Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mentir é feio

por Ana Rodrigues Bidarra, em 27.08.13

No seguimento deste post de Mário Amorim Lopes, senti-me impelida a visitar o site do PS. Fi-lo e, nos dedos que orientavam a minha curiosidade ao abrir a secção denominada Marcas de governação, sentia um formigueiro próprio de quem quer ser arrebatado pela surpresa. Fiquei, efectivamente, admirada. Ora vejam:

"PS PROPÕE E FAZ
Consolidámos as contas públicas

1. Reduzimos o défice orçamental para valores nunca antes atingidos. Entre 2005 e 2008, o défice orçamental passou de 6,1% (implícito: 6,8%) para 2,6%, o valor mais baixo da Democracia.
2. A consolidação orçamental deixou-nos melhor preparados para responder à crise. Foi por ter resolvido, em tempo útil, a crise orçamental recebida em 2005 que o Estado dispôs de margem para responder à crise económica mundial, apoiando as famílias e as empresas.
3. A consolidação orçamental fez-se através de reformas estruturais. Procedeu-se à convergência entre o regime de Proteção Social dos trabalhadores da Administração Pública e o dos trabalhadores do setor privado. Foi aprovada a reforma da Segurança Social, assegurando a sua sustentabilidade. O Serviço Nacional de Saúde geriu rigorosamente as verbas afetadas, terminando com a crónica derrapagem das suas contas."

Atendendo, em particular, aos pontos 2 e 3 desta subsecção parece-me que os indicadores sócio-económicos nos enganaram, que o despesismo desenfreado é uma taxpayer-friendly policy, que a bancarrota e a dívida pública são uma produção fictícia e que a política de salvação nacional foi, afinal, orquestrada por José Sócrates. Aqueles que herdaram tamanha responsabilidade não souberam, no fim de contas, dar continuação à proeza.

Pronto, a ironia da situação é bastante de per se. Isto é, na verdade, uma coisa feia. Muito feia. Em bom rigor, não é a retórica socializante que me causa repulsa, é, antes, esta patologia que grassa no quadrante, convicto de que se repetir muitas vezes a mesma mentira esta se torna verdade, ao jeito goebbeliano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:36





Posts recentes


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas