Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Geringonça, por quem os sinos dobram

por John Wolf, em 07.12.16

beautiful-bells-for-christmas.jpeg

 

Onde é que eu ia? Ah, muito bem. Já sei. Distraí-me com a Caixa Geral de Depósitos, o desastre aéreo na Colômbia  o apuramento para os oitavos, a meia de elástico da Tadeu e as promoções do Pingo Doce. De maneiras que é assim. Os italianos de Nápoles não foram simpáticos, mas os italianos de Itália também não estão a ajudar - Referendo para que te quero. Antes de começarem a bater no Commerzbank e a chamar nomes aos alemães, lembrem-se que foi inaugurada a época natalícia, que entramos em pleno na época de paz, embustes e promessas grandiosas para o ano que vem. O Banco Central Europeu (BCE) já sabe o que António Costa tem vindo a negar: Portugal é candidato a um dos lugares cimeiros da crise europeia. Daí que Draghi e companhia já tenham ameaçado manter a compra de títulos de dívida nos estados-membro em apuros ao ritmo de 80 mil milhões de euros até ao final de Setembro de 2017. Ou seja, o mercado já está a descontar a crise europeia que parece passar ao lado da geringonça. O timing para se estar no sector da banca não poderia ser melhor para patrões e para detentores de acções de instituições financeiras. O dinheiro fresco ficcionado pelo BCE vai directamente para a toxicodepêndencia monetária de países como Portugal, embora tenha sido pensado para o cliente italiano (não se esqueçam da Grécia). Depois temos as outras autárquicas de arrumação política-monetária - o Brexit efectivo que causará mossas nos planos bi-quinquenais de Costa. E não há nada que se possa fazer para barrar o que se passa para além da Mancha. Que fique esclarecido: as obras de Medina nas artérias de Lisboa não são investimento. Não geram produtividade. São florzinhas de estufa. Os putativos ciclistas que farão uso das vias verdes que estão a ser plantadas, baixarão o colesterol, mas não serão um alívio para o Serviço Nacional de Saúde. Há taquicardias que não podem ser evitadas. Invistam fortemente no Natal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:57


5 comentários

Sem imagem de perfil

De isa a 07.12.2016 às 13:20

 
Quanto "às obras de Medina nas artérias de Lisboa, não serem investimento" foi sempre assim com o PS e fica-me a dúvida, será por ignorância sobre o que são investimentos ou, simplesmente, por pura, ingénua e inocente fantasia de que, com família e amigos, se poder viver numa eterna e permanente época natalícia? 
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 07.12.2016 às 20:44

E no entanto o perigo vem "do clube dos cabeleiras louras" diz o eurodeputado(e liberal-social-democrata-coiso-e-tal) Rangel https://www.publico.pt/2016/12/06/mundo/noticia/a-ordem-das-cabeleiras-exoticas-1753760
Sem imagem de perfil

De isa a 08.12.2016 às 11:41

Apenas mais um que nos quer convencer que apenas temos de escolher entre A ou B, quando há mais alternativas. Estes fazem todos parte do mesmo Sistema, todos colectivistas em maior ou menor grau e, assim, conseguem manter-nos numa eterna "pescadinha de rabo na boca" onde os nossos direitos são concedidos e, nunca tocam no ponto fundamental que, se nascemos neste Planeta, todos nascemos com Direitos Naturais e, sozinhos ou em grupos, numa escala, pequena ou grande, ninguém tem o direito de mandar ou controlar a vida dos que vivem no presente e, muito menos, daqueles que, no Futuro, viverão neste Planeta. 


Uma coisa é certa, temos de aprender a viver sem condicionar a maneira como quererão viver as futuras gerações. 
Seja uma Nação ou um Governo Global, todos querem o mesmo, controlar, mandar, decidir por todos os outros e, de preferência com legislação que funcione, para toda a Eternidade, não por quererem o melhor para todos mas, como se vem comprovando, para tomar posse de todos os recursos naturais e dividi-los como bem lhes apetecer. 


Isto de nos manterem em permanentes "montanhas russas", entre tempos de abastança e de escassez, faz parte do processo de nos controlar, depois convencem-nos de que os recursos não chegam para todos e que, para sermos felizes, temos de competir uns com os outros e tentar acumular mais tralha e cacarecos do que os outros, quando a cooperação com o devido reconhecimento das diferenças individuais, essa sim, seria o Mundo perfeito (basta olhar para a Natureza, nem todos os malmequeres são exactamente iguais mas convivem todos no mesmo campo). Nada que tenha a ver com comunismo e aí, é divertido, ouvir as ideias transmitidas pelo PCP e depois olhar para o seu património imobiliário e, onde eles controlam a legislação, os donos da sua própria casa ainda pagam mais IMI e mais impostos, comprovando que acabam, todos, por serem versões da mesma coisa, sempre o mesmo desejo de Poder e de Controlar.


É por isso que admiro a Constituição Americana (que, lentamente, têm tentado destruir) ou mesmo a Suíça onde nada de importante é aprovado sem um Referendo. 
No fundo, temos sempre indivíduos ou grupos de indivíduos que se acham superiores e, arranjam mil maneiras ou truques, para fazerem exatamente o mesmo, Poder para controlar os Recursos, a que puderem deitar a mão. 
Direitos? Temos Direitos Naturais. 
Vê os animais pagarem imposto por um abrigo ou quererem tomar posse da água toda? 
Precisar de dinheiro só para sobreviver? 
Lei? Todos sabemos a diferença entre o Bem e o Mal ou, pelo menos sabíamos até andarem a inventar 31 géneros sexuais, tal como em muitos outros assuntos, como se a excepção à regra passasse a regra e as regras tivessem de se submeter às excepções. 


Apenas nos têm tentado afastar da Natureza e do que é natural. A grande maioria viveria feliz com um tecto e que nunca lhe faltasse o essencial para simplesmente viver mas, depois, vem "a engenharia" debilitante, convencem-nos que beber um cafezinho não basta, tem de sair de cápsulas, mais lixo e mais uma daquelas coisas onde o mais vai virando cada vez menos, pelo menos, para a nossa sanidade mental e, assim, aparecem os que já nem sabem distinguir o essencial do supérfluo ou do irrelevante o que, só acumula mais infelicidade e, como sempre, sem saber que a infelicidade não é culpa dos outros mas, deles próprios e que, o único problema é haver quem lhes queira tirar os meios para a procurarem individualmente. 
Governo Nacional ou Global nunca poderá dar, a ninguém, o essencial nem a Felicidade e não será isso que desejamos?
Parece que já ouço a palavra Utopia e esses, coitados, já só conseguem pensar dentro da "caixa" onde só existe A ou B.
Nenhum Governo consegue controlar as Leis da Natureza mas, pode garantir Direitos iguais e inalienáveis para Todos "Life, Liberty and the pursuit of happiness".
Sociedades tristes e frustradas, culpa de um Sistema competitivo, egoísta, invejoso, consumista, sem empatia, totalmente desumanizado ou seja, a melhor maneira de transformar humanos em meros corpos sem almas.
Sem imagem de perfil

De Senhor Adérito Batista a 10.12.2016 às 16:09

Que grande lençol. A menina vai de porta em porta recitar isso?
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 09.12.2016 às 12:13

O Costa, António, pode relativamente ir dormindo descansado até às próximas eleições alemãs, pois aterrada com o furacão que desencadeou no seu próprio país, a actual Chanceler deve ter dado ordens no sentido de não molestarem muito os países incumpridores. Quer ganhar as eleições seja de que forma for.


Apesar da descarada censura que é contornada através do fácil acesso popular e não populista - populista é ela e os negacionistas de Lisboa a Berlim - ao feicebuque e ao youtube,  por sinal existirá um plano para uma ríspida repressão a quem se atrever a espalhar as verdades que o governo não quer ver por razões óbvias. Merkel justamente tem estado em queda livre e do lado de lá do Atlântico veio um aviso que deverá ser tomado como sério. A nova grande heroína da esquerda europeia foi reeleita "com 90 e tal por cento dos votos" da verdadeira CDU e veremos se isto será suficiente para daqui a um ano não ser relegada para a história, como um mero ersatz do Marechal Paul von Hindenburg. 

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas