Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Aprender com África

por Fernando Melro dos Santos, em 30.10.14

O meu desejo de São Martinho, Helloween, Samhain, Solsticio, Yule, Natal, Ano Novo, e já agora aniversário.

E é sincero. Num país de grunhos que se desmancham em riso porcino perante as câmeras, a troco de umas rifas migalheiras que os demarquem perante o resto do bairro, e que de tanto vilipendiar o conhecimento e o mérito acabaram por correr com o futuro, é o mínimo que posso querer ver no meu tempo de vida.

 

Em 40 anos, o Alto Volta fez-se um país condigno. E no mesmo período, Portugal fez-se uma casa de putas.

 

 

 

Manifestantes ateiam fogo ao Parlamento no Burkina Faso, em protesto.

 

http://www.sol.pt/noticia/117586

 

 

http://www.aljazeera.com/news/africa/2014/10/protesters-storm-burkina-faso-parliament-20141030103451460862.html

 

http://www.bbc.co.uk/news/world-africa-29831262

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:22

Deuce Bigalow, Gigolo Profissional (1999)

por Fernando Melro dos Santos, em 14.11.13

Boa noite,

 

hoje revi o filme em epígrafe e lembrei-me de uma coisa que lera momentos antes.

 

 

É que, mesmo sabendo que declamo para uma audiência composta por 25% de cobardes, 25% de indigentes mentais, 25% de encostados ao tacho dos cinco partidos, e 25% de desgraçados sem côdea para dar aos filhos, prefiro escrever do que deixar que me integrem, ou intuam que me integro, e ainda por cima fazendo-o à má-fila, numa das categorias em que se divide o eleitorado responsável pelo estado a que isto chegou.

 

Nesta entrevista à revista Visão, Fernando Moreira de Sá, uma nulidade ambulante a quem, como a tantas outras excrescências de uma democracia sufragada a dez tostões o voto, foram dados os seus dois ou três anos de chulice, arroga-se a repugnante prerrogativa de reescrever a actualidade.

 

Senão vejamos:

 

Vem este rapazote, cujo perfil académico, profissional e provavelmente humano se coaduna com o da perene mediocridade a que nos habituaram Governos passados, criticar as manobras Socráticas no sentido de subverter a realidade e propagandear, com fins destrutivos de qualquer oposição, a sua agenda na esfera virtual através do blogue Corporações; de rajada, e sem deter-se no exercício da sua estupidez sobranceira, regozija-se de ter aniquilado essa parte da máquina socialista, recorrendo aos mesmíssimos métodos, e ainda refocilando de gozo no meio da lama com que enche a própria celha onde se banha a soldo do erário público.

 

Isto não é o grau zero da política, é a mais vil e abjecta exposição da apatia, vacuidade e castração atávica a que chegou a população Portuguesa. 

 

Da merda não emergem flores. É assim apenas natural que uma tribo de vendidos possa, quanto muito, mandatar a pior espécie de cigalheiros, paparrotões, tábidos e aleivosos para o exercício da distribuição canibalesca dos dinheiros com que os Europeus verdadeiros nos ungem. 

 

Não há diferenças entre Fernando Moreira de Sá e, a exemplo, Eurico Dias. Nem pode havê-la, nem nunca haverá nada senão similitude entre as próximas iterações dos autómatos que dão o corpo a esta farsa. Deixou de haver diferença entre quem bate a berma da estrada, para grande perda do sector.

 

Aguarda-se a qualquer momento que Camilo Lourenço, essa voz sem dono nem tino, venha burilar o facto como se de uma viragem histórica e salvífica se tratasse. Portugal na vanguarda da equidade e da justiça social entre putas, que é no fundo a única profissão em que o desemprego não grassa, a julgar por eleitores e eleitos que ainda sobrevivem praticando-a com gáudio e farto proveito. 

 

Nunca é de mais, contudo, relembrar que estes sevandijas, tal como quem os precedeu e como quem lhes sucederá, não hesitam em lançar mão das mais torpes e sovietizantes ferramentas, conforme já neste blogue havia sido dito, mantendo sabe-se lá a que preço e com que liberdades um gabinete de monitorização da blogosfera, cuja fauna residente me inspira suores frios à mera especulação sobre o seu grau de indecência, e que imagino escolhida a dedo de entre os piores biltres, relambórios, e corriqueiros acólitos do poderzinho que está. É bom de constatar, da leitura desta entrevista aviltante, que não só tal estrutura existe, como não se fica certamente por observar quanto é escrito na blogosfera. 

 

Para cúmulo, este títere sem valor ainda ousa afoitar-se com regozijo na evocação de como este Governo terá reforçado as suas fileiras mediante o recrutamento de elementos oriundos de blogues, e cito, "da direita", despudoradamente e à revelia da realidade, pois foi de lá que os recrutou, mas apenas uma ínfima minoria dos blogues nomeados é, de facto, de Direita. Como é aliás evidente, uma vez que este Governo não é ele pŕoprio, nunca foi, e nunca será de Direita, mas sim e somente outra impostura socialista passível de vingar, apenas, num país inculto, espoliado de literacia e sem sobejo da coragem de outrora. 

 

O Estado Sentido congratula-se por não ter sido incluído no elenco de blogues escarrado por Moreira de Sá, pois enquanto voz da Razão e da Liberdade não se revê nas definições maniqueístas e falseadas de "esquerda" e "direita" reproduzidas por este na peça em apreço.

 

Tal como é nosso apanágio desde a hora mais incipiente, o fito da nossa presença na blogosfera é de outra Natureza: é objectivista e racional. Não adere nem se compadece com agendas partidárias, nem com a demência colectivista e estatizante que infecta transversalmente o território de Portugal, tolhendo sem prazo à vista o futuro daqueles que nada fizeram em abono do nojo a que isto chegou.

 

Bem hajam e até logo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:48






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas