Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A bandeira de Porto Rico, plagiada pelos independentistas catalães.

 

Para se ser bom português, há que odiar espanhóis. Não vem ao mundo em Portugal quem não saiba que de Espanha, nem bom vento nem bom casamento.
De facto, nas últimas semanas o lusito exaltou com a intentona independentista catalã, pois crê piamente que inimigos dos inimigos seus amigos são.
Antes, porém, se um português visse um catalão, não o distinguiria de um basco, galego ou de um andaluz, mas as redes sociais dos últimos meses mostram-nos um lusitano culto, com conhecimentos acima da média. Deixou a bola por alguns dias e estudou a História da Catalunha concluindo que desde a Pré-História aquela região reclama pela liberdade subjugada por esses malditos espanhóis.
Desconhece as tentativas de D. Manuel I para reinar na Península Ibérica (Catalunha incluída) ou que a coroa espanhola foi no séc. XIX ofertada a D. Fernando, consorte de D. Maria II, mas garante que Afonso Henriques foi uma espécie de Puigdemont que também realizou um referendo, rasgando à frente da sua mãe, D. Teresa de Leão, a Constituição Espanhola!
Até Miguel Esteves Cardoso embarcou nesta lide romântica, primeiro com um clikbait, usando a ironia para rebaixar o maligno império espanhol, depois para (ainda que monárquico confesso, diz) insultar o rei de Espanha e apoiar o arrimo catalão.
Do português que milita nas redes sociais não espero muito, pois a sua má gramática representa-o. Mas de MEC esperava bom senso, pelo menos no tempo em que era escritor sério e não o actual mau crítico de gastronomia pago por restaurantes de duvidosa confiança. 
MEC tem todo o direito a apoiar qualquer grupo terrorista, em qualquer parte do mundo. Mas convenhamos, basta estudar a sério (e não vale recorrer à Wikipédia) para que perceber que o movimento independentista catalão não é nem nunca foi espontâneo, consensual e orgânico. Um eleitorado urbano de Esquerda, Republicano e Revolucionário constrói, desde o século XIX, a ideia de uma consciência barcelonesa, com que valencianos, habitantes de Navarra, Aragão e franceses não se identificam.
É claro que estamos perante a primeira revolução separatista feita pelas redes sociais. Sem as estratégias violentas da ETA ou do IRA, os separatistas catalães utilizam a manipulação social e mediática. Não há maior arma do que a palavra. Basta analisar o perfil social e político desta gente, como o fez Jorge Almeida Fernandes: «[o independentismo catalão] tem também mais êxito entre pessoas com estudos universitários ou pós-graduações, que é um indicador de classe e indicia rendimentos altos».
Não existem, porém, hoje, Simões Bolivares ou Garibaldis, montados a cavalo e lutando por ideais oitocentistas. O melhor representante da Catalunha é um ex-jornalista, que foge num avião, encena um exílio, transforma-se em mártir de um velho medo imperialista e acena com o odioso franquismo, tão útil às Esquerdas espanholas para justificar toda e qualquer oposição.

Numa coisa MEC tem razão. A apropriação da Península Ibéria pela Hispânia que sempre absorveu o velho reino, hoje república portuguesa, diluiu-nos numa geografia fatal. Mas se pensarmos na ideia da jangada de pedra inventada por Saramago, aquele bocado do calhau que quer separar-se é sinal de naufrágio.
E depois não teremos só espanhóis para odiar. Odiaremos nós os galegos e os andaluzes? Os catalães e os bascos? 
É que orgulhosamente sós nesta jangada estamos nós há mais de 800 anos.
#catalunha #catalonya #puigdemont

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:18

Uns mais Grândola do que outros

por John Wolf, em 03.11.17

280px-LocalGrandola.svg.png

 

Quem semeia cravos, colhe Catalunhas. Foi preciso uma causa oriunda de Espanha, da casa dos "nem bons ventos nem bons casamentos" para o Partido Socialista (PS) elencar aqueles que são mais grandoleiros e distinguí-los daqueles que são um pouquito menos. Sabemos que a discussão em torno de Puigdemont e amigos assenta na aliteração: serão prisioneiros políticos ou políticos presos? Como seria se estivesse cá Mário Soares? Que regime imporia ao PS sem tolerar desvios? Em suma, a experiência recente da Geringonça, da vivência a trois, quiçá terá tornado o partido mais maleável, menos disciplinado, e sim, mais democrático. Porém, não nos iludamos. A causa é simbólica, fica bem no resposteiro, no tabliê do carro e pouco mais. Como é um assunto que acontece nos arredores de França, não aquece nem arrefece o assento parlamentar. Portanto, estes arrufos e esta ficção de discordância não servem para grande coisa. Os cinco deputados do PS, que batem o pé catalão, são refugo de gerações distintas. São parecidos com a Catalunha. Andam para ali apregoar independência, mas não largam a saia da mãezinha. Gostava de ver estes heróis vestir a camisola de um limiano derretido pela teimosia das convicções. Assim, a aproveitar as novelas dos outros, demonstram que nem para actores servem. Grândola deveria ser declarada uma república reincidente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:07

A erdoganização de Madrid

por John Wolf, em 29.10.17

goya.JPG

 

A Europa das luzes, da superioridade civilizacional, do legado dos impérios coloniais, prepara-se para recuar na história e tornar a plantar um factor de dissensão no presente, no seio da União Europeia. O ministro dos Negócios Estrangeiros espanhol, Alfonso Dastis, não descarta a possibilidade da prisão de Puidgemont. A acontecer, seremos forçados a designar a detenção de prisão política. O governo de Madrid invoca a legalidade constitucional e a traição do lider catalão, mas arrisca-se a promover ódios e reacções mais profundas. Se Puidgemont é o inimigo a abater, então Rajoy e Saenz devem usar a máxima do padrinho, de D. Corleone - keep your friends close, but your enemies closer. Quer a ficção quer a história oferecem lições importantes. Em 1815, o Congresso de Viena foi concebido para reintegrar França no sistema europeu após a derrota napoleónica. Ou seja, a humilhação política é um mecanismo contraproducente - existem imensos exemplos na história europeia. Madrid, envolve-se deste modo, semi-voluntariamente, num processo de reasserção juridificante através do qual poderá ter de chamar a si prerrogativas de controlo político que obrigam a uma profunda revisão constitucional. A reciprocidade da violência poderá correr em linhas paralelas a mecanismos de ajustamento jurídico, através dos quais Madrid anula as benesses das periferias granjeadas com o estatuto de governação autónoma. Nesse sentido poderemos traçar comparações com as movimentações recentes do regime erdoganiano (Erdogan, Turquia). A manifestação de hoje, a favor da união espanhola, comparticipada por centenas de milhares de pessoas, pode gerar efeitos diversos ainda mais ousados. A emenda da união de Madrid pode ser pior do que o soneto da independência da Catalunha. Deve haver algum cuidado para que o tiro não saia pela culatra - que o nacionalismo espanhol não seja acordado, para pôr em marcha purgas mais alargadas em nome de uma bandeira intransigente. A prisão de Puidgemont, a acontecer, pode gerar atritos entre a Espanha e os valores democráticos que a União Europeia tanto apregoa. Afinal, pode não ser necessário viajar à Turquia para coleccionar exemplos de censura política e perseguição policial. Uma orbanização iliberal (Órban, Húngria) que seria uma outra via, seria propensa ao isolamento do estado unitário espanhol no contexto do concerto comunitário da União Europeia. As implicações, in extremis, que decorrem das perguntas colocadas pelo desafio catalão, poderão incluir a sugestão da "desfederalização" da Espanha, mesmo que a mesma esteja configurada juridicamente enquanto entidade unitária. A pergunta mais pragmática que talvez se possa formular será a seguinte: existirá uma modalidade menos lesiva para a unidade espanhola do que a remoção de poderes autonómicos à Catalunha? Veremos como irão cambiar de tércio em Espanha, e como irão domar o touro. A faena vai ser longa.

 

gravura: Francisco Goya

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:57

Catalunha! Bem-vinda à Europa

por John Wolf, em 27.10.17

 

catalonia-flag.jpg

 

 

Os Estados Unidos perderam a Guerra do Vietname. O Presidente John Fitzgerald Kennedy foi assassinado. O muro de Berlim caiu. O que têm em comum estes três eventos? O desfecho de cada um foi determinado pela vontade humana. De nada valeram constituições, escaladas militares ou a construção de vedações. O mesmo sucede na Catalunha. Olhemos com rigor para o que sucede, e para além dos tratados redigidos em Madrid. Esqueçamos Bruxelas e a União Europeia. O povo, mesmo que desunido, é quem mais ordena. Assistimos chocados, do conforto da nossa poltrona de superioridade intelectual e civilizacional, à História. Ao desenrolar de eventos que polvilham o cenário dinâmico da história política da Europa, mas também do resto do mundo. Sempre assim foi, e decerto que assim continuará a ser. No seio da Europa da União, da paz imaginada por Schuman e outros estadistas no rescaldo da segunda Grande Guerra, registamos agora algo inédito com consequências potencialmente surpreendentes, violentas. Madrid, se quiser fazer valer os factores de coesão da união espanhola, terá de implementar medidas de coacção que em muito transcendem a estrutura administrativa e política forjada em documentos validados por assinaturas. Não creio, dado o extremar de posições, e a efectiva Declaração de Independência da Catalunha, que exista uma mecânica possível de reversibilidade, de regresso ao status quo anterior. Prevejo o uso de força de Madrid, numa primeira fase moderada e, numa segunda fase, na sequência da contra-resposta dos independentistas de facto, um agudizar dos métodos repressivos e uma escalada da resposta da Catalunha. Não esqueçamos que Espanha detém um legado que facilita a disposição das peças no tabuleiro. O regime de Franco aperfeiçoou os métodos, que com a revolução foram metidos na gaveta, mas que não foram inteiramente esquecidos. A Europa pode muito bem ganhar mais uma república, mesmo que a UE não venha a somar ou a subtrair um membro - o artigo 155 não parece valer grande coisa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:15

Declaração de independência do PSD

por John Wolf, em 10.10.17

Partido_Social_Democrata_Logotipo.png

 

A crise de liderança do Partido Social Democrata (PSD) tem provocado mais alergias e urticárias no seio de outros partidos do que na própria casa da Rua de São Caetano à Lapa. Parece quase certo que o Derby social-democrata será disputado entre Santana Lopes e Rui Rio. Convém sublinhar o seguinte fenómeno separatista; Os mais contundentes sucessos de governação dos candidatos aconteceram na região norte - nas cidades da Figueira da Foz e do Porto. Numa lógica de bastiões e reservas estratégicas do PSD, faz algum sentido que assim seja, e tendo em conta o track-record de cada um dos adversários, se puxarem dos galões autárquicos para promoverem as suas causas, farão a vontade dos socialistas. Ainda recentemente, embora embriagado pelo oportunismo das eleições autárquicas, António Costa reforçou a sua dose ideológica de regionalismo e  "autonomia" política dos concelhos desde que estes sejam do Partido Socialista (PS). Numa interpretação mais ampla, e à luz dos acontecimentos que decorrem na Catalunha, a bandeira do poder local pode ser um argumento subtil a ter em conta na gestão de um país. Quer Santana Lopes quer Rui Rio devem saber integrar as movimentações ideológicas excêntricas. Dirão muitos que o que acontece na Catalunha não interessa ao menino Jesus, mas não é bem assim. Quaisquer derrames não previstos, decorrentes da garraiada que opõe Madrid a Barcelona, terão impacto nos discursos políticos pan-europeus e nas contas europeias. A geringonça ficará indelevelmente colada ao ciclo económico favorável do turismo e ao dinheiro fácil do Banco Central Europeu. Numa lógica de modelos económicos que se esgotam e de alternância de vocalistas, o mais provável é o PSD agarrar o poder em Portugal quando este estiver na mó de baixo, a andar às voltas da nora de uma nova crise de excessos e devaneios orçamentais. Seja qual for o chefe da casa política do PSD, este deve alinhar ideias de um modo realista, mas desapaixonado. O PSD, não sendo governo, deve ter um papel de auditor interno, de agência de rating. Por outras palavras, deve fazer uso do capital de que dispõe. E o legado de que dispõe diz respeito à experiência na gestão de crises. Os outros, para serem coerentes com o seu currículo, continuarão a pintar um cenário cor-de-rosa, perfeito. O PSD deve levar em conta que as marés psicológicas são de duração limitada e que as escorregadelas financeiras dos governos marcam o início do seu fim. O PSD apenas deve ser paciente. A realidade falará por si. A ideologia acaba sempre por se trair e deixar ficar mal os crentes mais ferverosos. O PSD deve declarar a sua independência política das querelas típicas que polvilham o quadro governativo de Portugal. Se quiser sair por cima.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:26

Frelicagra aqui, Frelicagra ali

por Nuno Castelo-Branco, em 04.10.17

aaaaaaaaaaaab.jpg

 

Frelicagra, Frente de Libertação do Campo Grande, uma brilhante ideia da joint-venture Miguel e Nuno, como tantas outras que foram surgindo nos tempos em que não existiam play-stations, telemóveis, ipad's, ipod's, iphones e outras coisas da tecnologia. Deitados no chão e geralmente de madrugada nas rotineiras jogatinas de Monopólio, hábito esse que já vinha dos tempos de África, o nascimento da Frelicagra deu-se enquanto devorámos batatas fritas cortadas à mão e descascadas da terra com que eram então vendidas no Val do Rio bem próximo. Eram depois acompanhadas por ovos estrelados cuja casca ainda tinha bem visíveis o selo de autenticidade que a bem agarrada caca de galinha poedeira demonstrava. Era este o maravilhoso Portugal imediatamente pós-PREC, Portugal esse ainda a braços com a conhecida técnica das greves cuidadosamente cronometradas: greve da água à segunda, do gás à terça, da electricidade à quarta e por aí fora. Talvez fosse uma boa desculpa para evitarem o banho colectivo semanal e o sabão macaco. 

Havia frentes para tudo, desde a frente de libertação da nossa terra que foi tudo menos isso que o nome indicava, até aos movimentos que ao estilo das amibas o PC - o MUTI, por exemplo, era o Movimento Unitário dos Trabalhadores Intelectuais que amalgamava sumidades e outras nem tanto assim, ou melhor, nada assim -  ia inventando para fazer de conta agregar boas e más vontades numa terra onde a inveja, a espionite e a maldicência são os pecados primordiais. Para além disso, ainda existiam organizações familiares como a Flama madeirense, ou a FLA açoriana. Porque razão seria o Campo Grande, a paragem mais baratucha e negligenciada do Monopólio, uma excepção?

Foram capciosamente executados muitos cartazes em papel de cenário, onde em letras garrafais a sigla ameaçadoramente surgia, um autêntico atentado à coesão da cidade de Lisboa. Prometia-se de tudo um pouco, desde a abolição de impostos para os residentes cujas tocas se situassem entre a praça de Entre Campos e o monumento ao Marechal Carmona. Os limites oeste-este eram mais difusos, estabelecendo-se a fronteira oeste talvez aquela esquina cuja artéria vai dar a uma das laterais do Hospital de Santa Maria e à Cantina da Cidade Universitária e a de leste no limite da Avenida de Roma e até ao Vá-vá, parte ocidental da Av. dos EUA incluída. Um enorme império com ambições de anexações até ao fim da Avenida da Igreja, incluindo-se assim o vitalíssimo Liceu D. Leonor. Estabeleciam-se várias portagens a toda a circulação automóvel, desde a mais importante que se situava na fronteira norte, até a outras secundárias como a da av. dos EUA ou a da Av. do Brasil. Um Estado soberano, dispensando os impostos aos seus naturais, tem mesmo de recorrer a quem o visita, ou seja, um antepassado da actual taxa hoteleira.

Também foram executados volantes, uma nítida cópia daquela folha distribuída durante anos a fio pelo CDS porta sim, porta sim. O conteúdo era aquele que se supunha na época, ou seja, promessas inacreditáveis numa prosa que faria corar de ciúmes os editores do Luta Popular, o órgão central do MRPP. Mata e esfola era o mínimo que por lá surgia, fosse a propósito dos cocós de cão na então bem mantida calçada de Lisboa, até às memoráveis cenas de pancadaria por uns copitos de carrascão do Cartaxo vendidos a veteranos que se reuniam na carvoaria do nº 190, um alfobre de potenciais candidatos a modelos de Brueghel. Um deles, o Perneta, era o mais afoito, usando a sua muleta de alumínio de uma forma tal que parecia artista de escola de esgrima. O berreiro era ensurdecedor e por vezes lá assomava à varanda a cabeça da Dona Flávia, a porteira que começava todas as conversas com o seu característico n'intanto que. Punha-se com o seu bem conhecido ó pcht!, ó pcht!, procurando moderar os palavrões que julgava então como exclusividade do seu marido. A Frelicagra pretendia a erradicação daqueles penetras e pernetas que vinham sabe-se lá de onde, talvez daquela vasta área que antes de ser a agora duvidosamente chique Alta de Lisboa, era então composta pelas Galinheiras, Camarate do potencial acidente, Musgueira, "bairro do aeroporto", bairro do relógio e a barracaria anexa onde vários continentes não conviviam em amena paz social. Eram aqueles panfletos policopiados e distribuídos por um bando de risonhos militantes, colocados em caixas do correio ou nos pára-brisas das carripanas de então. Recordo que nem sequer a carroça puxada pelo cavalo do cigano escapou à colagem das promessas. Claro que esperneávamos de tanto riso.

Assumia-se então plenamente o apelo à sedição e ao não cumprimento da Lei estrangeira, fosse ela qual fosse, a da municipalidade lisboeta ou a dos estranhos governos portugueses de então. O Campo Grande tinha tudo o que um Estado independente necessita. Forças Armadas, então alojadas naquilo que hoje é uma universidadezeca qualquer. Uma enorme e bem verdadeira Cidade Universitária, um grande liceu, e pelo menos duas escolas primárias, cafés, restaurantes, talhos, peixarias e padarias, havia de tudo e mais alguma coisa, como uma farmácia, por exemplo. Tinha pontos de abastecimento de vitualhas, um curso de água que fazia as vezes de Danúbio local, dois monumentos, um posto de polícia, a sede da Unita que logo passou a travestir-se de Concelhia do CDS, uma sede do PS e maravilha das maravilhas, tínhamos toda, toda a família Soares na antiga Rua do Malpique, sebosamente cambiada para o lambe-botismo normal de Rua Dr. João Soares (avô). Uma colossal Biblioteca Nacional e um centro comercial activo e outro em fase final de construção. Banca a rodos, desde a estatal CGD até ao Banco Fonsecas e Burnay ou BNU ou BPSM, já não recordo nem  quero saber. Plutocracia então ainda estatizada, claro, coisa que nitidamente significava a distribuição de prebendas interessantes entre irmãos daqueles e camaradas dos outros. 

Algo que nos escapou completamente foi o símbolo e olhando para aquela coisa nitidamente de praia, raiada e com uma estrela de Capitão América que hoje nos surge como se fosse algo como um facto consumado, fico a pensar que bem poderíamos tê-la então retroactivamente adoptado.

Quando já passada a febre Maduro, a febre roynghia, a febre afegã, a febre Brexit e todas as maleitas trumpeiras, temos então a febre catalã na qual o  tal artista Puigdemont com o seu cabelo à Piricas, confirma a escandalosa cópia dos idos e saudosos tempos áureos da Frelicagra.

Não sabia que o tipo da Generalitat tem 17 anos. Caramba, apesar de concitar farta risota, aparenta muito mais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:54

Jerónimo tem a foice e o queijo na mão

por John Wolf, em 04.10.17

cheese-log-chopping-axe-cheese-board-set-1.jpg

 

Jerónimo de Sousa está com os azeites. Em 2015 tinham-lhe prometido uma bela colheita se alinhasse com os socialistas e levasse a reboque o Bloco de Esquerda (BE), mas parece que lhe passaram a perna. O Partido Socialista conseguiu enganar os comunistas nas autárquicas e convencer uma mão cheia de marxistas a despir esse macacão. Falam de sedição e traição da Catalunha, mas a Coligação Democrática Unitária (CDU) não é uma região autónoma, reside no cerne da Geringonça e agora vem com a conversa do homem da luta, da insurreição de rua, do protesto pela reposição de rendimentos. Ou seja, é a própria Geringonça que se morde. O Rei Marcelo, que tem emissões a toda a hora, não imitou o monarca espanhol com a vã intenção de acalmar os ânimos. Há dias, de Belém, havia falado na necessidade de garantir o equilíbrio funcional da acção governativa. Embora os comunistas tenham levado uma ripada valente nas eleições autáraquicas e um desbaste decano de câmaras, no meu entender, são mais poderosos do que nunca. A receita original da Geringonça foi adulterada por António Costa, mas quem tem a foice e o queijo na mão é Jerónimo de Sousa. A laia de sugestão, de quem já não quer a coisa, e por entre as linhas, o chefe da festa do Avante vai emprestando a bons ouvidos os tons de meia-dose de ameaça. Diz, nesse código de luta sindical, que se esticarem o cordel, o homem puxa a alcatifa à Geringonça e entorna o caldo. O BE, coitadito, já não é a coqueluche querida dos anseios pseudo-iluminados da Esquerda - também lhes foram aos fagotes nas câmaras - zero. Resumindo e concluindo, enquanto Santana vai ou Montenegro vem, o Partido Social Democrata (PSD) que se apronte convenientemente. O saldo eleitoral não lhes é de todo desfavorável. A mudança de líder e de óleo podem ser feitas na mesma revisão. O motor da Geringonça parece ter uma junta problemática e deixa escorrer vestígios de crise antecipada. As autárquicas não merecem apenas uma leitura nacional. Exigem uma leitura racional. Agarrem Jerónimo, senão ele parte a loiça toda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:43

A descolonização da Catalunha

por John Wolf, em 01.10.17

 

 

Penso, imodestamente, que devemos olhar para o big picture e não tropeçarmos em simplificações ideológicas ou nacionalistas. O que decorre na Catalunha transcende a noção de legitimidade constitucional do referendo. Assistimos, um pouco por toda a Europa, a níveis de insatisfação económica e social das populações que depositaram grande fé política nas decisões de administrações centrais. Quer Madrid quer a União Europeia das Comissões e Parlamentos, dos regulamentos ou dos fundos estruturais, não foram capazes de interpretar os anseios das suas gentes. A Catalunha tem sido um contribuinte importante para o erário público de Espanha e, decorrente desse facto, esperava mais retorno do investimento político realizado. Observamos um evento que poderá ser designado por um "processo de descolonização". O império espanhol é composto por regiões que reclamam historicamente a sua independência e, à luz dessas mesmas considerações, a "luta armada" a que assistimos hoje (e os feridos resultantes da mesma), fazem parte do mesmo esquema de sucessão colonial - existem semelhanças entre os processos de separação que são flagrantes. E nem é preciso viajar a África ou à América Latina. A ex-Jugoslávia também havia empacotado no seu "Estado" um conjunto de nações e culturas dissonantes, uma lista de línguas maternas e um rol de dissidências internas de natureza política, social, económica e étnica. A repressão policial de Madrid, conduzida em nome da legalidade constitucional do referendo, servirá apenas para agudizar as posições, distanciar ainda mais aqueles que fazem fé da independência da Catalunha daqueles que desejam (a qualquer custo) a união de Espanha. Quando a violência eclode deixa de haver grande margem para um regresso saudável à mesa de negociações. Passam a valer ferramentas de toda a ordem. Não nos esqueçamos dos danos causados pela luta "por outros meios" da ETA - o terrorismo e as mortes violentas. O governo de Madrid enfrenta deste modo alguns dilemas existenciais. Remete o cidadão trans-regional para os tempos de censura e repressão de Franco e ao mesmo tempo promove a luta política (por outros meios) dos independentistas. Tinha a intenção de me afastar de considerações de ordem ideológica, mas não resisto à tentação. Estranho, de um modo visceral, que a Esquerda não esteja alinhada com a luta de um povo que reclama para si elementos absolutamente lineares; a possibilidade de escolher o seu destino enquanto aglutinador dos vectores nação, território, língua e poder político. A Espanha está em apuros, mas não será a única. Os factores de desagregação do conceito de união estão em alta. Foram muitos erros cometidos em Espanha, mas também na União Europeia. Não chamemos nacionalismo a esta manifestação de vontade. Essa é a arrumação clássica, fundamentalista, daqueles que não compreendem como nascem Estados e como findam impérios.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:51

A queda do Muro de Madrid

por John Wolf, em 30.09.17

Park-Guell-Barcelona-wall.jpg

 

Retrospectivamente saberemos interpretar a importância do que sucede na Catalunha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:12

Catalunhex

por John Wolf, em 21.09.17

 

Não é preciso ser constitucionalista ou estudioso de sistemas políticos para entender o que sucede na Catalunha. Basta olhar para a história e aceitar que são precisamente conflitos e rupturas que estão na origem de Estados, e que a base nacional tem sido o fundamento para a sua fundação, tendo em conta o que resulta desse marcador importante que é a Paz de Westfália de 1648. Por mais que o governo central de Madrid tente proibir a consulta popular à independência da Catalunha, a mesma não deve depender de autorizações "excêntricas", ainda que legitimadas pelo poder político - nenhum governo, dada a sua natureza integracionista, autorizaria um movimento secessionista (seria uma contradição de génese política). Assistimos, deste modo, à sindrome do gato escaldado pelo Brexit. Madrid não quer que aconteça o que sucedeu em Londres. A Monarquia Constitucional de Espanha e o governo que dela resulta, consagrada como modelo de Democracia de pleno direito, demonstra de um modo preocupante que certas práticas de censura e controlo dos tempos de Franco ainda continuam válidas. Não se pode admitir, que na dita Europa civilizada, embalada pela União Europeia, a perseguição política aconteça. A Catalunha é uma das jóias da coroa, um contribuinte importante para o PIB espanhol e é sobretudo essa dimensão económica que está em causa. Não existe nada de romântico ou lírico na união de regiões "à força", de territórios e gentes que perseguem outros sonhos. Se o referendo não acontecer de um modo pacífico, rapidamente a situação evoluirá para o caos e a expressão ainda mais violenta do que aquela até agora registada. Se porventura chegarem à mesa de negociações da independência, quero ver qual será o preço que o governo de Madrid exigirá, qual o valor em causa e quais os demandantes que se seguirão. A Europa das Regiões, essa bandeira agitada para dar ares de descentralização do poder político, tem agora um belo exemplo para hastear. A Catalunha é uma nação. E existem muitas outras por essa Europa fora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:47

Atentado na Catatonia

por John Wolf, em 19.08.17

14y01g1.jpg

 

Enfrentamos um falso dilema ideológico. Os governos de Esquerda invocam que a sua natureza não é securitária. Defendem as liberdades individuais e o direito à criatividade, mas sabemos - porque a história é tramada e não mente (embora existam revisionistas!) -, que foram também regimes estalinistas e que são regimes de inspiração maoista que mais controlam (ou controlaram) os seus cidadãos. Os atentados de Barcelona remetem-nos para a Catalunha, e simultaneamente para a catatonia, ou seja, a forma de esquizofrenia que se caracteriza pela alternância de períodos de passividade e de excitação repentina. O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa diz que "não há razões para alarmismos" e, deste modo, preenche uma das metades do estado catatónico. António Costa também lá anda na mesma ala de prejuízo e inconsequência. A geringonça, que saúda a estirpe revolucionária de um Manuel Alegre inspirador, tarda em dar conta do recado. Portugal está à mercê, pôs-se a jeito. Enquanto deglutem as mortes da avó e da neta, esquecem a geração do presente, aquela ensanduichada na mesma irresponsabilidade que grassa de Pedrógão a Tancos. A Esquerda ainda julga que existe um oásis moral, uma reserva intangível. Será expressamente proibido efectuar controlos aleatórios de cidadãos nas ruas pejadas de turistas. Está completamente vedada a colocação de barreiras físicas nas portas da Rua Augusta. É totalmente inconcebível colocar militares na ruas. Porque tudo isso é obra para o diabo  - a Direita que deve carregar o regime securitário às costas. Quem disse que a festa do Avante não é um soft target? O governo está à espera que elas aconteçam. Desse modo, pode alinhar-se com os países civilizadamente evoluídos que já viram os seus corações destroçados. Até uma criança pode entender o guião, a argumentação subjacente. Estão à espera de um estoiro de dimensão assinalável para poderem justificar as tais medidas securitárias. Inventaram a figura de estado de calamidade preventiva, mas não pescam nada de nada do mundo perigoso em que vivemos. Tenham cuidado. Ninguém vos protege. Estão sós. Estavam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:47

Duche escocês em Barcelona

por Nuno Castelo-Branco, em 10.11.14

catalua-protesta-contra-la-independencia-de-catalu

 

Tal como se esperava, foi unânime o teatrinho prodigalizado pelas três estações televisivas portuguesas. Simulando não terem compreendido o que sucedeu, ou pior ainda, interpretando a realidade ao invés daquilo que as próprias sapiências pivotais declaravam vinte e quatro horas antes da paródia catalã, informaram como bem lhes aprouve, num daqueles contorcionismos interpretativos em que se especializaram.

A consulta obrigada pela ERC que mantém Mas sob tutela, falhou estrondosamente. Um povo que se sente agrilhoado e procura desembaraçar-se de uma - neste caso imaginária - tutela, acorre em massa às urnas, sejam elas verdadeiras ou como neste caso foram, meras caixas de cartão. Não existiu o direito ao voto secreto, não existiu um levantamento de eleitores que se coadune com as normas de um Estado de Direito. Pior ainda, o populismo bacoco chegou ao ponto da inovação futebolística da chamada dos maiores de dezasseis anos de idade, como se de um referendo liceal se tratasse.

Mesmo após anos infindos de pesado bombardeamento da propaganda mais abjecta, apenas um terço do eleitorado votou e mesmo entre os entusiasmados, 10% desse punhado de catalães preferem um Estado dentro de Espanha, enquanto 4% pura e simplesmente rejeitaram qualquer possibilidade estatal autónoma. Em casa ficou uma esmagadora maioria silenciosa que bem poderá, no caso de insistência da baderna ERC que maneja os cordelinhos da marioneta Mas, vir um dia enterrar da pior maneira os delírios dos sátrapas, para mais gente insuportável de pesporrente egoísmo roçando a xenofobia mais desbragada.

Podem os nossos pivôs de serviço dizerem o que bem lhes apetecer, mas ontem e em directo de Barcelona, receberam um copioso duche escocês. Sim, é isso mesmo, mas sem água quente. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:46

Por mero acaso

por Nuno Castelo-Branco, em 12.09.14

Ainda a propósito da Escócia, aqui fica uma sugestiva foto que todos compreenderão. Nada disto é por acaso, pois não?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:49

Loucuras catalunheireiras, ou como se fazem mais Le Pen

por Nuno Castelo-Branco, em 24.06.14

Por 2,2 milhões de Euros a mais? Que barato! Nem sei como é que a Sonae não farejou este negócio, lá estaría mais um Colombo em potância. Antes assim fosse, mas neste caso em que prepondera a tolice, não perderão pela demora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:38

Haja inteligência...

por Nuno Castelo-Branco, em 13.09.13

... e sobretudo, sentido do interesse de Portugal. Habituados à cacofónica ignorância de quem tem para cá da fronteira comentado este triste assunto, um bom texto que sucintamente expõe o essencial. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:00

A Catalunha que importa

por João Pinto Bastos, em 25.11.12

 Salvador Dalí, Leda Atómica, 1949

 

Nota: Com a devida vénia ao Nuno Castelo Branco, aqui fica mais uma boa recordação de Dalí.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:43

Mas, o René Levesque catalão

por João Pinto Bastos, em 25.11.12

O desfecho da contenda eleitoral catalã não me causou grande estupefacção. Era expectável a recusa do eleitorado em embarcar em aventuras secessionistas de desfecho incerto. Por mais que se diga o contrário, os tempos não estão para grandes exaltações de espírito. Mas apostou todas as fichas numa separação política consagrada pelo voto. Erro crasso. Nos dias que correm o método "Levesque" não funciona. Aliás, nunca funcionou. O condottieri catalão já devia saber que sufragar a nacionalidade não é boa política. O dia 25 de Novembro de 2012 é para os catalães chauvinistas aquilo que o dia 24 de Maio de 1980 foi para os quebequenses: o penoso fim de uma ilusão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:14

Muito vento e balões sem ar

por Nuno Castelo-Branco, em 25.11.12

Independência e "lutas" garantidas na RTP, SIC e às vezes, na TVI. Já rebolavam de gozo os olhinhos dos enviados "especiais", antevendo a secessão. É este, o nacional-pacotilhismo televisivo.

 

A verdade das urnas é como sempre, muito diferente. O padrinho Mas sai de fundilhos queimados, mas com a sua fraudulenta bancarrota intacta e à espera do auxílio de Madrid. Pior ainda, vê arrebatada a vietnamita bandeira independentista pela xenófoba ERC, uma imitação barata do estilo Le Pen, mas "de esquerda", como convém aos do costume. As primeiras contagens parecem confirmar a descida na totalidade dos lugares obtidos pelos independentistas declarados - CiU + ERC + CUP = 71 -, contra os 75 assentos que ainda há uns dias ocupavam. Aguardamos pacientemente os saltos mortais no parlapatonismo de certos comentadeiros da desgraça. Lá se foi mais uma "revolució".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:43

Os cretinos

por Nuno Castelo-Branco, em 25.11.12

Por cá há-os de vários matizes, desde os histéricos pretensiosos da "revolução", até aos nervosos pela dissolução. Hoje mesmo, o dia das apontadas decisões de soberanismo mafioso e de colorido garridamente egoísta, apenas retenho algo que disse aqui e aqui. Henrique Monteiro apenas escreve aquilo que o salutar senso comum aconselha. Nada existe a acrescentar, a não ser um sonoro "era só o que mais nos faltava!"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:18

"Al" o quê?

por Nuno Castelo-Branco, em 13.10.12

 

Enquanto este troglodita persiste na senda do irreparável, mesmo ao virar da própria esqina catalã, a situação não é nada promissora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:00






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas