Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Por baixo do tabuleiro

por João Pinto Bastos, em 27.09.13

O Rui A. comete aqui um pequeno erro que urge, a meu ver, corrigir. A animosidade existe, mas deve-se, sobretudo, ao carácter político, ou à ausência dele, de Luís Filipe Menezes. Há gente que não se recomenda nem para governar uma casa, e Menezes é, seguramente, um desses casos.  A suposta "obra" apresentada  em Gaia não é, nem deve ser um atestado de competência imune a uma avaliação política mais fundamentada. Deixando de lado a politiquice serôdia que oblitera factos e acontecimentos, é fácil constatar que Menezes propõe para a cidade do Porto uma espécie de Menezolândia regada a muito crédito. Basta dar uma vista de olhos pelo arremedo de programa apresentado pela candidatura menezista para concluir que a fantasia e o pensamento mágico são um exclusivo do ilustre médico. Quanto ao resto, é evidente que há muitos interesses em movimento, assim como, alguma falta de tacto e de profissionalismo político na abordagem do eleitorado pelos diversos candidatos. Pizarro foi, em grande medida, uma má aposta, devido, fundamentalmente, ao seu low profile político. Na política a falta de carisma paga-se muito caro. Já Rui Moreira, não obstante o facto de não dispor de uma máquina política suficientemente oleada, conseguiu, com as qualidades que se lhe reconhecem, construir um movimento independente com, ao que parece, a forte possibilidade de arrebanhar a Câmara. Porém, nem tudo é um mar de rosas. Além da fraca máquina política, há que mencionar um certo amadorismo no modo como a candidatura de Rui Moreira lidou com algumas das questões mais candentes da campanha eleitoral. Contudo, não obstante essas falhas, que não são de somenos, Rui Moreira continua a ser o candidato melhor avalizado para tomar entre mãos os destinos da edilidade portuense. Os portuenses têm, pois, a palavra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15





Posts recentes


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds