Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Tapar a piscina em São Bento

por John Wolf, em 05.10.16

3ba7daa554c41c739cac7d5179d4f4c4.jpg

 

Enquanto as auto-proclamadas elites podem passear e fazer-se ver na pomposa inauguração do Museu Arte Arquitectura e Tecnologia (MAAT), importantes questões de design e construção são debatidas. Quem paga o gradeamento dos jardins da residência oficial do primeiro-ministro em São Bento? A factura do MAAT já sabemos quem paga. Tapar piscinas é deveras importante - meter água não é algo que possa remotamente ser sugerido. Enquanto o país se ocupa de futilidades de casa e jardim, uma outra realidade mais atroz avança sorrateiramente sem dar tréguas. Durante os últimos anos o Banco Central Europeu (BCE) foi a tal vaca voadora. Foi mungida até à medula do tutano para ficcionar as recuperações económicas dos países em apuros da Zona Euro. Acontece que o impacto da compra de títulos de dívida de países como Portugal teve efeitos limitados. Garantiu a tesouraria, o fundo de maneio, para que não houvesse um descalabro das funções mínimas do Estado. A cada nova emissão com juros mais baixos abriam garrafas celebratórias. Os propagandistas partidários serviram-se dessa bitola para demonstrar sucessos de governação. Nada mais errado. O BCE apenas serviu para criar e prolongar a ilusão. Encontramo-nos agora numa fase perniciosa do jogo. Mesmo que não hajam sanções a Portugal, e o abrandamento ou cancelamento de fundos, esta modalidade representa uma forma diversa de tributação. Subir as taxas de juro encarece tudo de um modo transversal. Afecta pensões e reformas, afecta o sector de saúde, afecta a educação, afecta os investimentos, e em última instância, impacta o preço de gradeamentos seja qual for o jardim. O Governo e a Câmara Municipal de Lisboa, embora geminados por obra e graça de António Costa e Fernando Medina, podem passar as batatas quentes que quiserem de uma panelinha para outra porque não fará diferença alguma. Os quintais de uns são os quintais de outros. Portugal é um imenso jardim. Quando olho para o MAAT parece que um pé gigante esmagou o Guggenheim de Bilbau. A coisa é achatada e tem pouca utilidade no contexto da efectiva situação gravosa de tantos portugueses que podem lá pagar a conta da luz. É isto, mais coisa menos coisa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:32


3 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 05.10.2016 às 09:23

Para variar, este edifício agrada-me apesar da abusiva, escandalosa, péssima localização. 
Parabéns, John, tal como eu e todos os lisboetas, contribuiste para a construção do MAAT. Como? Através da tua conta da electricidade, não há almoços grátis da "iniciativa" privada. 
Melhor ficaria naquela estretíssima faixa a que alguns dão o nome de zona nobre da Expo, hoje muito adulterada pelos arquitetos sem C. Mas como é possível levarem cinco anos para concluir este projecto? Cinco anos?! Por aquilo? Por 20 milhões de Euros? Não admira, quem tenha visto o esqueleto de betão, concluirá acerca de uma despesa que para aém da pedra lioz e das cerâmicas, o resto terá, na melhor das hipóteses, merecido "full equipment" com pladures, leds, etc. 20 milhões indiciam escassa derrapagem orçamental. Bravo, conseguiram fazer ualquer coisa dentro dos parâmetros normais. Pela primeira vez em 42 anos!


Tenho a certeza que acima, muito mais acima em todos os aspectos, aquela outra obra que iniciarão ainda antes das próximas eleições, oferecerá números bem diferentes, tendo em conta:
- uma fachada de uns cem metros, mais coisa, menos coisa
- quatro andares que cobrem horizontalmente a dita fachada
- duas casas-forte para recolher o tesouro real e a prataria
- todos os equipamentos de vigilância, combate a incêndios, climatização, etc.
- as presumíveis pedras de forro e lataria envidraçada  que cobrirá a fachada, se é que o boneco que nos impingiram como coisa excelente, compreende o forro da fachada com pedra. Talvez fiquemos pelo betão caiado?


Fico por aqui. Quinze milhões de Euros? Repito, quinze milhões? Devem estar a sonhar, a coisa derrapará até atingir o quádruplo, pelo menos. Verão que neste caso, as contas de electricidade não servirão de recurso para a realização de mais uma daquelas bem conhecidas obra a obra, Lisboa...




Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.10.2016 às 10:09


Só o valor de 15 milhões de euros ilustra que esta é uma obra que nunca sairá do papel, porque é um valor baixíssimo para o trabalho em causa. Para efeitos de propaganda serve, porque 15 milhões não escandalizam, mas se falarmos do que seria preciso para dar ao Palácio da Ajuda a dignidade que merece, então simplesmente não há dinheiro. 


Lembra-se do projecto do arquitecto Gonçalo Byrne? Que eu saiba, nunca foi feito um estudo mais completo do que este, e no entanto nunca avançou. Porquê? Porque implicava um intervenção profunda na área, não era só para terminar a fachada poente. Ficava uma coisa como deve ser, só que em termos de custos deveria ficar mais próximo dos 150 milhões do que dos 15 milhões de euros. De qualquer modo podia ir-se fazendo por fases, ao longo dos anos, para diluir o esforço financeiro. Mas não, é preciso dizer que fica "pronto" em 2018 para levar o povo trouxa a votar no tripeiro transplantado pela máquina xuxa para Lisboa. Temos o que merecemos.


http://mestrado-reabilitacao.fa.utl.pt/disciplinas/ppereira/ajuda2.pdf
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.10.2016 às 18:14

He pá! Viva o Benfica carago!

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas