Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Santana Lopes, o socialista

por John Wolf, em 07.10.17

img_817x460$2016_09_08_08_55_19_293892.jpg

 

Proponho uma simples reflexão, um pequeno exercício. O Partido Social Democrata (PSD) está obrigado a encontrar um lider que possa contestar de um modo profundo e eficaz as soluções de governação da geringonça. E existe uma pequena fissura por onde entra alguma sombra de dissensão entre o Partido Socialista (PS), a Coligação Democrática Unitária (CDU) e o Bloco de Esquerda (BE) - as autárquicas puseram as comadres a ralhar, umas mais do que as outras. Mas limitemos o âmbito destas considerações ao tema da liderança no PSD. Sem nutrir preferências por putativas candidaturas, gostaria de ressalvar os seguintes aspectos de uma hipotética candidatura de Santana Lopes. Começemos então pelo seguinte; a questão da antiguidade, do repescar de velhas figuras de outros ciclos e mandatos políticos. O PS é um bom exemplo dessa prática museológica. Lá estão o Ferro Rodrigues e o Carlos César que julgávamos que tinham descalçado as botas do combate, encostado às boxes - não é o caso, estão aí cheios de Viagra. Ou seja, Santana Lopes tem legitimidade para pensar um regresso - tem a mesma idade política daqueles socialistas. Mas há mais, quiçá de índole incontornável. Que eu saiba, durante o consulado de Santana Lopes na Santa Casa de Misericórdia de Lisboa (SCML), não fomos confrontados com algo equivalente a um Processo Marquês, um escândalo de desvio de fundos para benefício próprio ou alguma forma de tráfico de influências. Por outras palavras, se Santana Lopes for o adversário a abater, o PS terá de esgravatar muito para fundamentar teses de roupa suja, de falência técnica ou ética. E há mais. A própria missão da SCML é mais socialista do que o socialismo do Rato. Assim sendo, Santana Lopes, e decorrente do conceito de redistribuição  de riqueza, é mais comunista do que Jerónimo e mais bloquista do que Catarina. Adiante. Avante. Não nos esqueçamos do seguinte; Santana Lopes está para Durão Barroso como Passos Coelho está para Sócrates. Ambos entraram para limpar borrada alheia, arrumar a casa e inverter processos de desarranjo político e económico. Ou seja, Santana Lopes, à falta de originalidade, tem argumentos que encaixam perfeitamente na matriz do poder instalado. António Costa deve ser considerado uma velha raposa, com a escola toda. Se um caloiro do PSD fosse promovido a regente, seria como entregar carne sacrificial ao rito de uma igreja ideológica e partidária que faz uso de todos os argumentos de desgaste e arremesso políticos. Vamos ver de que modo o PS volta a confrontar um seu velho adversário. No PS queriam o Rio, que é quase da casa, mas as bases do PSD já viram outros camaradas serem aliciados e depois corrompidos nos meses que se seguiram àquela noite longa de Outubro.

 

foto: Jornal de Negócios

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:58

800.jpg

 

Aviso os leitores para a violência das ideias contidas neste artigo. Decidi, embora temporariamente, colocar-me na cabeça politicamente cínica de António Costa. E depois aproveitei o devaneio da sua mente torcida e realizei o seu transplante para o espectro lobotómico de Cavaco Silva. Uma vez que os socialistas esticaram até ao limite as possibilidades constitucionais, e realizaram um golpe parlamentar perfeitamente legítimo, embora politicamente questionável, não vejo razão para que o Presidente da República se abstenha de cravar as suas unhas nas costas do sistema político e da instituição que corporiza - Cavaco Silva poderia ser António Costa apenas por umas horas, para ver se ele gosta. Ou seja, há tanta coisa que pode fazer sem contemplações de ordem misericordiosa, e que tiraria o tapete por debaixo dos pés da Esquerda que se espraiou em acordos de ocasião. Não falo de um governo de iniciativa presidencial. Não me refiro a um governo de gestão. Não menciono a dissolução da Assembleia da República e a convocação de novas eleições. Não senhor. Nada disso. Refiro-me a algo mais subliminar, malicioso, eticamente questionável, mas perfeitamente legal, inteiramente exequível do ponto de vista constitucional. Cavaco Silva poderia simplesmente demitir-se e passar a batata quente ao seu sucessor. O Presidente da República tem muito menos a perder do que António Costa. Se o fizesse não seria muito distinto daquilo que António Costa fez à revelia da tradição política de Portugal. Catarina Martins repete vezes sem conta que o aconteceu era exactamente o que o país precisava - algo novo, inédito. Então, pela mesma bitola e com o mesmo entusiasmo democrático, o Presidente da República poderia inaugurar uma nova modalidade institucional - demitir-se. Cavaco Silva poderia causar alguma confusão nas mentes convencidas daqueles que julgam que têm o rei revolucionário na barriga. Se é para escangalhar o regime de uma vez por todas, ao menos que o Chefe de Estado ainda seja chefe de alguma coisa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:21

Catarina baixa a bolinha

por John Wolf, em 01.11.15

rbrb_2056.jpg

 

Os episódios psicóticos, na sua generalidade, têm uma duração limitada. Pouco a pouco, face aos factos incontornáveis da realidade económica e financeira, Catarina Martins parece estar a baixar a bolinha - a sair do transe. Está a cair em si. Insiste na questão do descongelamento de pensões, mas ela sabe que se não alterar o tom das suas reinvindicações, irá ser apanhada a morder a própria cauda. Será igual aos políticos que abomina - aqueles que fazem promessas e depois fazem o oposto. A Catarina Martins apenas tem experiência na gestão de palavras, e isso é declaradamente pouco para alguém com aspirações a executiva-júnior de um quadro socialista. Em nome de um putativo acordo, do calibrar de posições com António Costa, o Bloco de Esquerda (BE) corre os mesmos riscos que afligem o Partido Socialista (PS) - de ser um partido descaracterizado, transgénico, disposto a alterar o seu ADN para lá chegar, ao poder. A ideologia é assim mesmo. É uma ranhosa tramada. Não tolera traições. As testemunhas dessas igrejas férreas entram facilmente em depressão assim que lhes tiram o tapete de sustentação debaixo do corpete. Daqui a nada teremos em Portugal poucos partidos de gema. O PS, pela mão de Francisco Assis, já está a promover uma sangria no seu partido - a cura para libertar o Largo do Rato de espíritos sombrios que deixaram de adorar os valores da sua casa e preferem o oportunismo declarado. O PS e o BE, se não tiverem cuidado, se cederem ao que a realidade política exige, serão iguais ao governo de coligação. Ou seja, farão o que é necessário fazer, porque chegarão à conclusão que não existe alternativa alguma. Os números da administração não são fáceis de somar. A adição de maioria parecia ser favas contadas. Daqui a alguns dias veremos, mas tenho a impressão que no PS já há "traidores" suficientes para forçar a demise de Costa. A política não é um jogo de sono zero. Há que estar acordado. Alguém vai levar uma ripada não tarda nada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:11

twinsDM1806_468x323.jpg

 

Cá vamos mais uma vez. Se certas ideias são boas para os outros, também devem sê-las para os próprios. O que fará António Costa se eventualmente "três minorias" dentro do próprio Partido Socialista (PS) decidirem formar uma "maioria" para o remover da liderança? Será que aceita essa realidade ou será igual a Cavaco Silva? As semelhanças são mais que muitas com o Presidente da República, não tenhamos dúvidas. Mas analisemos mais em detalhe o "percurso de favas contadas" do secretário-geral daquele partido. Primeiro pensou (e mal) que bastaria varrer António José Seguro da sua frente e que as eleições legislativas estariam no papo. Assim não foi. Depois, sem nunca abrir o jogo, e como solução de recurso face à derrota eleitoral, inicia negociações com o Bloco de Esquerda (BE) e a Coligação Democrática Unitária (CDU). E isso correu mal, ficando provado que não é possível misturar as bebidas políticas - ser europeísta convicto e ao mesmo tempo sair do Euro. Ser atlanticista de gema e procurar abandonar a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO). António Costa meteu-se mesmo em trabalhos. Mas não fica por aqui. Assume desde já que rejeitará qualquer iniciativa governativa emanada da coligação (sem as conhecer). Ou seja, irá impor um regime autoritário a eventuais deputados que façam uma outra leitura do estado da nação. O Partido Socialista não existe mesmo. A sua razão de ser, neste momento único da história de Portugal, é derrubar o governo de coligação em vez de avançar com soluções de compromisso político que seriam também a sua única tábua de salvação. Será que António Costa ainda não percebeu que perdeu as legislativas, a liderança do seu partido, o respeito de pares da sua bancada parlamentar, a consideração dos portugueses e a confiança das instituições europeias ou externas que tornam possível a solvabilidade de Portugal? A dissolução do Parlamento, e a convocação de novas eleições, obriga Costa a coligar-se com o BE e a CDU, mas já sabemos que resultados isso trará. Os socialistas moderados não querem ser confundidos com bloquistas ou comunistas, e desse modo abster-se-ão de votar no PS contribuindo para um ainda maior descalabro daquele partido e uma mais que provável maioria absoluta do governo de coligação. António Costa não se revelou por completo, mas oferece provas irrefutáveis do modo como entende a política e  como esta deve ser conduzida em Portugal. Ainda vamos ter de levar com ele durante algum tempo, mas quando for, será como se nada fosse. Passará à história para ser lembrado com pouco carinho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:06

Governo simplex de António Costa

por John Wolf, em 20.10.15

simplex.gif

 

O enviado especial do Partido Socialista (PS), Pedro Nuno Santos, nascido em 1977, acaba de passar em directo na TVI um atestado de burrice aos eleitores portugueses. Segundo o mesmo, os cidadãos deste país nunca ouviram falar em democracias parlamentares e não sabem como se forma um governo. O jovem estafeta do Largo do Rato está disponível para dar explicações de ciência política e direito constitucional, mas infelizmente não tem habilitações para ensinar ética ou dissertar sobre as prerrogativas do interesse nacional. Na qualidade de aluno assíduo, mas certamente burro, eu ainda não consegui perceber como as partes dissonantes do PS, do Bloco de Esquerda (BE) e da Coligação Democrática Unitária (CDU) vão dirimir as suas distâncias e produzir uma textura política consistente e que não seja perfeitamente amorfa. Por outras palavras, e pegando no pregão socialista que sublinha a rejeição da maioria governativa e das suas orientações políticas, a haver um corte distintivo e inequívoco em relação aos últimos quatro anos, seria preferível que apenas uma força sebastiânica de esquerda fizesse o frete da revolução. Deste modo, a soma dos que ganharam com menoridade relativa não vai dar em nada porque irão fazer descontos nesta época de saldos políticos. Seria preferível, em vez deste associativismo, que houvesse um levantamento à capitães de ardil para desencravar este estado de alma. António Costa é muito mais do que um mero secretário-geral. Funciona em piloto automático. Empossa-se sem precisar de ajuda de quem quer que seja.  O Simplex vive para além do espírito e da letra do seu criador. O governo na hora é o que está a dar. Informe-se.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:39

As setes vidas de António Costa

por John Wolf, em 19.10.15

pink-cat-pic-solent-image-1-701231935.jpg

 

São os socialistas-milionários que me preocupam. Conheço uns quantos. Muitos deles fizeram comissões laborais em Macau, em bancos centrais ou em tribunais do território sob administração portuguesa. São esses pseudo-esquerdistas que devem estar um pouco confusos com as alucinações de António Costa. Passaram um cheque eleitoral ao secretário-geral, mas nunca esperavam que ele trocasse o cupão por outro artigo da montra política. Uma coisa é ser milionário-socialista, outra é enveredar por caminhos mais agrestes de extremismo ideológico. É por esta razão, e as demais que conhecemos, que o Partido Socialista pode vir a ser uma força ideológica a termo. Iria mais longe. António Costa talvez seja o derradeiro exemplar de uma espécie política em vias de extinção. A cada dia (hora?) que passa a intransigência de Costa não se traduz em vantagem alguma. Quem o aconselha? O César ou a Ana Catarina Mendes? Quando o derrotado das últimas eleições afirma que recusou desde a primeira hora lugares no executivo, e o que separa os socialistas do governo de coligação são orientações políticas, entra efectivamente em profunda contradição. Os próprios governos "a solo", que nem sequer dependem de terceiros, mudam vezes sem conta de orientação governativa. Os socialistas não precisam de procurar exemplos eficazes longe da sua própria casa. Fizeram-no vezes sem conta em diversos mandatos históricos. Desde o 25 de Abril, cuja paternidade reclamam, foram gradualmente mas certeiramente se afastando das premissas colectivistas que tão bem defenderam, para se posicionarem enquanto intérpretes de fórmulas neo-liberais sustentadas em mercados financeiros expressivos, o lucro e a distribuição de riqueza. Mais valia António Costa se "infiltrar" na coligação e realizar um inside job - avançar as causas nas quais acredita, os valores que defende, comprometendo os "anfitriões do poder" ao associá-los aos mesmos. Esta talvez seja a derradeira chamada a que António Costa tem direito. A seguir restar-lhe-á pouco. Um partido político esventrado, mais próximo de perdas totais em eventuais legislativas que se podem seguir, e a sua carreira de político profissional em regime de descrédito, de burn-out irreversível. Não sei se Costa tem sete vidas para dar e vender.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:19

placa-proibida-a-entrada-de-pessoas-no-autorizadas

 

Passos Coelho e Paulo Portas, digam o que disserem os seus detractores, estão inequivocamente a demonstrar a sua estatura política. A porta para um entendimento a três não está obviamente escancarada, mas deixa entrar alguma luz. Em nome da governabilidade e da salvação nacional, a actual coligação entende que mais altos valores estão em causa - Portugal. António Costa, se for inteligente e não for ganancioso, tem menos a perder integrando o executivo, do que apostando o património do Partido Socialista nos comunistas ou bloquistas. A matriz política do país não é muito diferente daquela dos Estados Unidos. Para bem e para mal, são dois os partidos que disputam o poder. A expressão reaching across the aisle consubstancia bem o que Portugal necessita com alguma urgência. O que deve prevalecer neste momento será algo que escapa à racionalidade e calculismo políticos - o bom-senso. O Partido Socialista, se preza a sua continuidade nos moldes da sua alegada cultura ideológica moderada, deve, sem hesitações, entrar com firmeza e honestidade intelectual em negociações tendentes à distribuição de pastas e a um acordo genérico respeitante a questões políticas fracturantes. Faz isto ou arrisca-se a escutar Cavaco Silva informar que não há nada para ninguém socialista. Quanto a Catarina Martins e Jerónimo de Sousa, lamento muito. Se ainda não perceberam o que se está a passar (após duas semanas de ensaios), então não merecem ocupar os seus postos de liderança. O sonho foi bom enquanto durou. E António Costa não fará mais ou menos do que fez a António José Seguro. Servir-se-á deles como monta-cargas, mas quando for preciso manda-os embora com a cauda entre as pernas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:32

PàF com 75% dos votos dos emigrados

por John Wolf, em 14.10.15

shutterstock_28213324.jpg

 

O voto dos emigrantes produziu três deputados para a coligação Portugal à Frente (PàF) e um para o Partido Socialista (PS). Ou seja, 75% dos emigrantes e portugueses residentes no estrangeiro votou na PàF. Não sei que malabarismos matemáticos o PS pode inventar, mas desde já podemos concluir o seguinte: os emigrados entenderam que o governo de coligação tentou ao longo dos últimos quatro anos colocar Portugal no caminho do desenvolvimento. Porventura a enfermeira Claúdia Silva, que trabalha no Hospital Central de Oslo, gostaria de ver o seu país ter o nível de prosperidade da Noruega. Se calhar o doutorando Amândio Gomes, que foi trabalhar na equipa de investigação em fibra de carbono na Universidade de Princeton, interpretou o esforço contra-natura do governo de coligação do seu país como um mal necessário. Pois é. Estou pra´ aqui a especular, mas se os excomungados-trabalhadores quiséssem o PS de volta teriam oferecido quatro deputados aos socialistas. Não sei se me faço entender. Os emigrantes socialistas são uma minoria também neste capítulo de ultramarinidade. Ponto final.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:14

Red-stock-market.jpg

 

A dupla Jerónimo-Martins quer fazer frente à Jerónimo Martins. Sim, Jerónimo (de Sousa) e (Catarina) Martins. É tudo uma questão de mercados, economia e transferência de riqueza. Se o Jerónimo de Sousa e a Catarina Martins chegassem ao poder, não tenho dúvidas que viriam atrás daqueles que ganharam a sua vida de um modo honesto. Não tenho um pingo doce de dúvida que o atalho para fundamentar o seu conceito de geração de riqueza seria tirar a quem muito tem para dar a quem pouco tem. No entanto, esquecem-se que a grande maioria dos que tem, em tempos pouco teve. Confirmamos deste modo uma visão preconceituosa - o sucesso e a acumulação de riqueza são sinónimo de desonestidade. No caso destes senhores é mais fácil tirar do que dar - dar a cana de pesca, por exemplo. Portugal estava a dobrar a esquina económica e financeira, mas estes senhores têm uma visão altamente corrosiva da realidade. Aliás, o que a Esquerda do Partido Socialista, da Coligação Democrática Unitária e do Bloco de Esquerda propõem é a cara chapada de Wall Street. A operação que querem levar por diante é um takeover do governo, mas para o realizar encontram-se na fase de mergers and acquisitions. O regulador da bolsa de valores ideológicos (Cavaco) decerto que suspenderá a fusão, se ficar demonstrado que o cartel pretende avançar com o desmantelamento da sociedade económica e social tal e qual como a conhecemos e elegemos. Para já, lidamos com especuladores, traders como António Costa que negoceiam no mercado de derivados, alguns altamente tóxicos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:16

Qual a percentagem de Esquerdice?

por John Wolf, em 09.10.15

img_como_calcular_uma_percentagem_1971_orig.jpg

 

Eu posso tentar explicar porque está errado. Não me recordo de ler na Constituição da República Portuguesa um parágrafo sequer sobre a definição de Esquerda e Direita e as percentagens mínimas de "ideologia" para preencher esse requisito. A lógica da soma das partes do Partido Socialista (PS), da Coligação Democrática Unitária (CDU) e do Bloco de Esquerda (BE) pura e simplesmente cai por terra. Pressupõe que existe um teor ideológico mensurável a partir do qual se pode definir forças de Esquerda ou de Direita. Se assim fosse teriamos um ramo do Estado dedicado à fiscalização da percentagem ideológica contida nos preparados políticos - uns agentes EMEL do estacionamento ideológico. Ofereço este exemplo contraditório, mas que bastará para consubstanciar o que digo. A Esquerda que defende com unhas e dentes o Estado Social, deve saber que essa invenção não é inteiramente ideológica, e muito menos um exclusivo da Esquerda. A Suécia, tida como exemplo nos campos da Segurança Social e dos Serviços Nacionais de Saúde, também pode ser retratada como um país intensamente neo-liberal, adepta dos mercados, da livre iniciativa e do lucro. A pergunta que deve ser colocada e que relativiza as demandas dos perdedores das eleições legislativas é a seguinte: como se define o grau de pureza ideológico? Qual a percentagem de esquerdice ou direitice que permite determinar a matriz ideológica dos participantes? Como podem constatar, aquilo que os maus perdedores pretendem, viola os pressupostos de desempenho político eficiente - a obrigação de requisitar soluções da totalidade do espectro político e ideológico. Se os "três amigos" da Esquerda fossem coerentes, e se conseguissem assaltar o poder com um golpe, então estariam proibidos de usar as práticas e costumes da alegada Direita que invocam. Teriam de abolir os mercados, as empresas altamente lucrativas, racionar o número de empreendedores e criar uma economia de direcção central. Por outras palavras: nem sequer são de Esquerda. Serão, quanto muito, oportunistas que se servem de todos os argumentos possíveis e imaginários para derrubar uma força política que legitimamente ganhou as eleições. Se fossem tão altruístas e defensores do interesse trans-partidário, deveriam ter construído a sua coligação a tempo e horas de disputar honestamente uma competição política. Teriam tido tempo para sedimentar ideias e limar arestas. Deste modo, abrupto e perturbador, colocam em causa importantes fundamentos que sustentam um Estado de Direito. Os portugueses votaram nas partes e não na equação pós-eleitoral de ocasião. E os portugueses vêem a milhas de distância o que está acontecer. Esta tentativa de colar a cuspo uma força de bloqueio e de insolvência do governo, merece a mais firme denúncia da parte daqueles que fizeram a revolução de Abril. A não ser que queiram outra cravada na realidade política nacional. Portugal está apurado para o Europeu. Quanto ao resto não sei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:49

O PREC do TRAQUE

por John Wolf, em 08.10.15

fart-e1363889285693.jpg

 

O governo de Passos Coelho e Paulo Portas tenta a todo o custo travar o Processo Revolucionário em Curso (PREC II) levado a cabo pelo Trio de Ataque , também conhecido por TRAQUE e formado pelo Partido Socialista (PS), a Coligação Democrática Unitária (CDU) e o Bloco de Esquerda (BE). Nesse sentido, e colocando o interesse de Portugal acima de questões ideológicas, a coligação procura encontrar as linhas mestras de um entendimento que evite o marasmo e a confusão políticos em Portugal. O PS, que se encontra em cacos após a utópica promessa de governar a solo, talvez não encontre tão rapidamente melhor oportunidade para chegar perto de mandar no que quer que seja. A extremização dos socialistas, e subsequente convocação de novas eleições, certamente que afastaria ainda mais simpatizantes da sua franja de apoio. E acresce a esse facto que grande parte das propostas do governo de coligação têm o assentimento dos socialistas, embora estes se vendam como radicais e distintos dos restantes. Mas não é bem assim. A verdade é que o condicionamento económico e financeiro de Portugal mitiga as apirações de qualquer entidade política.  Não existe margem suficiente para grandes aventuras, lamentavelmente. A ideologia, invocada a torto e a direito, há muito tempo que foi substituída por conceitos operativos que buscam soluções a montante e a jusante, à Esquerda e à Direita. Os socialistas não entenderam isso e estão limitados pela sua imagem de marca, o seu branding. Entramos, deste modo, numa nova fase de política em Portugal. Bastará à coligação, fazendo uso de alguma inteligência estratégica, abraçar os socialistas. Se de facto a recuperação económica ganhar ainda mais pernas para andar, o PS poderá fazer parte da solução e não do problema, reclamando para si uma parte desse sucesso. Sendo do contra, os socialistas arriscam-se a ver bonitos do governo de coligação e a perder o comboio que já está em andamento. Ultimamente no Largo do Rato tem faltado algum juízo e bom-senso. Julgava Costa que o crédito do património socialista seria suficiente para ganhar tudo e todos. Mas ele insiste. A casa de apostas do Rato parece desejar mais um flop. Maria de Belém não é uma figura icónica que possa beneficiar de uma moção de confiança presidencial dos portugueses. A bússola socialista está efectivamente escangalhada. Talvez não fosse má ideia António Costa negociar algo que bem conhece - o Ministério da Justiça. O que pensaria Sócrates sobre esta hipótese? Não está mal pensado, pois não?

 

Trio de Ataque foi uma designação proposta pela minha amiga Ana Luísa Ferreira Rodrigues para a coligação PS-CDU-BE. A expressão simplificada TRAQUE é de minha autoria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:10

A ditadura da relatividade eleitoral

por John Wolf, em 29.09.15

Governo-de-Portugal.jpg

 

Ponham de lado as sondagens. Esqueçam os estatísticos da praça. Façam-se de surdos e não escutem o ruído dos comentadores de sempre. Olvidem a ideologia que vos doutrinou sem que dessem por isso. Distraiam-se dos partidos e concentrem-se no essencial. O que aconteceu a Portugal nos últimos 4 anos poderia ter acontecido a qualquer governo. Se estivesse lá um outro grémio de poder, de outra cor política, o resultado seria o mesmo. Em 2011 Portugal rebentou pelas costuras e a responsabilidade desse facto recai sobre todos os portugueses sem excepção. Desde o 25 de Abril que os cidadãos deste país tiveram oportunidades e mais oportunidades para experimentalismos doutrinários na escolha dos seus magnos representantes. Puderam colocar estes ou aqueles no poder, puderam cultivar a sua discórdia, puderam fazer parte da construção política do país. Em ambiente de escolha livre e democrática, puderam colocar quem bem entenderam nas diferentes cadeiras do poder. Portugal e o seu parlamento espelham essa diversidade de posições. Em suma, sempre houve sabores para todos os gostos. Mas essa oferta variada não se traduziu necessariamente na ideia de prossecução do bem colectivo. Houve quem se apropriasse da titularidade do cargo para avançar interesses parcelares. Quando no dia 4 de Outubro os portugueses forem chamados à liça, mais uma vez poderão exercer o magistério desse direito inalienável. Se não votarem, perdem, na minha opinião, a chance de contribuir para o desenvolvimento nacional. Se faltarem a esse chamamento deixam de poder vaticinar sobre o que poderia ter sido ou o que deveria ter sido. E este apelo à missão cívica também diz respeito aos visados no processo electivo, mas de um modo particular e no que diz respeito a princípios de exequibilidade governativa. Temo  que uma derrota socialista se traduza noutro prolongamento de rancores e bloqueios, atrasos e intransigências. O aviso foi feito por António Costa no que diz respeito ao Orçamento de Estado e deve ser levado à letra como se fosse uma séria ameaça. Se eu fosse integralmente prático, e concebesse um cenário de mal menor, a solução de maioria absoluta seria a exclusiva, a melhor. Se por hipótese o Partido Socialista assumisse essa vitória esmagadora, mais rapidamente as fragilidades da sua utopia governativa conheceriam a luz do dia e morderiam a própria cauda. Ou seja, um governo socialista extinguia-se no auge da contradição e  da quebra de promessas eleitorais. Por outro lado, se a coligação se afirmar novamente enquanto governo de maioria, poderá mais rapidamente fechar um ciclo de medidas penosas que foi obrigado a implementar para salvar um país à beira da catástrofe. Em suma, o resultado que melhor serve Portugal deve ser inequívoco. Um desfecho que não seria peixe nem carne. Votem bem que eu fico a ver. E esperemos que Portugal não fique refém da ditadura da relatividade eleitoral.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:37

Greece_flag-2.jpg

 

Antes que António Costa, Catarina Martins ou qualquer outro oportunista aproveite o desfecho das eleições na Grécia, e a "re-eleição" de Alexis Tsipras, para tecer considerações de ordem revanchista-revolucionária, convém lembrar o seguinte; qualquer que seja o governo que se venha a formar naquele país, mais de 60 medidas prévias à recepção de dinheiros do terceiro bailout devem ser aprovadas e implementadas, um vasto conjunto de privatizações deve ser realizado e a pressão da Troika manter-se-á para efectivamente controlar os mesmos. Quem ganhou as eleições foram os credores da Grécia e não o cidadão ateniense ou os residentes da ilha de Lesbos. Para complicar ainda mais a equação, a crise de refugiados (ou migrantes, conforme a etiqueta de correcção política) será mais um factor de desequilíbrio. Veremos até que ponto um governo de inspiração maoista (com possíveis laivos de Direita-extrema à mistura) resiste à tentação Orbaniana de instituir um regime de protecção reforçada dos interesses dos seus nacionais, levantando barricadas para deter forasteiros. São externalidades desta natureza que podem alterar o rumo dos acontecimentos. Portugal, que se encontra nos antípodas geográficos da Europa, alegadamente não corre o risco de ser atropelado por um influxo maciço de gentes fugidas de regimes persecutórios. Mas não é bem assim e convém lembrar que todas as hipóteses devem ser consideradas. Por exemplo, um avanço notável do ISIS (Estado Islâmico) no Norte de África, com uma eventual queda de regime em Marrocos que transformaria Algeciras e o Algarve em pontos de desembarque de refugiados. São noções desta amplitude que devem fazer parte da visão de estadistas, mas com tanta conversa sobre reposição de pensões e inviabilizações de Orçamentos de Estado, poderemos ficar à mercê das políticas de taberneiros que apenas cuidam do seu quintal. Os tempos não são para facilidades e demagogia barata, embora a tentação seja grande.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:09

O voto refugiado no socialismo

por John Wolf, em 16.09.15

9377522988_8736922c52_b.jpg

 

António Guterres não tem conta de Facebook. Se o Alto-Comissário para os Refugiados das Nações Unidas (UNHCR) tivesse perfil e mural percebia logo que o homem-comum, o cidadão-tipo de Portugal, não está nada contente com a possibilidade da vinda de contingentes de refugiados. Bastar-lhe-ia falar com um taxista para chegar a essa conclusão: "eles que fiquem lá na terra deles". Se falasse com um condutor-uber, talvez o caso mudasse de figura, mas não é isso o mais importante. O que convém sublinhar é o alinhamento de Guterres com o camarada António Costa, que referiu que o problema demográfico de Portugal seria resolvido com a chegada de migrantes. Até pode ter alguma razão, mas o que me chateia mesmo é Guterres servir-se do seu cargo para dar um empurrão à campanha de Costa. As suas palavras, subtilmente oferecidas, enaltecendo a sociedade civil de Portugal, passam por outra portagem. Inscrevem-se na fórmula oportunista de Costa, que antes da crise de refugiados tomar estas proporções, nunca havia tido uma ideia pan-europeia, uma sugestão que fosse sobre o futuro da relação de Portugal com um continente em profunda alteração. Um candidato a primeiro-ministro deve ter capacidade para pensar além dos ganhos e proveitos da mão-de-obra barata que as empresas de construção civil anseiam por ter. Em suma, os refugiados, que não são tidos nem achados, já servem de arma de arremesso na campanha dos socialistas. Eles nem sonham com a utilização abusiva da sua condição e não irão eleger Costa ou quem quer que seja.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:25

A benção do abade Sócrates

por John Wolf, em 08.09.15

VlvxUM6e.jpeg

 

José Sócrates merece uma nota de louvor, o nosso reconhecimento. Há quem o tenha vilipendiado, chamado de traidor, insultado e difamado sem prova do que quer que fosse, mas agora devemos ser justos e imparciais. O ex-primeiro ministro demonstra que tem sentido de Estado e que os homens estão sempre a tempo de se redimirem, de renascerem na bruma do desgaste da fé política. As mais recentes palavras de abade de José Sócrates são uma benção. Agora temos motivos para rumar, romar(ia) ao seu novo santuário. Afirma o próprio, que tem sido parco em palavras e comedido no tom, que está ao lado de António Costa e do Partido Socialista. Amigos destes não se arranjam com facilidade. O candidato socialista, o não-empate-técnico, o ganhador de tudo, deve estar muito feliz com a dádiva do prestamista Sócrates. Não há nada melhor do que ter o apoio de cidadãos verticais e impolutos. António Costa já avisou que não comenta comentadores, mas agora vê-se obrigado a agradecer o apoio do seu colega, uma vez que o mote no Largo do Rato é inequívoco: os camaradas são para todas as ocasiões. Sobre aquela pergunta infantil que os jornalistas repetem a toda a hora; se José Sócrates vai contaminar a campanha de António Costa (?). Precisam de mais esclarecimentos? Ai, abençoado abade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:47

A névoa presidencial do Partido Socialista

por John Wolf, em 03.04.15

pink-fog.jpg

 

A candidatura presidencial de António Sampaio da Nóvoa tem o beneplácito de António Costa e dos demais socialistas. E por uma razão muito simples. A tradição política portuguesa assenta na dissonância partidária entre o Governo e a Presidência da República. António Costa sabe que os socialistas não podem ocupar os dois postos em simultâneo, portanto faz todo o sentido promover a candidatura de um perdedor, e que haja apenas uma vitória socialista - um desfecho legislativo favorável. Não está mal pensado, não senhor. Se o candidato presidencial socialista tivesse os pergaminhos e a fama de António Costa a coisa mudava logo de figura. O eleitorado ficaria confuso e começava logo a pensar que talvez o ex-presidente da Câmara Municipal de Lisboa não fosse a pessoa indicada para liderar um governo nacional. Os meses que se seguem vão ser de campanha em crescendo e António Sampaio da Nóvoa vem mesmo a calhar. Tem o perfil indicado. Não ofusca a presença ubíqua de António Costa. É uma espécie de Fernando Nobre do Largo do Rato. Um outsider sem uma carreira de truques e armadilhas, respostas e saídas espertas. Registo aqui, sem grande surpresa, um certo cinismo socialista. Estão a entregar lenha ao benjamin presidencial para que este se queime. E no espesso da névoa que se seguirá, António Costa pensa escapar-se por entre a bruma. Mas nada disto é trigo límpido. Não é líquido que a goleada que os socialistas prometem venha a acontecer. António Costa, se chegar a mandar, vai provavelmente ter de casar com uma noiva de segunda escolha. Uma dama de uma porta ao lado da sua preferência demagógica. Avante Nóvoa. Quero ver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:46

PS - prometemos ser breves

por John Wolf, em 30.03.15

COMUNICADO.jpg

 

O Partido Socialista (PS) informa a população do continente e das regiões autónomas que, devido a questões técnicas alheias à sua responsabilidade, não teve condições de emitir o programa dedicado à derrota eleitoral na ilha da Madeira. A gerência garante que todos os esforços estão a ser empregues no sentido de restabelecer o sistema de comunicação. A gerência também aproveita  a ocasião para informar que segue com atenção o futuro político de Alberto João Jardim, pelo que regista alguma preocupação sobre um seu eventual ingresso na Assembleia da República na qualidade de deputado com especial vocação para destabilizar a bancada socialista. O PS acrescenta ainda que a região autónoma da Madeira não é Portugal, pelo que os eventos registados naquela parte do Atlântico não podem ser correlacionados com eventuais acontecimentos políticos que se venham a verificar nas próximas eleições legislativas. Pedimos desculpa pelo transtorno. Prometemos ser breves. Gratos pela compreensão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:31

O peso dos blocos de António Costa

por John Wolf, em 17.12.14

615x200_ehow_images_a05_gl_cv_mold-concrete-blocks

 

António Costa evoca as glórias do Bloco Central (PS/PSD) liderado por Mário Soares nos anos 80, e esse facto deve servir de bitola para interpretar as suas intenções e a sua base ideológica. Deve pensar Costa que os portugueses são idiotas. Foram pactos de regime dessa natureza que promulgaram a falsa rotatividade do poder - ora mandas tu, ora mando eu. Foi esse arranjo que possibilitou a distribuição mais ou menos equitativa dos meios necessários para implementar verdadeiras redes de influência e a apropriação dos meios económicos para os membros dos respectivos partidos. Para além dessa evidência, o "regresso" ao conceito de bloco revela a incapacidade em pensar prospectivamente e de um modo inovador. Os blocos são coisas do passado. Houve um Bloco de Leste, e mais recentemente um segundo que conheceu a ruína, quase idêntico etimologicamente - o Bloco de Esquerda. Diz ainda o secretário-geral do Partido Socialista que foi Soares que salvou o país e hasteou a bandeira da recuperação. Mentira. Foi o FMI que também esteve cá nessa ocasião e que não deixou  o afogamento nacional suceder. Não sei que tipo de dividendos Costa pretende extrair deste ângulo de abordagem ao poder, mas arrisco dizer que sente que não são favas contadas, que as legislativas não estão no papo absoluto, absurdo. Ao envolver o Partido Social Democrata na antecâmara das considerações, obriga esse mesmo partido a exercício semelhante. Ou seja, a uma declaração ténue de uma nota de intenções sobre constituições de sociedades gestoras de poder. Porque no fundo é disso que se trata. Uma empresa política repartida por quotas a que alguns dão o nome de bloco para soar a luta sindical, a levantamento de operários - demagogia central.  Portugal, lamentavelmente, tornou-se refém do seu legado. Torna a encontrar as mesmíssimas sementes que a conduziram ao descalabro, à colheita rara de ideias caducas. A montanha pariu um bloco.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:58

O PS é Portugal

por John Wolf, em 16.06.14

O que está a acontecer ao Partido Socialista (PS) é realmente muito positivo. Os políticos vêm sempre com aquela conversa de abrir os partidos à sociedade civil, da regeneração, do alargamento das bases, sem esquecer a máxima da sua importância na história da democracia em Portugal. Sem o ter planeado de um modo estratégico ou programático, o PS está a braços com um processo de saneamento. Mas há motins que são bem-vindos. O conflito visceral que opõe Seguro a Costa está a servir objectivos diversos, entre eles a falsa purificação do partido. Por mais voltas fratricidas que o PS dê, não se afastará do seu core-business. E a sua actividade nuclear (à semelhança dos outros partidos) consiste em redistribuir o poder pela rede de apoiantes que fazem com que os candidatos cheguem ao poder. No próprio partido as falanges esfregam as mãos pelas migalhas maiores ou menores que serão lançadas como prémio pelo apoio incondicional. Vozes desconhecidas, de norte a sul do país, começam a dar a cara na expectativa de participar na OPA lançada por António Costa sobre as bases distritais. A velha-guarda, depositada a longo prazo no capital ideológico do partido, não precisa de se mexer, de se fazer ao piso. Está presa aos valores que sempre lhe granjeou dividendos. Uns a favor do actual secretário-geral, outros a amparar aquele que almejam que chegue a primeiro, mas todas estas voltas não passam de um mesmo caminho batido, da mesma alvenaria que eterniza essa ideia de superioridade moral, política - como se os socialistas fossem os únicos bons de Portugal. E, nesse processo de clarificação, temos sabores para todos os gostos. Diria que o espectro ideológico de Portugal entornou-se todo na casa socialista. Se o Rato representasse a totalidade do espectro político de Portugal, António Costa seria um partido de direita, alicerçado em valores e processos conservadores - seria o CDS do PS. António José Seguro o BE do PS e Sócrates/Soares o PS do PS. Podemos, sem nos afastarmos dos socialistas, ler Portugal na sua íntegra. Aquele microcosmos, no seu presente estado de ebulição, serve de exemplo, de tabela períodica de como o processo político decorre em Portugal. Não sai dali. É como um toiro encrençado nas tábuas. Que se afasta um pouco, mas que regressa sempre à sua natureza. E enquanto decorrem as faenas na arena, Portugal resvala ainda mais para um beco sem saída. As frases feitas já não servem de consolo, quanto mais para um programa de governo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:55

As sete vidas de Seguro

por John Wolf, em 02.06.14

António José Seguro recorreu à ideia das Primárias para ganhar tempo e inverter a tendência que lhe é desfavorável no partido, e consequentemente a nível nacional. Mas há muito mais que pode fazer. Pode, por exemplo, avançar com uma petição (com não sei quantas assinaturas) para que o Parlamento leve a discussão a reformulação da lei que rege os partidos políticos em Portugal. Pode concomitantemente, ou em caso de insucesso da solução que acabo de avançar, propor ao mesmo grémio legislativo um referendo nacional sobre e sua eligibilidade ou não, enquanto secretário-geral do PS ou candidato a primeiro-ministro (sem especificar por que ordem). Para além disto, pode ainda aliar-se a António Costa e negociar uma coligação intra-partidária. Para isso basta imitar o governo e a relação quase simbiótica entre Passos Coelho e Paulo Portas. Ou ainda, à chairman ou CEO, negociar com a empresa PS uma saída com um pacote indemnizatório com opções à mistura - uma rescisão quase-amigável de contrato político com uma pensão dourada e uma posição no conselho de supervisão do Partido Socialista. Ou finalmente, ir à guerra (quem vai dá e leva) e levar a maior coça política que alguma vez se viu em Portugal. Para já, enquanto não passam aos murros e pontapés, António José Seguro anda a monte, perseguido por captores da própria casa que o amamentaram, jotalizaram e que agora parecem dispostos a pô-lo no olho da rua. Uma outra opção seria requerer asilo político num país sem acordo de extradição. França não me parece que seja um destino favorável e Espanha também será de excluir agora que o Rei D. Juan Carlos colocou em marcha o seu próprio processo de sucessão. Realmente ando preocupado com o futuro de Seguro. Havia tanta gente que depositava esperança no rapaz e agora é o que se vê.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:46






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas