Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Veneza em Lisboa

por John Wolf, em 13.08.15

IU6A0980.jpg

 

 

Alcântara - Veneza em Lisboa.

Hoje, dia 13 de Agosto de 2015.

Obrigado, autarcas do passado e do presente, planeadores urbanos corruptos, amigos construtores, directores de empresas municipais, políticos e outros vigaristas da capital.

Fotografias publicadas no Observador.

 

IU6A0979.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:28

A barca do inferno e António Costa

por John Wolf, em 14.10.14

IU6A5120

 

 

António Costa diz que não existe solução para inundações em Lisboa. Minhas senhoras e meus senhores, entramos no reino do surreal, da estupefacção, da mediocridade, do abismo, da nulidade, da incompetência, e certamente, da ainda maior ruína de Portugal se apostarem neste cavalo para primeiro-ministro. O alegado presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML) é que não existe (e não aparece em parte alguma para dar a cara em nome da população de Lisboa). Eu não deveria ficar espantado com o modo como este político se anula, e passa a si mesmo um atestado de burrice, de estupidez. Se não existe solução para um desafio menor como este, então poderemos concluir que António Costa nem por sombras terá soluções para Portugal. À primeira humidade, Costa revela bolor. À primeira contestação de um acto de Deus, Costa afasta os mau-olhados. À primeira contestação à sua responsabilidade, Costa passa a bola aos Sapadores. Poderemos concluir, sem margem seca de dúvida, que estamos sujeitos à atmosfera política que nos querem impingir e muito menos à pluviosidade. A Holanda não se encontra abaixo do nível do mar ou estarei enganado? Situações atmosféricas anómalas? O que o povo da cidade de Lisboa tem a fazer é mover uma acção contra a CML, sem se restringir a este ou aquele mandato. António Costa, o derradeiro de uma extensa fila de irresponsáveis, apenas tem uma coisa a fazer - assumir a bronca, a barca em que (se) transformou a cidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:38

Portugal Outono/Inverno

por Samuel de Paiva Pires, em 23.10.13

Acabou a época dos fogos, começou a época das chuvas. Amanhã vêm a terreiro todos os especialistas em inundações, limpeza de esgotos e afins. O país inteiro, inclusive o país político, vai solidarizar-se com as pessoas afectadas. Vai falar-se muito sobre o assunto, mas vai tudo continuar na mesma. Para o ano há mais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:22

O rebentamento de águas políticas

por John Wolf, em 16.09.13

Mal se extingam os últimos focos de incêndios da temporada, Portugal será fustigado por uma outra vaga de indisposições geo-térmicas que também  resultam da inacção humana, política. Daqui a nada as chuvas repentinas chegarão e teremos a versão molhada do drama quente do verão. As inundações, que decerto afogarão centros urbanos e povoados ribeirinhos, irão gerar uma outra discussão já conhecida dos portugueses - a limpeza atempada das sarjetas e principais vias de escoamento de águas. Um distinto termo de irresponsabilidade será trazido à baila da navegação à vista, já com as autárquicas atrás das costas - a ausência de políticas de administração e gestão urbanas adequadas. Alguém já viu trabalhos de prevenção a decorrer nas cidades normalmente afectadas pelo rebentamento de águas nas condutas? Alguém já se cruzou com um piquete de intervenção a remover beatas e pasto dos gradeamentos por onde deveriam fluir as águas? Dentro em breve lá teremos os mesmos bombeiros a socorrer os residentes de habitações e os proprietários de espaços comerciais com água pelo pescoço. Há uma linha que separa o bom senso da tragédia líquida. Um país que nem sequer consegue realizar a gestão dos seus elementos naturais, dificilmente conseguirá defrontar outro género de intempéries. Os canais de água que atravessam o território nacional indicam claramente onde residem os maiores perigos e, nos centros urbanos, catástrofes anteriores deixaram marcas mais que suficientes para se colocarem trancas à porta. Estou admirado que o tema não seja politicamente relevante. Ainda não vi nenhum cartaz para as eleições autárquicas que aluda a esse flagelo, servindo-se do medo como principal instigador da inclinação torta dos boletins. Os votos não caminham sobre a água, decididamente. Ou o país já afundou por completo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:37






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas