de estar, num ensino que valorize o sentido social das aprendizagens; pela consciência que esta realidade irá determinar novas formas de gestão – de saberes, de capacidades, de afectos, de interesses… - onde o papel do professor, do grupo e da partilha irá ser fundamental na compreensão, no conhecimento e no crescimento de cada um de todos; pela essência que é acreditar-se que os dias de hoje já não se compadecem com a imagem mais ou menos estereotipada do passado onde todos os alunos aprendem e têm que aprender a mesma coisa ao mesmo tempo e da mesma maneira! Método interactivo Tendo por base uma teoria socioconstrutivista, trabalhamos com um método interactivo, onde ouvir o que a criança tem para nos dizer e dar-lhe a oportunidade de falar do que está no seu interior é uma maneira desta se reconstruir. Esta ideia, desenvolvida por Vygotsky, defende que a criança tem dentro de si ideias sobre as coisas que viveu, que sentiu, tocou, observou, entre outras, e é a partir dessas ideias que o professor deve iniciar a construção do conceito a que se propõem trabalhar. O conhecimento é isto mesmo, um constante avançar e recuar para reorganizar as novas ideias que se vão encaixando no nosso pensamento ecológico, sendo que, tudo isto é operado pela linguagem, um poderoso meio de mediação com o outro e com a sociedade, mas acima de tudo, com ele mesmo. Posturas activas e de suporte por parte de todos O aluno tem, deste modo um papel activo, o papel principal na construção e avaliação das suas aprendizagens e está em contínua interacção com o grupo, numa permanente produção e comunicação, o que é factor essencial para o seu crescimento, já que a tomada de consciência do seu percurso, das suas conquistas e fragilidades irá contribuir para a sua estruturação – como aprendiz e como cidadão. Por outro lado, ao favorecer-se uma intervenção consciente na vida da comunidade escolar, desenvolve-se a capacidade de reflexão, o sentido crítico e a responsabilização, o que, por sua vez, irá contribuir para a promoção da sua autonomia. E à medida que a criança se vai tornando mais autónoma, vai sendo cada vez mais capaz de colaborar, de cooperar e de ser solidário. O professor representa um agente cívico e democrático, de suporte, assumindo um papel de animador e facilitador das aprendizagens e das dinâmicas. É um elemento do grupo que, participa e incentiva o diálogo e a cooperação, nos vários momentos significativos, favorecendo a tomada de consciência dos vários processos em curso, criando uma verdadeira comunidade de aprendizagem capaz de promover sucessos e reconhecer obstáculos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:52







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas