Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Juventude

por Samuel de Paiva Pires, em 20.11.07
O Observador alerta no post "A Ordem e a Advocacia":

"Numa altura em que o país (e o mundo ocidental) se preocupa com o envelhecimento da população, dei-me conta que os advogados se afligem com o excesso de novos advogados. O excesso de juventude."

Parece-me que não é só na advocacia. Todo o aparelho estatal português padece do mesmo mal. Salvo raras excepções, em Portugal os jovens não são aproveitados e são, na maioria das vezes, menosprezados. É gritante essa característica sobretudo se comparada com o Brasil, especialmente aqui em Brasília que é conhecida como a cidade dos concursos.

Praticamente todos os dias, ou pelo menos todas as semanas, existem concursos para centenas de empregos no Estado, extremamente bem remunerados. Muitos dos meus colegas na Universidade fazem estágios remunerados ou já têm emprego. E quanto aos que já têm emprego é difícil encontrar algum que receba menos de 4 ou 5 mil reais (1600 a 2000 Euros), valores atingidos em Portugal apenas por profissionais no topo e geralmente em fim de carreira. Estes colegas têm 20, 21, 22, 23, 24, 25 anos de idade. Trabalham no Banco do Brasil, na Caixa Económica, na Embraer, no Congresso, na Petrobras, no Itamaraty e muitas outras empresas e organismos estatais. Um jovem diplomata que acaba de entrar no Itamaraty, ainda cursando no Instituto Rio Branco, recebe tanto quanto um embaixador português quando está em Lisboa. Nós continuamos com uma administração e função pública decrépita, pouco actualizada em termos de novas tecnologias, e que raramente abre concursos.

Para quem não saiba existem acordos que permitem a portugueses fazer concurso para a função pública brasileira...

publicado às 13:18







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas