Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Gravatas e o melhor amigo de Costa

por John Wolf, em 12.04.16

HOT-SALE-Men-Dark-Blue-Polyster-Zip-Up-font-b-Zipp

 

Queria começar com a gravata perdida do ministro que passou revista aos militares, mas tropecei nesta outra modalidade de descontração. António Costa contrata amigo a preço simbólico? Se isto não configura tráfico de influências, favorecimento e dumpingSócrates também não é amigo de Dilma. Portugal continua igual a si: o país das amizades, das borlas, dos favores, do fico a dever-te qualquer coisa, do depois acertamos contas. Enfim, a falência ética em todo o seu esplendor de quem não pode merecer o respeito do povo de Portugal. Quanto à gravata e o nó que deixa na garganta. Estamos a falar da instituição que assegura a defesa de um país. Estamos a falar das forças armadas que alicerçam a sua escola na disciplina, no rigor e nas hierarquias de comando. Estamos a falar num código de conduta que corresponde a uma tradição que não pode ser enxovalhada. O exemplo do chefe deve ser descartado sem demoras. Mina uma gama alargada de princípios que orienta a instituição militar. A gravata, assim como o contrato que Costa firmou com o seu melhor amigo, devem ser do género pro bono. De graça, sem ter piada alguma. Mas por alguma razão estamos a registar cada vez mais deserções. As chefias militares estão abandonar a geringonça. E não tarda muito, quando as ilusões caírem por terra, a Catarina Martins também abandonará o cangalho. O que julgam que significou a viagem de 24 horas de António Costa à Grécia para posar com Alexis Tsipras? Foi precisamente para defender o interesse nacional. O interesse nacional dos acordos com o BE e PCP atados com cordel feito num desenlace que ainda  vai engravatar todos os portugueses.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:12


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.04.2016 às 16:16


O Costa é tão incompetente, que basta a sua triste e terceiro-mundista figura para deprimir o país. Para além de ir à Grécia juntar-se aos falhados do Syriza - quando justamente o que Portugal não precisa é de dar uma imagem de que também somos uns "losers" - a operação de "marketing" junto dos "refugiados" correu tão mal que mais valia não ter ido lá.
Das duas uma. Ou Portugal está muito mal e por isso ninguém quer vir, ou eles não estão assim tão desesperados e nesse caso não são refugiados, mas sim migrantes à procura de melhores condições de vida. Tal como muitos portugueses, de resto. Nesse caso, está na hora de parar com esta palhaçada.
Os "refugiados" estão apenas à procura de quem os sustente. Sabe porque é que a Merkel mudou de política? Porque num ano apenas 4% dos "refugiados" encontrou emprego na Alemanha, e o patronato alemão não gostou da falta de qualificações que encontrou nesses povos. Para além de problemas de segurança, estamos a importar mais gente que não quer trabalhar, e não por acaso pretende viver em países que têm um Estado Social generoso, daí Portugal não lhes interessar. Ainda bem, porque gente que não faz nenhum já há cá com fartura!
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 12.04.2016 às 18:41

Falência ética: basta-nos fastidiosamente reler o arrazoado que é o "Programa do MFA" e ficamos logo cientes do que se passa. Bem feito. 
Imagem de perfil

De jojoratazana a 12.04.2016 às 22:29

Está impagável caro Wolf, todos os dias acompanho os seus posts.
Vê-se que é uma pessoa culta, daquelas com sopa gravatas e tudo. 
É hilariante o seu desespero politico.
Imagem de perfil

De John Wolf a 13.04.2016 às 09:24

Também me divirto consigo. Grato! :)
Imagem de perfil

De jojoratazana a 13.04.2016 às 22:18

Tenho muito gosto que se divirta também. 
Ninguém merece viver com o azedume, que os seus escritos deixam transparecer.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas