Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"Todo o ser é feliz quando satisfaz o seu destino"

por Samuel de Paiva Pires, em 28.09.17

ubi.jpg

Ainda me recordo do primeiro dia em que iniciei o meu percurso escolar, há 25 anos. Desde então, passei por várias escolas e universidades e foi na minha alma mater, o ISCSP, que descobri, logo nos primeiros dias de aulas da licenciatura em Relações Internacionais, o meu desígnio de vida: a dedicação ao conhecimento, à ciência, à academia. É, por isso, com um sentimento muito especial que inicio o meu primeiro ano lectivo do outro lado da secretária do Professor, numa universidade que se tem vindo a afirmar como uma referência não só a nível nacional, mas também internacional, e onde fui maravilhosamente acolhido e integrado, a Universidade da Beira Interior, situada na belíssima cidade da Covilhã. Tenho, assim, a imensa sorte de poder, finalmente, dedicar-me inteiramente a algo que, mais que uma profissão, é uma vocação. Ortega y Gasset, no início de O Que é a Filosofia?, resume bem o meu estado de espírito após as primeiras aulas que leccionei: 

(…) já veremos como no ser vivo toda a necessidade essencial, que brota do próprio ser e não lhe advém de fora acidentalmente, vai acompanhada de voluptuosidade. A voluptuosidade é a cara, a facies da felicidade. E todo o ser é feliz quando satisfaz o seu destino, isto é, quando segue a encosta da sua inclinação, da sua necessidade essencial, quando se realiza, quando está a ser o que é na verdade. Por esta razão Schlegel dizia, invertendo a relação entre voluptuosidade e destino: «Para o que nos agrada temos génio». O génio, isto é, o dom superlativo de um ser para fazer alguma coisa tem sempre simultaneamente uma fisionomia de supremo prazer. Num dia que está próximo e graças a uma transbordante evidência vamo-nos ver surpreendidos e obrigados a descobrir o que agora somente parecerá uma frase: que o destino de cada homem é, ao mesmo tempo, o seu maior prazer.

 

(também publicado aqui.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:24

Assédio do Facebook

por John Wolf, em 09.01.14

Todos os dias somos inundados no Facebook com convites para gostar desta ou daquela página, seguir esta ou aquela "figura pública", fazer um like a este ou aquele produto, e se o fizermos às cegas, sem fundamentar a nossa decisão, a nossa aprovação, estaremos a contribuir para o desmoronamento do conceito de qualidade que deve assentar num critério de conhecimento de causa, cultura e ideoneidade. Ora, como eu mal sei o pouco que sei, como posso saber sobre o resto? A chantagem emocional/intelectual é algo destrutivamente poderoso porque corrói a objectividade racional e a profundidade do pretenso conhecimento humano. Só por ser amigo não significa que se tenha de gostar disto ou daquilo. O mesmo se aplica em sentido inverso, em relação à minha pessoa, ou àquilo que faço. Era só isto. Obrigado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:49

 

A ética está ao alcance de todos. A Fundação Calouste Gulbenkian expõe para venda títulos de grande qualidade. Livros editados pela casa e a preços de saldo. Acabo de trazer para casa um dos tratados mais importantes sobre Ética do século passado. O livro - Principia Ethica de G.E. Moore (edição em língua Portuguesa, FCG. A edição original data de 1903, Cambridge University) -, pode ser seu por uns míseros 6 Euros. Aliás, na bancada que ostentava esta obra, outros títulos épicos estão à mão de semear. E não são livros quaisquer. São clássicos de Alexander Hamilton, Wittgenstein, Kant ou Platão. Um conjunto notável de textos que serviria para reescrever os postulados da política contemporânea. Princípios que parecem ter passado ao lado da inteligência governante...perdão, ignorante. Em plena época de privatizações, talvez não fosse má ideia os governantes "privatizarem" um pouco de saber em nome do seu crescimento pessoal, mas em última instância para melhor servir o interesse público. Mas parece que ambas as condições não são compatíveis. Diria até que um dos requisítos para a função governativa é não ter bagagem e viajar nesse firmamento de debilidade intelectual.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:34

«O reitor alerta para o perigo futuro que representa a "incapacidade de recrutar novos professores", indicando que a média de idade dos docentes na UTL é de cerca de 50 anos.

Isso significa que, além de crescer o fosso etário entre alunos e professores, quando esta geração se reformar não haverá quem a substituta.

"É terrível", lamentou o reitor, frisando que não se "passa escola", ou seja, não há hipótese de "formar os novos docentes com os mais antigos" porque com as universidades manietadas com a falta de dinheiro, "não há oportunidades para a gente mais nova" e, além disso, "os melhores saem para o estrangeiro".»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:31

Da impossibilidade epistemológica do socialismo

por Samuel de Paiva Pires, em 09.08.12

Da minha dissertação de mestrado, Do conceito de liberdade em Friedrich A. Hayek, p. 61:

 

Uma economia socialista, ao acabar com o sistema de preços, impossibilita o processo que permite tornar explícito o conhecimento prático disperso, visto que os preços incorporam um conhecimento holístico, sistémico, “desconhecido e incognoscível por qualquer um dos elementos do sistema do mercado, mas dado a todos estes através da operação do próprio mercado”. Não existe qualquer outra forma de organização da economia que consiga rivalizar com o mercado enquanto gerador de conhecimento, já que é o único mecanismo que consegue utilizar eficazmente o conhecimento prático disperso tornando-o holístico – e é este conhecimento que é destruído quando se tenta planear ou corrigir os processos de funcionamento do mercado.


É por isto que quando Hayek fala da impossibilidade prática de uma economia socialista, não se refere apenas a obstáculos que possam um dia ser removidos ou à sua ineficiência mas também, e principalmente, à impossibilidade epistemológica do socialismo funcionar, ou seja, à incapacidade de qualquer ordem social utilizar efectivamente o conhecimento prático dos seus cidadãos sem o mercado livre, o que tem como consequências o cálculo caótico, a barbarização da vida social, a impossibilidade dos indivíduos saberem como dirigir as suas actividades e uma regressão no stock de conhecimento prático e na capacidade de inovação e mudança que assenta na função de descoberta baseada na tentativa e erro – é o sistema de preços que “facilita os processos de aprendizagem e descoberta que denominamos por cálculo económico e concorrência no mercado”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:47

Nortear a vida pela busca do conhecimento

por Samuel de Paiva Pires, em 13.07.12

A afirmação de Miguel Relvas recordou-me uma opção minha. Quando terminei a licenciatura pré-Bolonha em Relações Internacionais (4 anos) em 2009, o ISCSP, ao abrigo da Bolonhesa, e dado que a licenciatura passou a ser de 3 anos, decidiu que quem tivesse licenciaturas de 4 anos poderia requerer equivalência ao 1.º ano de mestrado na mesma área/curso, fazendo apenas o segundo ano, ou seja, um semestre de aulas e outro para a elaboração da dissertação. Eu preferi fazer um mestrado de Bolonha em Ciência Política, o que levou cerca de 2 anos, pagando mais 1 ano de propinas do que se optasse pelas equivalências no mestrado em Relações Internacionais. Porquê? Porque tive no 1.º ano de mestrado várias cadeiras interessantíssimas, no âmbito das quais aprendi muito mais do que se escolhesse a opção das equivalências. 

 

Deixando de lado o "permanente", que Miguel Relvas proferiu no sítio errado, é preciso ter muita cara de pau para afirmar que norteia a sua vida pela busca do conhecimento. Como escreve Pedro Santos Guerreiro, «um ministro com "passe vite" universitário devia ter um bocadinho mais de noção de si mesmo em vez de orgulhar-se de "[nortear a sua] vida pela simplicidade de procura de conhecimento permanente". Haja dó.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:48

Mark Vernon, How to be an Agnostic:

 

«If God-talk can avoid getting hung up on 'proofs', then it can become a way of critiquing human knowledge, of reflecting on the human condition. Examining what people take to be divine is valuable because it reminds them that they are made lower than gods and that aspirations to god-like knowledge will remain just that - aspirations. Then, if this can be stomached, the attitude it nurtures itself becomes a valuable source of insight. With such humility, the vain attempt to 'overcome' is ditched, and the challenge to understand is taken on. And this, in turn, is what makes life worthwhile. It produces the best kind of human beings, people who are not merely ignorant, but recognise the ways in which they are. To this extent, they become wise and lovers of wisdom. To put it another way, the unexamined life is not worth living, negatively because it would be deluded, and positively because examining all those other things in life - character, intuition, friendships, loves and fundamentally 'who am I?' - gives life shape and meaning.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:32

O argumento da idade/antiguidade. O típico lugar-comum de quem julga que a idade é um posto seja lá para o que for, especialmente para validar argumentos numa discussão, como se um tipo mais novo não pudesse ser mais conhecedor e inteligente e derrotá-lo intelectualmente. Parece-me ser uma coisa muito portuguesa, esta variante do "respeitinho." Qualquer pessoa que caia na estupidez deste argumento falacioso está obviamente a pedir para que eu nem sequer perca mais um segundo que seja a debater com ela, até porque recorrer a isto implica automaticamente dar-se por vencida e, portanto, o meu trabalho aí está feito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:03






Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas