Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Taxis e Chau Ming

por João Almeida Amaral, em 11.10.16

taxi.jpg

 

 

Os motoristas de viaturas de transporte, sejam taxistas, motoristas de praça ou "Uberistas", são no essencial a mesma coisa, são os herdeiros do cocheiro, com uma pequena diferença: dispõem de mais cavalos.

Para quem é muito jovem, o Chaufeur de Táxi foi peça importante no desenvolvimento da sociedade urbana motorizada. Nas minhas memórias encontro vários Mercedes matateu, com  varinas e peixe na bagageira, ardinas que recolhiam  os seus jornais  e  madames a defenderem-se dos maus odores, com um lençinho embebido em água de colónia.

Durante as greves da CP e da TAP faziam corridas ao Porto e a Madrid. Alguns eram figuras típicas da cidade. Lembro-me em particular de um que trazia a mãe, já com mais de oitenta anos, sentada no lugar por trás do seu. 

Os apaixonados e os enganados entravam no carro e exclamavam  "dê umas voltas sem destino".

Com o correr do tempo, começaram a perder a vergonha dos longos silêncios para fazerem uma prelecção sobre política, segredos ou loucuras.

A verdade é que foram importantes e até na época do 25/4 eram uma das maiores barreiras ao barreirinhas Cunhal.

Entrevistar Cocheiros do século XXI e aproveitar a sua inexperiência para gerar um facto é tudo aquilo que um aprendiz de reportagem não devia fazer. Dá náuseas.

Como não dava votos, ou tiveram medo, os políticos andaram arredados do Relógio. 

O primeiro ministro, satisfeito com o desviar de atenções da geringonça, empanturrava-se com uma chinesada e lá ia vendendo o que resta do país às fatias.

Por cá, este povo enjeitado, deixava-se enganar pelas televisões. 

Ai a minha terra linda. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:14

O problema não está necessariamente nos povos

por João Quaresma, em 07.05.12

«A ideia de que Cavaco, porque foi primeiro-ministro e Presidente da República, tem algum talento para a política, é falsa. De resto, Portugal está cheio de casos desses, falsos escritores, falsos políticos, falsos jornalistas. Cavaco Silva não tem jeito nenhum para a política. É ver essas coisas que ele vai dizendo por aí ultimamente – e quando se enerva ainda é pior. Cavaco Silva só é político porque vive em Portugal».

 

Vasco Pulido Valente, hoje no I

 

Tem razão no que diz, mas não concordo com a última frase. Por toda uma Europa onde a política está entregue, em larga medida, a nulidades haverá gente a tirar a mesma conclusão em relação às suas. Os italianos acharão que só em Itália é que Romano Prodi poderia ter sido político, os finlandeses que só na Finlândia é que uma Tarja Halonen poderia ser eleita presidente, e os franceses nem falar. Mas isso não é grave. O que é grave é concluir que só no Reino Unido é que Thatchers chegam ao poder. E mesmo isso foi há trinta anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:15

O pretendente ao trono português, Duarte Pio de Bragança, defende que os políticos sejam responsabilizados por má gestão quando tenha havido má fé ou obtenção de benefícios e admite que a actual situação de Portugal deve ser alvo de análise.

"É preciso moralizar a classe política. Como em qualquer profissão ou actividade, os políticos devem ser responsabilizados", disse à Lusa Duarte Pio de Bragança.

"Não podem ser perdoadas as práticas de má gestão quando foram praticadas com má fé e para obter benefícios", sublinhou o chefe da casa real portuguesa, dando como exemplo "grandes fortunas que abençoaram inexplicavelmente famílias de alguns políticos".

Questionado sobre a possibilidade de ser aberto um inquérito parlamentar para apurar responsabilidades sobre a actual situação económica do país - como aconteceu na Irlanda - Duarte Pio admitiu ser necessário fazer uma análise.

"Quando uma situação corre mal, é necessário fazer uma análise para perceber o que aconteceu e para que não se repita no futuro. Esta situação não é diferente", concluiu.

A crise financeira já foi alvo de investigações em dois países europeus - Islândia e Irlanda - e nos Estados Unidos, sendo que o Reino Unido decidiu investigar também as respostas da própria Comissão Europeia à crise.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:23






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas