Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Santa Marta, Santa Marta!...

por Cristina Ribeiro, em 29.07.15

image.jpg

Dia de Santa Marta! E de lá bem fundo da memória saltam imagens, muito vagas, indefinidas, de uma romaria, aqui, na Falperra, talvez a única a que me levaram ainda com algumas características da pitoresca romaria minhota de que falam os livros, e que Pedro Homem de Mello como ninguém cantou. Teria quatro, cinco anos (?), e recordo uma roda de raparigas e rapazes a cantar, acompanhados por garridas pandeiretas. Mais precisas são as memórias de minha mãe, ela sim que ainda viveu esses tempos de festança pegada. E conta: de como todos, homens e mulheres, vestiam as roupas domingueiras, graciosas, de cores alegres, a preceito, não faltando sequer o raminho de alfádega na orelha, a espalhar o seu fresco aroma. Uns e outros a serem transportados em festivos carros de bois. Era só o tempo para deles descer, e o folguedo começava. Então, as concertinas e cavaquinhos não descansavam, até que o sol se pusesse! Num dia de calor assim, a cada canto se ouvia apregoar a limonada fresca, muitas das vezes por vozes infantis, pois que a criançada aproveitava para arrecadar alguns tostões, logo trocados por rosquilhos e cavacas. E quantos namoros não começaram sob a protecção da Santa!... Cansados, mas felizes, iniciavam então o regresso a casa, com algumas promessas de novos encontros para breve, noutra romaria, que não haveria de tardar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:10

 

Falo-lhe, por exemplo, das tardes em que ia, com as amigas, lavar no rio, e como as aproveitavam bem.

Pergunta-me se me lembro do grande tanque de granito no quintal dos avós; que sim, e como gostava de dar à manivela na grande roda que fazia trabalhar a bomba da água para o encher...

" - Pois foi o teu avô que o mandou fazer, quando descobriu a maroteira ".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:14

Era um rádio assim.

por Cristina Ribeiro, em 17.01.10

 

 

 

Duas a três horas sem electricidade, numa noite de muito vento e chuva, naquele tempo que se segue ao jantar, passado a ver televisão, a ler ou a navegar pela internet. De repente ficámos sem saber o que fazer.

Juntámo-nos na sala, mudos e quedos, até que o silêncio foi quebrado pela minha mãe: que até os 15/16 anos ( não soube precisar ), os seus serões eram assim- no Inverno, em que escurecia mais cedo, a minha avó cozinhava à luz de uma candeia presa num gancho que pendia do tecto. A mesma luz que alumiava o jantar e o arrumar da cozinha, enquanto os homens jogavam à sueca.

No final, o meu avô tirava a candeia e, à frente de todos, ia abrindo caminho até aos quartos. No móvel de cada um deles havia um castiçal de latão, com uma vela e fósforos que cada um acendia à luz da candeia, que o avô levava. Dava-lhes um tempo determinado para terem a vela acesa, até que ia de quarto em quarto verificar se todos a tinham apagado.

Até que um dia a electricidade chegou. Parece que a inauguração foi de arromba, com discurso do regedor, muito aplaudido.

A  primeira compra dos avós foi um rádio, grande, que ainda cheguei a conhecer. Os vizinhos iam todos ouvir, principalmente quando havia jogos de hóquei em patins, desporto que parece ter gozado de muita popularidade naquela altura.

No momento em que a minha mãe contava que a avó quase colava o ouvido ao aparelho, antes d'o avô, mais viajado, lhe dizer não ser necessário, acenderam-se as luzes, e cada um de nós retomou a rotina de todas as noites, mas contente por ter ouvido mais uma das histórias que a minha mãe conta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:03

" Eu vi, senhor Machado; foi o " pap-ó-figo ",

por Cristina Ribeiro, em 14.10.09

 

que, de figueira em figueira, os levou todos ", disse o Duardo da Quininha quando o meu avô comentava com a minha avó o facto de, já em fins de Setembro, terem desaparecido, misteriosamente, os poucos figos que havia ainda nas duas figueiras.

" Nunca o viu? é um pássaro muito grande, que adora figos...", acrescentou, enquanto os meus avós, divertidos, imaginavam quem seria o " passarão "...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:04

venta. Quando em noites assim, de vento forte, a minha avó sempre contava à minha mãe e tios, pequenos que eram, histórias que os punham com os cabelos em pé, e com medo de irem dormir sozinhos, e com a luz apagada: era  a altura preferida pelo lobisomem para sair à rua, ou para o também lendário corredor vaguear sem destino pela aldeia,  tornando seu escravo todo o ser humano que lhe aparecesse. O melhor mesmo seria pôr traves nas portas, náo fosse o diabo teçê-las. E, no fim, iam dormir todos juntos, por via dos pesadelos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:12

Segunda-feira, dia da feira semanal na vila vizinha.

por Cristina Ribeiro, em 15.07.09

 

"  - Vais à feira, Lucinda?

   - A ver se merco dois pratos e duas malgas, porque ontem o Vitória perdeu, e o meu home chegou a casa tão zangado, que partiu a louça..."

 

              A mesma Lucinda que, quando - e era frequente - pressentia que o seu homem vinha bêbedo, corria a esconder-se debaixo da cama,com receio da costumada violência. Depois de a procurar, e chamar, em vão, ia, a chorar, a casa da minha avó: " Ai Sr'Aninhas que a minha Lucinda desapareceu..." ; a minha avó, que já sabia do que a casa gastava, acalmava-o, dizendo-lhe que ela devia ter ido a algum lugar, e que quando chegasse a casa já lá estaria, por certo... ; o homem lá ia, e acabavam a noite pacíficamente, até à próxima derrota do Vitória, ou a próxima bebedeira...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:37

 

Umas voltinhas nos carros eléctricos e voltamos cedo ". E a minha avó deixou. Não sei se demoraram muito na festa, na vila vizinha, mas que voltaram de lá namorados, voltaram; certamente com o olhar de quem tinha visto passarinho verde. E S. Pedro sem a fama de casamenteiro dos outros Santos Populares...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:40

" Que é folhelho? "

por Cristina Ribeiro, em 23.04.09

 

Pergunta o Mike, quando abaixo digo que o velho  pastor partilhava o leito de folhelho com o pequeno aprendiz de guardador de cabras.

Folhas secas de milho, cortadas em finas tiras, eram , até os meus oito/ nove anos, o enchimento do colchão.

Tenho uma vaga ideia de todo o processamento por que passavam até servirem de aconchego ao nosso sono, mas, para que soubesse bem do que falava, questionei, como sempre acontece em situações similares, a minha mãe, que, além de ter confirmado as fases de que me lembrava, me recordou outras.

               Feita a desfolhada, e seguindo o princípio de que nada se perde, lavavam-se, no rio da aldeia, cuidadosamente, as frágeis folhas que até aí envolviam o milho, e colocavam-se, imediatamente a secar debaixo do sol, que por essa altura já brilhava em dose generosa.

Depois de secas eram então desfiadas e entregues a mulheres que se tinham especializado no encher dos colchões.

A  intervalos esse folhelho era retirado,e repetia-se a operação de lavagem e enchimento, até que nova colheita do cereal permitisse a sua renovação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:05

Desta casa saía muitas vezes,

por Cristina Ribeiro, em 27.03.09

 

madrugada ainda, alumiado o caminho pela candeia alimentada por petróleo, a tia avó Maria a caminho da igreja, longe que ela ficava.

              A essa hora, já a irmã, minha avó, havia muito  tratava de cozer o pão, a tempo de quem ia trabalhar o ter já pronto para, lá na Venda, acompanhar a aguardente mata-bicho com que cada um começava o dia.

De cada vez a tia Maria batia na janela da casa do forno, a dar os Bons Dias, e quando a irmã dizia ser ela tola, que àquela hora deveria estar em casa, que deveria estar a fazer companhia à mãe , respondia:  vou rezar por vós, já que não podeis ir...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:07

 

diz o Manuel. Eu cá até desconfio que as terá inventado muitas vezes, para ir à botica  olhar o seu Joaquim. Lembre-se que as mulheres nunca  " davam ponto sem nó ". Minha mãe dixit :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:59

Mais uma coisa de avós...

por Cristina Ribeiro, em 01.03.09

 

  

 

 

           " Sim Senhora, Não Senhora

Foi a minha criação

      Foi a primeira doutrina

                      Que a minha mãe me ensinou "

 

Máxima transmitida pela minha avó aos filhos, acaba de me contar a minha mãe...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:50

Queria falar com a minha mãe.

por Cristina Ribeiro, em 16.02.09

A ver se lhe comprava rifas para ajudar na reconstrução da igreja de S. Martinho de Sande.

Pela idade aparente e forma como falou, imaginei tratar-se de uma amiga de infância.

                 Depois foi o assistir, e nela participar também, pois que queria satisfazer a curiosidade, à conversa entre amigas que andaram juntas na Escola Primária há mais de sessenta anos, e continuaram essa amizade na juventude. Separadas geograficamente pelos respectivos casamentos 

Amiga de quem ouvira falar muitas vezes, mas não conhecia.

Fiquei a saber que era uma das muitas que, feita a 3ª Classe, se dedicaram à tecelagem de peças de tecido de algodão, em tear manual, na casa de cada uma delas, mas para uma fábrica da cidade, que lhes fornecia a  linha de algodão.

-" Lembras-te de quando fugias à tua mãe, para ires enrolar fio nas canelas para minha casa? "

-" E quando íamos para o monte da Senhora da Saúde, apanhar os picos dos pinheiros para acendermos o lume? "

       E por momentos foi como se tivesse vivido " o tempo delas "...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:22

Tendo nascido e crescido numa aldeia,

por Cristina Ribeiro, em 13.02.09

 

A casa do Arturinho

 

cedo me habituei a conviver com toda a gente;  todos nos conhecíamos, e foi nessa altura que conheci pessoas boas, almas simples e amigas; refiro-me concretamente a pessoas que já não estão entre nós, e que eram família, não pelo sangue, mas no  carinho e amizade com que sempre nos brindaram . Hoje pensei muito em três dessas pessoas, e  falei delas com a minha mãe, que acrescentou pormenores comoventes dessas vidas.- por exemplo fiquei a saber que o Luizinho, uma pessoa de quem  todos gostavam, que vivia do que lhe davam - roupa, comida...- , e cujo sorriso tão sincero e inocente- sempre a dizer " É vida! É vida! ", era nele o espelho de uma alma pura, com o dinheiro que lhe iam dando juntou o necessário para mandar dizer uma missa quando morreu outra pessoa filha de um deus ainda menor- Está no céu! -  concluiu a minha mãe.

 

Outra pessoa boa, de quem já falei aqui, era o SrArmindo. Como gostava de descer aquelas escadas de madeira tosca para falar com o SrArmindo!

 

A terceira pessoa era o Arturinho: a viver com uma irmã também já idosa, numa casinha muito perto da minha avó materna, todas as crianças que frequentavam a , muito próxima, Escola Primária o adoravam. Presenteava-nos muitas vezes com sacholinhas ( pequeninas enxadas ) que fazia com bocados de aço que usava para fazer os garfos que vendia na feira.

 

                  Um dia rico em recordações, este...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:02

diz  o Diogo, na caixa de comentários. Não tenho dúvidas, face ao que vou ouvindo de pessoas que viveram nesses anos muito difíceis.

                  Há dias, íamos a passar por um local cheio de casas- tipo-maison, e disse a minha mãe- " - Olha, aqui era onde nos Domingos à tarde fazíamos os nossos bailaricos; juntávamo-nos algumas raparigas e rapazes, alguns deles lançavam mão dos cavaquinhos, e era uma alegria pegada...". Passava-se isto nos princípios dos anos cinquenta, quando por aqui a pobreza era mais do que muita, e o que valia era que a palavra solidariedade não era " dita da boca para fora".

Hoje, honestamente, não sei se teríamos o valor que tinham então.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:02

Foi graças ao muito trabalho dos meus pais (2)

por Cristina Ribeiro, em 03.02.09

Mas desta vida árdua ressalta a heroicidade de uma Mulher, da minha mãe.

 

                                  Morava a cinquenta metros da Escola Primária, mas não lhe foi permitido ir além da Terceira Classe: os pais precisavam que ajudasse em casa e na Venda, enquanto a minha avó cozia fornada de broa, atrás de fornada...

Algum tempo passado, e com muitos irmãos homens, competia-lhe a ela ir lavar ao rio, e quando o meu avô começou a fabricar talheres, muitas vezes lhe coube levá-los à cidade, na camioneta que apanhava na vila mais próxima, não tão próxima assim...

 

Quando casou, começou por ajudar na economia doméstica cozinhando petiscos, como antes fizera na Venda da avó, e criando galinhas, coelhos e porcos que vendia na feira.Até que decidiu trabalhar com o meu pai. Começou aí uma odisseia que ainda perdura.

     Levantava-se muito cedo, por mor de abrir a fábrica aos trabalhadores ; no Inverno, quando o frio era muito, e eles chegavam enregelados, mandava acender as brasas que enchiam alguns bidões, enquanto lhes fazia café bem quente. Habituaram-se a ver nela uma amiga, que nunca esqueciam no aniversário, altura em que a minha mãe lhes fazia sempre um lanche, boa cozinheira que sempre foi...

 

Ainda hoje, antigos trabalhadores, que saíram porque emigrararam, ou porque se reformaram, vêm, amiúde, visitá-la, e não raro  despedem-se com os olhos cheios de lágrimas...

 

 

                          Em 2007 foi-lhe diagnosticado um cancro. No dia 11 de Dezembro desse ano retiraram-lhe meio pulmão, mas um mês depois lá estava no seu posto de sempre.

Continua a ser a Mulher do Leme, quer no trabalho, quer na família...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:48

Pronto, Nuno, conhece-me muito bem!

por Cristina Ribeiro, em 28.01.09

 

Dizia, ainda ontem, que não ia resistir a escrever qualquer coisita, por pouco que fosse :).

Porque estou indignada!  Chove, e, numa deslocação à vila vizinha vi, a passar ao longe, um  deficiente mal vestido e descalço- indignação imediata, dizendo a mim mesma que esse homem tem as mesmas capacidades de sofrer que esses políticos que se empanturram de benesses à custa dos filhos de deuses menores que, não obstante as promessas feitas há 34 anos já, continuam a proliferar, Luís.

 

 

                   Ainda a tempo: fins dos anos sessenta, inícios dos  setenta, nesta mesma terra, tantas vezes calcorreada, nunca vi nada igual- não havia luxos, mas não assisti  a miséria igual. Conta a minha mãe que viu disso durante a 2ª Guerra Mundial e ainda nos anos cinquenta. Concluo que estamos a regredir...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:52

Passávamos no paul quando

por Cristina Ribeiro, em 24.11.08

vimos que alguém fazia fogueiras com as folhas de tília caídas- que as noites têm sido ventosas-, não para se aquecer, que frio não fazia, mas para tornar " mais limpo " o paul.

                    Distraí-me do facto de achar encanto neste tapete castanho, para lembrar ( que seria de mim sem as minhas memórias? ) as vezes que fui, com as irmãs e primas mais velhas, apanhar folha para amaciar a cama dos porcos, evitando-lhes assim o contacto, doloroso, com o tojo,  aquela planta espinhosa de flor amarela.

 

                  A tornar mais rica esta evocação, juntam-se então as memórias da minha mãe: " Chegávamos a pegar-nos à bulha, porque cada uma de nós queria ajuntar a maior quantidade de folha possível ".

                          Sabia agora da importância que estes quadrados irregulares, que o vento lançava ao chão, tiveram no passado;  tanta, que podia ser motivo de peqquenas desavenças.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:45

Era na Casa do Forno (1)

por Cristina Ribeiro, em 13.11.08

Que, ao Sábado de manhã, quando a disponibilidade era maior, a minha mãe cozia a broa.

O longo processo começava-o muito cedo: antes do mais, aquecer bem o forno, com a lenha já pronta de véspera; seguia-se o peneirar da farinha, normalmente de milho e centeio, para a masseira, a que juntava água quente e um poucochinho de sal. Depois, de mangas arregaçadas, punha toda a sua força no acto, cansativo, de amassar Juntava um pouco de fermento, um pedaço de massa da semana anterior, que entretanto azedara, e deixava esta mistura descansar umas horas, a fim de levedar.

Enquanto isso, o forno já quente precisava de ser " limpo": retirada das brasas maiores, para que não queimasse o pão, com a ajuda de um gancho encabado num pau comprido.

 

                           Embolava então uma porção de massa na emboladoira- uma gamela de madeira- , na qual fazia uma cruz, e metia-a no forno já rubro. Depois de, com a ajuda de uma comprida pá de madeira, meter todas as broas no forno, era altura de o fechar com os restos de massa. Horas depois estavam prontas para serem retiradas, com a mesma pá, sendo que essa fornada haveria de dar para a semana toda, depois de se distribuirem algumas broas pelos vizinhos e familiares.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:44

Era uma casa grande,

por Cristina Ribeiro, em 03.11.08

 

 em granito, com portas e janelas  verdes, com muitos quartos, porque era grande a prole.

Descendia de uma família de moleiros e padeiros, e quando casou com o avô, carpinteiro que trabalhava então no Teatro Circo de Braga, começaram a construi-la, e aí montaram uma padaria, onde a avó iria dar continuidade ao negócio familiar.

      Alguns anos passados, e já com três filhos, o avô rumou ao Brasil, onde trabalhou numa fábrica de tabaco na Baía. Enquanto isso a avó, uma mulher cheia de garra, criou uma mercearia, onde, além do pão de trigo e das broas que cozia, vendia azeite, café e bacalhau. Era a Venda da avó, onde eu comi as primeiras bolachas Maria...

 

       Na altura da II Guerra, quando os alimentos eram racionados, o meu avô, que entretanto regressara, e era " um Homem bom" nunca deixou que nenhum vizinho passasse fome, mesmo quando não tinha com que pagar: como dizia a avó, " tinha os seus protegidos".

A minha mãe e tios dizem o melhor possível desse avô, de quem não guardo lembrança, pois que morreu cedo.

A avó viveu ainda por muitos anos, sempre a trabalhar na Venda. Nos seus últimos tempos, já eram os próprios clientes que se serviam: "Srª Aninhas vou levar um litro de azeite; assento no livro e pago no próximo mês". Sentada num banco a avó acenava com a cabeça: "Está bem".

 

Quando, há tempos, fui em busca da minha Escola Primária, para a fotografar, passei pelo lugar onde estava a casa, mas agora estava lá outra, bem diferente; e  pensei "ainda bem que o nosso amigo pintor a fixou naquela aguarela".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:03

"E quando ouvíamos

por Cristina Ribeiro, em 18.09.08

o rodar de um carro de bois, a chiar sob o peso de uma qualquer carga, corríamos para nos pendurarmos nele,  largando o que estávamos a fazer, fosse uma tarefa em casa, fosse uma brincadeira.

Quem se atrasasse já não tinha lugar".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:01






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas