Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Trump, Conway...not my way

por John Wolf, em 31.01.17

flag-day.jpeg

 

Donald Trump nunca poderia ser um político português. Não seria agraciado nem tolerado. O conceito de estado de graça que assiste aos recém-chegados ao poder foi pura e simplesmente obliterado. A inversão é plena - entrou logo ao ataque. E começa pelos Estados Unidos da América. Assistimos, quer sejamos norte-americanos ou não, à concretização das piores das nossas expectativas. A censura oficial já é um facto consumado, instalado. Mas nada disto é novo. É pela máquina de propaganda e desinformação que começam. A perseguição vivida em regimes nacional-socialitas parece ser o template em que se baseiam. A senhora Kellyanne Conway representa o pior da América profunda. Mas não está só. Contaram-me há dias que os mais reaccionários dos EUA são os jovens que polvilham os campus das universidades, e não os desempregados. E isto é particularmente preocupante porque é esta falange que irá emprestar a sua energia e os seus "conceitos" ao futuro do país. Quero acreditar, porque é o que nos resta, que seremos testemunhas de uma revolução civil americana. A única virtude que consigo extrair do ambiente instalado, num país com profundas fracturas, é a emergência de diversas frentes de indignados. Existe uma tradição de protesto nos EUA. Pensem nas manifestações contra a guerra do Vietname, contra a segregação racial, contra a globalização e os efeitos nefastos da mesma sobre o ambiente. E existem mártires. Lembrem-se de Kennedy. Pensem em Martin Luther King. O que Trump vai provocar é a reacção desmedida que transcende os orgãos de soberania que pouco valem na sua cabeça e que ele julga que domina totalmente. O despedimento da Procuradora-Geral não vai chegar para demover aqueles que entendem o processo americano, a mescla e a promessa firmada no rompimento em relação aos senhorios coloniais e a esperança que resulta do mesmo. Tenho fé, que por linhas tortas, mas lamentavelmente violentas, a América dos nossos sonhos bons possa vingar o seu nome - a parte boa do seu nome. Por causa de Trump sou mais americano do que nunca, mas não pelas razões que ele invoca. Vim de longe. Ainda não cheguei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:43

A selvajaria dos beatos esbulhadores

por João Pinto Bastos, em 04.01.13

A prisão por dívidas retornou a este belo pedaço de terra soalheiro. Aumentam-se as contribuições para o monstro e, depois, cereja no topo do bolo, prende-se quem não cumprir os ditames esbulhadores. Não é difícil imaginar o entupimento que isto irá provocar nos já de si profícuos e competentes tribunais. Perdeu-se completamente o descaro, e, por mais que alguns neguem, provavelmente refastelados na vida, a liberdade está por um fio. A liberdade de viver, de empreender e construir uma vida digna. O país faliu, end of story.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:14

O homúnculo democrático

por João Pinto Bastos, em 13.12.12

O homem-massa está a entrar em ebulição. O fim do modo de vida dissipador empoleirado no pastiche pequeno-burguês terminará em breve, disseminando os seus escombros por todo o lado. O universalismo democrático, que produziu este homem atomizado, e que fez, também, as delícias de tanta intelligentsia ignara, sucumbirá sob o peso da dívida interminável. E a liberdade? Eis a questão do milhão de dólares. O Miguel Castelo Branco descreveu bem a coisa, alertando para um problema que, bem vistas as coisas, é o nó górdio da questão: os homúnculos que compõem os modernos regimes democráticos são "gente igual, violenta e incontrolável, presa dos instintos, falando com os punhos." Acreditam que, nestas condições, a liberdade será defendida? Não me parece. Mais, acredito que o que vem aí será, em grande medida, um futuro liberticida. Com a suprema unção dos estatistas do costume.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:43

Museu da Guerra (II)

por Fernando Melro dos Santos, em 11.12.12

 

Daqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:42

Da ignorância canciana

por Samuel de Paiva Pires, em 14.02.10

 

Fernanda Câncio, ao espelho, como muito bem assinala o João Távora, diz que "O pensamento totalitário é aquele que define o mundo em função de certo e errado e aglutina tudo em função dessas categorias. É o pensamento de todas as tiranias, o que quer fazer desaparecer, sob o ferrete da desqualificação absoluta - geralmente da "imoralidade" - tudo o que o contrarie".

 

Refira-se que, no mesmo post, diz ainda que "Esta divisão da sociedade portuguesa em dois campos irredutíveis resulta na monstruosidade de transformar todos, a começar por aqueles que têm o especial dever de não o ser, em estrategas políticos".

 

Pois é. Pior do que transformar todos em estrategas políticos - conheço uns quantos com essa mania que são, no mínimo, risíveis, não passando de meros estrategas da pulhítica, nas palavras do Professor Maltez -, é a muito modernaça mania de que todos são politólogos ou filósofos políticos. É assim que acabam por cometer asneiras e confundir conceitos com a maior das leviandades.

 

Cara Fernanda Câncio, o pensamento que define o mundo em função de certo e errado é o pensamento maniqueísta. Depois, na acepção clássica, tirania é a forma degenerada de monarquia, i.e., para Aristóteles, a monarquia era a sã forma de governo de um só indivíduo em prol do povo, sociedade ou bem comum, enquanto a tirania seria o governo de um só indivíduo atendendo apenas ao seu próprio interesse. Quanto ao totalitarismo, é definido por tantas variáveis e factores e pode ser tão diverso, que mais vale recomendar-lhe um dos clássicos de Hannah Arendt, As Origens do Totalitarismo.

 

Contudo, lembrar ainda o também clássico Caminho para a Servidão, de Hayek, e recordar que qualquer sociedade que se paute por uma terceira via entre comunismo e liberalismo caminhará lenta e inexoravelmente para a servidão. E já um tal de Jacob Leib Talmon também teorizou sobre a democracia totalitária. 

 

Isto tudo porquê? Porque tal como Fernanda Câncio se vê ao espelho, também ela vê Sócrates ao espelho, quando diz que : "É o pensamento de todas as tiranias, o que quer fazer desaparecer, sob o ferrete da desqualificação absoluta - geralmente da "imoralidade" - tudo o que o contrarie."  Touché.

 

A ignorância tem cura. Poupar-nos às suas desastrosas incursões por domínios que não domina sequer de forma básica era um bom começo. 

 

Entretanto, aqui fica o excelente comentário que Fernando Penim Redondo deixou ao post de Fernanda Câncio:

 

Em Setembro, ainda antes de se conhecerem os resultados das Legislativas, avisei (aqui) que o PS estava a abrir uma caixa de Pandora, e que pagaria um preço elevado pela publicação no DN do email clandestino contra Cavaco.

Para conseguir, in extremis, a vitória eleitoral acharam muito bem que se publicasse um email clandestino, que apenas continha a opinião do seu autor contra o Presidente, e que descrevia uma alegada tentativa algo canhestra de um assessor para plantar uma notícia no jornal Público.

Na altura o caso foi pretexto para uma campanha mediática que recorreu a todos os exageros e que arrastou o nome de Cavaco pela lama. Esses que então semearam ventos queixam-se agora das tempestades.

Agora acham mal que se publiquem conversas telefónicas, cuja escuta foi ordenada por um juiz, e que mostram uma autêntica conspiração para subverter, com suporte directo ou indirecto de dinheiros públicos, grupos inteiros de comunicação social.

Agora já invocam o direito ao bom nome, que antes não respeitaram, e o recato da privacidade, que antes subordinaram ao "interesse público".

É uma incoerência completa. É caso para dizer que têm o que merecem.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:28






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds