Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Galp Rocks

por John Wolf, em 04.08.16

A Galp deve pertencer à oposição. Montaram o esquema com muita inteligência. Caíram que nem patos bravos. A armadilha do jogo da bola funcionou na perfeição. Agora é aproveitar a cultura de desculpas esfarrapadas herdada de Sócrates - o mestre dos alibis. E Mário Centeno é igual a si - diz ao Observador que "não é relevante nesta circunstância" responder à pergunta se teve conhecimento da viagem paga ao secretário de Estado. A pergunta que deve ser colocada é a seguinte: será que o desfecho do Euro 2016 teria sido diferente se a claque dos Assuntos Fiscais não estivesse presente na final de Paris? O secretário de Estado não é nada criativo. Se eu fosse o homem teria declarado que se fez ao relvado para controlar se os prémios de jogo estavam a cumprir todos os preceitos fiscais. Deveria ter-se armado em fiscal de linha. A Galp também patrocinou o churrasco de viaturas?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:10

Eles que se habituem à nossa festa!

por Nuno Castelo-Branco, em 12.07.16

HPIM2423.JPG

 

 Uma passagem de vista na rede e deparamos com sacrossantices intelectualóides daqueles que certamente tendo visto todos os jogos no recesso das suas casinhas, resolveram teclar alguns desabafos, desdenhosamente se apartando daquela mole imensa de povinho faceiro que invadiu praças, ruas, "fãzones", restaurantes e tascas. Idolatrando os barbaças do costume que leram e alguns não entenderam, na verdade odeiam tudo aquilo que a léguas lhes cheire a povo, a pé rapado. Invariavelmente não são muito diferentes dos antepassados morais que ainda há quatro décadas doutamente decretaram o futebol - tal como o fado e Fátima - como perigosa alienação colectiva gizada por uma qualquer burguesia encafuada em imaginados conciliábulos à volta de farta mesa. Pelo que se lê à esquerda e à direita, não esqueceram nem aprenderam coisa alguma. Prefeririam que Portugal honradamente tivesse perdido, cumprindo uma vez mais a triste sina de "vencer moralmente". 


O futebol é hoje uma poderosa arma de divulgação de um dado país ou sociedade, consistindo num negócio que envolve muitos milhões em todos os sectores de actividade e que noutros tempos caberia na perfeição em qualquer departamento de propaganda de um Estado. Nivela na rua as diferenças sociais, irmana insuspeitadas gentes e congrega um todo que normalmente seria desavindo, numa nação. Em suma, dá uma certa consistência racional ao que aparentemente seria pasto da paixão mais irracional. Tornou-se embaraçosa a palavra propaganda, embora esta, limada e nem por isso menos evidente, passou a denominar-se das mais variadas formas e entre elas, marketing. Isto, o marketing que dá visibilidade ao nosso país, foi o que mais irritou sapientes crânios por esse mundo fora, sofríveis intelectos que nem sequer se pouparam ao triste espectáculo de atacarem a selecção nacional, acusando-a, para nosso gáudio, de tudo e mais alguma coisa. Para eles tudo se resume a negócios, neste caso concreto acompanhados pelo correspondente amor próprio ferido. Pior ainda, a visão daqueles rapazes em uníssono entoarem jogo após jogo o hino nacional, deixou-os furibundos. Acreditem, foi isso mesmo, já nem sequer se recordam das multidões que em delírio há meio século seguiam Eusébio para todo o lado. Portugal é assim e isto não é moda nova, vem de longe.

Tal como o banco de reservas e a equipa técnica, nem um dos jogadores falhou as estrofes. O quê?, pretos que normalmente seriam considerados como meros resquícios de um para eles incómodo império para sempre desaparecido, ousarem cantar versos aos heróis do mar e egrégios avós "dos outros", aqueles descendentes dos "antigos donos"? Tamanho insólito é inacreditável, habituados como estão aos olhos fechados, bocas cosidas e semblantes moita-carrasco da esmagadora maioria dos coloured que pontilham as selecções de outros países europeus. Isto, quando terminado o hino, esse poderoso símbolo, um ou outro embezerrado Benzema não escarra para o lado.

 

O mundo dos futebóis, dos clubes de "espírito negocieiro Platini-Blatter-FIFA", será outra coisa bastante mais obscura e bem afastada do que recentemente vimos e vivemos. Temos por cá uns tantos correspondentes, todos sabemos quem são, desde os políticos aos dos escritórios do mundo plutocrático. Estiveram ontem na cerimónia em Belém. 

 

A verdade é que em Portugal e apesar de todas as dificuldades e preconceitos que saltam à vista,  vive-se num mundo diferente e quanto a isto, o facto de ter sido Eder a selar a vitória com um golo que em segundos resumiu todo o torneio, ainda é mais demonstrativo de que nem tudo se passa por mero acaso: é o ADN que o confirma, por mais alva que seja a pele, por mais liso que possa ser o cabelo. Quando da entrega de Macau à China, foi com espanto que Pequim assistiu ao desferir da bofetada simbolizada pelo comandante do destacamento das forças armadas portuguesas presente na cerimónia, um oficial retintamente chinês. Mais tarde, o contingente enviado a Timor contava com alguns elementos timorenses já nascidos em Portugal. Representa isto o saber fazer de países antigos, multisseculares. Ao contrário da maioria dos europeus que nem sequer aperceberam da subtileza, os chineses compreenderam a mensagem, afinal contam a sua história por milénios. Noutros pontos do globo, isto tranquiliza, unifica quereres e faz toda a diferença junto de populações normalmente submetidas a todo o tipo de tiranias apenas existentes, porque outros bem pensantes, normalmente brancos, letrados e de proeminente pança mental assim decidiram, envenenando alguns crédulos locais. Todos têm o direito à dignidade, disso não existe a menor dúvida e a independência é talvez a base sobre a qual o demais que é essencial se ergue. Tal não implica um radical corte com o infame passado colonial, aliás ele próprio a causa primeira da existência de boa parte, senão da imensa maioria dos países nascidos na segunda metade do século XX. Houve quem disso tenha dado conta e apenas recordemos o africano Leopold Senghor, um homem viajado, com leitura e obra e que nem por isso se deixou impressionar muito pelas loucuras a que assistiu junto das suas fronteiras. Foi ele o mau exemplo que o continente africano não quis nem quer seguir. Em suma, a histeria colectiva que nas últimas semanas se apoderou de todas as capitais do antigo Ultramar, é uma forte mensagem que as autoridades locais deveriam considerar e atendendo ao texto enviado ao homólogo português, o moçambicano presidente Nyusi reagiu como devia. 

 

13668953_1967356270171901_4839664176226498601_n.jp

Voltando ao futebol, uma vez mais demonstrámos que afinal nem sequer somos assim tão atrasados e selvagens. Passados 12 anos desde o reconhecidamente melhor, bem organizado e mais pacífico Euro de sempre, da parte dos adeptos portugueses em França e contrastando com ingleses, russos, alemães, franceses e outros, nem sequer uma briga, um roubo, um assassinato, um insulto gratuito proferido diante das televisões por gargantas roucas de bebedeira. Da parte dos nossos jogadores, também nada a apontar, nem uma fita, um bate-boca, uma expulsão de campo. No final, para além dos derradeiros e inesquecíveis momentos em que o capitão comandou ao lado do seleccionador, apenas aquele leve sorriso de um soube-nos a pato, aguentem-se! 


Os nossos foram, viram e venceram, eis o que interessa. O resto é paisagem e frustração alheia que para os portugueses significa felicidade, mesmo que fugaz.  

Uma Torre Eiffel às escuras,  eis o mais visível símbolo de quem debita culture e mais civilité após uma champanhada gorada, fosse ela em Paris, Berlim, Londres, Madrid, Roma, Bruxelas e sabemos lá nós onde mais.  

Sim, do Minho a Timor, Portugal venceu e isso basta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:35

Enormes!

por Samuel de Paiva Pires, em 11.07.16

portugaleuro2016.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:23

Já raramente leio Alberto Gonçalves, um ídolo dos nossos pseudo-liberais. Também eu, há uns anos, o lia e partilhava avidamente. Entretanto cresci, amadureci intelectualmente, li mais umas coisas e compreendi os vários erros dos simplismos dos nossos pseudo-liberais. Todavia, hoje caí no erro de abrir esta crónica que foi partilhada por alguns dos meus "amigos" do Facebook. A todos os que desdenham Portugal, a pátria, o futebol e a Selecção Nacional, permitam-me parafrasear Cristiano Ronaldo: Que se fodam!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:00

…e mais nada

por Nuno Castelo-Branco, em 07.07.16

13631682_10153532495452096_5991860126248684229_n.j

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:43

O Brexit ganha o Euro 2016

por John Wolf, em 20.06.16

hqdefault.jpg

 

Não tenho os dotes culinários de Fernando Santos. Nem sei cozinhar resultados. Por isso não me aventuro na casa de "abostas" do vai ou fica. Refiro-me ao Brexit, naturalmente. Nos últimos meses temos sido contaminados com inquéritos e mais inquéritos de opinião, com o esgrimir de argumentos nacionalistas ou europeístas, com a exposição dos males e benefícios do rompimento britânico ou com revisitação da história europeia e as virtudes da paz Kantiana. Tudo isto, e muito mais, tem contribuído para o não esclarecimento da questão. E faz sentido que assim seja. A identidade da Europa é essa mesma. O continente sempre foi um palco de tensões, de dissidências e aparentes entendimentos. Ou seja, quer adoptemos uma visão Hobbesiana ou Hobsbawmiana, seremos invariavelmente servidos pelo magistério cultural que reforça uma certa visão determinista. Em última instância, não existe um evento singular capaz de descarrilar a "civilização" europeia da sua tendência para sobreviver à sua própria condição. E esse estado crónico extravasa os parâmetros construtivistas da Comunidade Europeia, dos Tratados Europeus e da União Europeia. Os britânicos, que sempre foram talentosos na defesa do seu interesse nacional, souberam alimentar a falange independentista promovida pelo Brexit. O elencar dos perigos resultantes da saída não são equiparáveis às contingências de uma permanência. Nem devem ser relacionados. A separação de correntes políticas e económicas, a permanência ou a saída, são no meu entender, uma falsa dicotomia. Os britânicos, ao longo das últimas décadas de pertença à União Europeia, demonstraram que é possível estar dentro sem efectivamente estar. E se nos servirmos da mesma bitola de posicionamento estratégico, serão igualmente hábeis a se imiscuirem na condução dos trabalhos da Comissão Europeia e outras instituições, estando fora da estrutura, a 20 milhas do continente europeu. Por outras palavras, a condição britânica é incontornável. Os britânicos não vão a parte alguma. O Brexit até pode vencer o Euro 2016.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:38

Centeno, um humorista encostado às Cordes.

por John Wolf, em 16.06.16

January-27-2012-03-03-50-tumblrlya5jqEIlx1qewacoo1

 

Mário Centeno não é Sinel de Cordes. O ministro das finanças pratica outro género de humor. A sua comédia é mais do tipo absurdo. Agora anda a pedir para que invistam em Portugal. E aqui reside uma grande parte da contradição. Portugal não é, decididamente, investor-friendly. Se esta malta da geringonça fosse inteligente já teria criado onshores - zonas de exclusão fiscal no país continental, e em particular nas zonas mais afectados por altas taxas de desemprego, pobreza crónica e ausência de tecido industrial. Simples. Já teria criado mecanismos de financiamento ao nível autárquico como acontece nos Estados Unidos - nunca ouvi falar de municipal bonds - títulos de dívida para financiar obras em concreto que se venham a desenvolver nas autarquias. Mas há mais matéria de nível infantil que não está a entrar na cabeça de Centeno. Um dos pressupostos que empresta confiança a um país consubstancia-se no seu grau de checks, controls and transparency. Ora a Caixa Geral de Depósitos está a ser protegida pelo governo que não apoia a ideia de uma comissão parlamentar de inquérito a seu propósito. Por outras palavras, um investidor estrangeiro nem sequer pode contar com o due diligence do governo nacional. Depois somos confrontados com outra barbaridade do mercado contaminado por preferências ideológicas. As "desprivatizações" em curso enviam um sinal claro a potenciais investidores - Portugal tem sintomas de Venezuela. E isso segue em sentido contrário à ideia de investimento seguro. Sabem lá essas multinacionais se a geringonça de repente decide afiambrar-se do que não lhe pertence com uma taxa inventada à pressão? O Commerzbank tem razão no que afirma. Portugal inverteu o rumo iniciado pelo governo anterior, mas essa mudança de sentido de marcha não melhorou nem o nível de vida dos portugueses nem as condições de atracção de investimento directo estrangeiro. O Centeno e os outros que andam em Paris nem sequer são capazes de esboçar um pacote de oferta para aqueles que venham a ser intensamente afectados pelo Brexit. Afinal o que anda Centeno a inventar para captivar algum incauto? Só pode ser ficção. Um conjunto de baboseiras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:56

Simply the beast

por John Wolf, em 15.06.16

theBeast_logo.jpg

 

Não são apenas os lideres deste país que jogam contra o seu país. São os próprios jogadores. São os homens e mulheres das artes e letras. São os banqueiros. São os comentadores. São os jornalistas. São os empresários. São os taxistas. São os académicos. São os construtores civis. São os poetas. São os professores. São os funcionários públicos. E provavelmente são alguns bloggers. Existe sempre, em cada uma destas categorias ou classe profissional, um melhor do mundo, um campeão. Sim, jogo à defesa. Naturalmente. Para cada frase ou pensamento que tenha, espero que haja melhores - melhores frases e melhores bloggers. Mas não é apenas em categorias perfeitamente definidas que o bicho do "melhor do mundo" corrói. Na própria matriz social quotidiana de Portugal existe há séculos um certo menosprezo compatriota, doméstico. Não é fácil encontrar quem caminhe ao nosso lado enquanto "igual" com as "mesmas" chances de se superar a si mesmo. São sempre melhores. Ou uma lástima.  O síndrome da Islândia já vem de longe. Existe uma tendência intensamente contraproducente para Portugal ser o seu pior inimigo. Mas desta vez nem Marcelo nem Costa ajudaram. Em Paris assinaram por baixo desse complexo de inferioridade. Repito, não existem melhores nem piores do mundo. Existe vontade, determinação, humildade e 300.000 habitantes. Ou existe presunção, descontracção, sobranceria e 10 milhões de cidadãos. Portugal resiste a interpretar o mundo do modo como este merece ser interpretado. Não existem povos eleitos. Nem aqui, nem na China, nem nos EUA e de certeza que na Islândia não. E não interessa quem são os nossos pais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:53

A infantilidade da esquerda contemporânea

por Samuel de Paiva Pires, em 12.06.16

Ver pessoas minimamente inteligentes a afirmar que os confrontos entre adeptos ingleses e russos em Marselha mostraram ao mundo os valores da civilização Ocidental, e a procurar, desta forma, defender os que professam o islão, é não só confrangedor como revelador da ignorância a respeito das mais elementares regras da lógica e do método científico. Não só é uma inferência inválida que consubstancia uma generalização abusiva e, naturalmente, errada, - e não nos esqueçamos que muitos dos que enveredam por este pensamento absurdo não se cansam, quando ocorre algum atentado terrorista inspirado pelo fundamentalismo islâmico, de bradar que os protagonistas do terrorismo fundamentalista islâmico não são representantes do islão nem falam pela generalidade dos muçulmanos -, como, infelizmente, se trata de um tipo de pensamento alicerçado no esquerdismo contemporâneo que, como assinala Roger Scruton em Fools, Frauds and Firebrands, utiliza qualquer argumento, por mais falhas que tenha, para denegrir a herança cultural Ocidental. De facto, graças a este tipo de pessoas, que pululam em todas as instituições ocidentais, em particular nas universidades, parecemos ter entrado, como também salienta Scruton, num período de suicídio cultural.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:09

Geringonçaville

por John Wolf, em 12.06.16

web-man-in-barrel-851376.jpg

 

Gostava de ver Marcelo Rebelo de Sousa dizer na cara dos britânicos ou alemães que os mesmos são "excepcionais", mas os portugueses são melhores. Portugal não deve admitir declarações deste teor do seu Presidente da República. São as crianças recém-desfraldadas que usam esse paleio - o meu brinquedo é melhor que o teu. O mundo já não se presta a estes arquétipos de comportamentos, mas abro uma excepção - Trump é bem pior. Não estamos na Idade da Pedra. Existem dias felizes e dias menos felizes. E esta foi uma tarde menos conseguida. Eu entendo, que no mano-a-mano com António Costa, houvesse necessidade de não perder a corrida, de marcar pontos. Afinal, o primeiro-ministro aproveita, de um modo populista, as vantagens folclóricas de uma Geringonçaville. Os emigrantes estacionados nesse bidon de pólvora francês, são luso-portugueses que caem facilmente nessa categoria utilitária sempre que dá jeito, sempre que os domésticos continentais não chegam para as encomendas. Quando o Brexit chegar, espero que haja um plano de continência para bater a pala aos milhares que regressarão do Reino Unido. Enquanto Portugal não se estreia no Euro 2016, Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa chupam até ao tutano o suco desse estado de graça. Nesta pré-euforia ejaculatória de bola bem metida, os que nutrem paixão pela nacionalidade portuguesa e pela ideia de identidade, estão à mercê de feiticeiros que se alimentam destas mézinhas fáceis. Terça-feira rola.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:23

Pexit - ou uma saída portuguesa

por John Wolf, em 06.06.16

blog.jpg

 

O congresso do Partido Socialista baseou-se numa falsa premissa. Na ideia de que o mundo tende a regressar ao que era ou sempre foi. Existe um preconceito por detrás desta ilusão. A noção de que a ideologia (socialista, de Esquerda?) detém os elementos inquestionáveis de superioridade moral e material - e que é desejável. Mas sabemos há décadas que essa régua já não serve. Foram eventos que transcendem bitolas políticas que determinaram o curso da história nos últimos tempos em Portugal. Foi o dinheiro, foram os mercados e foi a ganância. Atributos repartidos pelos principais actores. Os socialistas - porque distribuiram aos seus amigos construtores os primeiros dinheiros comunitários. Os social-democratas - porque acreditaram na desregulação e nas virtudes intrínsecas do neo-liberalismo. Os comunistas - porque viveram no domínio da utopia e da irrealização. E mais recentemente o Bloco de Esquerda - por apostar em causas não prioritárias como o orgão sexual, o cão ou o gato. Sim, tudo isto e muito mais que falta elencar, coloca Portugal neste momento preciso e não no saudosismo lírico de um Alegre ou de um Guterres de ocasião. Mas existe algo que poderá determinar com maior intensidade o guião político e económico dos próximos tempos. A França, que está em grandes apuros, aparece agora como a notre dame dos aflitos sugerindo que Portugal seja poupada a sanções. Mas essa reza traz água no bico. Os gauleses estarão em ainda piores condições do que os portugueses. Aquele estado de França vai ruir. O outro evento em que penso tem um pé dentro da caixa e outro fora, e deve ser levado muito a sério. Esse cisne negro tem um nome: Brexit. A saída dos britânicos da União Europeia (UE) acarreta consequências tenebrosas para Portugal. A centena de milhar de trabalhadores portugueses que se encontra nesses territórios será obrigada a pensar na expressão monetária do seu rendimento - a libra inglesa está em queda acentuada. Acresce uma outra dimensão. A haver um Brexit, assistiremos à expressão substancial de uma modalidade distinta de nacionalismo - primeiro os britânicos. Não, não é a Áustria, não é a Húngria. Serão os britânicos a dar azo extremo à insularidade, ao proteccionismo, e em última instância, ao início do processo de desmembramento da UE. António Costa, europeísta convicto quando a música lhe convém, não referiu essa hipótese existencial. A geringonça, espalhada ao comprido por diversas obrigações contratuais, não é capaz de pensar sobre esta terceira via. Para esses, que estão no governo, existem bons e maus, certos e errados, e uma categoria inclassificável: a sua.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:39






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas