Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mea culpa Trump

por John Wolf, em 09.11.16

us-flag-left-menu.jpg

 

Começo por realizar um mea culpa. Deixei-me levar pelos media dos EUA. Acreditei, de facto, na imparcialidade dos jornais e estações de televisão, nas emissões com paineis de especialistas, nos fabricantes de sondagens e no status quo dos meus compatriotas. Não votei em Trump, mas à luz da sua eleição, devo conservar o espírito construtivo e procurar acreditar que o povo americano deve saber interpretar e moldar a excepcionalidade deste desfecho. Seria faccioso e fundamentalista político, mas acima de tudo hipócrita, se não responsabilizasse a própria Hillary Clinton pelos resultados e os limites das suas ambições. Houve, na senda do partido Democrata, uma insistência na velha escola, nos valores autofágicos, e na rejeição da revolução que não veio a acontecer. Enquanto conhecedor do sistema político americano sei que qualquer exagero comportamental de Donald Trump encontrará barreiras e fará soar alarmes. Quer o desejemos ou não, uma nova ordem mundial está a ser construída e assenta numa premissa fundamental. Os diversos povos do mundo há muito que vêm reclamando uma alteração das regras de jogo. Veremos como a Europa nos seus diversos processos electivos se reconfigura. Como já foi democraticamente enunciado no século XIX: I don´t agree with what you say, but I´ll defend to death your right to say it.  Em nome da nossa própria sanidade mental aguardemos então que as palavras descabidas de Trump apenas parcialmente sejam convertidas em actos, e que uma epifania política possa brotar do pântano de Washington que alguém diz que prontamente será drenado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:03


22 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.11.2016 às 09:48

Confesso que desatei a rir esta manhã, mal soube da vitória de Trump. É uma chapada em muita gente que merecia, tal como Hillary, que ainda nem falou ao povo americano. É tradição falar primeiro o candidato derrotado, para ajudar a reduzir a animosidade entre os apoiantes, mas nem isso ela se dignou. Ou é mau perder, ou o seu estado de saúde não é o melhor...


Quanto a Trump, dificilmente será tão antieuropeu como o Obama. É descendente de alemães e escoceses por isso não terá os recalcamentos anti-colonialistas do seu antecessor. Pior do que o Obama só se o Trump acabar com a NATO, invadir o México ou despoletar uma guerra nuclear. Apesar de tudo, os EUA são uma Democracia com separação de poderes, e mais depressa o Trump era impugnado do que fazia algo desastroso para os EUA e para o mundo.


O mais que pode acontecer é ele falhar como presidente, tal como Obama falhou, só que Obama tem uma excelente imprensa. A melhor prova de que Obama foi um fiasco foi a vitória de Trump e do partido Republicano. Trump andou quase sempre sozinho e o partido pouco o apoiou, mesmo assim venceram ambos, o que significa que acima de tudo houve uma rejeição de Hillary e dos Democratas, o que se reflecte inevitavelmente na presidência de Barack Obama.


Boa sorte para os EUA.
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 09.11.2016 às 10:33

Acho que os EUA vão avançar(seja Trump bom presidente ou não).Agora a Europa já tem contra si mesma(e os países europeus individualmente)os seus próprios des-governantes que a continuam a sabotá-la por dentro(ao mesmo tempo que continuam com a bazófia liberal-socialista e com a "superioridade moral" do costume),e por isso não será Trump que a vai tornar pior.
Sem imagem de perfil

De Ana a 09.11.2016 às 19:55

Excelente, e mesmo isso.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.11.2016 às 11:34

...só se "só se o Trump acabar com a NATO, invadir o México ou despoletar uma guerra nuclear.", sim é mesmo só se! Ainda bem que a possibilidade é, só se....
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 09.11.2016 às 16:31

"A melhor prova de que Obama foi um fiasco foi a vitória de Trump e do partido Republicano"

Mas que análise mais canhestra.

A vitória de Trump deve-se tão somente ao facto de ele ter empolgado mais os seus apoiantes do que a cinzenta Hillary.

Normalmente, quando a escolha é entre o menos mau e o péssimo, acontecem "imprevistos".
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.11.2016 às 16:44

O legado do Ronaldo Reagan levou à vitória o "cinzento" George Herbert Bush, seu vice-presidente.
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 09.11.2016 às 20:31

Situações diferentes. Não sei quem foi o adversário de Bush pai na sua primeira eleição.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.11.2016 às 16:18

Foi o então governador do Massachussets Michael Dukakis, o "criducho" dos merdia da altura. Também "ninguém" entendeu porque é que ele não ganhou, tão "óbvia" era a escolha.
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 10.11.2016 às 22:41

Dukakis, aquele que tem uma irmã que é actriz? A irmã era mais conhecida que ele... não brinque.


Em relação ao se comentário inicial, não se esqueça que Trump não derrotou Obama, derrotou Hillary. Não faça extrapolações apenas porque o resultado delas é do seu agrado.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.11.2016 às 11:27

Que ideia. Não faço "extrapolações" nenhumas. O Trump ganha com o "establisment" todo contra ele e a América está uma "maravilha". E se está uma "maravilha", o presidente no poder há oito anos não tem nada a ver com isso. Um presidente que fez muito mais campanha pela Hillary do que o Clinton tinha feito pelo Al Gore, ou o Bush pelo McCain (neste último caso sem comparação nenhuma). O Obama se calhar até "ganhou". Ontem então estava "radiante".
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 11.11.2016 às 20:16

Entre dizer que Obama ganhou (ninguém disse) e dizer que Obama foi um fiasco (o senhor disse-o) apresentando como "prova" a vitória de Trump há um mundo de possibilidades. O seu argumentário, com o objetivo de justificar a sua ideia, roça a indigência intelectual.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.11.2016 às 20:29

E você está em negação.
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 12.11.2016 às 07:30

O que elegeu Trump foi o fraco entusiasmo que o outro candidato suscitou e o sistema eleitoral americano.
Se Obama tivesse sido o fiasco que diz ter sido, como explicar o facto de a candidata que ele apoiou ter tido mais votos que Trump?
Em Portugal, Hillary teria ganho.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.11.2016 às 10:54

Mas que grande Tr(a)mpa.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.11.2016 às 22:15

Chamar Trump de Tr(a)mpa...é ofender a Tr(a)mpa, que é muito melhor que o nazi de extrema-direita eleito em meio de fraudes eleitorais, dado o sistema de votação ser 1 autêntico caos! Então, ele já não vem agora dizer que o sistema está viciado, minado? Pudera, o tal sistema, encobertamente, deu para eleger o predilecto do grupo Bilderber!!! A América a caminho da guerra civil...
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 10.11.2016 às 11:04

Basta ir ver quem está no comando do Bilderberg(e outros similares) e comparar com os patrocinadores da sra Clinton para perceber o absurdo do seu coment(tipico de gente que continua a enfiar a cabecinha na areia da falsa superioridade moral do liberal-esquerdismo e afins,continuem assim que vão precisamente provocar aquilo que dizem não querer aqui na Europa também).
Sem imagem de perfil

De isa a 10.11.2016 às 18:25

Sabe que muitos políticos são convidados pelo Grupo Bilderberg e as conversas são tão sigilosas que nem podem levar acompanhantes, aqui, eu chamo a triagem de quem é bom a cumprir ordens mas, se for patriota ou tiver outros "pecados" do género, só lá vai uma vez e fica com a carreira política estragada. 
Pensemos no Seguro e no Costa, um só lá foi uma vez, o outro repetiu as doses e, conseguiu substituir Seguro com um golpe de mágica, perde eleições e chega a 1º Ministro. Mera coincidência? Pois bem, agora temos Rui Rio outro que já repetiu "os chazinhos" e já deve ter luz verde e o Amen para substituir Passos. Como dizia Franklin D. Roosevelt: "In politics, nothing happens by accident. If it happens, you can bet it was planned that way".


A maioria dos portugueses ainda não percebeu que o BCE e o FED são Bancos privados que pertencem à minoria que nos vai escravizar para toda a Eternidade, onde as futuras gerações não terão escolha, senão obedecer para receber a ração diária e, não é por acaso que já falam do rendimento garantido (universal basic income).e, para chegar onde eles querem, só certos políticos servem e terão a recompensa, de um qualquer tacho no futuro Governo Global. Naturalmente, há outro tipo de políticos que também lhes servem, como os ingénuos, os idiotas úteis e os ignorantes. Os Média, estes servem quem lhes paga, um bom exemplo é a BBC que recebe subsídios da U.E. , naturalmente, não lhe convém que saiam da U.E. "Feb 1, 2012 - The BBC admitted in a letter to a Tory MP that it has received nearly £3million in grant money from the European Union over the past four years."
Estamos à beira do irreversível e, só espero que Trump seja "Real", consiga atrasar o Processo, até haver uma maioria que "acorde"... porque, até ao "lavar dos cestos" e antes da "vindima" acabar, ainda havia maneira de lhes cortarmos as voltas.
Sem imagem de perfil

De isa a 09.11.2016 às 16:43

Alguém que eu ouvi e que resume, muito bem, o dilema e a escolha dos americanos, no entanto, muitos europeus nem entenderão sobre o que ele estará a falar porque, para muitos, a globalização é do melhor que há ;)
https://www.youtube.com/watch?v=q6xHGXByHhQ&t=0s

Trump Must Follow Putin!
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 10.11.2016 às 11:08

Entretanto já se encontram artigos a tentar explicar/entender como e o porquê dos americanos terem escolhido o candidato escarnecido em detrimento da "abençoada" (até o Publico hoje vai por aí vejam bem,demasiado tarde meus caros,depois de terem enchido páginas a promover a sra como se os europeus fossem votar)vejamos este no CM http://www.cmjornal.pt/opiniao/colunistas/francisco-jose-viegas/detalhe/20161110_0052_blog?ref=opiniao_outras
Sem imagem de perfil

De isa a 10.11.2016 às 17:12

Até ouvi e, continuo a ouvir, chamar burros e estúpidos aos americanos, isto, da parte de estúpidos que só sabem repetir o que ouvem e pensam que sabem mais quando, no fundo, são eles que andam completamente "cegos" com a "poeira" dos média que, há muito tempo, maioritariamente, já não são independentes e que, por portas e travessas, pertencem e servem Corporações a nível Global. A Fundação dos Clinton até tinha várias dezenas de jornalistas na lista de pagamentos e, depois ficam todos surpreendidos com o engano das sondagens Lol 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.11.2016 às 11:22

A sr.ª Clinton teve acesso a perguntas que lhe iam fazer nos debates com Trump (houve uma moderadora de um canal que foi despedida para servir de bode expiatório, mas a decisão é óbvio que chega mais alto), e pior, algumas perguntas que foram feitas pelo jornalista Wolf Blitzer a Donald Trump numa entrevista para a CNN foram escritas pelo comité nacional dos Democratas!
Mas o que é isto? E falamos na RT e no Putin?? Este ainda não deve ter parado de rir, e não é apenas por Trump ter ganho, mas por toda a podridão que tem vindo a público!
Imagem de perfil

De simplesmente avô a 09.11.2016 às 18:09



Texto excelente.
Os meus parabéns.
Tem razão: O seu a seu tempo...

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas