Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Chumbos de investimento

por John Wolf, em 25.08.13

Enquanto membro do clube daqueles que acreditam em Portugal, que conhecem os seus tesouros e o seu talento, o meu maior desejo é que este país possa vingar o seu destino, alcançando o pleno desenvolvimento económico e social. Esqueçamos por uns instantes as consternações respeitantes à grande ou pequena política e concentremo-nos na relação que o país estabelece com essa comunidade de crentes disposta a apostar em Portugal. Vem a propósito este post porque há muito tempo que venho nomeando as virtudes dos Exchange-Traded Funds (ETFs). Os ETFs são fundos de investimento que sintetizam a economia de um país, de um sector ou região. Um forasteiro de paragens longínquas que queira investir em Portugal, das duas uma; ou se torna residente de Portugal e passa a conhecer mal as suas empresas depois de 20 anos de estadia, ou, serve-se de um índice composto pelas empresas de referência, e, seja qual fôr a distância a que se encontre, participa no  seu crescimento ou na sua retoma económica. Esta modalidade de acesso à economia de um país representa a forma mais simples para um leigo assumir uma pequena ou uma grande posição de investimento. Sem essa porta de entrada, de nada serve a conversa utópica de governantes. E é aqui que descobrimos o calcanhar de Aquiles. Portugal não dispõe de um ETF que possa facilitar a captação de investidores nacionais e estrangeiros. A discussão foi colocada em cima da mesa por analistas internacionais que reconheceram na perjurativa sigla PIIGS (Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e (E)spanha), e nas respectivas economias, uma oportunidade única de investimento. Geralmente quando estamos na mó de baixo (feitos em farinha) deixamos de ter a capacidade de interpretar um quadro maior, mais positivo e prospectivo. Quando Portugal dobrar a esquina da recuperação será que está tudo a postos? Pergunto porque razão os arquitectos de investimento financeiro em Portugal ainda não criaram a ferramenta basilar para facilitar a entrada de capital fresco? De que estão à espera? Fiquei realmente surpreendido que um ETF PORTUGAL ainda não exista. O resto do mundo anda a pedir para investir em Portugal e não sabe como. Espero que alguém rapidamente interrompa as suas férias e resolva o assunto para sair do fundo - do chumbo do investimento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:43





Posts recentes


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas