Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Tanatologia social (001)

por Fernando Melro dos Santos, em 01.07.17

Há dias, parei em Tomar, cidade adoptiva do ramo matrilinear da minha família, para visitar a campa onde jazem meus avós e seu filho, meu tio, a nós subtraído pela mão indemne de um Estado que já nesse tempo de Otelos Alegres pouco ou nada honrava quem por ele se batera. 

 

Quis o destino que nessa mesma noite, cansado da estrada e desejoso da paz caseira, me tivesse sentado a ver o episódio final de Sons of Anarchy, série que muito me cativou pelos temas, personagens e referências secantes em diâmetro completo à esfera da minha própria vida. 

 

Ali, a figura protagonista, Jackson Teller, vai à tumba dos seus antes de cavalgar o asfalto rumo à derradeira prestação de contas com a machina mundi. A sequência foi filmada aqui:

 

 

Note-se como há espaço para a comunhão possível com a Natureza, culpada de termos nascido, vivido e morrido. Semelhante coisa vira eu, numa das passagens sempre fugazes demais por Tokyo, a exemplo no cemitério de Aoyama (imagem sacada da Google):

 

 

Compare-se agora com a distribuição que o Estado português, espelho máximo do cidadão, concede ao utente sepulto - e na imagem posterior à próxima, ao utente insepulto que já está húmus sem sabê-lo:

 

 

Isto parece-vos a mesma coisa? A mim nem por isso. É de um povo, ou como os novos gurus dizem, de uma tribo sem amor próprio deixar-se enterrar, visitar e recordar nestes preparos. Mas dizia eu que nem é preciso esperar para morrer:

 

É com esta proximidade, o nacional-porreirismo de quem estaciona em segunda fila sentindo-se por defeito amnistiado uma vez que permite ao seu vizinho, caso este queira, estacionar em segunda fila já que o vizinho de ambos também o fez mas não sem ter-lhes dado, e à comunidade, a compensação justa ao facultar o contacto de um primo germano com alavancagem pessoal e institucional na companhia das águas, que o português se permite não ter para onde verter uma lágrima sem dar contas a dez patrícios forçosamente irmanados com ele; e é assim que morre, e inumado vai, na mesma resignação selvagem à diluição mais torpe do ego, da privacidade e da diferença.

 

Como haveria uma gente assim de singrar sem timoneiros, luminárias, pastores e xamãs? Quanto pesa uma granada? E que impacto focal teve a morte de cem pessoas, levadas ao sepulcro na carrinha do peixeiro, coisa também normal uma vez que falamos de índios a quem foi inculcada a passividade a golpes de cravo, na sibilina popularidade dos labregos que estão?

 

Não sabemos. Para sabermos, teríamos que poder ir a um cemitério e religar o presente à memória dos nossos velhos, coisa que pela portugalidade ancorada na proximidade - forçada, a bem comum, pelo pendor constitucional para uma sociedade socialista - a todos os que dela se nutrem, é impossível até ao dia em que haja mais lápides do que os remadores da galé consigam suportar. 

 

Depois saberemos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:01







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas