Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



E aviões anteriores a 1996, amigo Costa?

por John Wolf, em 16.01.15

img_2526

 

E aviões anteriores a 1996 podem continuar a infestar os céus de Lisboa com ruído e gases poluentes?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:26

António Costa e o "socialismo ambiental"

por Manuel Sousa Dias, em 14.01.15

A partir de amanhã deixam de poder circular na zona central de Lisboa automóveis com data de matrícula anteriores a 2000 e 1996 - os segundos com uma restrição de área maior. Com esta medida - que se deve a razões ambientais - milhares de pessoas que por razões profissionais ou familiares precisam de usar o seu automóvel nas suas deslocações diárias vão ter de deixar de o fazer se não tiverem meios para financiar uma viatura mais recente. Como uma desgraça nunca vem só, para agravar a situação os seus automóveis anteriores a 2000 desvalorizarão até ao valor de uma bota velha.

Este tipo de medidas ambientais que obrigam a deitar fora o automóvel velho e comprar o novo são sempre bastante questionáveis, uma vez que o aproveitamento de materiais recicláveis de um automóvel é uma pequena fracção do seu peso total, o que faz com que o custo ambiental do abate de uma viatura antiga seja na realidade bem maior do que a sua manutenção, mesmo apesar da sua emissão de partículas para a atmosfera (veremos que medidas terão os ambientalistas para a proliferação de ferro-velho, ou pior, plástico velho).

Mas há outra solução com vista à redução de emissões? Há. A medida adoptada por outras cidades europeias, tais como Atenas, que limita a circulação de viaturas a x dias por semana consoante a sua matrícula (algarismo par ou ímpar) é mais justa, porque é transversal a todos os automóveis, independentemente da sua gama ou data de matrícula, não afectando apenas os condutores que não têm dinheiro para comprar carro novo, ao mesmo tempo que limita o número de automóveis na cidade e, consequentemente, reduzindo emissões. Pode até dizer-se que a medida grega é até mais socialista, se bem que o "socialismo" para António Costa é um pouco como as sondagens, isto é, há para todos os gostos e vale o que vale.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:58

Poluição

por Samuel de Paiva Pires, em 02.02.10

 

 

(Momento de Civilização, de Nuno Castelo-Branco)

 

Um poema da autoria de Beatriz Oliveira, declamado por ocasião do Open Slam Jam, que teve lugar no Espaço Grooveart, a 27 de Janeiro, em Lisboa:

 

Poluição

 

 

Venha o cheiro e ouvido de outros homens

Venham melhores, menos fatais... normais

Venham compreender essas lâminas de ar com rosto de pessoas, que nos atravessam

Sol e tempestade, é igual, venham direitos, distraídos, de barro ou de cristal

Mas venham, sim venham...

Sossegados.

 

Para poluir eles cá estão,

Povo de ilusória sanidade

 

Vivendo cheio de medo, enredo

Sociedade sem som, sem suor.                   

Venham sempre pedindo,

Um Bocage e mais outros cinco

Que o poeta só polui a própria alma.

Sarcástico humor o da Natureza,

Venha ela para mostrar e despachar

Que é melhor que todos nós

Quando ela se calar, o poeta perde o amar.

 

Venham agora tapar olhos e ouvidos em caudais de pessoas inocentes

Poluam mentes em guerras, em religião também e construam mares de sangue, 

Sejam entao felizes no meio de uma esfera de demência e tendência

Que o ar é de todos

e os amores também...

 

Digam então, que a razão

não existe senão

que todo o fim seja são, então

que tenham o mundo na mão....

 

Para poluir eles cá estão,

Povo de ilusória sanidade

 

Digam que é Poluição.... 

 

Beatriz Oliveira

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:21






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas