Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Inconseguimentos

por Felipe de Araujo Ribeiro, em 11.01.14

 

«...o inconseguimento de eu estar num centro de decisão fundamental a que possa corresponder uma espécie de nível social frustracional derivado da crise.»

 

Esta frase merece ser lida, decorada e repetida em voz alta por todos os Portugueses. É um verdadeiro tratado da Língua Portuguesa! É mais do que um poema, é uma obra de arte!

 

Lembro-me de na faculdade ter lido de Pierre Bourdieu o livro Ce que parler veut dire, onde se faz a dicotomia langue/parole. Só agora consegui entender o fenómeno de, conhecendo uma língua, encontrar-me francamente néscio em relação ao discurso.

 

Desenganem-se, portanto, aqueles que julgavam ter sido mero acaso a ascensão de Assunção à presidência da Assembleia da República. A segunda figura do Estado Português é afinal um oásis de intelectualidade, e os discursos com que nos brinda de uma profundidade inatingível para o comum dos Portugueses.

 

Obrigado Presidenta!

 

(E obrigado ao AFR por ter descoberto e partilhado esta pérola)

 

Mais, e mais, e mais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:26

Palácio Tauride, Lisboa, 1975, 2013

por Nuno Castelo-Branco, em 12.07.13

 

Em pouco mais de meia dúzia de parágrafos, Henrique Monteiro diz o essencial. Não sei como é que o sr. Balsemão ainda o aguenta. 

 

O que ontem se passou no Parlamento, obedece a uma conhecida manobra de agit-prop, parida logo após a revolução que em 1917 depôs o Czar Nicolau II. No Palácio Tauride reunia-se a Constituinte e o minoritário partido de Lenine organizava rotineiras algazarras que pretendiam intimidar os "deputados burgueses". Insultos, berreiro sem fim, ameaças de morte eram a rotina nas sessões parlamentares. Mais tarde, o mesmo se passaria nas Cortes de Madrid, chegando-se ao ponto da Pasionaria ameaçar com a morte - e tal aconteceu - o deputado Calvo Sotelo. 

 

Em Portugal seguiu-se o guião à risca e durante os trabalhos da Constituinte, a gente do PC organizou o cerco e sequestro dos outros deputados eleitos. Sem poderem sair de S. Bento, exaustos, fisicamente ameaçados e sem comida, tencionava o PC amedrontá-los e na melhor das hipóteses, conseguir politicamente algo mais que aquela ninharia dos 12% saídos das urnas. Refastelavam-se os deputados organizadores do regabofe trauliteiro, rebolando-se de gozo com os ameaçadores urros que vinham do largo fronteiro ao Parlamento. Aproveitando o dislate, escandalosamente se empanturravam com todo o género de vitualhas diante dos já esfomeados eleitos do PS, PPD, CDS e ADIM. A baixeza chegou a este ponto.

 

Ontem, a sra. Esteves - pelos vistos, finalmente  começou a ganhar alguma prática na condução dos trabalhos - fez precisamente aquilo que dela se espera e que o regimento obriga. Liquidou o dislate da melhor maneira e citou a Beauvoir, precisamente uma "pássara" que durante o PREC aqui desembarcou a pregar algo de bastante sinistro e que nas ruas mais tarde se traduziria, entre outras prepotências, no citado sequestro da Constituinte.

 

Qual será o motivo do escândalo que agora corre na imprensa? Parece que se deve ao alvo da citação da colega de quarto de Sartre, pois dirigia-se aos nacional-socialistas. Onde está então o problema, se esses mesmos nacional-socialistas foram aliados dos camaradas soviéticos e nos persuasivos métodos de intimidação prodigamente os copiaram? Procurem bem nos números do Avante! de 1939-41, pois lá estão todas as respostas. Isto, se algumas mãos caridosas não tiverem definitivamente incinerado aqueles preciosos papiros de outros tempos. 

 

Foi uma marginal bancada quem moralmente organizou o ultraje de ontem. Querem a prova? Simples: à porta do Parlamento estava a sra. Avoila, acompanhada pelo sempre-em-pé  "professor" Nogueira. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:04

Minha Nossa Senhora!

por Nuno Castelo-Branco, em 11.05.12

Assistirmos ao debate sobre a alteração das leis laborais, foi o mesmo que estarmos num pic-nic cheio de formigas na toalha estendida sobre a relva. Bem sabemos que dada a conveniência do politicamente correcto, assume-se que a Sra. Assunção Esteves ascendeu a um certo firmamento onde tudo lhe será permitido e desculpado. Mas, francamente, como aqui já tínhamos dito, é penosa a sua prestação na condução dos trabalhos parlamentares. Ao fim de um ano, esta santa ainda não percebeu bem como a geringonça funciona, os vices corrigem-na ponto sim ponto não e até deputadas há que se atrevem a interpelá-la, questionando-a acerca do que se está a votar! Um atraso de vida, o que não obsta a que andem por aí uns crânios que a querem no lugar do profano Cavaco Silva.

 

Ainda há uns dias, a televisão proporcionou-nos um daqueles parlamentos infantis organizados dentro dos muros de S. Bento e por incrível que vos possa parecer, a brincadeira de crianças funciona de forma mais ordeira e organizada.

 

Se a Maçonaria já não tem um nome mais capaz para dirigir a A.R., talvez fosse melhor recrutar um daqueles miúdos do "outro parlamento". 

 

* Uma nota positiva: o deputado Ribeiro e Castro manteve a sua coluna vertebral e votou em conformidade com a sua rejeição do obliterar do 1º de Dezembro. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

Do estado a que chegámos

por Samuel de Paiva Pires, em 06.04.12

Não sou propriamente um defensor habitual do governo, deste ou de qualquer outro, embora me pareça que o Pedro exagera um pouco neste post, especialmente porque aquilo que está a acontecer tem causas diversas e, entre estas, está principalmente o consulado socrático, contra o qual o senhor do lacinho do Expresso nunca se insurgiu (bem pelo contrário), que provocou o pedido de ajuda externa e negociou o memorando de entendimento que este governo está obrigado a cumprir.

 

Mas se a minha expectativa após a nomeação do governo de Passos Coelho e Paulo Portas era bastante positiva, logo esta se desvaneceu quando pouco tempo depois percebi ao que vem Passos Coelho. E entre ontem e hoje, duas notícias mostram bem como este governo nada tem de liberal e pouco pudor e sensibilidade tem para lidar com a situação social vigente.

 

A primeira dá-nos conta de que a redução do défice é feita em 75% pelo lado da receita. Talvez assim os eurocratas que se mostram surpreendidos com a taxa de desemprego percebam o que se passa. A continuarmos nesta senda, sem reformas estruturais e reduções significativas da despesa estatal, todo o esforço a que os portugueses estão a ser obrigados será meramente circunstancial e corre o risco de não servir para nada, podendo até agravar as nossas circunstâncias políticas internas e externas. Aliás, o FMI já vai avisando (via Eduardo F.), fazendo notar esta preocupação com a falta de reformas estruturais no relatório da 3.º avaliação«The reforms to date, however, are at best a down payment towards the comprehensive set of reforms needed to address Portugal’s growth and competitiveness problems»; «The policy framework in particular remains constrained by the absence of supply-side reforms with a near-term payoff.»

 

A segunda, parece-me uma brincadeira de mau gosto e levou-me a esfregar os olhos várias vezes para acreditar que não se trata de uma mentira de 1 de Abril: "Parlamento vai dar sobras alimentares aos pobres". Isto entra directamente para o primeiro lugar das coisas mais repulsivas que a AR já fez nos últimos tempos. A este respeito, transcrevo na íntegra o que escreve o Joaquim no Portugal Contemporâneo (os negritos são meus):

 

«Porque é que há tantos carenciados em Portugal? Porque é que temos 15% de desempregados? Porque é que há uma onda de emigração que atinge dezenas de milhares de portugueses?
Nós não somos mais estúpidos nem mais ociosos do que os outros povos. Porquê, então?
Porque o nosso sistema político foi capturado, ao mais alto nível, por interesses particulares que espoliaram o País até à bancarrota e à perda da soberania nacional. E o símbolo desse sistema político, o símbolo deste fenómeno reside aonde? Na Assembleia da República, na casa que devia ser da democracia e que na realidade pertence a uma oligarquia partidária, autoritária e sem pudor.
Ainda na recente legislatura, a criminalização de erros no fornecimento de informações ao fisco e a lei do enriquecimento ilícito testemunham o abuso sobre a população.
Assim, não deixa de ser irónico que a Assembleia da República, a maior fábrica de miséria de Portugal, dê as sobras das refeições dos deputados aos mais carenciados.
De certo modo, é o que a Assembleia da República tem vindo a fazer desde o 25 de Abril, encher a mula aos amigos e distribuir as sobras pela população.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:27






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas