Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Fé

por João Almeida Amaral, em 11.05.17

Maria.jpg

 

Bento XVI definiu a Fé como um Dom da Liberdade.

É uma das definições mais belas que li sobre a Fé. Bela pelo seu conteúdo, pela sua simplicidade , bela porque descomplica  uma questão complexa. O seu autor marcou-me pela inteligência, pela cultura , pela timidez e pela sua dimensão intelectual de gigante. 

Neste mês de Maio celebra-se Maria e ano após ano, eu pecador confesso, inundo os meus olhos,  com as manifestações de fé que os peregrinos anónimos, vão revelando. Só quem lá tenha ido compreende o sentido de Fé que move aquelas almas.

Por a Fé ser um Dom da Liberdade, ninguém obriga ninguém a acreditar, mas também ninguém tem o direito de criticar a Fé  de quem a tem.

Tristes os que não tendo Fé tentam cercear diminuir e ridicularizar os que a têm. 

 

Gostaria um dia de ser tocado por essa Fé.

Vergo-me perante  Maria na esperança de um dia poder sentir o seu coração de Mãe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:44

Samuel, reconhecendo a valia da reflexão do Mark Vernon, não deixo de sentir perplexidade com a abordagem quase utilitarista que tem da religião. A Fé não tem um propósito em si mesmo, no sentido em que não é proclamado que "o sujeito A deve ter Fé, para poder fazer uma melhor introspecção de si". Reconheço a valia do exercício, e admiro o exame de consciência e a noção das limitações que a proposta do texto potenciam. Mas não é um caminho de validação da religião: conferir-lhe uma utilidade. Precisamente porque a verdadeira Fé não procura ter uma utilidade.

Daí o meu desconforto com o texto anterior em que se citava o mecanismo: a salvação. Pobre daquele que tem fé porque acha que assim se salva. Tem-se Fé, no meu enquadramento religioso, que sabes ser católico romano, porque se adere à Graça: Deus confere-nos a possibilidade de acreditar, e acreditamos. Não esperando nenhum tipo de recompensa por acreditar. A Salvação é a aspiração de uma comunhão eterna com o Deus que amamos: o perpétuo mergulhar da alma no Seu Amor, nas palavras de Bento XVI. E deverá decorrer de uma vida em que se caminhe na imitação da vivência da Caritas. No modelo do Bom Samaritano, que, enquanto teólogo, Joseph Ratzinger, identificou com o próprio Cristo: Deus que se fez homem para vir assistir a sua criatura caída na estrada nesta existência terrena, vergada pelos pecados e males do mundo.

As limitações do humano face ao Criador são enquadráveis no seio da própria religião. Seria interessante, a meu ver, que Vernon reflectisse também sobre a natureza do pecado original. Que contrariamente ao senso comum, não tem uma acepção estritamente sexual: antes resulta do homem, Adão, que tentado a comer da Árvore da Sabedoria, não resistiu, porque iludido de que assim seria conhecedor das mesmas coisas que Deus. A tentação de Adão é querer substituir-se a Deus, podendo governar o mundo com o conhecimento de Deus. Vernon aponta correctamente para a percepção da humildade do homem face ao divino, mas ignora que a tradição judaico-cristã assimila desde o Génesis, essa mesma necessidade de humildade. Nas Escrituras, a condenação do homem não é pela percepção da nudez, mas pela necessidade de se substituir a Deus.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:50

De ficar embasbacado...

por Nuno Castelo-Branco, em 03.08.09

 

 

"Esta entrevista de Maria Cavaco Silva revela uma mulher sem pretensões. Alguém que recusa fazer de basbaque deslumbrado pela efémera circunstância de ser esposa do PR. Alguém que tem a sua própria "história", pessoal e profissional, e que descreve com autenticidade a sua relação com o marido. Alguém que não anda por aí a fazer figuras tristes para garantir a eternidade regimental. Não dei por isso, mas suponho que não hão-de ter faltado as habituais tiradas da cretina "patrulha" anti-Cavaco. Deveriam, no entanto, registar isto. «Ser mulher de um presidente (...) é um lugar passageiro.» Tomara muita gente pensar assim."

 

O João Gonçalves considera-se como um "PSD friendly" e está no seu pleno direito. Até já tive a oportunidade de lhe dizer que é very friendly, no mínimo. 

 

Este post hoje editado, é um perfeito exemplo disso mesmo, ou então, decerto não estará a referir-se à mesmíssima embasbacada e risonha figura* que acompanha  A C Silva. Todos conhecemos a vontade de sobressair da dita senhora e todos já lhe ouvimos grandes despropósitos, desde o ..."Menino Jesus que parece arrotar"... no presépio de 2007, às aventuras capadócias, os fritos, o exibicionismo "cultural" de ocasião, etc, etc e etc. A senhora fala pelos cotovelos, talvez como compensação pela sintomática mudez do cônjuge. De facto e bem ao contrário daquilo que o João afirma, ao fim de mais de vinte anos, já exibe uma invejável colecção de parvoíces com direitos de autor.

 

Não me considero parte da "habitual patrulha cretina anti-Cavaco", até porque não atribuo qualquer importância ou credibilidade à personagem. Mas daí a fazer de conta que não ouço o que a "despretensiosa" (!) "dótora" debita dia sim dia não...

 

Quanto à entrevista, não estou minimamente interessado em ler, pois todos sabemos como são feitas. Prefiro mil vezes as intervenções "ao vivo", via televisão. Aí sim, é de ficar embasbacado!

 

*Felizmente até é gira, e tem boa figura. Como o marido, aliás.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:51






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds