Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A mensagem de Trump para Putin e Xi Jinping

por Samuel de Paiva Pires, em 07.04.17

donald trump.jpg

Não se consegue ainda perceber bem as consequências do ataque que Trump lançou esta noite sobre a base militar síria de onde alegadamente saíram os aviões que protagonizaram o recente ataque com armas químicas na Síria - ainda não foi confirmada a autoria deste ataque, embora a administração norte-americana afirme que tudo indica que a responsabilidade recai sobre Assad e a posição russa seja realmente risível. Alguns começaram já a condenar Trump por trair a retórica isolacionista em termos de política externa utilizada durante a campanha para as eleições presidencias do ano passado, outros afirmam que o ataque desta noite mostra um aventureirismo perigoso.

 

Eu prefiro sublinhar que Xin Jinping chegou ontem aos EUA para reunir com Trump e que tanto a China como a Rússia têm apoiado a Síria na ONU, o que me faz crer que a acção algo imprevisível de Trump comporta essencialmente uma mensagem para Pequim e Moscovo: há linhas que não podem ser atravessadas mesmo em contextos de guerra e os EUA não vão assistir impavidamente às acções de russos e chineses que atravessam essas linhas ou que apoiam quem as atravessa.

 

O ataque lançado pelos EUA é cirúrgico o suficiente para ser uma justa retaliação pela acção inqualificável de Assad, mas também, e mais importante, para servir como demonstração de força e enviar uma mensagem a Putin. E não deixa de ser ridículo ver o presidente russo, tantas vezes aplaudido por muitos por decisões imprevisíveis e demonstrações de força que ignoram ou violam o direito internacional e são justificadas por pretextos dúbios recorrendo a argumentos tipicamente utilizados por potências ocidentais, vir agora argumentar que a decisão de Trump viola o direito internacional, é uma agressão a um Estado soberano  e prejudica as relações entre EUA e Rússia. Ora, afinal, o que foram as invasões da Geórgia e da Ucrânia, e em particular a anexação da Crimeia, senão provocações da Rússia a todo o Ocidente e agressões a Estados soberanos violadoras do direito internacional?

 

A utilização recorrente deste tipo de argumentos por Putin, que não correspondem à prática russa, deixa bem patente a duplicidade do presidente russo que ainda vai passando algo incólume, mas a sua utilização no dia de hoje mostra também que Putin foi surpreendido por Trump e não sabe bem, pelo menos para já, como reagir. E isso é muito positivo.

 

(também publicado aqui.) 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:25

Ainda a carta de Putin

por Samuel de Paiva Pires, em 13.09.13

No seguimento do meu post anterior, o Rui Carmo escreve - e bem - sobre como a acção política de Putin tem ido no sentido contrário ao que a sua carta de ontem deixa patente. No entanto, ao contrário do que o Rui aponta, não deposito qualquer esperança em Putin. Ainda ontem a Foreign Policy publicava uma excelente peça sobre uma outra carta de Putin, em 1999, em que, para justificar uma intervenção militar na Chechénia, utilizava argumentos idênticos aos que Obama utiliza para justificar a intervenção na Síria. Aliás, nem precisaríamos de ir tão longe, bastava recordar a intervenção na Geórgia e a retórica de cariz ocidental e humanista utilizada por Putin para a defender. Afinal, a política internacional, como não poderia deixar de ser, é dominada, em larga medida, por double standards. Isto, contudo, não retira importância à carta que, conforme escrevi ontem, provavelmente poderá tornar-se um dos textos mais estudados nos próximos anos em cursos de Relações Internacionais, e foi isso que pretendi transmitir com o meu post. De resto, estou completamente de acordo com este post do Rui A, que transcrevo na íntegra:

 

«A não ser que acreditemos que a conversão da Rússia já começou e que Putin é o novo Constantino, convém procurarmos outras razões para explicar o que está subjacente à magistral intervenção do líder russo na crise Síria, que ontem teve um momento alto com a publicação de um artigo seu no NYT. E esses motivos são relativamente inteligíveis. No essencial, Putin aproveitou uma janela de oportunidade escancarada pelo desastrado presidente americano para voltar a colocar a Rússia como actor decisivo na geopolítica mundial, com foco especial no Médio Oriente e no Islão, donde estava afastada desde, pelo menos, a invasão soviética do Afeganistão. E a mensagem foi muito clara: a pax americana terminou, e o mundo conta novamente com a Rússia para equilibrar o xadrez mundial. A carta “escrita” por Putin é, de resto, uma peça admirável de mestria e de cinismo político, porque utiliza os valores que são caros aos EUA para os chamar à ordem e envergonhar o presidente americano. O flanco dado por Obama com a sua gestão errática do problema Sírio, na sequência dos transtornos que tem vindo a causar com a «primavera árabe» e das trapalhadas de espionagem em que anda metido, vulnerabilizou fortemente os EUA e criou um vácuo de autoridade a que a política internacional tem horror. Putin, ontem, preencheu-o. A administração Obama está de parabéns.»

 

Leitura complementar: Estranhos tempos estesA Plea for Caution From RussiaAs Obama Pauses Action, Putin Takes Center Stage.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:48

O desvanecimento do mito dos BRICS

por Samuel de Paiva Pires, em 02.11.12

Nos últimos anos, sempre que alguém me falou nos BRICS com entusiasmo, em particular no Brasil, que é aquele sobre o qual tenho mais conhecimento de causa, respondi que não tardaria muito para assistirmos ao desvanecimento do mito. Sobre o Brasil, basta estudar a História do país e da sua Política Externa para perceber que andam desde a Independência a correr atrás do mito de serem uma super-potência, quando nem mesmo regionalmente a sua liderança política pode ser considerada um facto incontestável. A isto, junte-se-lhe ainda um certo wishful thinking em torno do mito do declínio dos EUA. De resto, a teoria dos ciclos económicos também ajuda a perceber o que se tem passado e o que se passará. Este artigo dá conta do desvanecimento do mito dos BRICS e por isso mesmo recomenda-se a sua leitura.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:59

Carta aberta à Europa

por Estado Sentido, em 10.02.12

 

Quando chegou à Chancelaria alemã, a Sra. Merkel viu partir o seu antecessor Gerard Schroeder para um rendoso posto proporcionado pela discutível democracia russa. O gás foi o móbil desse tráfico de influências e a Europa está hoje à mercê do Sr. Putin. A Chanceler Merkel viaja para a China e países africanos de expressão portuguesa. A Sra. Merkel chega em visita de contactos claramente comerciais ao Brasil e outros países sul-americanos, alguns dos quais são democracias de estranho recorte bonapartista. Pouco importam os argumentos éticos, pois o mundo dos negócios não se compadece com ninharias, especialmente se a Mercedes Benz ou qualquer outra grande empresa alemã, puder facturar apetitosos proventos na permuta de tecnologias por dinheiro vivo.


O duo CDU-SPD nas pessoas de Merkel e Schulz, não possui aquela memória histórica secular que lhes permita olhar com alguma circunspecção, as relações que um país como Portugal, antigo de nove séculos, foi estabelecendo já há mais de meio milénio com outros continentes. Quando os portugueses chegaram à China, a expressão geográfica da Alemanha vivia fratricidas guerras religiosas e os seus centos de micro-Estados lutavam por uma nesga de terra, um monte, um pedaço de rio que pudesse oferecer uma pequena vantagem em relação aos demais. Tudo isto no quadro de um ilusório I Reich destruído há duzentos anos por outro projecto europeu, sem dúvida tão imperial como aquele que hoje alguns ambicionam. A França que agora segue na senda dos desígnios de Berlim, teve o seu curto momento de glória por uma década, aliás posta em causa no solo deste pequeno país que em conjunto com o seu tradicional aliado britânico,  lutou e venceu pela verdadeira liberdade da Europa das nações. A própria Alemanha, criação recente de pouco mais de um século, beneficiou desse sacrifício luso-britânico, ouvindo nos sinos que repicavam em Lisboa, Rio de Janeiro e Londres na celebração da vitória, o nascimento da sua consciência nacional.


Portugal possui uma política externa própria, não se esgotando esta em meros exercícios de contabilidade ou de transferência de fundos. Ao contrário de vinte e cinco outros Estados da União Europeia e tal como o Reino Unido, a nossa língua é falada em quatro continentes, precisamente aqueles que hoje os empresários e políticos alemães ambicionam ter como parceiros de negócios. Portugal pode, deve e tem de participar nesse esforço de modernização e diversificação da sua economia que ao contrário da Alemanha, será mais um complemento nas profundas relações culturais existentes com a África, Ásia e América. Jamais os portugueses permitiram a imposição de Bloqueios Continentais, proibições do comércio livre impostas por terceiros ou afrontosas limitações da sua soberania. A Europa comunitária a que o nosso país aderiu é a existente em 1985, bem diversa nos fundamentos e nos propósitos que aquela que hoje alguns querem impor ao arrepio das soberanias e identidades nacionais, esquecendo que só estas permitem a expressão internacional das vontades dos diferentes povos, formuladas através das instituições democráticas onde se sentem verdadeiramente representados. É através da pluralidade de pertenças e da diversificação de relações externas que os estados europeus melhor podem contribuir para a realização da vocação universalista da União Europeia em face dos desafios impostos pela globalização.

 

Há que alertar os alemães para os perigos decorrentes da ignorância e espírito aventureiro dos seus inconscientes dirigentes. Esta é uma missão que decerto compete a um dos três países mais antigos do Velho Continente, precisamente aquele que deu a conhecer a Europa ao resto do mundo.

 

Miguel Castelo-Branco

Nuno Castelo-Branco

Samuel de Paiva Pires

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:15

"Caras" edição Política Internacional

por Samuel de Paiva Pires, em 10.11.11

 

«Kadhafi dedicou-lhe um vídeo e mandou compor uma música em sua honra, intitulada "Flor Africana na Casa Branca". Agora, Condoleezza Rice revela que achava a fixação do ex-ditador líbio "assustadora".»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:05

Carina Machado no blog da Comissão Portuguesa do Atlântico / Associação da Juventude Portuguesa do Atlântico:

 

Esta organização não parece apresentar uma posição de antagonismo face à NATO, enumerando mesmo como os seus verdadeiros inimigos o terrorismo, o separatismo e o extremismo.

Todavia, e apesar dos seus membros mostrarem o interesse no seu contínuo desenvolvimento, a verdade é que no momento esta não é comparável, enquanto organização de segurança, à NATO. Para além de não incluir qualquer cláusula que obrigue as suas partes a um compromisso militar, tem ainda como obstáculo ao seu progresso o facto de os interesses dos dois Estados que a lideram não coincidirem. A Rússia mostra-se preocupada com a defesa da sua esfera de influência e dos seus interesses energéticos, a China, por seu lado, continua empenhada em levar a cabo uma política externa marcadamente realista, pragmática e baseada na cooperação, tirando desta forma proveito de todas as plataformas disponíveis ao seu desenvolvimento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:15

Gente do pantanal

por Nuno Castelo-Branco, em 16.11.08

Quando não está exclusivamente preocupado em  fazer-se notar para um previsível render da guarda no Palácio de S. Bento, este antigo secretário de Estado dos tempos do pântano guterrista, chama a atenção para um ou outro episódio da nossa política.

 

Hoje, o móbil consiste na apreciação que o tresloucado grupo parlamentar do PS no Parlamento Europeu, faz da política.

 

O semanário Sol, diz que os socialistas resolveram declarar guerra à Alemanha. Genialidades da dimensão de um Sérgio Sousa Pinto, além da descabelada Ana Gomes  - assim a denomina Edite Estrela -, acusam os alemães de todos os males, desde as suas exportações, até à adopção de medidas que combatam o endividamento. A estrela falante do grupo rosa, chega ao desplante de tecer considerações pouco simpáticas acerca da dimensão política da chanceler Angela Merkel, adoptando o tom chocarreiro que outrora um outro compagnon de folie, utilizou para definir a Sra. Nicole Fontaine. Mais uma ou outra encabritada voz se fez ouvir, afinando pelo mesmo diapasão e aventando as mais disparatadas alusões a outros tempos, onde as guerras mundiais surgem como explicação para tudo, ou pior ainda, como ineficaz chantagem moral  sobre quem tem a bolsa que paga as loucuras de outros.

 

As personagens são secundárias e perfeitamente inócuas, mas o mesmo não se poderá dizer acerca de Mário Soares, de longe mais influente e respeitável do que a soma de todas as inefáveis nanidades acima mencionadas. Além da excentricidade de considerar como "excelentes propósitos", o esquema sarkoziano de governo mundial, Soares regressa à requentada lenda do ingresso britânico numa Europa comunitária, tendo como exclusivo e tenebroso fito, a sua sabotagem interna. Insiste assim, na francófila cegueira perante aquela evidência que qualquer consulta a uma história factual de bolso, mostrará sem sofismas.

 

Morta a URSS e liquidado o seu império colonial na Europa de leste, as condições que estabeleciam os diversos equilíbrios de poder alteraram-se radicalmente. A unificada Alemanha recuperou o seu tradicional predomínio nos Estados vizinhos e foi sem dúvida, a principal promotora da entrada dos arruinados ex-membros do Comecon, naquilo que hoje é a U.E. Duas décadas antes, os mesmos alemães fizeram tudo o que puderam para convencerem franceses, italianos, ingleses, belgas e outros, a abrirem as portas do selecto clube a Portugal e à Espanha. Recuando ainda mais no tempo, todos decerto recordarão o importante contributo alemão para a derrota do comunismo durante o PREC de 1975. Muito deve o PS à Alemanha, desde a conferência de fundação do Partido em Bad Munstereifel, à enxurrada dos dinheiros da Fundação Friedrich Ebert e ao outrora "pacóvio conservador da CDU" Helmuth Kohl, hoje pelos socialistas muito justamente reabilitado, como um entre os grandes. Muito mais importante que este aspecto da vida interna da Internacional Socialista, os portugueses deverão estar gratos à Alemanha pelo progresso visível nas nossas infraestruturas e até, por um estilo de vida imerecido porque não correspondente às nossas possibilidades de produção e criação de riqueza. Se liquidámos os nossos afazeres por influência externa, essa é uma outra questão que apenas poderá imputada a quem isso permitiu.

 

Nunca tivemos qualquer ilusão acerca das correrias inter-fronteiriças, onde saltitantes grupos de jovens e idosos se abraçavam, empunhando bandeirinhas estreladas e cantando a 5ª sinfonia do fim das barreiras. A política séria, nãos e compadece com este tipo de folclore e o mais surpreendente é verificarmos que uma boa parte dos nossos decisores, encaram essas trivialidades com ar mais sério deste mundo. O jogo europeu consiste antes de tudo, no evitar de fricções excessivas que conduzam à declarada inimizade de outros tempos, hoje impossível pela visível decadência desta península que diz ser um "continente". A rivalidade entre as empresas e a luta dos Estados pela conquista de posições cimeiras que garantam óbvias vantagens políticas e económicas, continuam como sempre, a ditar a agenda de qualquer governante que chegue ao poder, seja na Europa, como nas Américas, Ásia ou África. Não entender este princípio básico da boa governação, denota a escassa consciência que os nossos políticos têm da realidade. É perfeitamente possível sermos europeus e em simultâneo, mantermos uma política secular que diversifique o nosso campo de acção para outras áreas do mundo, especialmente aquele que fala português e claro está, nos negócios com as potências interessadas nas potencialidades da CPLP, sejam aquelas a China ou os cada vez mais dependentes Estados Unidos. Sempre apontando os processos descolonizadores da França e da Inglaterra como exemplo, a gente da 3ª República esqueceu-se do importante detalhe da permanência da influência política e económica - e até militar -, das antigas potências coloniais, nos Estados que ascenderam à independência. Os dirigentes do PS e do PSD, fizeram precisamente o oposto e decidiram-se pela exclusividade da aposta europeia, esgravatando à procura do ouro que lhes permitiu fazer a efémera e questionável figura de "primos ricos". O resultado está à vista.

 

Pouco interessará se é Sócrates, Passos Coelho ou outro, a retomar uma política multifacetada de relações exteriores de Portugal, sejam elas económicas ou culturais. O importante consiste no estabelecimento daquele "faça-se!" que tem estado sempre ausente nas últimas décadas.

 

A mirífica Europa Unida encontra-se num período de clara indefinição e esta poderá ser uma oportunidade que devemos aproveitar. O ponto de referência de todos os governos de Lisboa, deverá ser sempre o da manutenção do maior grau possível de independência do Estado, num mundo bem diferente daquele que o século XX viveu, aplicando-se para a nossa sobrevivência, aquilo que outros bem melhor executam nos seus países. Quanto a este aspecto fundamental que caracteriza o bom governo, Portugal tem sido submetido a uma duríssima e escusada prova, dada a evidente inépcia de quem faz a política como um simples exercício de vaidade ou de mealheiro de proventos pessoais. A hipoteca das nossas relações externas ao restrito e semi-falido conjunto europeu - onde o vizinho cobra a parte de leão -, esgota as nossas possibilidades, diminui-nos no concerto da chamada "nova ordem mundial" e poucos ou nenhuns benefícios materiais nos trará. Como sempre, ficamos perante um visível esquema de desigualdade, descrédito externo e numa desesperante exiguidade de recursos económicos e políticos que nos condenam a uma bem inglória saída de cena. Um triste epílogo para uma história que ainda está a tempo de ser bem diferente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:50






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas