Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



RSI Turbo PS GTI Geringonça

por John Wolf, em 30.07.17

 

RS4-Avant-(B8)-1.jpg

 

Quando o valor de uma viatura passa a servir de indicador para a atribuição de subsídios sociais, sabemos que o governo está desesperado para angariar adeptos. Ficamos a saber que o voto popular conta para a sobrevivência política. Mas mais grave do que estas técnicas duvidosas de contabilidade, será a eternização da divisa automóvel enquanto indicador de estatuto económico e social em Portugal. O socialismo nivelado, de todos diferentes todos iguais, não passa de um mito. Continua válida a ideia da aparência, da ficção de meios, ou seja, não ter um tostão furado, mas poder armar aos "ricos". Este tipo de abordagem joga com a psique colectiva de um modo particularmente perverso. Passa a mensagem de que o que conta é a imagem projectada, a forma como se é percepcionado, seja-se pobre ou abastado. E o inverso? O milionário que prescinde da viatura e que se serve do passe da Carris? Tem algum benefício fiscal? Pois. Como podem ver, o chassis socialista assenta na ideia de escalada social, no exemplo desviante de Sócrates, de apartamentos em Paris e fatos Brioni - vida faustosa. É essa mentalidade burguesa que caracteriza os socialistas encartados que a querem partilhar com os pobres de alma, colocando à frente dos seus chanfros asnos uma cenoura furada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:55

Imposto agravado sobre carrinhos de molas

por John Wolf, em 16.10.13

Penso que ninguém em Portugal percebeu as boas intenções do governo. O agravamento de impostos para todos os automóveis ligeiros de passageiros não tem nada a ver com carga fiscal. Tem a ver com uma carga de trabalhos adicional. Ter carro fica simplesmente mais caro - é tão somente isso. O que significa que a mobilidade e a economia não têm um relação por aí além em Portugal (segundo os governantes) - afinal os serviços imperam na economia, e grande parte dos mesmos são tecnológicos, o que quer dizer que entram na corrente económica pela banda larga sem necessidade de deslocação de técnicos. Estou a perceber bem o raciocínio do governo ou não? Ou será que os poucos trabalhadores que ainda restam na economia nacional podem ficar em casa e desenvolver a sua actividade a partir da sala de estar? É isso? Daqui a nada, e em resultado desta medida, podem começar a pensar em desmontar as estradas de Portugal e converter estações de serviço em centros de saúde. Já estou a ver quadros superiores em protesto por serem obrigados a pensar em transportes colectivos. As carrinhas da escola - aquelas que transportam os seus filhos às escolas privadas -, podem ser aproveitadas para paragens intercalares para recolher administradores delegados e levá-los directamente ao conselho directivo, à reunião do conselho de administração. Iremos assistir ao downgrade de frotas de luxo para linhas mais económicas. Afinal Francisco Assis fez uma revelação quando travou a fundo a tentativa de lhe impingir um Clio. E de repente pensei no seguinte; que tal se resolvessem este dilema da deslocação com a concessão de um crédito àqueles que optem pela aquisição de uma auto-caravana? Resolviam de uma assentada a questão da habitação e das viaturas de serviço. O condutor, e simultaneamente gestor de produto, poderia trabalhar a partir de um parque de campismo. E se o mercado o justificasse poderia assentar arraial e escritório onde a procura fosse maior. Quanto ao motor a diesel, não sei que resposta dar. Qualquer dia o carrinho de mão será sujeito a um imposto. Cada dia em que julgo ver uma luz ao fundo do túnel, engano-me - é um semáforo e está fechado. E sabem que mais? Não vou a parte alguma, vou ficar quietinho - sem pestanejar para não ser multado pelo excesso de velocidade dos meus olhos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:50






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds