Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Última hora! Hillary já é presidente!

por John Wolf, em 07.11.16

ReadyForHRC.jpg

 

Querem saber o resultado das eleições presidenciais? A resposta certa é: follow the money. Embora os mercados sejam apreciadores de estabilidade, anseiam por volatilidade. Mas essa dictomia, como tantas outras, encerra em si contradições. Os especuladores vivem à custa das rupturas sistémicas, mas a espinha dorsal de uma economia depende de previsibilidade, de racionalidade. Os ciclos tecnológicos não acompanham os mandatos políticos, ou o seu inverso. Nem Donald Trump é o revolucionário que afirma ser, nem Hillary Clinton será a simples continuadora como muitos a pintam. O problema que enfrentamos prende-se com o seguinte - a virtude já não se encontra no meio. As nossas sociedades vivem, mais uma vez, a era de extremos. E os mecanismos de controlo institucional do sistema político americano funcionam para evitar descalabros radicais. A investigação e o encerramento do processo de e-mails de Clinton funciona como um lembrete, uma mnemónica. Cada movimento de um detentor de um cargo público é escrutinado. Mesmo que Trump lá chegasse estaria condicionado pelo Congresso, a Câmara dos Representantes, o Senado e um vasto corpo de instituições dedicado à prerrogativa do checks and balances. Aliás, essa realidade decorre de um simples facto processual. A Constituição dos Estados Unidos da América (EUA) não dá azo a grande elaborações e subterfúgios - é curta e grossa, simples no seu enunciado. Na Europa a tradição constitucional é diversa, quase antagónica. Tantas vezes países da orla democrática se vêm perdidos no marasmo da complexidade constitucional. Veja-se o caso de Portugal. Aquele armazém legal permite acomodar tantos direitos consagrados, mas tal facto não implica que o país tenha processos democráticos mais transparentes ou seja mais consensual nas decisões que os seus governantes tomam. O dinheiro, por sua vez, não está sujeito a constrangimentos normativos de ordem política. Os meios financeiros elegem e derrotam candidatos numa base diária. Os mercados determinam a viabilidade ou não de projectos ou devaneios. Nessa medida, e servindo-nos de meros indicadores monetários que reflectem estabilidade ou volatilidade, podemos desde já declarar o vencedor da noite eleitoral de amanhã. Hillary Clinton, sem grande sobressalto, será a próxima presidente dos EUA. Não corro grandes riscos ao produzir esta ousadia de afirmação. Os mercados já colocaram na ranhura Trump. E quem somos nós para discutir com eles? Elas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:14


8 comentários

Imagem de perfil

De Fernando Melro dos Santos a 07.11.2016 às 11:06

Fuck that, John. We both know Comey, who had the FBI parsing through 30k emails for an entire year, could not possibly have had 650k of them pored over in nine days. Trump will win as surely as I am sitting here. 
Imagem de perfil

De John Wolf a 07.11.2016 às 12:02

De acordo com os mercados, mas tudo é possível, Fernando.
Imagem de perfil

De Fernando Melro dos Santos a 07.11.2016 às 12:48

Depende da fonte cuja leitura dos mercados apanhas.  Eu apanho outra. 


http://www.zerohedge.com/news/2016-11-04/market-indicator-gives-trump-86-chance-winning-election


Não é a mesma que os Tadeus e Baldaias apanham, nem certamente a mesma que o Economocio, Negociatas e Espesso usam. 


Mas é a correcta.
Sem imagem de perfil

De Rick a 08.11.2016 às 10:45

Eu dúvido muito que Trump seja a solução mas Hillary certamente que representa o "stablishment"(ainda ontem naquela charada a que chamam "prós e contras" vimos quatro apologistas da Hillary/sistema e pelo menos um deles(ela) teve o desplante de dizer abertamente que o grande capital apoia a sra Clinton)o qual representa isto aqui http://www.omnia-veritas.com/lemprise-du-mondialisme---crise-majeure
Sem imagem de perfil

De Rick a 08.11.2016 às 11:38

http://thehill.com/blogs/ballot-box/presidential-races/276339-sanders-courts-black-voters-at-sharpton-backed-event -- from last april(neste link Sanders disse que Hillary é parte do establishement/sistema). I do not believe in any candidate by the way,but the democrat side is awashed in hipocrisy.
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 08.11.2016 às 12:27

Quando o resultado de eleições não é do agrado, tende-se a desvalorizar as mesmas.
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 09.11.2016 às 10:21

Aqui está o resultado http://ionline.sapo.pt/533509 Trump ganhou e muitos vão ter de engolir o sapo(e este é bastante grande).
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 09.11.2016 às 14:10

O meu comentário é anterior aos resultados.
Apenas achei o texto assim meio despeitado com a previsível (na altura) vitória de Hillary.
Do ponto de vista interno americano, acho que foi um retrocesso e a comunidade negra, as minorias étnicas, religiosas e outras devem ir passar um mau bocado; internacionalmente não haverá grandes alterações.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas