Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Gravatas e o melhor amigo de Costa

por John Wolf, em 12.04.16

HOT-SALE-Men-Dark-Blue-Polyster-Zip-Up-font-b-Zipp

 

Queria começar com a gravata perdida do ministro que passou revista aos militares, mas tropecei nesta outra modalidade de descontração. António Costa contrata amigo a preço simbólico? Se isto não configura tráfico de influências, favorecimento e dumpingSócrates também não é amigo de Dilma. Portugal continua igual a si: o país das amizades, das borlas, dos favores, do fico a dever-te qualquer coisa, do depois acertamos contas. Enfim, a falência ética em todo o seu esplendor de quem não pode merecer o respeito do povo de Portugal. Quanto à gravata e o nó que deixa na garganta. Estamos a falar da instituição que assegura a defesa de um país. Estamos a falar das forças armadas que alicerçam a sua escola na disciplina, no rigor e nas hierarquias de comando. Estamos a falar num código de conduta que corresponde a uma tradição que não pode ser enxovalhada. O exemplo do chefe deve ser descartado sem demoras. Mina uma gama alargada de princípios que orienta a instituição militar. A gravata, assim como o contrato que Costa firmou com o seu melhor amigo, devem ser do género pro bono. De graça, sem ter piada alguma. Mas por alguma razão estamos a registar cada vez mais deserções. As chefias militares estão abandonar a geringonça. E não tarda muito, quando as ilusões caírem por terra, a Catarina Martins também abandonará o cangalho. O que julgam que significou a viagem de 24 horas de António Costa à Grécia para posar com Alexis Tsipras? Foi precisamente para defender o interesse nacional. O interesse nacional dos acordos com o BE e PCP atados com cordel feito num desenlace que ainda  vai engravatar todos os portugueses.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:12

Notas soltas

por Samuel de Paiva Pires, em 16.09.08

Com muito trabalho e pouco tempo disponível prefiro notar quanto aos amanhãs que cantam o fim do capitalismo que estou em pleno acordo com o Nuno, especialmente quanto aos que possivelmente se vão preparando para decretar a falência do sistema económico neo-liberal (para usar o chavão corrente que toda a gente usa mas não sabe sequer o que significa, basta atentar nos (des)contextos em que os camaradas Jerónimo e Louçã o utilizam), para logo o substituir por uma possível receita que apenas parece encontrar sustentação numa actualização do comunismo. Por mim, nesta época de crescente fragmentação das economias nacionais a par com a formação de grandes espaços tendencialmente supranacionais, prefiro notar que me parece vir a ser necessário um travão à desregulamentação, provavelmente colocado a partir dessas novas unidades. É que se sou um efusivo adepto do liberalismo político, não o sou tão efusivamente quanto à economia e à "smithiana" mão invisível. Há um argumento muito simples para tal: nada garante que não haja má gestão e que essa não leve o sistema à falência, tal como parece estar a acontecer, independentemente das falências se constituírem como supostamente saudável elemento de regeneração do próprio sistema capitalista. Se levada a um extremo a noção da mão invisível e do mercado completamente desregulamentado parece-me que regredimos a uma espécie de estado de natureza no sistema económico. O Estado existe é para regular, e se a economia é o meio de sustentação financeira do Estado, pese embora a noção de mercado livre, ao Estado (ou às novas entidades supraestatais) cabe encontrar a solução para um sistema económico integrado (como o é inegavelmente o sistema económico mundial) sustentável e que não arrisque  o saudável desenvolvimento das populações, um sistema em que os estados e as entidades supraestatais sejam tendencialmente facilitadores do papel das empresas mas não sejam reféns dessas como se tem notado cada vez mais. 

 

Quanto à discussão que por aqui vai sobre o uso da gravata, devo dizer que sou um partidário do que o caríssimo João Távora escreveu há tempos no Corta-fitas. Continuarei a utilizá-la porque me é um dos elementos mais caros no vestuário formal que me apraz usar.

 

Bom, e agora mais importante é ver o Sporting que infelizmente vai perdendo por 1-0. Volto mais logo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:59






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas