Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A barbárie

por Pedro Quartin Graça, em 20.08.14

 

Por muitos erros que tenham sido cometidos pelos EUA e por países da União Europeia (e a verdade é que o foram!) não pode haver a mais pequena contemplação para esta gente.

 

AVISO:

IMAGENS MUITO CHOCANTES NA VERSÃO ORIGINAL. NÃO DEVEM SER VISTAS POR PESSOAS IMPRESSIONÁVEIS

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:21

Filosofar é aprender a morrer (5)

por Samuel de Paiva Pires, em 14.06.13

 

Albert Camus, A Queda:

 

«O que é certo é que o próprio censurado [Jesus Cristo] não pôde continuar. E eu sei, meu caro, o que estou a dizer. Houve tempo em que eu ignorava, em cada minuto, como poderia chegar ao seguinte. Sim, pode-se fazer a guerra neste mundo, macaquear o amor, torturar o seu semelhante, brilhar nos jornais ou simplesmente dizer mal do vizinho enquanto se faz malha. Mas, em certos casos, continuar, somente continuar, eis o que é sobre-humano. E ele não era sobre-humano, pode crer. Gritou a sua agonia e eis porque o amo, a esse meu amigo, ele que morreu sem saber.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:34

Filosofar é aprender a morrer (4)

por Samuel de Paiva Pires, em 11.06.13

 

Alçada Baptista, Peregrinação Interior - Reflexões sobre Deus:

 

«Relato necessário duma peregrinação pessoal, não pretendo com ele ser exibicionista, se bem que viver é também ser capaz de perder um certo puder. Quando o meu pai morreu, eu já era homem. Já tinha a maturidade que me permitia tirar da sua pessoa todas as cargas míticas e saber olhar objectivamente os seus defeitos e virtudes, e por isso soube avaliar o peso da sua grandeza humana e o significado que ela teve para mim. Algum tempo depois da sua morte, comecei a pensar que nunca lhe dissera nada disso e que a morte o levou sem que eu lhe tivesse abertamente revelado o muito que gostava dele. E se analiso as razões porque o fiz, creio que foi por pudor, por este absurdo que se apodera das pessoas e que não permite que se diga a um pai o muito que se pode gostar dele. Nos meus filhos, passa-se que deixam de me dizer que gostam de mim à medida que não são capazes de me aparecer nus. Assim se prolonga um diálogo insinuado, por suposições, por cálculo, por subjacências, quando nada devia haver de mais simples e aberto do que o diálogo de amor de pais para filhos, de homens para mulheres, de pessoas para pessoas. A literatura está cheia de insinuações veladas de seres que gostaram tremendamente de outros, mas essas vozes de amor transferem-se, curvam-se, corrigem-se, num espartilho vitoriano que nos abafa e comprime e de que a muito custo nos conseguimos libertar. Assim andamos, com o coração apertado na garrafa da vida, a bater timidade pelo gargalo da vida.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:56

A morte da classe média

por Pedro Quartin Graça, em 10.06.13

          ‘(…) Está a acontecer porque esta política cega de austeridade está a liquidar a classe média, conduzindo-a a uma crescente pauperização, de onde não regressará durante décadas. Está a acontecer porque, nos últimos quase 40 anos, foi esta classe média que alimentou cinemas, teatros, espetáculos, restaurantes, comércio, serviços de saúde, tudo o que verdadeiramente mudou no país e aquilo que verdadeiramente traduz os hábitos de consumo numa sociedade moderna. Foi na classe média — de professores, médicos, funcionários públicos, economistas, pequenos e médios empresários, jornalistas, artistas, músicos, dançarinos, advogados, polícias, etc. —, que a austeridade cravou o seu mais afiado e longo punhal. E com a MORTE da classe média morre também a economia e o próprio país.’


Nicolau Santos, Está a acontecer. Já se apercebeu? [no Expresso/Economia]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:50

Filosofar é aprender a morrer (3)

por Samuel de Paiva Pires, em 03.06.13

 

(Jacques-Louis David, A Morte de Sócrates)

 

Platão, Apology:

 

«Not much time will be gained, O Athenians, in return for the evil name which you will get from the detractors of the city, who will say that you killed Socrates, a wise man; for they will call me wise even although I am not wise when they want to reproach you. If you had waited a little while, your desire would have been fulfilled in the course of nature. For I am far advanced in years, as you may perceive, and not far from death. I am speaking now only to those of you who have condemned me to death. And I have another thing to say to them: You think that I was convicted through deficiency of words - I mean, that if I had thought fit to leave nothing undone, nothing unsaid, I might have gained an acquittal. Not so; the deficiency which led to my conviction was not of words - certainly not. But I had not the boldness or impudence or inclination to address you as you would have liked me to address you, weeping and wailing and lamenting, and saying and doing many things which you have been accustomed to hear from others, and which, as I say, are unworthy of me. But I thought that I ought not to do anything common or mean in the hour of danger: nor do I now repent of the manner of my defence, and I would rather die having spoken after my manner, than speak in your manner and live. For neither in war nor yet at law ought any man to use every way of escaping death. For often in battle there is no doubt that if a man will throw away his arms, and fall on his knees before his pursuers, he may escape death; and in other dangers there are other ways of escaping death, if a man is willing to say and do anything. The difficulty, my friends, is not in avoiding death, but in avoiding unrighteousness; for that runs faster than death. I am old and move slowly, and the slower runner has overtaken me, and my accusers are keen and quick, and the faster runner, who is unrighteousness, has overtaken them. And now I depart hence condemned by you to suffer the penalty of death, and they, too, go their ways condemned by the truth to suffer the penalty of villainy and wrong; and I must abide by my award - let them abide by theirs. I suppose that these things may be regarded as fated, - and I think that they are well.

 

And now, O men who have condemned me, I would fain prophesy to you; for I am about to die, and that is the hour in which men are gifted with prophetic power. And I prophesy to you who are my murderers, that immediately after my death punishment far heavier than you have inflicted on me will surely await you. Me you have killed because you wanted to escape the accuser, and not to give an account of your lives. But that will not be as you suppose: far otherwise. For I say that there will be more accusers of you than there are now; accusers whom hitherto I have restrained: and as they are younger they will be more severe with you, and you will be more offended at them. For if you think that by killing men you can avoid the accuser censuring your lives, you are mistaken; that is not a way of escape which is either possible or honorable; the easiest and noblest way is not to be crushing others, but to be improving yourselves. This is the prophecy which I utter before my departure, to the judges who have condemned me.

 

Friends, who would have acquitted me, I would like also to talk with you about this thing which has happened, while the magistrates are busy, and before I go to the place at which I must die. Stay then awhile, for we may as well talk with one another while there is time. You are my friends, and I should like to show you the meaning of this event which has happened to me. O my judges - for you I may truly call judges - I should like to tell you of a wonderful circumstance. Hitherto the familiar oracle within me has constantly been in the habit of opposing me even about trifles, if I was going to make a slip or error about anything; and now as you see there has come upon me that which may be thought, and is generally believed to be, the last and worst evil. But the oracle made no sign of opposition, either as I was leaving my house and going out in the morning, or when I was going up into this court, or while I was speaking, at anything which I was going to say; and yet I have often been stopped in the middle of a speech; but now in nothing I either said or did touching this matter has the oracle opposed me. What do I take to be the explanation of this? I will tell you. I regard this as a proof that what has happened to me is a good, and that those of us who think that death is an evil are in error. This is a great proof to me of what I am saying, for the customary sign would surely have opposed me had I been going to evil and not to good.

 

Let us reflect in another way, and we shall see that there is great reason to hope that death is a good, for one of two things: - either death is a state of nothingness and utter unconsciousness, or, as men say, there is a change and migration of the soul from this world to another. Now if you suppose that there is no consciousness, but a sleep like the sleep of him who is undisturbed even by the sight of dreams, death will be an unspeakable gain. For if a person were to select the night in which his sleep was undisturbed even by dreams, and were to compare with this the other days and nights of his life, and then were to tell us how many days and nights he had passed in the course of his life better and more pleasantly than this one, I think that any man, I will not say a private man, but even the great king, will not find many such days or nights, when compared with the others. Now if death is like this, I say that to die is gain; for eternity is then only a single night. But if death is the journey to another place, and there, as men say, all the dead are, what good, O my friends and judges, can be greater than this? If indeed when the pilgrim arrives in the world below, he is delivered from the professors of justice in this world, and finds the true judges who are said to give judgment there, Minos and Rhadamanthus and Aeacus and Triptolemus, and other sons of God who were righteous in their own life, that pilgrimage will be worth making. What would not a man give if he might converse with Orpheus and Musaeus and Hesiod and Homer? Nay, if this be true, let me die again and again. I, too, shall have a wonderful interest in a place where I can converse with Palamedes, and Ajax the son of Telamon, and other heroes of old, who have suffered death through an unjust judgment; and there will be no small pleasure, as I think, in comparing my own sufferings with theirs. Above all, I shall be able to continue my search into true and false knowledge; as in this world, so also in that; I shall find out who is wise, and who pretends to be wise, and is not. What would not a man give, O judges, to be able to examine the leader of the great Trojan expedition; or Odysseus or Sisyphus, or numberless others, men and women too! What infinite delight would there be in conversing with them and asking them questions! For in that world they do not put a man to death for this; certainly not. For besides being happier in that world than in this, they will be immortal, if what is said is true.

 

Wherefore, O judges, be of good cheer about death, and know this of a truth - that no evil can happen to a good man, either in life or after death. He and his are not neglected by the gods; nor has my own approaching end happened by mere chance. But I see clearly that to die and be released was better for me; and therefore the oracle gave no sign. For which reason also, I am not angry with my accusers, or my condemners; they have done me no harm, although neither of them meant to do me any good; and for this I may gently blame them.

 

Still I have a favor to ask of them. When my sons are grown up, I would ask you, O my friends, to punish them; and I would have you trouble them, as I have troubled you, if they seem to care about riches, or anything, more than about virtue; or if they pretend to be something when they are really nothing, - then reprove them, as I have reproved you, for not caring about that for which they ought to care, and thinking that they are something when they are really nothing. And if you do this, I and my sons will have received justice at your hands.

 

The hour of departure has arrived, and we go our ways - I to die, and you to live. Which is better God only knows.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:00

Filosofar é aprender a morrer (2)

por Samuel de Paiva Pires, em 30.05.13


(Autor desconhecido, Vanitas. Museu Municipal de Beja. Foto daqui)


Montaigne, Essays, "That to philosophize is to learn to die":

«All the whole time you live, you purloin from life and live at the expense of life itself. The perpetual work of your life is but to lay the foundation of death. You are in death, whilst you are in life, because you still are after death, when you are no more alive; or, if you had rather have it so, you are dead after life, but dying all the while you live; and death handles the dying much more rudely than the dead, and more sensibly and essentially. If you have made your profit of life, you have had enough of it; go your way satisfied.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:51

Filosofar é aprender a morrer

por Samuel de Paiva Pires, em 28.05.13

 

(Caravaggio, Saint Jerome Writing)

 

Montaigne, Essays, "That to philosophize is to learn to die":

 

«Let us learn to meet it steadfastly and to combat it. And to begin to strip if of its greatest advantage against us, let us take an entirely different way from the usual one. Let us rid it of its strangeness, come to know it, get used to it. Let us have nothing on our minds as often as death. At every moment let us picture it in our imagination in all its aspects. At the stumbling of a horse, the fall of a tile, the slightest pin prick, let us promptly chew on this: Well, what if it were death itself? And thereupon let us tense ourselves and make an effort. Amid feasting and gaiety let us ever keep in mind this refrain, the memory of our condition; and let us never allow ourselves to be so carried away by pleasure that we do not sometimes remember in how many ways this happiness of ours is a prey to death, and how death's clutches threaten it. Thus did the Egyptians, who, in the midst of their feasts and their greatest pleasures, had the skeleton of a dead man brought before them, to serve as a reminder to the guests. 

 

Look on each day as if it were your last,

And each unlooked-for hour will seem a boon.

(Horácio) 

 

It is uncertain where death awaits us; let us await it everywhere. Premeditation of death is premeditation of freedom. He who has learned how to die has unlearned how to be a slave. He who has learned how to die has unlearned how to be a slave. Knowing how to die frees us from all subjection and constraint. There is nothing evil in life for the man who has thoroughly grasped the fact that to be deprived of life is not an evil.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:12

Os gregos não escreviam necrológios.

por Ana Rodrigues Bidarra, em 27.05.13

Se querem que vos diga, queria que fosse diferente. Queria que o passar dos dias fosse menos apressado e o tempo mais generoso, menos exigente.

 

 Atrasando a escrita destas primeiras palavras, pensei escrever, na minha estreia, um texto altissonante, repleto de considerações cáusticas sobre o anedótico quotidiano de modo a aguçar o apetite destruidor das hostes cibernéticas.

 Deixo os pensamentos e a acutilância quedos, por ora. 

 

Que o meu primeiro post não seja uma adaga, antes uma sentida homenagem ao pai do Samuel, nas palavras de Herberto Hélder, que regressa hoje às livrarias.

 

 

Li algures que os gregos antigos não escreviam necrológios,

quando alguém morria perguntavam apenas:

tinha paixão?

quando alguém morre também eu quero saber da qualidade da sua paixão:

se tinha paixão pelas coisas gerais,

água,

música,

pelo talento de algumas palavras para se moverem no caos,

pelo corpo salvo dos seus precipícios com destino à glória,

paixão pela paixão,

tinha?

e então indago de mim se eu próprio tenho paixão,

se posso morrer gregamente,

que paixão?

os grandes animais selvagens extinguem-se na terra,

os grandes poemas desaparecem nas grandes línguas que desaparecem,

homens e mulheres perdem a aura

na usura,

na política,

no comércio,

na indústria,

dedos conexos, há dedos que se inspiram nos objectos à espera,

trémulos objectos entrando e saindo

dos dez tão poucos dedos para tantos

objectos do mundo

e o que há assim no mundo que responda à pergunta grega,

pode manter-se a paixão com fruta comida ainda viva,

e fazer depois com sal grosso uma canção curtida pelas cicatrizes,

palavra soprada a que forno com que fôlego,

que alguém perguntasse: tinha paixão?

afastem de mim a pimenta-do-reino, o gengibre, o cravo-da-índia,

ponham muito alto a música e que eu dance,

fluido, infindável, apanhado por toda a luz antiga e moderna,

os cegos, os temperados, ah não, que ao menos me encontrasse a paixão

e eu me perdesse nela

a paixão grega.”

 

- Herberto Hélder.

 

Obrigada Samuel, por partilhares connosco as paixões do senhor teu pai. Que descanse em paz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:49

#poesia (VIII)

por Fernando Melro dos Santos, em 26.05.13

Do not go gentle into that good night,
Old age should burn and rave at close of day;
Rage, rage against the dying of the light.

Though wise men at their end know dark is right,
Because their words had forked no lightning they
Do not go gentle into that good night.

Good men, the last wave by, crying how bright
Their frail deeds might have danced in a green bay,
Rage, rage against the dying of the light.

Wild men who caught and sang the sun in flight,
And learn, too late, they grieved it on its way,
Do not go gentle into that good night.

Grave men, near death, who see with blinding sight
Blind eyes could blaze like meteors and be gay, 
Rage, rage against the dying of the light.

And you, my father, there on the sad height,
Curse, bless, me now with your fierce tears, I pray.
Do not go gentle into that good night.
Rage, rage against the dying of the light. 


- Dylan Thomas



Bem sei que republico um poema que toda a gente, eu incluído, já copipastou centenas de vezes. 


Mas hoje vai nas mãos da camaradagem direito para o Samuel.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:21

Até sempre, pai

por Samuel de Paiva Pires, em 26.05.13

 

Não consigo precisar com exactidão há quanto tempo comecei a pensar de forma séria sobre questões existenciais e, portanto, a condição humana e a sua fragilidade. Recordo-me de pensar, quando era criança, que era eterno e, por conseguinte, as pessoas que me são queridas, os meus familiares, eternos seriam. Entretanto cresci e na idade adulta, quando me tornei mais independente e autónomo, comecei a pensar que mais cedo ou mais tarde teria de me começar a despedir de algumas pessoas.

 

A par desta consciencialização, ou talvez em virtude desta, surgiu em mim, há algum tempo, a necessidade de pensar a minha relação com Deus e a minha posição em relação à religião – entre outras coisas, também por saber do conforto que aos crentes esta possibilita em face da finitude. Entre as várias leituras que tenho feito, lembro-me de ter começado a ler, embora não tenha terminado, A Morte, da autoria de Maria Filomena Mónica. O pai da autora era natural de Águas Belas, uma aldeia pertencente ao concelho de Ferreira do Zêzere, e ali tiveram lugar as cerimónias fúnebres daquele. A Igreja sita nesta mesma aldeia está patente em algumas das minhas mais remotas memórias de infância, por ali passar obrigatoriamente com o meu pai a caminho de casa dos meus avós. Por vicissitudes várias estranhas a este propósito estive não sei bem quantos anos, mas creio que 8 ou 9, sem praticamente ali passar. Tantos quantos os anos que estive sem ver o meu pai, de seu nome Diamantino Pires. Foi já aos 18 anos de idade, pouco antes de entrar para a faculdade, que voltei a passar ali e foi inclusive ali perto, mais concretamente junto da Igreja de Ferreira do Zêzere, que me encontrei com o meu pai após aqueles anos. Procurámos, de alguma forma, recuperar o tempo perdido e foi assim que voltei a passar frequentemente pela Igreja de Águas Belas a caminho de casa dos avós.

 

Pelo meio, a minha avó havia já falecido e eu, infelizmente, não estivera presente nesse momento. Estive, mais tarde, com o meu pai, tia e prima junto da sua campa, ao lado daquela que um dia será do meu avô. A ordem natural das coisas leva-nos, claro está, a pensar que serão os mais velhos a deixar-nos primeiro. E a observação das fragilidades a que estão sujeitos, especialmente em virtude da provecta idade que vão alcançando, começa a pairar-nos cada vez mais na mente, de modo que de forma latente estamos sempre a aguardar o fatal telefonema.

 

Assim foi. Só estava longe, muito longe sequer de imaginar que seria o meu pai a ausentar-se, com apenas 58 anos, sem que nada o deixasse antever, sem que sequer tivéssemos tempo de nos despedir, sem que sequer lhe pudesse dizer que o amo. O meu pai, que tanto orgulho tinha em mim, talvez nunca tenha sabido do orgulho que eu tenho nele, de como admiro o seu percurso de vida, as coisas que fez e o seu espírito de aventura. Estando a estudar em Coimbra aquando do 25 de Abril, cansou-se das cargas policiais e decidiu enveredar pela carreira militar, tendo sido paraquedista. Após o conturbado ano de 75, acabou por deixar a tropa e decidiu andar durante uns anos a viajar pelo mundo enquanto trabalhava em navios de marinha mercante. Não sou capaz de enumerar todos os países, cidades e portos por onde passou e, infelizmente, sei poucas das milhentas histórias que certamente teria ainda para me contar e aos futuros netos. Em meados dos anos 80 casou-se com a minha mãe e estabeleceram-se na Islândia, onde eu vim a nascer. Antes de regressarmos a Portugal, tinha eu pouco menos de um ano de idade, ainda teve tempo para aprender a pilotar pequenos aviões. Entretanto fundou com o meu tio uma empresa de construção civil, onde esteve até há alguns anos, antes de retornar a Ferreira do Zêzere e ao campo, onde além de cuidar do que à nossa família pertence, ainda ajudava, amiúde, vizinhos e amigos. A minha avó sempre foi tida por todos como uma santa, e ainda é com muita frequência que oiço pessoas contarem episódios na primeira pessoa em que a minha avó teria ajudado a alimentá-los e os teria acarinhado. Da mesma maneira, o meu pai era genuinamente boa pessoa, como já há poucas, e entregava a sua generosidade a todos quanto podia e o melhor que podia.

 

Depois da paixão pelos ares e pelos mares, porém, surgiu-lhe a paixão pelas motas, que lhe valeu uns quantos acidentes graves que o levaram a retornar à primeira paixão, acabando por se tornar parapentista. Talvez tivesse preferido deixar a nossa companhia enquanto viajava pelo ar. Sei bem da sensação de paz que se sente lá em cima quando apenas se ouve o vento, e da de liberdade que nos perpassa o corpo e o espírito quando sentimos que nos podemos deslocar em qualquer direcção sem nada encontrarmos a obstar-nos o caminho. Mas foi em terra, no mesmo sítio que o viu nascer e crescer e na mesma data do falecimento da minha avó, 22 de Maio, que o meu pai deixou a existência para ascender à essência, ao princípio e ao fim de tudo. Do pó vimos e ao pó retornamos, deixando a matéria para vivermos apenas na memória dos nossos entes queridos.

 

Só gostava de ter tido mais tempo contigo, meu pai, e especialmente de me ter podido despedir de ti e dizer-te o quanto te amo ainda em vida. Obrigado por tudo. Até sempre, pai. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:10

À Minha Tia-Avó Amélia

por joshua, em 18.02.13

Um telefonema. A notícia. Foi esta madrugada, agonizando entre as 06:30 e as 08:30 da manhã, que a minha querida tia-avó Amélia soltou amarras. Sabendo-a em doença terminal há semanas, uma daquelas gravíssimas situações dormentes e insuspeitas as quais, mal se manifestam, em menos que nada aniquilam a vítima, tive, na passada Quarta-Feira de Cinzas, um impulso interior poderoso para visitá-la. E fui. Foi como se todos os meus amados mortos do lado materno — o meu Avó Joaquim, a minha Avó Ana, os brasileiros meu querido Tio-Avô Manoel e a minha Tia-Avó Madalena, a minha querida tia-Avó Madrinha Emília, gente que amei e me amou [a Tia Madalena partiu em Agosto do ano em que nasci] —, gerassem no meu coração um ímpeto de despedida e de consolação. Ai de mim se não obedecesse ao que me gritava o íntimo.

 

Ao influxo das suas vozes vivas, meu coração-vela panda foi ajoelhar-se ao pé daquela lucidez bruxuleante, tomar-lhe a mão, beijá-la, beijá-lá muito, muitas vezes, e à sua fronte, beijá-la muito, muitas vezes, dizer-lhe que me era querida, dizer-lhe que tudo correria bem, invocar numa prece Jesus, o Deus Vivo, Espírito Consolador da Estirpe Humana, ser, enfim, abençoado pela irmã da minha querida Avó Ana, no Seio de Deus há vinte anos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:10

Do sentido da vida (4)

por Samuel de Paiva Pires, em 25.01.13

Em A Peste, Camus coloca a dada altura o intrigante Tarrou a confidenciar ao médico Rieux a tormenta que sofre desde que aos 17 anos percebeu que o pai era responsável por assassinar vários indivíduos, em virtude do exercício da profissão de juíz. Trata-se de um discurso brilhante e em certa altura até arrepiante, de uma alma à procura de paz num mundo onde o assassínio é banal e até alegadamente justificado. A extensão desta passagem não me permite colocá-la aqui, mas revelo apenas o final:

 

«Ao terminar, Tarrou balouçava a perna e batia levemente com o pé no terraço. Depois de um silêncio, o médico soergueu-se um pouco e perguntou-lhe se tinha alguma ideia acerca do caminho que era preciso seguir para se chegar à paz.
- Tenho. A simpatia.»

 

Leitura complementar (posts desta série): UmDois; Três.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:03

O Quinto Elemento

por Fernando Melro dos Santos, em 18.09.12

Boa noite a todos.

 

O impante democrata, prócere do social-proteccionismo e pai fundador do marasmo, Mário, urge hoje a comunidade a que se ponha, quanto antes, sob a égide de um governo, e cito a notícia do JNeg, nomeado e sem recurso a eleições.

 

Aguardo, expectante, que os provedores do bem comum, vegetarianos para quem uma alface vale mais que um feto, e tudo é um direito adquirido à nascença, venham agora zurzir Mário, o Vetusto, com a mesma plétora de epítetos e sequiosa gana com que mungiram MFL até à secura.

 

Delenda Carthago Est e bem hajam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:22

Religião, prazer, morte e razão

por Samuel de Paiva Pires, em 14.05.12

Tarrou, descrevendo Orão em A Peste, de Albert Camus:

 

«Todos se precipitam, pelo contrário, para qualquer coisa que conhecem mal ou que lhes parece mais urgente do que Deus. Ao princípio, quando julgavam que era uma doença como as outras, a religião estava no seu lugar. Mas, quando viram que o caso era sério, lembraram-se do prazer. Toda a angústia que se pinta durante o dia nos rostos dissolve-se então, no crepúsculo ardente e poeirento, numa espécie de excitação desvairada, numa liberdade desusada que inflama todo um povo. E também eu sou como eles. Mas quê! A morte nada é para os homens como eu. É um acontecimento que lhes dá razão.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:15

Do absurdo rotineiro à morte

por Samuel de Paiva Pires, em 17.02.12

Sartre, no prefácio a O Estrangeiro, de Camus:

 

"Certo é que o absurdo não está no homem nem no mundo, se os tomamos separadamente; mas, como é o carácter essencial do homem o «estar-no-mundo», o absurdo é, em suma, unitário com a condição humana. Por isso não é, em primeiro lugar, o objecto de uma simples noção: é uma iluminação desolada que no-lo revela. «Os gestos de levantar, carro eléctrico, quatro horas de escritório ou de fábrica, refeição, carro eléctrico, quatro horas de trabalho, refeição, sono, e segunda-feira, terça, quarta, quinta, sexta, sábado, no mesmo ritmo…» (Camus, O Mito de Sísifo), e depois, de repente, os cenários desabam e acedemos a uma lucidez sem esperança. Então, se sabemos recusar o socorro enganador das religiões ou das filosofias da existência, temos algumas evidências essenciais: o mundo é um caos, uma «divina equivalência que nasce da anarquia»; - não há amanhã, visto que se morre."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:59

IN MEMORIAM - Otto de Habsburgo

por Pedro Quartin Graça, em 04.07.11

O Arquiduque Otto (ou Otão) de Habsburgo (Reichenau an der Rax, em 20 de novembro de 1912) era o atual chefe da casa dinástica de Habsburgo e filho mais velho de Carlos da Áustria, último Imperador da Áustria e último Rei da Hungria, e de sua esposa, Zita de Bourbon-Parma. Foi membro do Parlamento Europeu pelo partido União Social Cristã da Baviera (CSU) e presidente da União Internacional Pan-Européia.

Foi batizado Francisco José Otto Roberto Maria Antônio Carlos Max Henrique Sexto Xavier Félix Renato Luís Caetano Pio Inácio da Áustria (em alemão, Franz Joseph Otto Robert Maria Anton Karl Max Heinrich Sixtus Xaver Felix Renatus Ludwig Gaetan Pius Ignatius von Österreich).

 

SAI  nasceu perto de Viena, em Reichenau an der Rax, na Baixa Áustria.

Em novembro de 1916, Otto se tornou príncipe-herdeiro do Império Austro-Húngaro quando seu pai, o arquiduque Carlos, ascendeu ao trono. Entretanto, em 1918, no final da Primeira Guerra Mundial, ambas as monarquias foram abolidas e substituídas pelas repúblicas da Áustria e da Hungria. A família imperial foi forçada ao exílio, apesar de Carlos nunca ter abdicado do trono. Note-se que a Hungria voltou a ser uma monarquia, mas Carlos foi impedido de reinar. Em seu lugar, o trono foi mantido vago e criou-se uma regência permanente sob o almirante Miklós Horthy, até 1944.

 

A família Imperial passou os anos seguintes na Suíça e, mais tarde, mudou-se para a ilha da Madeira, onde Carlos veio a falecer prematuramente em 1922. Com isso, e apenas aos dez anos de idade, o Arquiduque Otto passou a ser o pretendente ao trono, situação que permaneceu até ontem. Enquanto isso, o parlamento austríaco oficialmente expulsou a dinastia Habsburgo e confiscou todas as propriedades da Coroa Imperial pelo ato Habsburgergesetz de 3 de abril de 1919.

Em 1935, Otto graduou-se em Ciência Política e Ciências Sociais pela Universidade Católica de Leuven.

Em 1940, Otto foi uma das dezenas de milhares de pessoas a quem o cônsul português Aristides de Sousa Mendes concede o visto de saída da França, no momento da invasão nazis.

 

In: Página do Facebook de SAR D. Duarte de Bragança

 

Nota - Otto de Habsburgo era um amigo de Portugal. A SS AA RR os Duques de Bragança, primos do Imperador Otto de Habsburgo, o blog Estado Sentido apresenta os votos de sentidos pêsames.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:13

A triste história de Augusta Martinho

por João Pedro, em 11.02.11

A notícia da idosa encontrada morta em casa, após nove anos de silêncio, atordoou o país. Desgraçadamente, nem devia espantar muito. O abandono a que são votados os velhos e a enfastiada e emperrada burocracia a que estamos submetidos, os verdadeiros causadores desta descoberta terrível, levam a estes desfechos aberrantes. Não é a primeira vez que ouço falar de pessoas que morrem sozinhas e só tempos depois são descobertas. Mas nunca imaginei que alguém pudesse ficar tanto tempo ignorada para além da morte. O que choca mesmo é a indiferença e esquecimento total a que a idosa esteve votada, tirando uma vizinha ou uma outra pessoa mais escrupulosa.

 

Nesta nossa sociedade que despreza tudo o que é velho e "do passado" em detrimento do novo e "moderno", que cultiva a juventude esticada ao máximo e a devoção à saúde eterna, os velhos são um estorvo e não ficam bem entre a mobília. Algumas famílias tendem muitas vezes a esquecê-los, e noutros casos nem restam familiares próximos, tendo então de se entregar à sua sorte. Os poucos voluntários que propositadamente os visitam para aliviar a sua solidão não chegam. Muitos vivem no centro das cidades, em casas decrépitas, ou em subúrbios uniformizados e deprimentes, como a senhora deste caso. São apesar de tudo aqueles que vivem nas aldeias e pequenas vilas que recebem mais atenção dos que os rodeiam. Mas com o decréscimo da natalidade e o aumento da esperança de vida, a situação tende a piorar. No futuro haverá um batalhão de idosos a cuidar. Muitos dos que hoje desprezam os velhos muito provavelmente receberão a dobrar o mesmo tratamento. Só se deseja que daqui a uns anos não invente qualquer forma de "eutanásia involuntária" para impedir o colapso da segurança social que restar.

 

Espero contudo que esta notícia chocante possa servir para alertar para casos semelhantes e para a extrema solidão que acompanha tantos idosos deste país. Quem sabe se a mulher que nem depois de morta teve tratamento condigno possa afinal chamar a atenção pra a indignidade das pessoas mais velhas. E já que (quase) ninguém quis saber dela, ao menos que se recorde que era uma pessoa, e que tinha nome. Chamava-se Augusta Martinho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:04

IN MEMORIAM

por Pedro Quartin Graça, em 16.12.10

CARLOS PINTO COELHO

 

Um grande SENHOR! Um cavalheiro que nos deixa. Que tristeza. Até sempre Carlos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:42

Pina Bausch 1940 - 2009

por João Pedro, em 30.06.09
 

No ano passado, quando a companhia de dança de Wuppertal veio a Portugal actuar no CCB, tive a oportunidade de ir ver o espectáculo com bilhete oferecido, mas como era em cima da hora e não conseguiria chegar a tempo tive de declinar, pensando "haverá outras oportunidades de ver um espectáculo de Pina Bausch".
 

 

Afinal não houve nem haverá. Depois de uma curta e letal doença, a dançarina e coreógrafa alemã, provavelmente a mais famosa do Mundo, despediu-se hoje, deixando órfã a dança contemporânea.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:39






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds