Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



13327374_10206709773245281_6294414104886662597_n.j

 

Coisas há que causam espécie ao mais desatento dos visitantes.

Gostaríamos de saber a razão pela qual estando presente na supracitada expo o colar da referida majestade, nada oportunamente foi esquecida a sua espectacular coroa que por sinal se encontra precisamente no mesmo museu em Coimbra. Será este mais um "problema político", ou andam os decisores a necessitar urgentemente de fosfoglutina? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:45

Das presidenciais

por Samuel de Paiva Pires, em 07.04.15

Se há coisa que o tacticismo e a qualidade dos até agora alegados candidatos a Belém, à esquerda e à direita, podem fazer, é permitir a muita gente compreender a superioridade da monarquia na selecção do Chefe de Estado. É que, atendendo aos tempos que vivemos, na verdade, Cavaco Silva até tem razão quando afirma que o próximo Presidente da República deve ter experiência em política externa, e entre Henrique Neto e Sampaio da Nóvoa, ou Santana Lopes e Marcelo Rebelo de Sousa, aquela não abunda - bem pelo contrário. Na impossibilidade de termos um rei, sempre ficávamos melhor servidos com Paulo Portas, Durão Barroso, António Guterres ou António Vitorino.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:06

Programa da Causa Real para amanhã à noite

por Samuel de Paiva Pires, em 03.10.14

Daqui:

 

"O 5 de Outubro é um dia importante. Uns festejam o golpe militar de 1910 que pôs portugueses contra portugueses. A Causa Real, porém, prefere celebrar a fundação da nossa nacionalidade, evocando a assinatura do tratado de Zamora, em 1143. Apelando à união de todos os portugueses e à exaltação dos mais nobres valores patrióticos, exortamos todos os nossos associados e amigos a que compareçam na concentração do próximo Sábado, dia 4 de Outubro, às 22h, junto à nossa sede na Praça Luís de Camões, em Lisboa (que incluirá uma surpresa de forte impacto visual).

 

Não tenhamos dúvidas: a presença de cada um de nós, com as nossas bandeiras e o nosso entusiasmo, é fundamental para que esta iniciativa tenha o sucesso pretendido, no coração da nossa cidade."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:34

A propósito da proclamação do Rei de Espanha

por Felipe de Araujo Ribeiro, em 18.06.14

"Felipe rejeitou a posterior celebração de uma missa para respeitar a natureza secular do Estado. Pela mesma razão a Coroa de prata de 1775 e o ceptro expostos sobre uma almofada em frente ao novo Rei não estarão acompanhados de um Crucifixo. Felipe quis também evitar a pompa ou qualquer sinal de ostentação

 

Um Rei, ao que parece, miserabilista cheio de complexos e que não tem a noção do que representa a instituição que vai encabeçar amanhã. Isto ficou aliás evidente a partir do momento em que foi anunciado o casamento.

 

Hoje, rejeitando a celebração de uma missa, dá mais um passo no sentido de destruir a monarquia, cedendo às pressões progressistas de uma sociedade que mais do que nunca precisa de alguém que a inspire, a lidere, e lhe sirva de referência. Escolheu abraçar os valores liberais, sacrificando para isso a honra e a integridade. Escolheu o efémero dos valores biodegradáveis para satisfazer os inimigos da monarquia e, fazendo-o, traiu a Espanha e traiu a Deus.

 

Já o disse, é-me evidente que a monarquia é sempre melhor do que a república, mas cada vez encontro mais razões para alertar para as diferenças essenciais entre a monarquia tradicionalista e a monarquia liberal – e para me distanciar tanto mais deste modelo quanto ele se vai distanciando da representação e do serviço à nação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:07

« Em Demanda do Graal » *

por Cristina Ribeiro, em 02.06.14

A gota d'água foi aquele " caso " com o príncipe Carlos da Grã-Bretanha. Quando, há uns anos ( dois? ), quis intervir nos assuntos do seu país caiu o Carmo e a Trindade lá do sítio. Os políticos ergueram-se todos à uma a gritar: que se limitasse ao papel a que o confinaram, de viajar,  ir a festas e jantares, e pouco mais, porque para decidir do futuro do Estado estavam lá eles, os partidos. 

Consciencializei-me que estava a defender um simulacro, que tinha que ir em demanda do verdadeiro. E comecei a ler os integralistas. Aquela coisa de " não ter vergonha de pensar ".
 * Título de livro de Afonso Lopes Vieira

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:46

A abdicação de um grande Senhor

por Pedro Quartin Graça, em 02.06.14

 

A democracia espanhola deve-lhe muito. Quase tudo, diga-se. Nascido João Carlos Alfonso Víctor Maria de Bourbon e Bourbon-Duas Sicílias , no ano de 1938, em Itália, durante o exílio do seu avô, é filho de Juan de Borbón y Battenberg e de Maria das Mercedes de Bourbon e Orléans, Princesa das Duas Sicílias.

O seu avô Afonso XIII foi rei da Espanha até 1931, altura em que foi deposto pela Segunda República espanhola. Por expresso desejo de seu pai, a sua formação fundamental teve lugar em  Espanha, onde chegou pela primeira vez aos 10 anos, procedente de Portugal, país onde residiam os Condes de Barcelona, desde 1946, no Estoril.

Abdicou hoje a favor do seu filho Filipe. Honra a D. Juan Carlos e à Monarquia Espanhola.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:45

Que tal?

por Nuno Castelo-Branco, em 05.05.14

"La Corona no tiene motivos para sentir zozobra, tras haber pasado un período de descrédito notable. Un 64% de los jóvenes encuestados responde que la monarquía está firmemente asentada y que la sucesión del Rey por el príncipe Felipe se producirá con toda normalidad."

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:33

Very, VERY BAD news:

por Nuno Castelo-Branco, em 02.05.14

...para a gente do costume. Ainda não será desta, ó Sr. Mário Soares. Como já se sabia, V. Exa. bem pode esperar até ao fim da sua next llife, mais ou menos daqui a uns cem anos. Aqui está uma notícia que não passa na RTP, TVI ou SICk.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:33

« O Rei e o Povo »

por Cristina Ribeiro, em 07.04.14

" Tem sido este um dos pontos mais batidos por certa propaganda republicana, num esforço tenaz e persistente de incutir nos espíritos o preconceito de que o regime monárquico representa o domínio das classes poderosas em detrimento do povo. Nada mais infundado nem mais injusto!

Precisamente a aliança tácita e leal entre os Reis e o Povo é uma das constantes da nossa História.

Das três classes, os três braços de que se compunha a Nação - Clero, Nobreza e Povo - é de notar que algumas dissenções se manifestaram entre os dois primeiros e os monarcas, mas que nenhuma questão digna de registo surgiu, através dos séculos, entre o Rei e o Povo.

Ao contrário, era na classe popular que os nossos Reis sempre se apoiavam contra as ambições poderosas. Por outro lado, o Povo apelava para o Rei como seu protector, e sentia na autoridade real a melhor garantia das suas liberdades e do seu próprio poder e engrandecimento. "

Mário Saraiva

 

Verifica-se, pelo contrário, que tal domínio das classes poderosas se tornou verdade com o aparecimento do sistema de partidos, em que o Povo deixou de poder contar com esse protector tradicional, pois que com a plutocracia e com a chamada " democracia " vieram ao de cima as insaciáveis clientelas partidárias e os políticos de profissão, os devoristas, em suma.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:24

A traição já vinha de trás.

por Cristina Ribeiro, em 21.01.14

" Em Janeiro de 1911 estavam os dois no exílio: D. Manuel II, expulso do trono por uma revolução, que a maior parte dos políticos e servidores de que se rodeara não soubera prever e muito menos evitar ou dominar; João Franco, que o ex-monarca sacrificara desde o início do seu reinado e que era, afinal, o único homem público que poderia ter feito frente às arremetidas dos adversários da Coroa. ( ... )

Tanto erro, tanta fraqueza, tanta transigência, tanta cegueira, além da evolução do liberalismo saído do movimento jacobino de 1820, e que havia noventa anos vinha sendo um sistema precário e equívoco de equilíbrio entre o Ceptro e o barrete frígio ( a « monarquia sem monárquicos », segundo a expressão do próprio Rei D. Carlos ), tudo caíra sobre os ombros dum Infante inexperiente. ( ... )

Os monárquicos [ ? ] viam em João Franco o homem indesejável que demonstrara ser possível, à sombra do Trono, governar com autoridade, e, simultâneamente, com honestidade e competência, realizando uma séria obra de administração que a parte sã do País aplaudira com agrado. Em carta  escrita ao nosso Ministro no Brasil dizia o Conde de Arnoso - « Aos políticos não podia convir a administração de João Franco, que é a mais completa exautoração dos partidos políticos ». ( ... )

Os republicanos, esses, odiavam-no porque ele ia a caminho de reabilitar a Monarquia. "

Rodrigues Cavalheiro, « D. Manuel II e João Franco-Correspondência »

 

Já por essa altura, antes aliás, os " monárquicos " portugueses se batiam por uma república coroada; só assim, com um Rei que se limitasse ao papel moderador, que o despojava dos poderes que, por definição, lhe são inerentes, teriam margem de manobra para concretizarem as suas ambições desmedidas. Para isso, era mister afastar o " empecilho ". Daí que logo nessa altura se tenha dito que a  Monarquia verdadeiramente acabou na noite em que afastaram do Governo esse que recusava o apoucamento da figura régia. 

Assistimos hoje, de novo, à tentativa de amesquinhar o poder do Monarca, sendo que esse amesquinhamento é uma realidade na generalidade das monarquias europeias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:45

Vencidos da Vida se intitularam, entre outros, Eça de Queirós e Ramalho Ortigão, sendo nas « Farpas » onde mais verrinosamente acusam a sociedade de então, e, mais do que tudo, a política então feita. É esse sentimento de exasperação que os leva, mesmo, a, declarando-se não republicanos, afirmarem-se, não obstante, " muito condicionalmente monárquicos ", porque " entre monarquia constitucional parlamentar e república parlamentar constitucional não há diferença a não ser entre o princípio da eleição [ do Chefe do Estado ] e o da hereditariedade ". Manifestamente pouco. O monárquico tem o dever de querer mais!
Razão porque, implantada já a República, Ramalho diria que as " esfregas " aplicadas aos políticos da monarquia liberal podiam, do mesmíssimo modo, ser dirigidas aos políticos da República.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:31

" (... ) Morrêo o Senhor D. João VI: seu filho primogenito lhe deve suceder, pelos direitos da primogenitura. Esta he a ordem natural e legal. Mas onde está este filho primogenito? A Lei constitutiva da Monarchia determina que seja um Principe deste Reino; elle se fez voluntariamente estrangeiro. A Lei determina que o Rei, que houver de succeder no Throno permaneça neste Reino; mas elle se separou do Reino, e se fez independente, e protestou nada mais querer da herança, por elle voluntaria e solemnemente abandonada.
Está vago o Throno, de facto e de direito.
Existe um segundo-genito, que se não desnaturalisou, e no Reino ha permanencia, logo elle he o Rei legitimo, perdidos que são os direitos de D. Pedro. ( ... )
Na segunda parte deste doutissimo Escripto, se descobre, não pela integra, mas em grande parte, a fatal carta em que o Senhor D. Pedro offende seu Pai, declara-lhe guerra, e protesta que nada quer, nem quererá jamais de Portugal..."

« Prefação » de José Agostinho de Macedo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:57

« Paradoxo de Thiers »

por Cristina Ribeiro, em 25.10.13

" Quando Thiers apresentou pela primeira vez na tribuna francesa a sua célebre máxima de que " o rei reina mas não governa, tal profundidade, ou antes, tal sal, acharam os filosofantes da época no dito do dizidor que, sem mais enxame, foi recebido por todos e transformado em aforismo político.

O princípio de Thiers é falso, e não pode deixar de ser seguido de péssimas consequências, ainda nas monarquias representativas para que foi inventado.

Realeza sem " realidade ", ou poder régio sem ser " real ", não vejo para que possa servir. Se se quer dar ao aforismo do publicista francês sentido verdadeiro, profundo, e cheio de úteis consequências práticas, é preciso transformá-lo neste outro: O REI GOVERNA, MAS NÃO ADMINIISTRA. "

Gama e Castro, « O Novo Príncipe »

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:44

D. Duarte de Bragança em Macau

por Felipe de Araujo Ribeiro, em 23.10.13

Aqui fica uma excelente entrevista conduzida pelo jornalista da TDM Marco Carvalho durante a visita de D. Duarte de Bragança a Macau, onde se falou, entre outros assuntos, da crise económica e política que se vive em Portugal, da possibilidade de transição para um regime monárquico, da democracia, das relações entre Portugal e Macau/China, de Timor, da descolonização Portuguesa, e do caso da bandeira monárquica hasteada no consulado de Macau em 2010.

 

 

É a evidência da validade cada vez mais actual do ideal monárquico, mas também a prova de que um jornalismo inteligente, isento e descomprometido ainda é possível.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:07

A ditadura do número.

por Cristina Ribeiro, em 22.10.13
O povo que habitava as antigas províncias lusitanas do reino de Leão nunca se teria constituído em nação independente se não fora dirigido para esse ideal pelo filho de D. Teresa e seus cavaleiros o que só foi possível porque o número, a multidão, se submeteu à qualidade; e nem tal domínio da qualidade sobre a quantidade se poderá dizer incompatível com a democracia. Esclarece-a e enobrece-a. Corrige-a dos seus erros. Não querer a inteligência escravizada pela ignorância não equivale a desdenhar dos humildes. Para atingir tão monstruosa concepção da convivência humana seria preciso que nos divorciássemos do Cristianismo, que renegássemos a moral em que fomos criados.
( Adaptação de texto de Carlos Malheiro Dias )

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:51

Tudo esquecemos, nada aprendemos ( 2 )

por Cristina Ribeiro, em 21.10.13
Para os que ainda duvidam de que está no ar um segundo « rotativismo » partidário, tal como o cunhou João Franco. O primeiro aconteceu durante a famigerada monarquia parlamentar, que, verdadeiramente, acabou com o assassínio de D.Carlos. Em certos aspectos da vida, a mesma água passa debaixo da mesma ponte, sim senhor! Basta não aprendermos com a História.
E, como as coisas estão, também este acabará em tragédia.
Temos de nos consciencializar de que os partidos são uma máquina de destruição.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:02

A Monarquia que " é ".

por Cristina Ribeiro, em 19.10.13

Sei que vou ferir muitas sensibilidades " monárquicas ", onde eu já estive, aliás, mas de que vale uma monarquia em que quem dita o futuro da Nação são partidos como os nossos? Olhem Espanha, por exemplo, onde o Rei não pode " meter bedelho ", simplesmente porque a Constituição diz que para aí não é chamado; lembro-me que há uns dois anos disseram isso mesmo, com todas as letras, ao Príncipe Carlos, da Grã-Bretanha, quando ele achou que devia participar nos assuntos de Estado.
Nos países nórdicos o sistema é o mesmo, e as coisas só têm funcionado - reparemos que apenas no âmbito económico - porque as mentalidades são muito outras.
Monarquia, senhores monárquicos, na Europa, com o monarca a governar, como lhe compete, só no Mónaco, e no Liechtenstein! No resto, " O Rei vai nu ".
E querem maior democracia- esta sim! -do que a que tem o povo a dizer, directamente, da sua justiça, via Municipalismo?
É uma Monarquia moderna, mas Tradicional. A única que " é "!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:30

A raiz do Mal.

por Cristina Ribeiro, em 15.10.13

No livro « Exortação à Mocidade », escrevia, estava-se nos anos vinte do século XX, Carlos Malheiro Dias:
" Insisto em declarar-vos que a doença nacional tem mais de um século, e o seu primeiro e alarmante sintoma remonta a 1807, quando uma deputação da maçonaria foi indecorosamente a Sacavém, vestida à francesa, apresentar as boas vindas a Junot. Gomes Freire, que a literatura romântica vos apresentou como um mártir do patriotismo, foi a encarnação maléfica e desventurada da geração portuguesa da Revolução de França; e essa Revolução ateia e regicida ainda hoje a temos no sangue, a intoxicar-nos.
Como pôde adornar-se com o título de patriota o antigo oficial de Junot e de Massena, o soldado fanático de Napoleão?.......................................
Foi por se haver consentido em tão inauditas aberrações que D. João VI andou por tanto tempo na nossa história como poltrão desprezível, expiando o crime de não se ter constituído prisioneiro de Bonaparte.
Hoje, como dantes, a história portuguesa, manancial de ensinamentos edificantes, fonte de Juvecência da nossa fé, anda mal contada! "

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:26

O ocaso da memória colectiva

por João Pinto Bastos, em 05.10.13


103 anos de "república" (república entendida como sistema de governo, e não como a administração do bem comum) traduziram-se no ocaso da memória colectiva dos nossos condidadãos. Hoje, dia 5 de Outubro, nós, portugueses, deveríamos estar a celebrar a assinatura do tratado de Zamora, que crismou, como é sabido, a independência do reino de Portugal. Mas, em vez disso, o motivo das nossas celebrações é uma data que. bem vistas as coisas, carreou a destruição inapelável das tradições mais arraigadas da grei portuguesa. O indício mais forte do nosso decaimento vê-se, precisamente, no desprezo que, ironicamente, o grosso do nosso povo vota às datas matriciais da Nação. O 5 de Outubro é, por conseguinte, uma espécie de data mítica, sob a qual, com muita prestidigitação à mistura, germinou o "Portugal Novo" moderno e progressista. A história, com as suas costumeiras vicissitudes, tem-se encarregado de desmentir o dogmatismo republicano, colocando a nu as falácias de uma mundividência que falseia impudentemente. Portugal decaiu, mas continua, felizmente, de pé, à espera do levantamento das suas gentes, sobretudo, daqueles que não baixam os braços, e que não esquecem, afortunadamente, os seus antepassados. Foi este o espírito que animou as famosas Cortes de Lamego, que culminaram com o Grito de Almacave: Nos liberi sumus, Rex noster liber est, manus nostrae nos liberverunt. Fomos e somos livres, mas falta-nos cumprir Portugal.


Publicado aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:14

Bafienta, a Tradição???!!!

por Cristina Ribeiro, em 02.10.13

É contra essa ideia, tão propagada, porque bem sucedidos os que, sempre com interesseiros motivos, se votaram a impingi-la, se revolta, a dado passo do opúsculo « A Nação », Henrique Martins de Carvalho.

                        " Não é o Passado, e muito menos um campo de ruínas e saudades: é o elemento permanente na mutabilidade da Vida Nacional, é aquilo que faz com que um país, através dos séculos, dos graus de civilização, nunca deixe de ser o mesmo país. Conjunto de caracteres, é evidente que os seus modos de adaptação às realidades variam, mas, em todos os casos, de harmonia com uma linha-de-força que lhes assegura um substracto constante, que a inteligência abraça quando conjuga intuição e raciocínio. ( ... )

E não se julgue que ela age por natureza como simples força conservadora: grande parte dos seus caracteres constitutivos têm conteúdo activo ou até revolucionário, como sucede, por exemplo, com o culto da liberdade. "

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:54






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas