Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Peculiaridades do regime pátrio

por Samuel de Paiva Pires, em 17.03.17

Confesso que nunca percebi o motivo da repulsa ou até mesmo ódio que tantos políticos portugueses têm por Santana Lopes. Parece-me tratar-se de um indivíduo com uma autêntica vocação e devoção pela causa pública, não lhe sendo conhecidos quaisquer envolvimentos em esquemas de corrupção e afins ao fim de quase 4 décadas de presença na vida pública e política do país. No caso de muitos dos protagonistas políticos da nossa praça, quase poderia dizer-se que o ódio que lhe dedicam é  proporcional ao amor que têm por José Sócrates - o que é revelador quanto baste.

 

Ora, como já terão adivinhado, vem isto a propósito da recentemente revelada justificação de Jorge Sampaio para ter dissolvido a Assembleia da República em 2004: "fartei-me do Santana." Não precisamos de recorrer ao estafado argumento de que se fosse alguém de direita a dizer isto de alguém de esquerda, cairia o Carmo e a Trindade. Afinal, já se sabe que o actual regime pende significativamente para a esquerda, permitindo a quem é de esquerda muito do que não poderia ser feito por alguém de direita sem que um coro de indignados se manifestasse violentamente. Limitamo-nos a salientar que se espera do mais alto magistrado da nação que não sucumba a estados de alma, visto que estes não nos parecem poder justificar a decisão de accionar a mais poderosa prerrogativa ao seu dispor, e, assim, a registar que as declarações de Sampaio têm, efectivamente, o condão de fazer de Cavaco Silva um estóico estadista muito superior à média dos políticos que nos vão pastoreando.

 

(também publicado aqui.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:36

Prof. Cavaco Silva

por João Almeida Amaral, em 08.03.16

Quadro.jpg

 

É extraordinário, que o primeiro Presidente da República pós 25/4 , que não tem raízes nem ramificações com as elites políticas, financeiras ou maçónicas, seja crucificado e ridicularizado pelos que se afirmam representantes das classes trabalhadoras, socialistas, comunistas e extrema esquerda. 

Filho de um humilde empregado de uma bomba de gasolina , (mais tarde pequeno empresário) não fugiu ao cumprimento do serviço militar obrigatório,nem fugiu para Argel como outros,  tirou uma especialização no Reino Unido e chega a Portugal depois do 25/4.Foi fazer a rodagem ao Citroen e ganhou.

Socialmente nada tinha a ver com Sá Carneiro ou Pinto Balsemão, para eles seria sempre um pé descalço.

O pai não era padre, nem a mãe Inglesa. 

Este filho do povo Algarvio é eleito primeiro ministro,com duas maiorias absolutas e Presidente duas vezes a primeira volta.

Mas afinal o que quer esta gente ?

Haja paciência.  

Os cães ladram a caravana passa. 

Cumprimentos Senhor Professor e obrigado. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:39

A reemergência do bloco central de interesses

por Samuel de Paiva Pires, em 23.12.15

As notícias sobre a morte do centrão foram manifestamente exageradas. Passos e Costa podiam fazer o jeitinho a Cavaco Silva e permitir-lhe terminar o mandato deixando o legado com que há anos sonha: um governo composto por PSD e PS. Sempre era mais "estável e duradouro" que a geringonça.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:41

03-1964-Plymouth-Valiant-Station-Wagon-Down-On-The

 

António Costa vai ser avalista dos empréstimos do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista Português - é assim que Cavaco Silva estabelece a relação de garantias de governação. Se a carrinha que circula pela faixa da Esquerda avariar ou o motor gripar, será Costa a pagar uma parte do arranjo. O outro conserto da carroçaria será suportado pelos portugueses. Quando Jerónimo de Sousa, e outros com semelhantes reclamações, afirmam que aquando da nomeação de Passos Coelho, a série de seis perguntas foi preterida, esqueçem-se de um pequeno pormenor - o país estava a arder, Portugal estava rachado. Assim sendo, não faria muito sentido, e nesse contexto, perguntar aos bombeiros de serviço que tipo de mangueira faziam tenções de usar. António Costa, que parece vir a assumir a qualidade de chefe de governo, está correctamente e preventivamente a ser controlado em nome da sustentabilidade que Portugal exige. As perguntas colocadas à saída de Belém, segundo o presidente do Partido Socialista Carlos César, são fáceis, do nível de uma quarta classe, e António Costa tem as respostas todas debaixo da língua - da sua. Sobre os seus parceiros de coligação parlamentar, pouco se sabe. De qualquer maneira, não governam. E isso é bom. Mais facilmente farão parte da oposição ao governo socialista. Já temos indícios mais do que suficientes de que as comadres andarão à estalada. É uma questão de tempo e poucas matérias de governação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:53

Sócrates ajuda Cavaco

por John Wolf, em 22.11.15

help-large.jpg

 

 

Os mais de quinhentos amigos de José Sócrates foram enganados. Foram ao almoço para serem agradecidos e o desenhador de fotocópias aproveitou a ocasião para ajudar Cavaco Silva no seu processo de tomada de decisão. O Presidente da República deve levar em conta a arte do Pinóquio de Castelo Branco. O ex-recluso de Évora concede boas razões para que um governo alicerçado nestes valores não seja empossado. O homem dos 23 milhões de euros ladra enquanto pode. Agarra-se ao megafone para estrabuchar. Se os portugueses aguardam uma decisão de Belém sem organizar almoços de solidariedade, Sócrates também deve aguardar com serenidade a formalização da acusação. Afinal, é inocente. Afinal, não há factos. Afinal, não há provas. Mas ele tem alguma razão que se pode traduzir no seguinte; o tempo que passou em Évora deve ser descontado à sentença. Ou seja, os 15 anos de pena efectiva devem passar a 14. Quanto aos outros associados, Almeida Santos, Mário Soares, Carlos Silva e os demais ilustres - ide-vos catar. António Costa? Por onde andas?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:34

banana-crop.jpg

 

Passos Coelho acaba de empossar o governo de António Costa. O primeiro-ministro promove os socialistas ao seu mais alto nível de usurpação. Certamente que conhecem a expressão:"contra uma porta aberta não vale a pena empurrar", e, nessa medida, como já havia escrito noutras ocasiões, o PSD e o CDS devem deixar a nova Esquerda demonstrar a amplitude das suas contradições. Deixem-nos utilizar a sua varinha mágica. A mesma que gera aumentos de salários, reposições de pensões, que acaba com as privatizações, que diminui a dívida pública e privada, que disciplina a banca e os especuladores neo-liberais, que cria impostos sucessórios pesados ou que lança obras públicas megalómanas. Portugal tem todo o tempo do mundo para suportar todas as experiências, para se afundar novamente, para repetir a história recente. O PS apenas quer apresentar um orçamento. Vive obcecado com essa ferramenta de execução governamental, como se não houvesse nada mais a acrescentar ao desígnio nacional. António Costa quer respeitar os compromissos europeus, mas ainda não percebeu que o continente está a mudar. Quero saber quem irá ser o Centeno dos negócios estrangeiros. Será Freitas do Amaral o novo responsável pela política externa deste país? Não seria mal visto. Os bons serviços devem ser recompensados. Essa é a lógica conceptual do PS. Colocar gente de confiança nas juntas de freguesia, nas chefias de repartições públicas e nos quadros de grandes empresas. Se houver chatice, basta virar as costas. Fingir que Armando Vara é nome de cantor e José Sócrates alcunha de outras sortes. Não vale a pena insistir na tese da banana pequena. Cavaco poderá prestar um último serviço ao país, e daqui a uns meses quando estiver a gozar a reforma na praia da Coelha, poderá dizer: eu bem que avisei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:53

Não é a Maria de Belém

por John Wolf, em 18.11.15

81394957.jpg

 

Maria de Belém não chamou Cavaco Silva de gangster, mas aproveitou a boleia. A candidata que por acaso é socialista, sem ser necessariamente a candidata socialista, demonstra que quer ser a presidente da república de todos os socialistas. Ao exercer pressão sobre o actual chefe de Estado para que este se despache, fá-lo não no sentido abstracto do juízo presidencial, mas com os galões da Esquerda sobre a ombreira das suas pretensões. Ao sugerir o aprofundamento dos acordos firmados por António Costa e as outras forças políticas de Esquerda, Maria de Belém afunila o sentido abrangente e pan-ideológico que um presidente deve imprimir ao exercício do seu cargo. Se Belém os tivesse no sítio, faria bem em repudiar os insultos dirigidos ao presidente da república, mas não, preferiu fingir que nada aconteceu, que um colega seu do Partido Socialista (Porto) nada disse. A uma senhora não se pergunta a idade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:41

Luxury-Dinette-Sets-40.jpg

 

 

Estava inclinado para escrever sobre o mais recente desabafo (recado?) de Cavaco Silva que partilhou uma parte do seu currículo, referindo que também tem experiência profissional na liderança de governos de gestão e que se recorda bem desse serviço político. Não é preciso ser grande decifrador para perceber que pelos vistos António Costa deve ficar apeado. O presidente da república tem todo o tempo do mundo para receber em audiência quem bem entender. Mas não está sozinho nessa corrida. O líder socialista António Costa reuniu-se com a malta dos bancos ainda antes de Cavaco Silva, para ver se lhes consegue prometer condições mais vantajosas do que aquelas oferecidas pelo governo de coligação. Não há mal algum nestas movimentações. O que acho questionável é António Costa ter reunido com os banqueiros no Hotel Ritz. Não sei quem pagou a conta (Sei, sei. Fomos nós), mas teria sido mais simpático se a reunião tivesse ocorrido num local menos faustoso. Das duas uma: ou não foi António Costa que escolheu o local do encontro ou António Costa não teve pulso para propor outra residencial - o Ibis não teria sido mal pensado. Poderia servir para contrariar a ideia de que os socialistas são despesistas. Ah! Agora entendo a frase: o encontro não estava incluído na agenda oficial de António Costa. Mau! Então, foi um convívio de amigos, com fados e tudo? Sem conversa entediante? Temas políticos, por exemplo? António Costa ainda nem sequer começou o que quer que seja, mas parece estar a replicar o seu amigo esquecido José Sócrates. Não sei, não. Pouca sorte tem tido António Costa com esta história de Paris. Aquela tragédia fez com que Cavaco Silva fosse ainda mais ponderado. Foi à Madeira e tudo. Ritz-te, Ritz-te!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:40

800.jpg

 

Aviso os leitores para a violência das ideias contidas neste artigo. Decidi, embora temporariamente, colocar-me na cabeça politicamente cínica de António Costa. E depois aproveitei o devaneio da sua mente torcida e realizei o seu transplante para o espectro lobotómico de Cavaco Silva. Uma vez que os socialistas esticaram até ao limite as possibilidades constitucionais, e realizaram um golpe parlamentar perfeitamente legítimo, embora politicamente questionável, não vejo razão para que o Presidente da República se abstenha de cravar as suas unhas nas costas do sistema político e da instituição que corporiza - Cavaco Silva poderia ser António Costa apenas por umas horas, para ver se ele gosta. Ou seja, há tanta coisa que pode fazer sem contemplações de ordem misericordiosa, e que tiraria o tapete por debaixo dos pés da Esquerda que se espraiou em acordos de ocasião. Não falo de um governo de iniciativa presidencial. Não me refiro a um governo de gestão. Não menciono a dissolução da Assembleia da República e a convocação de novas eleições. Não senhor. Nada disso. Refiro-me a algo mais subliminar, malicioso, eticamente questionável, mas perfeitamente legal, inteiramente exequível do ponto de vista constitucional. Cavaco Silva poderia simplesmente demitir-se e passar a batata quente ao seu sucessor. O Presidente da República tem muito menos a perder do que António Costa. Se o fizesse não seria muito distinto daquilo que António Costa fez à revelia da tradição política de Portugal. Catarina Martins repete vezes sem conta que o aconteceu era exactamente o que o país precisava - algo novo, inédito. Então, pela mesma bitola e com o mesmo entusiasmo democrático, o Presidente da República poderia inaugurar uma nova modalidade institucional - demitir-se. Cavaco Silva poderia causar alguma confusão nas mentes convencidas daqueles que julgam que têm o rei revolucionário na barriga. Se é para escangalhar o regime de uma vez por todas, ao menos que o Chefe de Estado ainda seja chefe de alguma coisa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:21

twinsDM1806_468x323.jpg

 

Cá vamos mais uma vez. Se certas ideias são boas para os outros, também devem sê-las para os próprios. O que fará António Costa se eventualmente "três minorias" dentro do próprio Partido Socialista (PS) decidirem formar uma "maioria" para o remover da liderança? Será que aceita essa realidade ou será igual a Cavaco Silva? As semelhanças são mais que muitas com o Presidente da República, não tenhamos dúvidas. Mas analisemos mais em detalhe o "percurso de favas contadas" do secretário-geral daquele partido. Primeiro pensou (e mal) que bastaria varrer António José Seguro da sua frente e que as eleições legislativas estariam no papo. Assim não foi. Depois, sem nunca abrir o jogo, e como solução de recurso face à derrota eleitoral, inicia negociações com o Bloco de Esquerda (BE) e a Coligação Democrática Unitária (CDU). E isso correu mal, ficando provado que não é possível misturar as bebidas políticas - ser europeísta convicto e ao mesmo tempo sair do Euro. Ser atlanticista de gema e procurar abandonar a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO). António Costa meteu-se mesmo em trabalhos. Mas não fica por aqui. Assume desde já que rejeitará qualquer iniciativa governativa emanada da coligação (sem as conhecer). Ou seja, irá impor um regime autoritário a eventuais deputados que façam uma outra leitura do estado da nação. O Partido Socialista não existe mesmo. A sua razão de ser, neste momento único da história de Portugal, é derrubar o governo de coligação em vez de avançar com soluções de compromisso político que seriam também a sua única tábua de salvação. Será que António Costa ainda não percebeu que perdeu as legislativas, a liderança do seu partido, o respeito de pares da sua bancada parlamentar, a consideração dos portugueses e a confiança das instituições europeias ou externas que tornam possível a solvabilidade de Portugal? A dissolução do Parlamento, e a convocação de novas eleições, obriga Costa a coligar-se com o BE e a CDU, mas já sabemos que resultados isso trará. Os socialistas moderados não querem ser confundidos com bloquistas ou comunistas, e desse modo abster-se-ão de votar no PS contribuindo para um ainda maior descalabro daquele partido e uma mais que provável maioria absoluta do governo de coligação. António Costa não se revelou por completo, mas oferece provas irrefutáveis do modo como entende a política e  como esta deve ser conduzida em Portugal. Ainda vamos ter de levar com ele durante algum tempo, mas quando for, será como se nada fosse. Passará à história para ser lembrado com pouco carinho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:06

Red-stock-market.jpg

 

A dupla Jerónimo-Martins quer fazer frente à Jerónimo Martins. Sim, Jerónimo (de Sousa) e (Catarina) Martins. É tudo uma questão de mercados, economia e transferência de riqueza. Se o Jerónimo de Sousa e a Catarina Martins chegassem ao poder, não tenho dúvidas que viriam atrás daqueles que ganharam a sua vida de um modo honesto. Não tenho um pingo doce de dúvida que o atalho para fundamentar o seu conceito de geração de riqueza seria tirar a quem muito tem para dar a quem pouco tem. No entanto, esquecem-se que a grande maioria dos que tem, em tempos pouco teve. Confirmamos deste modo uma visão preconceituosa - o sucesso e a acumulação de riqueza são sinónimo de desonestidade. No caso destes senhores é mais fácil tirar do que dar - dar a cana de pesca, por exemplo. Portugal estava a dobrar a esquina económica e financeira, mas estes senhores têm uma visão altamente corrosiva da realidade. Aliás, o que a Esquerda do Partido Socialista, da Coligação Democrática Unitária e do Bloco de Esquerda propõem é a cara chapada de Wall Street. A operação que querem levar por diante é um takeover do governo, mas para o realizar encontram-se na fase de mergers and acquisitions. O regulador da bolsa de valores ideológicos (Cavaco) decerto que suspenderá a fusão, se ficar demonstrado que o cartel pretende avançar com o desmantelamento da sociedade económica e social tal e qual como a conhecemos e elegemos. Para já, lidamos com especuladores, traders como António Costa que negoceiam no mercado de derivados, alguns altamente tóxicos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:16

Dado adquirido

por Samuel de Paiva Pires, em 12.10.15

Se eu tivesse contactos imediatos de primeiro grau com os mercados, diria que até estes já estão a assumir como um dado adquirido a formação de um governo PS, BE e CDU. Ao PSD e ao CDS parece restar a resignação e a retirada com dignidade para a oposição no parlamento - o que Costa não soube ou não quis fazer, preferindo rasgar o acordo de cavalheiros que imperava há décadas entre o arco da governação e impor ao sistema político-partidário transformações estruturais com consequências imprevisíveis, fruto da sua ambição desmedida que sacrificará o país e o PS no altar das suas circunstâncias pessoais. Isto, claro, pressupondo que Cavaco Silva não trocará as voltas a Costa, que era o que este merecia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:16

Cavaco entre Churchill e Fidel Castro

por John Wolf, em 10.10.15

vigar-3d2.jpg

 

Não será Cavaco Silva a decidir. Nem será António Costa a impor um governo de Esquerda. Será a Europa a ditar as regras do jogo. O problema de mentes pequenas é olharem apenas para o seu umbigo, mas há mais paisagem para além do reino da Dinamarca. O secretário-geral do Partido Socialista parece omitir alguns factos determinantes. A Troika, embora já tenha sido despedida, vincou a sua residência no território nacional para muitos e bons anos. Nada muda com um governo de maioria de Esquerda, congeminado entre promessas de bem-estar e ameaças de desagregação nacional. E existe uma outra dimensão que deve ser sublinhada. O efeito de um assalto da Esquerda portuguesa nos restantes países europeus que terão a breve trecho ou não eleições. São efeitos secundários desta natureza que certamente já terão posto em marcha acções "contra-revolucionárias" em congéneres governativas e instituições de países-membro da União Europeia. Antes que as coisas se desenrolem de um modo desorganizado, os mercados serão dos primeiros a reagir, agravando a percepção de risco de Portugal. António Costa, que tem confirmado a sua incompetência táctica e estratégica, leva a sua luta ao destino errado, ao falso patrão. Se fosse inteligente, o socialista-mor já teria iniciado o seu roadshow junto dos avalistas europeus, os emissores de cheques de salvamento, as instituições conservadoras da Europa, aquelas que mais se amedrontam com febres vermelhas. O excesso de fervor soberano de Costa não é, infelizmente, compatível com o firmado em contrato. Portugal não pode simplesmente rasgar o clausulado de condições impostas sem sofrer as consequências que geralmente estão associadas a Estados-pária. Não julguem por um instante sequer que a Europa é uma simples espectadora. Existem várias vacinas que poderão ser usadas para conter os ânimos desmedidos. António Costa deve sabê-lo, mas os socialistas que são conhecidos por alimentar fantasias à custa dos outros, enfrentam agora um momento de verdade ainda mais crucial do que os restantes. António Costa pode até ter uma claque apurada para estes propósitos, mas em última instância acena a falsa cenoura da governação aos outros partidos da sua área de influência. Neste momento delicado da história de Portugal seria de esperar outro tipo de inclinação ética. E para finalizar: julgam mesmo que Cavaco quererá ser lembrado por se ter vergado às ameaças de radicais de Esquerda? Não me parece. O homem, bem ou mal, estudou em York. E isso soa mais a Churchill do que a Fidel Castro. Pudim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:01

Foge cão!

por Nuno Resende, em 11.06.15

Lamego é uma cidade muito bonita. Tive a honra de a habitar durante cerca de 2 anos e de já há quase 20 anos trabalhar com e sobre o seu património. Não vou discorrer sobre a natureza das suas gentes, como faziam os panegiristas do Estado Novo, para quem a mulher e o homem do interior, na sua aparente bonomia, suscitavam elogios paternalistas dos próceres e intelectuais daquele regime enquanto modelos da nação pobre mas honrada.
Contudo, não posso deixar de assinalar a resistência deste paternalismo nos políticos de hoje, nomeadamente na figura do Senhor Presidente da República, que no seu discurso do 10 de Junho, dirigido em Lamego ao país e a muitos lamecenses, se referiu à «experiência destas terras do interior» como uma «lição para o país». Já não saliento, sequer, a forma distante, desapegada e quase depreciativa com que o nosso Chefe de Estado se dirigiu à região que o acolheu, mas à permanência daquele tópico saudosista do Estado Novo sobre a força e a honradez das gentes do interior. Aquelas gentes, daquelas terras, por oposição a um litoral (leia-se capital) ilustrado(a) e culto(a).
Fez-me pena o discurso e pena a reacção dos ouvintes e participantes. Pena pela incapacidade de um homem fazer-se líder inquestionável de um país democrático e democrata que, não puxando pelos seus galões patrióticos, já deu gente bem mais capaz; e pena por cada um dos que, em Lamego do dia 10 de Junho de 2015 ouviram e bateram palmas a um discurso que os diminuía ao tamanho de um rato.
Durante a monarquia constitucional ouvia-se e lia-se a crítica às benesses, mercês, títulos e comendas distribuídos, segundo os mais republicanos, a torto e direito, sem justificação e ou pena pelo erário público que as premiava a tença.
A República Portuguesa através do seu presidente distribuiu hoje comendas e medalhas, também sem justificação aparente em alguns casos, e recebe o silêncio de uns e palmas de outros.
Parece que antes de 1910 queria fazer-se crer a opinião pública que até os cães que recebiam as mercês. Hoje que os cães já são quase gente, quem as recebe?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:17

Portugal e os doentes da memória

por John Wolf, em 25.03.15

ram.jpg

 

 

Portugal tem das taxas de incidência de Alzheimer mais altas do mundo. Zeinal Bava, Ricardo Salgado, Vitor Constâncio, Ferro Rodrigues, José Sócrates, Carlos Cruz, Cavaco Silva, entre outros memoráveis, sofrem, com maior maior ou menor intensidade, desta terrível doença. O que podemos fazer? Administrar choques eléctricos? Fazer uso do polígrafo? Portugal arrisca-se a cair num enorme buraco de esquecimento se permitirmos o avanço desta praga. Proponho medidas de combate ao flagelo, mas não me recordo quais serão as mais eficazes. Criar uma Autoridade da Memória e Esquecimento (AME)? Um organismo vivo que circula pelo corpo e que identifica as petas antes que se transformem em mentiras? O que vale é que para a soma de tudo que não se recorda, haverá alguém que se lembra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:23

Perfil de Facebook segundo Cavaco Silva

por John Wolf, em 10.03.15

550

 

Cavaco Silva voluntariou a sua ideia de perfil de Facebook para Presidente da República. Deve ser alguém mundano, experiente em comentários e capaz de defender o seu mural. Um lider com capacidade e formação adequadas para analisar e acompanhar os posts relevantes para o país. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:26

Cavacas, Costas e sombras de chaparros

por John Wolf, em 02.01.15

cavacas

 

Fiz uma promessa que não irei cumprir. Jurei que em 2015 abrandaria o meu ímpeto selvagem, a minha tendência violenta para com os afazeres do recluso 44 e os juramentos demagógicos dos socialistas. Mas intimamente sei, que mais parágrafo menos parágrafo, regressarei a essa faena, à lide da pequena política de quintal, de mexericos e dissabores. Ainda hoje tentei evitar o consumo dessa água danada, mas não me dão hipótese, vêm beber à minha mão. António Costa, assim como o rabejador Ferro Rodrigues, haviam declarado que não negociariam com o inimigo, que não assinariam acordos de regime, e que o caminho do poder seria uma rota de tudo ou nada, a solo, em absoluto. Contudo, Cavaco Silva que ontem serviu umas fatias de bolo-presidente aos portugueses, parece ter desviado Costa do seu projecto de futuro governo. A reunião de António Costa com o Partido Social Democrata deve ser entendida do seguinte modo: os socialistas sabem que não têm margem de manobra para inverter o curso de acção ou alterar a receita de governação implementada desde a chegada da Troika e o descalabro económico de 2011. Se os socialistas continuam com essa conversa de rasgar o tratado de austeridade sabem que serão ainda mais castigados pelos decisores do centro da Europa - Merkel e companhia, se quiserem. O que está a acontecer lá para os lados do Banco Central Europeu também sugere tempos atribulados, dificuldades acrescidas. Há mais de 3 anos que Mario Draghi anda a ameaçar a Zona Euro com o lançamento de quantitative easing e o espectro da deflação parece validar ainda mais essa hipótese. Ou seja, os astros não estão alinhados para sonhos cor de rosa. Antes que o caldo se entorne e o actual governo reuna ainda mais argumentos para justificar as suas decisões tributárias, os socialistas sabem que devem, o mais cedo possível, procurar alinhavar uma coligação, esboçar um partilha de poder à bloco central. Daqui por algumas semanas Évora e o seu paciente mais famoso serão meras sombras de chaparro. Há coisas bem mais importantes que irão condicionar Portugal. E infelizmente não dependem dos portugueses. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:35

Igreja e Convento do Sacramento 

 

Em tempo de crise nada como fazer gastar a todos nós cerca de meio milhão de euros em escandalosas mas legais mordomias. Eis o futuro escritório do actual Presidente Aníbal Silva. Ou a vergonha da III República!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:08

Medalhas socráticas

por John Wolf, em 28.10.14

ssm62-2

 

Sei que faz parte da matriz cultural portuguesa a progressão na carreira ao fim de certos anos de serviço e a passagem administrativa de mero funcionário a quadro da entidade em causa, e, que para todos os efeitos, o desempenho pode ser um mero factor secundário - o que conta é que se apresentou no emprego e não teve muitos dias de baixa médica. Ou seja, nem é preciso ser bom naquilo que se faz. É preciso é aparecer e ocupar o gabinete. Já devem ter percebido do que falo. Onde está escrito que o Presidente da República é obrigado a condecorar um Primeiro-Ministro? Mesmo que pareça uma tradição ou seja um costume, o direito discricionário deve prevalecer - a medalha não deve ser atribuída de um modo burocrático. Se vamos pelo caminho do choradinho - "aquele menino recebeu um chupa-chupa e eu também quero" - estaremos de facto a nivelar tudo e todos de acordo com a mesma bitola baixa. Se assim fosse, atribuir-se-ia a distinção logo na tomada de posse, no momento inaugural, no dia da vitória eleitoral, no primeiro visionamento da ecografia política. Quem sabe ao certo qual o tempo de gestação das decorações? Se a medalha for como o vinho do Porto, então talvez valha a pena esperar uns bons 50 anos para brindar. Talvez seja boa ideia pensar uns segundos sobre a matéria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:23

Trip monetário de Cavaco Silva

por John Wolf, em 07.10.14

stock-footage-flying-euros-animation-on-blue-backg

 

O Presidente da República Portuguesa fala como se estivéssemos no reino da Dinamarca. Fala como se fosse noruguês. Explica-se como se fosse sueco. Mas Cavaco Silva esquece que é português e parece não conhecer Portugal. Os deputados ganham mal? Ganham menos do que os seus pares por essa Europa fora? O senhor presidente parece esquecer, de um modo conveniente, que os senhores deputados têm "negócios por fora" em quase todos os sectores da economia. Durante anos a fio os excelentíssimos senhores parlamentares da nação serviram-se de um magnífico acervo de influência e informação privilegiada para fazer florescer os seus afazeres privados. Cavaco Silva fala de dinheiros como um micro-economista de meia-tigela quando deveria evocar e defender princípios maiores. Se tivesse um pingo de sentido de ética, teria referido as benesses granjeadas por políticos no exercício das suas funções e que transitaram indevidamente para o sector privado.  Aqui temos o melhor exemplo de parceria público-privado no seu sentido mais perverso, abarbatado. O deputado trabalha uns anos na bancada do partido e ao largar a cadeira leva consigo uma agenda carregada de contactos e noções claras de onde deve investir o seu esforço no sector privado. A haver transferências de dinheiros, estas deveriam acontecer noutro sentido. Directamente do bolso dos políticos para o erário público, como compensação pelas vantagens decorrentes da vida política. Falemos de um regime de exclusividade no exercício de cargos públicos, e a coisa muda de figura. Nesse caso poder-se-ia aceitar a ideia de um cheque salarial mais chorudo. Mas a tentação é grande. Querem mais e sempre mais. Cavaco Silva, já sabemos, é tonto, e não sabe, nem nunca soube, interpretar o sentimento nacional. O homem fala sem dúvida de salários mínimos, mas enganou-se nos destinatários dessa proposta laboral.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:51






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas