Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Porque ninguém faz nada contra o terrorismo

por João Almeida Amaral, em 24.05.17

 

Manchester.jpg

 

A verdade nua e crua é esta ; não interessa fazer nada contra o terrorismo. E não interessa porque os políticos vivem de votos  e tomar uma posição contra o terrorismo, poderia ser considerado , fascista, nacionalista , xenófobo, ou ainda mais perigoso, anti refugiados e isso faria perder votos. 

Na verdade o não fazer nada é igual ao nada fazer. Não gera responsabilidades e podem sempre assobiar para o lado. 

Vai-se ainda mais longe, como é o caso da autarquia de Lisboa, onde o dinheiro do contribuinte é usado para fazer uma mesquita no centro da cidade. 

O problema não pode ser branqueado , os autores destes crimes são todos islamitas. Podem ter nascido em Paris ou Bradford mas não são europeus, nem entendem o que significa viver num estado de direito. 

Por mim julgo que chegou a hora de começar a identificar e expulsar deste espaço de liberdade que é a Europa, quem o não entende como tal.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:41

OPERA JS

por João Almeida Amaral, em 17.05.17

LGBT.jpg

O mundo dos media agita-se com noticias sobre Donald e cá no nosso quintal a lengalenga é igualinha.

Num escritório na capital,  à porta fechada,  António esta reunido no maior secretismo,  com Catarina, para prepararem a grande ofensiva de ocupação pacifica da Europa, através da operação dos jaquins (OPERA JS)

A ideia foi repensada inúmeras vezes pelas cabeças mais criativas do Largo.

- Se apoiarmos a  LGBTs, podemos convencer inúmeras turistas, dizia convincente Catarina, elas viram cá massivamente, bebem uns copos, fazem crescer a receita sem termos de fazer nada, nem mesmo aumentar a despesa. Além disso, o IEFP pode dar formação aos homens para eles fazem o serviço às gajas e ainda podemos oferecer camisas de venus furadas , subsidiadas e sem ninguém perceber.

Quando elas, como casais gays virem que estão prenhas ligam ao gajo que lhes fez o serviço e ele recomenda o nome da criança ; se homem Quim , se for mulher Zezinha. 

- Então Tó o que achas? Topas ?

Pensativo , mas contente por não ter que ler nada sobre esta operação António diz-lhe;

- Ok camarada Catarina , liga ao yes men do Porto e diz-lhe para hastear a bandeira das corzinhas na Câmara Municipal de Lisboa, porque em S.Bento ainda me acusavam de defender essa malta. Assim quem arca com as responsabilidades é o gajo. 

Esboçou um sorriso e retirou-se a pensar que dentro de 10 anos a Europa em vez de ser coberta de Mustafas será forrada de Jaquins. Com tempo ainda proponho ao Presidente uma medalha colorida para cada gajo que cumpra o serviço. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:30

A Fé

por João Almeida Amaral, em 11.05.17

Maria.jpg

 

Bento XVI definiu a Fé como um Dom da Liberdade.

É uma das definições mais belas que li sobre a Fé. Bela pelo seu conteúdo, pela sua simplicidade , bela porque descomplica  uma questão complexa. O seu autor marcou-me pela inteligência, pela cultura , pela timidez e pela sua dimensão intelectual de gigante. 

Neste mês de Maio celebra-se Maria e ano após ano, eu pecador confesso, inundo os meus olhos,  com as manifestações de fé que os peregrinos anónimos, vão revelando. Só quem lá tenha ido compreende o sentido de Fé que move aquelas almas.

Por a Fé ser um Dom da Liberdade, ninguém obriga ninguém a acreditar, mas também ninguém tem o direito de criticar a Fé  de quem a tem.

Tristes os que não tendo Fé tentam cercear diminuir e ridicularizar os que a têm. 

 

Gostaria um dia de ser tocado por essa Fé.

Vergo-me perante  Maria na esperança de um dia poder sentir o seu coração de Mãe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:44

A Geringonça à Francesa ou o novo Complexo de Édipo

por João Almeida Amaral, em 04.05.17

220px-Bundesarchiv_Bild_146-1978-053-30,_Paris,_vo

 

Numa França encardida com nódoas indeléveis de colaboracionismo discute-se a Chefia do Estado.

Marine, na minha opinião, já ganhou. E já ganhou porque vai a votos numa 2ª volta com os votos exclusivos dos seus apoiantes/eleitores.

Macron representará uma manta de retalhos de votos que vai dos Gaulistas aos comunistas. 

Atrevo-me a fazer uma analogia com as eleições legislativas portuguesas, em que o partido mais votado não governa porque uma geringonça composta por socialistas e partidos não democráticos como o PC ou a extrema-esquerda se junta para impedir que o mais votado cumpra o seu mandato.

Por mim, seja qual for o resultado, Marine Le Pen já ganhou, independentemente de não poder exercer o seu mandato mas representar o maior grupo de votantes. 

Como no pós-guerra, os analistas, jornalistas e politólogos irão reverberar sobre as vantagens do miúdo que se apaixonou pela mãe. 

Pode ser que percebam desta vez o complexo de Édipo à francesa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:17

O homem

por João Almeida Amaral, em 19.04.17

Marcelo.jpg

 

O homem é simpático.

Inequivocamente simpático.

Mas essa é apenas uma das qualidades expectáveis num PR.

O homem é hiperactivo.

Essa é uma das qualidades que não é expectável num PR.

O homem tem uma necessidade de protagonismo enorme.

Dir-se-a carências. 

O homem é culto.

É natural leu muito e até comentou na TV muita literatura (lida ou não)

O homem não tem primeira-dama .

Mas tem primeiro ministro.

O homem gosta de aviões e viajar.

Mas não perde um acidente.

O homem é o que quiserem .

Mas não é o mais indicado para o papel que tenta despenhar. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:40

Finalistas e Kim Jung Woon

por João Almeida Amaral, em 12.04.17

 

 

 

 

 

757642.jpgflat,800x800,075,f.u2.jpg

  

Há uma analogia que julgo evidente ; Os debeloides finalistas não se sabe bem de quê,que  provocam a lei e a ordem sob a protecção de alguns que se acobardam, o mesmo faz o debeloide norte coreano. A grande diferença é que neste caso os EUA  estão dispostos a pó-lo no seu lugar (eventualmente num hospital psiquiátrico) quanto aos nossos debeloides continuaram sob a protecção de gente fraca. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:59

Ando Exaurido

por João Almeida Amaral, em 11.04.17

inebriado.png

 Ando exaurido.

Desde há quase ano e meio que a vontade de opinar ou mesmo desabafar, se tem entornado na mesa desta grande farra em que vivemos.

Nesta botelha em que nos inebriamos desde que tomou posse a geringonça a que simpaticamente chamamos Governo da Républica Portuguesa. 

Fui chamado a atenção por andar desaparecido , mas a verdade é que este banquete em que vamos vivendo , me trouxe algum enfartamento ou azia. 

Passo a explicar; como diz o nosso Dr. Jerónimo , o Passos e o Cavaco que foram os únicos que desde a abrilada fizeram alguma coisa, são crucificados com regularidade, enquanto "o idiota das medalhas de Belém" o " cretino e o encaracoladinho" são postos em altares pelo jornalismo honesto cá do burgo. 

Não há duvida isto esta tudo de pernas para o ar e agora são as bóias que cagam nas gaivotas . 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:19

US of A

por João Almeida Amaral, em 07.11.16

America.png

Alguém consegue elencar as virtudes de tão aclamada dama ?

Já vislumbro o Marcelo na tomada de posse,  com o seu ajudante Goês (os dois com as camisinhas brancas)

Saudações de um pobre Europeu ainda por cima Português.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:53

Taxis e Chau Ming

por João Almeida Amaral, em 11.10.16

taxi.jpg

 

 

Os motoristas de viaturas de transporte, sejam taxistas, motoristas de praça ou "Uberistas", são no essencial a mesma coisa, são os herdeiros do cocheiro, com uma pequena diferença: dispõem de mais cavalos.

Para quem é muito jovem, o Chaufeur de Táxi foi peça importante no desenvolvimento da sociedade urbana motorizada. Nas minhas memórias encontro vários Mercedes matateu, com  varinas e peixe na bagageira, ardinas que recolhiam  os seus jornais  e  madames a defenderem-se dos maus odores, com um lençinho embebido em água de colónia.

Durante as greves da CP e da TAP faziam corridas ao Porto e a Madrid. Alguns eram figuras típicas da cidade. Lembro-me em particular de um que trazia a mãe, já com mais de oitenta anos, sentada no lugar por trás do seu. 

Os apaixonados e os enganados entravam no carro e exclamavam  "dê umas voltas sem destino".

Com o correr do tempo, começaram a perder a vergonha dos longos silêncios para fazerem uma prelecção sobre política, segredos ou loucuras.

A verdade é que foram importantes e até na época do 25/4 eram uma das maiores barreiras ao barreirinhas Cunhal.

Entrevistar Cocheiros do século XXI e aproveitar a sua inexperiência para gerar um facto é tudo aquilo que um aprendiz de reportagem não devia fazer. Dá náuseas.

Como não dava votos, ou tiveram medo, os políticos andaram arredados do Relógio. 

O primeiro ministro, satisfeito com o desviar de atenções da geringonça, empanturrava-se com uma chinesada e lá ia vendendo o que resta do país às fatias.

Por cá, este povo enjeitado, deixava-se enganar pelas televisões. 

Ai a minha terra linda. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:14

A loucura dos impostos especiais

por João Almeida Amaral, em 05.10.16

Bolas berlim.jpg

 

As medidas avulsas para sacar a guita aos portugueses sucedem-se. 

O açúcar faz mal a saúde, por esse motivo pode levar com um imposto novo de cerca de 20%. Claro que a doçaria tradicional nem conta e pode toda ser posta em risco com um aumento desta ordem.

A comida tipo "Junk" faz mal, logo um imposto igual ao do açúcar assenta-lhe quem nem uma luva. 

Bom, falta o vinho, que  tem vindo a ganhar novos mercados e a aumentar a exportação. A solução é um novo imposto sobre o vinho, assim pode ser que o negócio acabe. 

A minha esperança é que comecem a tributar também a estupidez. 

As bolas de Berlim já comecaram a tributar, mas a estupidez é cada dia maior.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:58

Irra que é Pombo

por João Almeida Amaral, em 25.09.16

 

Pombo.jpeg

 

Não consigo deixar de me pronunciar sobre o meu zapping nocturno.

 A Teresa Guilherme com um peitinho de plástico, que mais parece um rabo, vai explorando um desgraçado na casa dos segredos. A Áurea e companhia, na 1, mostra-nos um país em que um canal público arranja sempre um tachinho para as Catarinas cá da terra. Falta lá a Martins para rimar.  Na 2, um concerto, que deve ter uma audiência abaixo da linha de água, e a 3 com uma novela tão má, tão má, que ninguém vê.

Na dúvida varri os de informação "mais séria". Na Sic Notícias o Jesus fala da sua qualidade pessoal e, segundo o próprio, as pessoas " ajuízam como querem". A RTP3 fala mais do mesmo Jesus, a TVI24 com o Mário Vargas Llosa faz a diferença, porque ao passar para a CMTV  regressamos a Jesus.  

Por estas e por outras fui a Mação passar o fim de semana e conhecer a terra de Carlos Alexandre. Num café as conversas são sobre o ex-primeiro-ministro José Socrates. No meio de algum entusiasmo alguém exclama "o Sócrates é um caso de polícia, só que ainda não entendeu". Um idoso vira-se, olha para o grupo e diz " Irra que é Pombo" 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:21

De mal a pior

por João Almeida Amaral, em 15.09.16

crise_quebra_confianca-300x300.jpg

 O ano está no fim e o balanço é francamente mau. 

Governa um Governo que não nasce de umas eleições, mas de um acordo parlamentar entre socialistas e partidos que por um princípio de equidade, nem deviam ter representação parlamentar (estão proibidos constitucionalmente os partidos de extrema direita ou fascistas, logo comunistas e extrema esquerda deviam levar pela mesma medida).

Este governo atira-se aos impostos como fonte de financiamento do estado (o que, modestamente, não me parece o caminho) e obviamente vai afastando presumíveis investidores externos. 

O PR eleito por uma vasta maioria, revela uma necessidade premente de estar em todo o lado, tornando-se num hiperactivo Primeiro-ministro, um super Presidente da República sempre bem com Deus e com o diabo (afinal, foi sempre esse o seu percurso). 

A área de fogo ardida foi este ano várias vezes superior ao "normal". 

O super juiz é pressionado por forças "ocultas" para deixar Sócrates viver em paz dos seus rendimentos.

Para finalizar, o casal homossexual mais mediático e cheio de filhos adoptados iniciou um processo de divórcio. 

Não sei que mais poderá acontecer, mas até ao fim do ano ainda alguma água vai passar por baixo da velha ponte sobre o Tejo.

Estava a esquecer-me do Presidente não eleito da capital, que tem demonstrado ser um verdadeiro tripeiro e adepto de bicicletas.

Como é de moda dizer, " fiquem bem". 

 

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:19

Será apenas estúpido ou gosta de bicicletas ?

por João Almeida Amaral, em 03.05.16

CML.jpg

 

Será apenas estúpido ou é apenas um amante do ciclismo.

Acabar com o estacionamento numa das faixas da Av. da República e eliminar o transito automóvel em duas faixas de rodagem do eixo central da cidade de Lisboa é no mínimo surpreendente , será que o presidente não eleito de Lisboa se julga em Amsterdão?

Quantas vezes ira ele levar os filhos a escola de bicicleta? 

Tenham dó , está na altura de correr com este imbecil. 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:32

O Rei do Kebab

por João Almeida Amaral, em 29.04.16

Mustafa.jpg

O grande Mustafa , Rei do Kebab da D. Luís I em Lisboa, deu uma lição a um grupo de marginais africanos, que queriam destruir a sua loja. Como Rei do Kebab o curdo deu-lhes uma tareia que tão cedo não esquecem. Eis como um curdo sozinho repele um punhado de marginais africanos ou pretos como lhes queiram chamar. ( a imprensa classifica-os de jovens)

Por mim e pelo direito de não sermos ameaçados por quem vive de subsídios e golpes, já lá fui cumprimentar Mustafa o trabalhador curdo, que não se deixou intimidar. 

Vale a pena ir ao Rei do Kebab na D.Luís I

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:54

Paraisos fiscais e Infernos Democraticos

por João Almeida Amaral, em 07.04.16

 

Paraiso.jpg

 

Decididamente, não me revejo nesta horda de comentadores, pagos a hora , nos vários canais de televisão, que mais parecem salsicharias , através dos  conteúdos tipo enchidos, com que nos presenteiam diariamente e isso sim  reflecte os tempos que vivemos, cingindo-se como se de um coro se tratasse,  a tratar  mal e porcamente (como é uso dizer) a informação (estão a pedir uma visita da ASAE).

Já não se trata de ser direita ou esquerda, mas sim de se ser honesto , de ser coerente.

Fala-se do Panamá Papers, como se a informação fosse suficiente, para todos os idiotas se transformarem em especialistas de paraísos fiscais.Subitamente, não há idiota que não se afirme especialista no tema. 

Nunca percebi bem como funcionam, os paraísos , porque nunca fui Santo, mas sei, que certamente alguns clãs dominantes da nossa vida pública, poderiam dar aulas sobre o tema. Não o fazem, optando no entanto por fazer ameaças bacocas, a quem se-lhes opõem. A verdadeira tirania do poder do dinheiro , o oposto ao paraíso, o Inferno.

Inferno é verdade , também não sei muito do tema inferno, sei que quando vejo a falta de respeito nos modos , nos procedimentos e na incoerência dos chamados Bloco-galambistas ,revejo um mundo em que não me enquadro e em que não me revejo, provavelmente, um inferno dentro da democracia, em que movimentos como o Podemos Espanhol e seus associados Internacionais, são financiados por ditadores loucos como o Venezuelano Chaves. Infernos tão democratas que não aceitam opiniões divergentes, que não respeitam a casa da Democracia, que não recebem um chefe de Estado Espanhol porque não gostam das monarquias. Isto para não falar do jogo do trafico de influências, que através do poder, exercem sem pudor, colocando quem lhes interessa no posto certo, para poderem manter uma contabilidade do deve e haver do poder. A Europa das democracias criou um grupo de pequenos demónios que gostam tanto de dinheiro que inventaram um paraíso fiscal, em vários pontos do mundo.

Seram crimes menores estes do inferno da democracia comparados com os dos paraísos fiscais? O socialismo do amigo de Sócrates, o socialismo de Chaves  é que foi coerente , igualou todos na Venezuela , agora 87% da população está na miséria, Bravo. 

Como algum entendido dizia hoje ; " ...se há paraísos fiscais é porque há infernos fiscais." afinal parece que há muitos tipos de inferno ou como diria Sartre " o nosso inferno são os outros"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:03

Prof. Cavaco Silva

por João Almeida Amaral, em 08.03.16

Quadro.jpg

 

É extraordinário, que o primeiro Presidente da República pós 25/4 , que não tem raízes nem ramificações com as elites políticas, financeiras ou maçónicas, seja crucificado e ridicularizado pelos que se afirmam representantes das classes trabalhadoras, socialistas, comunistas e extrema esquerda. 

Filho de um humilde empregado de uma bomba de gasolina , (mais tarde pequeno empresário) não fugiu ao cumprimento do serviço militar obrigatório,nem fugiu para Argel como outros,  tirou uma especialização no Reino Unido e chega a Portugal depois do 25/4.Foi fazer a rodagem ao Citroen e ganhou.

Socialmente nada tinha a ver com Sá Carneiro ou Pinto Balsemão, para eles seria sempre um pé descalço.

O pai não era padre, nem a mãe Inglesa. 

Este filho do povo Algarvio é eleito primeiro ministro,com duas maiorias absolutas e Presidente duas vezes a primeira volta.

Mas afinal o que quer esta gente ?

Haja paciência.  

Os cães ladram a caravana passa. 

Cumprimentos Senhor Professor e obrigado. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:39

Geração Galamba

por João Almeida Amaral, em 23.02.16

A Verdade.jpg

 Não tenho dúvidas , nasceu uma nova expressão, " geração galamba". 

Do alto da tribuna com a verdade que os lugares e a arrogância lhes atribuem , a geração galamba, impõem a sua verdade , a verdade que emana da autoridade do poder da arrogância, da sua falta de humildade e até de vivências. 

São membros de uma geração que rejeita a eleição de um D. Trump, por que não faria sentido (apesar de o dito poder ser eleito em eleições livres), a sua vida urbana atribui-lhes a sabedoria , que um qualquer labrego do campo,  não pode almejar compreender. Jogam com subtileza com as palavras, de forma a que a sua verdade seja a única, pois também não admitem opiniões diferentes.

Para além de maçadores são um cansaço.

Vislumbro num futuro próximo, um insulto que possa ser : o homem " deixe-se de galambices"

Não merecem mais texto.   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:29

108 Anos

por João Almeida Amaral, em 01.02.16

Luto.jpg

 

 

 

 

Faz hoje 108 anos que através de um duplo homicídio as forças republicanas impuseram o seu caminho a todo um povo. 

Celebra-se a implantação da República com um feriado Nacional, mas esse golpe de Estado, tem por base um Regicídio. Provavelmente à luz dos republicanos seria legítimo matar o Presidente da República, hoje, para reimplantar a Monarquia. 

Entendo que este tema, não fosse discutido durante o Estado Novo, entendo também que para os revolucionários de esquerda, este tema não fosse discutível, mas chegou a altura, da sociedade civil ,discutir com honestidade ,este golpe de Estado nunca referendado.  

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:26

A desprezível República

por João Almeida Amaral, em 24.01.16

 

 

As eleições mostram que as pessoas estão fartas desta marmelada, estão fartos desta desprezível república. 

Os candidatos são muito fracos e as pessoas já não se revêem nesta república comandada nos bastidores por forças ocultas. 

Vão hoje a noite dizer, que Marcelo foi ao "colinho" mas ainda têm a hipótese de se associarem e escolherem uma presidência "Cérbero" o cão de várias cabeças da mitologia grega. 

Basta desta forma de gastar dinheiro.

Esta na altura de se fazer uma alteração constitucional e mudar de regime, para uma monarquia constitucional. 

Vamos ter o Rei da intriga como presidente da República.

Tudo isto é um nojo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:50

A República está caduca

por João Almeida Amaral, em 20.01.16

 

dilema.jpg

 

A 4 dias das eleições presidenciais, estou perante um dilema que me deixa preocupado. Sou adepto de um sistema de Monarquia Constitucional , porque julgo ,mais moderno, mais justo e economicamente mais sustentável que a velha República, no entanto, nunca deixei de exercer o meu dever cívico, de exprimir a minha opinião nas urnas.

Desta vez , mais do que nunca, as eleições para a Presidência da República ,apresentam um rol de candidatos paupérrimos. Não sei os nomes de todos, mas os que são mais mediatizados, são por si, assustadores para mim.  

Começo pelo homem do óculos , não sei o nome , parece Groucho Marx, diz umas coisas vagas . Que me perdoe mas é uma perca de tempo . O Morais, tem um mérito é o Sr. Corrupção , não há dúvida que se faz ouvir mas sempre no mesmo tema, uma obsessão talvez. O "Tino" traz-me o Douro à memória , simpático, um homem do campo Duriense, mas que só por esse facto não não preenche os requisitos para ser Presidente da República. Estava a esquecer-me da Marisa e do Padre que já o não é , mas esses nem comento. 

O Nóvoa é um sectário , não se assume como esquerdista e para cumulo há duvidas sobre a sua formação académica, não tem ideias e julga que é candidato a 1º ministro. Maria de Belém , não será má pessoa , mas sofre do problema típico do partido onde milita, divisionista. Para fim de campanha o tema das subvenções mancha-lhe o caminho.

Marcelo, bom o Marcelo eu nunca escondi, que não gosto do estilo, mas parece-me apesar de tudo, que é o homem mais preparado, para a função . O candidato mais credível para mim é Neto mas a idade é um problema.

Em consciência dia 24 estou perante um dilema.

A República está caduca.

Nenhum destes candidatos tem perfil para a função.

PS.

A morte de Almeida Santos confirma o estado da República,as elites ,aperaltaram-se para ir a Basílica da Estrela.

Não entendo,  se o defunto era ateu e não queria cerimónia religiosa, porque havia  o corpo de ir para uma Igreja.

Vícios de uma República caduca .

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:40






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds