Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os calhaus

por Nuno Castelo-Branco, em 27.02.13

Não valerá a pena tentarem agora disfarçar. Durante umas semanas, os crânios da nossa imprensa escrita e televisiva garantiram que apenas a "mudança" interessaria a Itália. Fazendo contas traduzidas em termos de uma nossa oportunidade caseira, isso traduzir-se-ia numa clara vitória da esquerda do sr. Bersani. Em simultâneo, o sr. Monti era apresentado como um homem sério e afastado da partidocracia e assim sendo, uma parte da solução. O bunga-bunguês Berlusconi ressurgia como o pérfido palhaço do sistema e desde já condenado a uma esmagadora derrota. Mas terão os nossos comentadeireiros escutado uma única vez aquilo que o Balsemão transalpino disse durante toda a campanha? Parece que não, pois se assim fosse, talvez  tivessem sido obrigados a imaginosos artigos e a outro tipo de charlas. 

 

Na Itália, o negregado Berlusconi disse precisamente aquilo que em Portugal, o agora levado em ombros Seguro tem repetido até à exaustão. A grande diferença é que um é de "direita", um imbecil. O outro é de "esquerda" e portanto, um santinho. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:08

Um aviso à navegação

por João Pinto Bastos, em 26.02.13

Tem-se falado muito em caos político a propósito das eleições italianas. Caos político? Are you sure? Raciocinem um pouquinho, vá, não custa nada. O povo italiano, inteligentemente, disse apenas isto: não desejamos, não admitimos nem almejamos uma sociedade orientada de fora, com imposições draconianas impostas por gente que não presta contas às instituições políticas nacionais. Simples, curto e objectivo. É bom que as elites eurocráticas se apercebam que sem política não há projecto político que sobreviva. Apenas e tão-só isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:44

A Itália que importa

por João Pinto Bastos, em 25.02.13

Há pouco, numa das minhas contumazes deambulações feicebuqueiras, deparei-me com uma agudíssima análise do Jorge Nascimento Rodrigues, que permito-me citar aqui no blogue: "A verdadeira divisão é entre os que ainda aceitam jogar segundo as regras da troika em diversos graus (Bersani e Monti) e os que, por demagogia populista ou convicção, se opõem, como todos os grupos e partidos que se integram na coligação liderada por Berlusconi ou os integrantes do movimento de Beppe-Grilo (verdadeira surpresa eleitoral, game changer no atual contexto, sendo o segundo partido mais votado, à frente do próprio partido de Berlusconi) (...) Um membro do Partido de Bersani já disse que por este andar haverá novas eleições, como na Grécia. Só que Beppe Grillo não é Siryza e Berlusconi e seus apoiantes não são o PASOK para servir de muleta a Antonis Samaras. È um contexto radicalmente diferente". O cerne destas eleições prende-se exactamente com o facto, estranho para alguns, de Berlusconi e Grillo não serem comparáveis aos actores políticos da desgraça grega. Há diferenças notáveis entre os eurocépticos italianos e os eurocépticos gregos, ainda que a semelhança principal entre ambos reconduza-se ao firme repúdio da actual arquitectura de gestão macroeconómica do euro. O que as eleições italianas patentearam foi uma divisão radical entre os que partilham os postulados merkelianos e eurocráticos de gestão do euro, e os que preferem uma via autonomista que recupere soberania e voz activa na resolução dos problemas políticos e económicos nacionais. Sim, caríssimos leitores, o que está em causa é tão-só saber até que ponto os italianos aderiram ao federalismo aditivado dos eurocráticos de Bruxelas e Berlim. Pelos vistos, a adesão não foi em massa, e por mais que se critique Berlusconi - e eu estou longe, bem longe, de ser um admirador do Casanova cantor -, e muitos fá-lo-ão, uma coisa é certa, o senhor renasceu das cinzas, qual fénix perdida nas ladeiras da proscrição judicial. O futuro será incerto, e as próximas horas, dias e meses revelarão se os italianos estão ou não dispostos a suportarem, silente e calmamente, a dureza austeritária. Algo me diz que não. Mais: esta crise porá a nu, definitiva e derradeiramente, a pobreza política que domina as estruturas políticas europeias. Com que consequências? Só o futuro o dirá.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:10

O descalabro europeu, visionado em directo por todos os povos europeus forçosa e coercivamente congregados nesta (des)união, está atingir o clímax do ridículo espampanante. Em França, país conhecido pelo seu apego por engenharias sociais construtivistas pouco consentâneas com a realidade, vive-se um ambiente de caça às bruxas em torno dos "ricos". Depardieu é ostracizado pela sua coragem em dizer não ao confisco predatório das elites francesas. O affaire Depardieu tem uma certa semelhança com o affaire Dreyfus: a acusação fácil e complacente a um indivíduo subitamente erigido como a representação mais sublime dos males existenciais da velha pátria francesa. Foi assim no final do século XIX, num ambiente de profunda crise política da corrupta III República francesa, é, também, assim nesta V República francesa dominada agora pelo socialismo recalcitrante. A fúria fiscal hollandista, retintamente merceeira como no famoso quadro de Brueghel o Jovem, é o prenúncio do fim. As trevas do caos económico adensam-se furiosamente, inclementes às vozes da razão.

Pieter Brueguel o Jovem, O Cobrador de Impostos


Se andarmos um pouco mais para sul deparar-nos-emos com um cenário igualmente grotesco. Mario Monti anunciou a sua demissão recolocando a política italiana no seu trilho habitual: intriga, espectáculo e insídia, servidos em doses homeopáticas. O regresso do berlusconismo à cena política é uma espécie de confirmação fársica do mito do eterno retorno nietzscheano. Os italianos não se cansam do espectáculo, mais, parece que vivem do e para o espectáculo. O espírito "meridionalista" parece ter infectado sem dó nem piedade todo o estamento político, não poupando, também, alguns analistas económicos abonados por uma lucidez que, pelos vistos, encontra-se agora em debandada. Há dias o sempre pertinente Ambrose Evans-Pritchard dizia que a saída de Monti será a única forma de salvar a Itália do precipício económico, porém, o inteligente jornalista olvidou o facto nada despiciendo de a saída do actual primeiro-ministro italiano poder instigar um crescendo na instabilidade política. Itália dispõe indiscutivelmente de alguns dados macroeconómicos positivos - facto pouco mencionado na imprensa de referência -, que, num hipotético cenário de saída do euro, seriam, sem dúvida, de um préstimo assinalável na recuperação futura do país, sem embargo duvido da benignidade de um abandono unilateral agitado pelo populismo mais corrupto e demagogo. É terrível verificar quão distante está a Itália contemporânea da tão ansiada utopia patriótica de Giacomo Leopardi, brilhantemente vertida no famoso poema "All' Italia". Talvez o bardo italiano tivesse razão quando escreveu que "Ma la gloria non vedo, Non vedo il lauro e il ferro ond'eran carchi, I nostri padri antichi." O que falta à política italiana é um gesto de glória, um veio de patriotismo que proteja e indique um desígnio: o desígnio do bem comum.

 

Os dois exemplos acima citados são um sinal bem evidente da fraqueza de liderança que perpassa o edifício europeu. Draghi, na sua tão costumeira língua de pau, veio agora, ao referir-se à periferia sulista, falar em progresso doloroso. A novilíngua bancocrática é particularmente repugnante. Esconde o óbvio e omite a crueza da realidade, tudo isto em nome do sacrossanto princípio da inviolabilidade das prerrogativas de uma finança desnacionalizada. Se, num assomo de realidade, Draghi dissesse que o que verdadeiramente tem ocorrido nos países da periferia é um retrocesso doloroso talvez o assalto fosse menos descarado. França e Itália não pertencem inteiramente à periferia habitada por Espanha, Portugal e Grécia, mas, a deriva política de ambos é um sinal da débâcle que aguarda a União desunida a curtíssimo prazo. O sovietismo de antanho voltou, sob novas vestes, para dividir e reinar. Perante isto, o melhor e mais avisado é suspirar com Liszt, tentando esquecer o imperium dos tolos menores que lideram, hoje, dois países que, queira-se ou não, não merecem isto.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:51

O próximo top de vendas internacional

por Ana Firmo Ferreira, em 22.11.11

 

Encontrei esta notícia nos insólitos do JN - Parece que Berlusconi se vai dedicar à sua verdadeira paixão e cantar baladas.

Este vira cantor, o outro filósofo (?).

Acho que não tenho mais nada a dizer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:37

Silvio Berlusconi, o macho latino em acção

por Samuel de Paiva Pires, em 27.10.11

Se há coisa que pode ser gabada a Silvio Berlusconi é o facto de não esconder que gosta de mulheres. Antes que apareçam por aí os falsos moralistas do costume, importa sublinhar que este subtil olhar que deitou à PM dinamarquesa é algo que todos os homens fazem todos os dias, dezenas de vezes por dia. É da natureza masculina, vem inscrito no nosso código genético, não há nada a fazer. Inveja terá Merkel por ele não lhe deitar olhares semelhantes.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:17

Olhem quem fala

por Nuno Castelo-Branco, em 16.03.11

"Não se pode ir para a guerra. A comunidade internacional não deve e, na minha opinião, não quer levar a cabo uma acção militar na Líbia", diz o ministro da potência que representa a pouco honorável distinção da derrotada militar por excelência. Compreende-se muito bem e existem pelo menos dois motivos.

 

Dos italianos, dizia-se que jamais terminavam uma guerra na mesmo aliança em que a tinham iniciado, a menos que entretanto tivessem mudado de campo duas vezes. Pelos vistos, adquiriram um imitador: Portugal.

 

País com a sofrível dupla reputação que unanimemente lhe é atribuída, a Itália de Berlusconi está demasiadamente interessada em segurar Kadhafi, outro perito em manipulação e negócios obscuros. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:48

Juro que nunca pensei

por Samuel de Paiva Pires, em 09.06.09

Vir a citar Fernanda Câncio, mas no que diz respeito ao artigo de Saramago sobre Berlusconi, está cheia de razão. Comungo inteiramente da sua opinião:

 

berlusconi está, do meu ponto de vista, longe de ser um político admirável ou até uma pessoa recomendável. mas confundir juízos políticos ou éticos baseados em atitudes públicas e com relevo e interesse público com frases como 'uma coisa que dá festas, organiza orgias' ou 'acompanhante de menores' e ainda por cima fazê-lo em nome de 'valores que liberdade e dignidade impregnaram a música de Verdi e a acção política de Garibaldi' é provar absoluto desconhecimento dos valores citados. ou, para usar um termo caro a saramago, delinquir. contra a liberdade, a dignidade e a ética, em nome de uns quaisquer 'padrões morais' que só podem arrepiar quem não se guia por cartilhas moralistas e pudibundas e respeita o valor fundamental da privacidade e da liberdade individual.

 

Complementada ainda por Ferreira Fernandes:

 

Berlusconi estava em sua casa e não cometia nenhum crime nela. Se a questão era a do avião oficial usado irregularmente, que publicassem as fotos do avião e de gente que não deveria estar nele e estava (e até há essas fotos). O que é inadmissível é negar o direito à privacidade de Silvio Berlusconi, lá por ele ser o Berlusconi.

 

Execrável é mesmo o artigo de Saramago. Nada que não se esperasse de um comunista primário com "aqueles" valores morais que ele e outros que tais tanto teimam em proclamar  na teoria, e simultaneamente vilipendiar na prática...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:09






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas